23/01/2018

Artigo: “Bolsonaro: é isso que queremos?”

Por: Luiz Ruffato

 

Jair Bolsonaro, eleito com 464 mil votos pelo Rio de Janeiro, terceiro deputado federal mais votado do Brasil, aparece, na última pesquisa Datafolha, como o segundo candidato mais lembrado para a Presidência da República, com 18% das intenções de voto, logo atrás de Luiz Inácio Lula da Silva, que se mantém com 36%. Na hipótese do impedimento da candidatura do petista, o que será resolvido no próximo dia 24, por meio de julgamento do Tribunal Regional Federal do Rio Grande do Sul, Bolsonaro cresce para 21%. Ou seja, em ambos os cenários, o ex-capitão do Exército disputaria o segundo turno.

Em seu sétimo mandato na Câmara dos Deputados, Bolsonaro vem se beneficiando com o discurso da galopante deterioração do país, provocada pela pior recessão da história; pela dissolução completa dos sistemas de saúde e educação; pelo caos na segurança pública; e, principalmente, pela desmoralização da classe política e do Poder Judiciário, mergulhados ambos na corrupção e nos desmandos, e pela desmobilização dos movimentos populares. A frustração, a apatia e a desesperança são alimentos que nutrem o fascismo, em todas as épocas.

De olho no eleitorado evangélico, Bolsonaro, que se diz católico fervoroso, foi batizado nas águas do rio Jordão, em Israel, no dia 12 de maio de 2016, pelo pastor Everaldo Dias Pereira, um dos líderes da Assembleia de Deus e presidente do PSC (Partido Social Cristão), ao qual o deputado pertencia até agosto do ano passado – agora mudou-se para o PSL (Partido Social Liberal), décimo partido ao qual se filia. Tendo como principal bandeira de sua campanha a lisura parlamentar e a honestidade pessoal, o patrimônio de Bolsonaro e de seus três filhos, todos políticos, multiplicou-se e hoje alcança R$ 15 milhões, distribuídos em treze imóveis em áreas valorizadas do Rio de Janeiro e Brasília, segundo levantamento da Folha de S. Paulo.

Mas, quem é e quais são as opiniões de Jair Bolsonaro, esse homem que pode vir a governar o Brasil a partir de 1° de janeiro de 2019? Deixemos que ele mesmo exponha alguns tostões do seu pensamento.

Democracia

- “Se fosse eleito, não há a menor dúvida, daria golpe no mesmo dia. Já que é o presidente que manda, faz logo uma ditadura”. (23-05-1999 – Programa Câmera Aberta, TV Bandeirantes)

- “Através do voto, não vai se mudar nada neste país. Só vai mudar, infelizmente, quando nós partirmos para uma guerra civil. E fazendo um trabalho que o regime militar não fez: matando uns 30 mil marginais”. (23-05-1999 – Programa Câmera Aberta, TV Bandeirantes)

Impostos

- “Bobos somos nós, que estamos pagando impostos. Inclusive, conselho meu, e eu faço: Eu sonego tudo o que for possível. Se eu puder não pagar imposto, eu não pago”. (23-05-1999 – Programa Câmera Aberta, TV Bandeirantes)

- “Quem hoje em dia e no passado nunca se indignou com a sua carga tributária? Hoje o povo, como um todo, só não sonega o que não pode. Eu, representando o povo, desabafei naquele momento isso”. (11/01/2018 – Folha de S. Paulo)

Mulheres

- “Tudo que as bichas têm a oferecer, as mulheres têm e é melhor”. (04-04-2011, Programa CQC, TV Bandeirantes)

- “Eu tenho pena do empresário no Brasil, porque é uma desgraça você ser patrão no nosso país, com tantos direitos trabalhistas. Entre um homem e uma mulher jovem, o que o empresário pensa? ‘Poxa, essa mulher tá com aliança no dedo, daqui a pouco engravida, seis meses de licença-maternidade...’ Quem que vai pagar a conta? O empregador. Quando ela voltar, vai ter mais um mês de férias, ou seja, ela trabalhou cinco meses em um ano. Por isso que o cara paga menos para a mulher!". (10-12-2014, Rádio Gaúcha / Zero Hora)

- “Eu tenho cinco filhos. Foram quatro homens, aí no quinto eu dei uma fraquejada e veio uma mulher”. (03-04-2017 – Clube Hebraica, Rio de Janeiro)

- “O dinheiro do auxílio-moradia eu usava para comer gente”. (11-01-2018, Folha de S. Paulo)

Afrodescendentes

- “Eu fui num quilombo. O afrodescendente mais leve lá pesava sete arrobas. Não fazem nada. Acho que nem pra procriar ele serve mais”. (03-04-2017 – Clube Hebraica, Rio de Janeiro)

Cotas raciais

- “Sou contra as cotas raciais, porque todos nós somos iguais perante à lei. A Constituição diz que o acesso ao terceiro grau é pelo mérito. E não existe esse negócio de política afirmativa não. Quem usa cota, no meu entender, está assinando embaixo que é incompetente. Eu não entraria num avião pilotado por um cotista. Nem aceitaria ser operado por um médico cotista”. (04-04-2012 – Programa CQC, TV Bandeirantes)

Tortura

– “Eu sou favorável à tortura”. (23-05-1999 – Programa Câmera Aberta, TV Bandeirantes)

- “Pela memória do coronel Carlos Alberto Brilhante Ulstra, o pavor de Dilma Rousseff (...) o meu voto é sim pelo impeachment” (17-04-2016 – Votação do impeachment da presidente Dilma Rousseff. O coronel em questão é conhecido por ser um dos maiores torturadores da época da ditadura militar)

- “O erro da ditadura foi torturar e não matar”. (08-07-2016 - Programa Pânico, Rádio Jovem Pan FM)

Questão de gênero

- “P: Tem algum homossexual na família? R: Graças a Deus, não. Eu desconheço. Se tivesse, nem quero pensar”. (14-02-2000 - Isto é Gente)

- “P: O que pensa sobre a união civil entre pessoas do mesmo sexo? R: Eu sou contra. Não posso admitir abrir a porta do meu apartamento e topar com um casal gay se despedindo com beijo na boca, e meu filho assistindo a isso”. (14-02-2000 - Isto é Gente)

- “P: O que você faria se tivesse um filho gay? R: Isso nem passa pela minha cabeça, porque eu dei uma boa educação. Fui um pai presente, então não corro esse risco”. (04-04-2011 – Programa CQC, TV Bandeirantes)

Pena de morte

- “Eu sou favorável à pena de morte”. (14-02-2000 - Isto é Gente)

- “Acho que o fuzilamento é uma coisa até honrosa para certas pessoas”. (14-02-2000 - Isto é Gente)

Segurança pública

- “Eu acho que a polícia brasileira tinha que matar é mais. Violência se combate com violência”. (05-10-2015 – Vídeo)

- “Policial que não mata, não é policial”. (27-11-2017, O Globo)

Se for presidente

- “Se eu um dia tiver o mandato de presidente, o pessoal da Anistia Internacional não vai mais interferir na vida interna do nosso país”. (05-10-2015 - Vídeo)

- “Para ministro da Educação vai ser convidado um general que já tenha um comando de colégio militar ou um civil que queira realmente botar ordem na casa. Botar um ponto final na ideologia de gênero, na questão de doutrinação na escola”. (20-03-2017 – Programa The Noite, SBT)

- “Se eu chegar lá, não vai ter dinheiro pra ONG. Esses inúteis vão ter que trabalhar. No que depender de mim, todo cidadão vai ter uma arma de fogo dentro de casa. Não vai ter um centímetro demarcado para reserva indígena ou quilombola”. (03-04-2017 – Clube Hebraica, Rio de Janeiro)

- “Colocaria vários militares nos ministérios. O militar, até pela sua formação, você dá uma ordem pra ele, ele cumpre ou retorna e diz porque não pode cumpri-la. A gente precisa de hierarquia e disciplina para alcançarmos a ordem e o progresso”. (10-06-2017 – Show Tube)

Comentários:

Comentar | Comentários (0)

Nenhum comentário para esta notícia, seja o primeiro a postar!!