Destaque

Próximo presidente pode se eleger correndo risco de impeachment

O próximo presidente da República, que será eleito em outubro, poderá assumir o mandato sob a ameaça de impeachment. O motivo é a dificuldade do governo atual em encontrar um mecanismo que evite o descumprimento da regra de ouro, norma que impede a emissão de dívidas para pagamento de despesas correntes, como salários de servidores e aposentadorias. Por conta dos deficits nas contas públicas, que ocorrem desde 2014 e devem continuar até, pelo menos, 2022, o descumprimento é visto como inevitável em 2019, o que implicará crime de responsabilidade fiscal, caso nada seja feito. Para evitar o pior, a equipe econômica estuda “alternativas jurídicas”, sendo necessária, possivelmente, uma mudança na Constituição...

Entrevista conduzida pela jornalista Julia Michaels

A primeira Conversa Pública de 2018 trouxe para centro do debate o Grupo Globo e os impactos econômicos, sociais e culturais que o conglomerado tem no Brasil. A entrevista...

Artigo: “Rebelião contra as redes sociais”

Sean Parker sempre foi uma pessoa polêmica. Não por acaso foi o criador do Napster, a plataforma de downloads que deu uma rasteira na indústria fonográfica nos anos...

A ditadura neoliberal e os caminhos para vencê-la

Com o artigo “O PSDB virou um partido golpista?”, publicado nesta Carta Maior, em dezembro de 2014, começou-se a se constituir um campo de previsão sobre a crise da...

Leia Também:

[20/02/2018] - Porto Seguro: Festival de música atrai turistas a Trancoso
[20/02/2018] - Ilhéus: Novos serviços e mais uma Uti no Hospital Costa do Cacau
[20/02/2018] - O Brasil tem a 2ª gasolina mais cara do mundo

Imposto de Renda: Doações garantem abatimento maior

A Receita Federal promete, para os próximos dias, a divulgação do programa da declaração do Imposto sobre a Renda da Pessoa Física (IRPF) 2018. “A gente sempre tem...

Leia Também:

[20/02/2018] - Oeste da Bahia se prepara para safra que não acontecia há anos
[20/02/2018] - Bahia: Maioria dos municípios não tem órgãos de controle interno
[20/02/2018] - ONG envolta em polêmicas já recebeu R$ 2 bi do governo

Barbárie do Rio dá meia-sola no governo Temer

A barbárie do Rio de Janeiro revelou-se muito oportuna para Michel Temer. Potencializada pelo Carnaval, a barbárie estimulou o presidente. Ele andava meio desanimado...

Leia Também:

[20/02/2018] - Malhada de Pedras: Justiça condena ex-prefeito
[20/02/2018] - Salvador: Banda Pholhas relembra clássicos em nova turnê
[20/02/2018] - A intervenção no Rio e o avanço do fascismo no Brasil

BNDES: Salário de diretores supera R$ 100 mil/mês

Entre os cinco bancos estatais federais, o BNDES é a instituição que paga a maior remuneração aos seus diretores. Dados obtidos pela Folha por meio da Lei de Acesso...

Leia Também:

[20/02/2018] - Ibirapitanga: Núcleo Papuã exercita harmonia com o meio ambiente
[20/02/2018] - PT libera governadores para fecharem alianças visando eleições
[20/02/2018] - Família nordestina guardou séculos de romances medievais

Quem perde e quem ganha com a intervenção no Rio?

A situação de insegurança pública no Rio de Janeiro já esteve muito pior, inclusive nos carnavais passados, quando turistas foram assassinados de maneira cruel e os...

Leia Também:

[20/02/2018] - Lauro: Lançada campanha de vacinação contra febre amarela
[20/02/2018] - Estudo relaciona ansiedade ao Mal de Alzheimer
[20/02/2018] - As milícias surgiram como consequência da omissão do Estado

Que acontece se a Reforma da Previdência não passar?

Derrota do governo não chega a ter impacto negativo importante nos mercados, que há algum tempo já 'precificam' esse desfecho, mas deve dificultar cumprimento....

Leia Também:

[20/02/2018] - Camaçari: estudo analisará competitividade da cadeia petroquímica
[20/02/2018] - Neymar e Globo tiveram contrato de exclusividade na Copa
[20/02/2018] - TCU, burocracia e eleições empurram leilões para 2019