17/01/2017

Juazeiro: Polo Teatral abre diálogo com grupos da região

 

Após incursão em Ilhéus e região, a comitiva da 2ª Edição do Polo Teatral – Festival de Teatro do Interior da Bahia parte para a cidade de Juazeiro. Entre os dias 16 e 18 de janeiro, o curador Fernando Marinho e os produtores executivos Jorge Albuquerque e Rafael Pimenta visitam a cidade para conhecer espaços públicos e dialogar com produtores e grupos de teatro locais. As apresentações das peças selecionadas no extremo norte baiano acontecerão entre os dias 07 e 12 de março, em Juazeiro. A programação do segundo Festival de Teatro do Interior da Bahia contempla ainda temporadas nas cidades de Ilhéus e Camaçari, com abertura oficial em fevereiro. 

Em parceria com o Prêmio Braskem de Teatro, a iniciativa tem como proposta fomentar a produção teatral em municípios do interior baiano. O projeto tem o patrocínio da Braskem através da Lei Federal de Incentivo à Cultura, e realização da Polo Cultural e Ministério da Cultura - Governo Federal. Dentre as 12 montagens selecionadas para integrar a programação do Festival, as cinco melhores serão indicadas ao Prêmio Braskem de Teatro, onde disputarão na categoria Espetáculo do Interior. 

“Esse é o único Festival de Teatro voltado estritamente às variadas produções dessa área do interior baiano, promovendo a partir daí a criação de uma categoria específica no Prêmio Braskem de Teatro. Nosso desejo é reconhecer a participação do maior número de territórios de identidade possível nessa segunda edição, para que tenhamos um processo de seleção bem abrangente e máxima representação das diferentes regiões de nosso Estado”, afirma o ator, diretor e artista visual Fernando Marinho, curador do Festival.

Polo Teatral

Lançada em 2015, a primeira edição do Festival de Teatro do Interior da Bahia foi realizada nas cidades de Camaçari e Dias D’Ávila. Doze espetáculos foram escolhidos por uma Comissão de Seleção composta por três integrantes de reconhecido mérito nas artes cênicas. As cinco melhores montagens indicadas ao Prêmio Braskem de Teatro, na categoria especial Espetáculo do Interior da Bahia, foram Algaravias – O Marujeiro da Lua (Jequié), Exu, a Boca do Universo (Alagoinhas), Gonzaga – Do nascente à Foz (Paulo Afonso), Maria Minhoca (Feira de Santana) e O Circo Soleinildo (Vitória da Conquista). O Algaravias – O Marujeiro da Lua conquistou o prêmio da categoria. Além de apresentações gratuitas, o evento também promove mesas redondas, palestras, oficinas e máster classe.

Paulo Afonso: Turismo está entre os serviços que despencou no município

Não há dados oficiais, mas a olho nu as estimativas apontam que depois da falta de oportunidade de emprego, o turismo em Paulo Afonso, foi um dos serviços que despencou nos últimos meses.

Até novembro de 2016 a queda no volume de serviços nessa categoria teve baixa expressiva.

Um dos motivos seria a ausência da criação de novas rotas que segundo um consultor da área, estão afastando os turistas. "Não se tem diálogo com as agências e operadoras de turismo do Brasil, que são as responsáveis pelas viagens para cá, nem há diálogo permanente e necessário com hotéis, restaurantes, comércio, da cidade".

O bondinho por exemplo não funciona há mais cinco anos, o modelo reduzido, está abandonado, o touro e a sucuri, ganhou uma nova nomenclatura (o boi e a cobra), foi engolido pelo mato, por essas e outras razões é que municípios minúsculos como água Branca (AL) e Canindé de São Francisco (SE) dia-a-dia ganham mais atenção dos turistas deixando os roteiros pauloafonsinos distantes da lista Top de locais mais procurados.

O novo secretário de Turismo, Industria e Comércio, Regivaldo Coriolano da Silva, precisa urgentemente criar mecanismos de estratégias de marketing e de promoção, que incentivem, difundam e promovam a prática e o desenvolvimento da atividade turística no Município; e ainda, fomentar o intercâmbio permanente com outras cidades da região.

Exército, prefeitura e populares voltam a discutir preservação, da área da Vila Militar, em Paulo Afonso

A 1ª Companhia de Infantaria realizou na Área de Lazer da Vila Militar, na última quinta-feira, 12 de janeiro, uma reunião sobre a preservação, manutenção e segurança da área anexa ao complexo residencial do exército.

O filme é antigo.

Outras reuniões já aconteceram e nenhuma solução foi adotada.

As propostas não sofreram nenhuma inovação: aumento do patrulhamento por tropas da 1ª Companhia de Infantaria, limpeza e maior fiscalização sobre o descarte ilegal de lixo na área que caracteriza crime ambiental, previsto no Código Penal Militar.

Acompanhando o comentário lúcido de um leitor: "Trata-se de uma área que não tem utilidade nenhuma para o exército. Uma pena, pois daria um belo parque verde, com uma revitalização digna de primeiro mundo, teríamos um belo lugar para lazer, práticas esportivas entre outras coisas. Ou um centro administrativo de fazer inveja a Marte, acabando definitivamente com a especulação imobiliária patrocinada pela prefeitura de Paulo Afonso, que paga os mais altos alugueis para manter seus diversos departamentos funcionando. A consequência disso é o preço dos alugueis em Paulo Afonso furando os olhos da cara do inquilino, mesmo com tantas residências construídas, inclusive pela própria prefeitura, o Minha Casa, minha Vida, diversos condomínios erguidos e em fase de construção. Em tempo de mudança na prefeitura, talvez alguma cabeça iluminada apresente uma formula inovadora para finalmente dar um destino digno a uma área que ao longo dos anos se perpetua na inutilidade, mas que com boa vontade, poderia ser transformada numa das setes maravilhas do município.

 

Fonte: Ascom Polo Teatral/BobCharles.com/Municipios Baianos

Comentários:

Comentar | Comentários (0)

Nenhum comentário para esta notícia, seja o primeiro a postar!!