15/08/2017

Artigo: “Charlottesville reflete os EUA deTrump”

Por: Jefferson Chase

 

Eu fiz meu doutorado na Universidade de Virgínia (UVA), e costumava ficar lendo livros, sentado lá onde, na sexta-feira (11/08), cidadãos portando tochas realizaram uma passeata no estilo do Ku Klux Klan, cheia de slogans racistas e nazistas.

Essas cenas se desenrolaram no pátio central do campus, que o pessoal da UVA, com simpática modéstia sulista, chama simplesmente de "The Lawn" (O gramado). O prédio atrás é a Rotunda, projetada por Thomas Jefferson, fundador da universidade, principal autor da Declaração da Independência e terceiro presidente dos Estados Unidos.

"Mister Jefferson", como a gente de Charlottesville ainda se refere ao também patrono da cidade, era uma figura complexa. Como proprietário de escravos, ele achava que a escravidão era um mal moral temporariamente necessário. Mesmo assim, ainda escreveu essas palavras: "Todos os seres humanos são criados iguais".

Por isso, me revirou especialmente o estômago ver a universidade e as ideias de Jefferson serem verbalmente defecadas por gente sem nenhuma complexidade moral nem intelectual, fanáticos cuja única válvula de escape para uma agressão que eles sequer entendem é o ódio por quem parece ser diferente. Não devo ser o único a estar lembrando o 11 de Setembro.

"Nós na América não temos governo pela maioria", escreveu Jefferson certa vez, "nós temos governo pela maioria que participa". Só que, no momento, os EUA não têm isso. Os eventos deste fim de semana em Charlottesville são outro exemplo do desejo da ala direitista de se sobrepor à vontade da maioria.

O que motivou gente de fora de Charlottesville a se dirigir a uma cidade universitária para "defender a democracia" portando bandeiras nazistas e, pelo menos num dos casos, investir de carro contra uma multidão de manifestantes contrários, matando uma mulher?

Resposta: a decisão do governo democraticamente eleito da cidade, apoiada pela grande maioria dos residentes, de remover a estátua do general confederado e pró-escravagista Robert E. Lee. A verdadeira mensagem do movimento Unite the Right (Unir a direita), apesar de todos os berros, não é "Vocês não vão tomar o nosso lugar", mas sim "Queremos tomar o lugar da maioria".

Como os EUA caíram tão fundo? Não é preciso PhD da UVA nem de qualquer outro lugar para responder a essa pergunta: ao longo de sete meses, Donald Trump, um presidente eleito contra a vontade da maioria que participou, tem dado o modelo para uma nova América, mais burra e mais intolerante, em descargas regulares de 140 caracteres de disparates venenosos. "The Donald" vem mostrando aos cretinos como é que se faz, em ritmo diário.

Aliás, não é surpresa o presidente – de resto tão veloz com ameaças de "pronto e carregado" e "fogo e fúria" – ter sido tão débil, molenga até, em sua reação contra os supremacistas brancos. Quem quer que escreva os ditos dele bem sabe que não deve desafiar a direita racista que o colocou no topo, com o Colégio Eleitoral. E isso dá corda aos imbecis. Trump fez a América odiar novamente.

"Se uma nação espera ser ignorante e livre, num estado de civilização, ela espera algo que nunca foi e nunca vai ser", dizia Jefferson. Ou, colocando a questão em termos mais compreensíveis para Trump: o senhor merece as bandeiras nazistas e os brutamontes que espancam as pessoas com cassetetes, Mr. President. Eles são a sua gente. Como o supremacista branco David Duke disse em Charlottesville: "Nós vamos cumprir as promessas de Donald Trump."

Triste, triste mesmo. Mesmo autodeclarados conservadores leais como o presidente da Câmara de Representantes, Paul Ryan, e o senador Orrin Hatch criticaram a resposta de Trump a Charlottesville e condenaram explicitamente o extremismo de direita.

Mas palavras são uma coisa, atos são outra. "A ação vai defini-lo e delineá-lo", como dizia Jefferson. Portanto aqui vai a questão a Ryan, Hatch e ao restante dos membros republicanos do Congresso: que ação vocês vão tomar no futuro? Vão ficar do lado das tradições democráticas americanas e combater seus inimigos ou vão covardemente servir o seu novo senhor?

"Se Deus é justo, eu tremo por meu país", confessou Jefferson numa ocasião. É difícil para mim não pensar nessas palavras de meu xará ao assistir os policiais não intervindo nas arruaças de rua, a curta distância de uma das mais veneráveis universidades dos EUA e local tão próximo do meu coração.

Em contrapartida, admirei os manifestantes contrários, o prefeito de Charlottesville, Michael Signer, e o governador de Virgínia, Terry McAuliffe, por se oporem à marcha dos supostos membros da raça-líder.

É hora de todo aquele que se importe um mínimo com os Estados Unidos seguir o exemplo deles. Do jeito como as coisas estão agora, Mister Jefferson está se virando na sepultura.

 

Comentários:

Comentar | Comentários (0)

Nenhum comentário para esta notícia, seja o primeiro a postar!!