18/01/2017

Juazeiro: Museu do Trabalhador Ferroviário será construído

 

Será construído um Museu do Trabalhador Ferroviário em Juazeiro. A proposta do Ministério Público do Trabalho (MPT) é destinar um espaço à memória de homens e mulheres que se dedicaram a construção e manutenção das linhas férreas da Bahia.

O projeto será construído no bairro João XXIII, em um antigo imóvel do Departamento Nacional de Infraestrutura de Transportes (Dnit).

Para viabilizar a construção e a operação do espaço, foi assinado nesta segunda-feira (16), na sede do órgão na capital baiana, convênio de cooperação técnica entre o MPT, e Justiça Federal, a Superintendência Regional do Trabalho da Bahia, e a Prefeitura de Juazeiro.

Durante o ato de assinatura do convênio o prefeito garantiu que serão realizadas obras de pavimentação para garantir o acesso aos terrenos, o que fundamento para o início das obras.

Os recursos para a construção serão buscados pela Superintendência Regional do Trabalho (SRT) e pela Justiça Federal, o MPT deve iniciar as obras ainda no primeiro semestre.

O documento estabelece a parceria entre os quatro órgãos para a implantação e a manutenção do Museu.

Caberá ao MPT a tarefa de reformar e equipar o imóvel doado pelo Dnit, com investimentos de R$ 2,5 milhões, recursos provenientes do Orçamento da União obtidos através de emenda da bancada da Bahia no Congresso Nacional.

No imóvel serão construídos um auditório e um centro de memória, espaço destinado a uma exposição de objetos e documentos sobre a ferrovia.

A gestão do Museu funcionará em regime de rodízio entre os três órgãos federais, ficará a cargo do município a cessão de servidores e as despesas de custeio, como água, energia e telefone, além de vigilância e manutenção predial.

O museu será um dos novos prédios públicos a serem instalados no terreno doado pela União, aonde três órgãos federais irão construídos suas sedes próprias em Juazeiro.

O primeiro a ser construído deve ser a unidade do MPT, que deve ser licitado até março. A obra é estimada em R$ 2,9 milhões.  Junto com o prédio, o MPT construirá também uma estação de energia solar, capaz de produzir energia para tornar o órgão autossuficiente em energia em todas as suas unidades no estado.

A energia que for produzia em Juazeiro será devolvida à Coelba e ficará como crédito para abater o valor consumido nas outras sete unidades do MPT no estado, reduzindo as despesas mensais de custeio do órgão.

Casa Nova: Prefeito cobra entendimento entre empresa e trabalhadores da eólica

Nos últimos dias, circulou boatos nas redes sociais sobre a demissão de alguns funcionários que atuavam como armadores nas atividades de construção, acesso e montagem dos geradores de energia eólica, em Casa Nova-BA. A demissão teria acontecido em detrimento da admissão de pessoal de fora do município. Com o intuito de esclarecer os fatos, o prefeito, Wilker Torres (PSB), convocou uma reunião com representantes das empresas e dos trabalhadores para resolver o assunto.

Na ocasião, os representantes do Sindicato dos Trabalhadores nas Indústrias da Construção Pesada e Montagem Industrial do Estado da Bahia (Sintepav-BA), apresentaram um gráfico com o quadro atual dos funcionários, onde foi constatado que cerca de 60% da mão de obra das empresas é local. De acordo com o Diretor de Assuntos Econômicos, e responsável pelo Sintepav na região norte do estado, José dos Santos, os quatro funcionários recentemente contratados – o que teria gerado a insatisfação de alguns internautas - são moradores de Casa Nova.

"Nós tivemos acesso à lista nominal dos trabalhadores e constatamos que a folha de pagamento irá fechar o mês de fevereiro com algo em torno dos 60% do quadro de funcionários sendo de moradores de Casa Nova. E se calcularmos ainda os moradores daqui do entorno da cidade, esse número salta para os 80%", informou dos Santos.

Ainda sobre o caso, o prefeito Wilker Torres foi informado que a Câmara de Vereadores irá convocar uma audiência pública para debater com a população a situação atual da eólica. "Através do diálogo é que vamos buscar condições para a geração de emprego e renda no nosso município. Eu acredito que através de parcerias, força de vontade e com a colaboração do setor privado, nós vamos proporcionar dias melhores para homens e mulheres dessa cidade que sempre gostaram de trabalhar", concluiu o prefeito.

Centenas de peixes são encontrados mortos em lagoa de Petrolina

Centenas de peixes apareceram mortos, nesta terça-feira (17), em uma lagoa no bairro Jatobá, Zona Leste de Petrolina, no Sertão de Pernambuco. Ainda não se sabe o que provocou a morte dos peixes, todos da espécie tilápia.

Os peixes morreram na noite desta segunda-feira (16). Quando o dia amanheceu, os moradores da região ficaram assustados. “Eu nem imaginava que tinha esse tanto de peixe aqui. Ontem tinha um pouqinho, hoje já apareceu mais e com certeza vão morrer tudo, do jeito que está ai, não tem como escapar”, disse o supervisor de área Osmando Sabino.

Um das principais hipóteses para explicar o que houve é que a água pode ter ficado mais aquecida, o que diminuiu a quantidade de oxigênio. Sem conseguir respirar, os peixes morreram. O Ibama esteve no local e não descarta outra possibilidade para a morte dos peixes.

“Não é descartada a possibilidade de alguém ter jogado algum veneno, tendo em vista que o terreno é totalmente aberto e tem acesso ao público. Aqui cai esgoto direto, então alguém pode ter derramado um vidro de veneno em uma caixa de esgoto e vim parar aqui”, disse o engenheiro de pesca do Ibama, Vanderlei Pinheiro.

Segundo o Ibama, a investigação fica comprometida por causa da quantidade de esgoto que é lançado na lagoa. O engenheiro de pesca faz um alerta para que a população não consuma os peixes mortos em hipótese alguma.

“Não deixar o povo consumir, não deixar o povo pescar e secar para evitar o acesso ao público.  Caso tivesse um laudo que pudesse responsabilizar, o Ibama autuaria a empresa ou pessoa física ou jurídica, com multa de R$ 5 mil a R$ 50 mil, mais pena de detenção de três anos”, detalhou Vanderlei.

Em nota, a Agência Municipal do Meio Ambiente (Amma), informou que vai enviar técnicos ao local para que seja feita uma análise do que pode ter causado a morte dos peixes. Não foi informado quando os animais serão retirados da lagoa. De acordo com a Amma, a lagoa funciona de forma irregular como um lagoa de estabilização de esgoto que atende aos condomínios no entorno e que tem uma baixa concentração de oxigênio, o que pode ter matado os peixes.

A Compesa confirmou que no bairro Jatobá não existe lagoa de estabilização constituída pela companhia. O órgão aproveitou para informar que para colocar o sistema coletor em funcionamento no bairro Jatobá, está concluíndo projetos e fechando parcerias. As obras devem iniciar ainda no primeiro semestre deste ano.

 

 

Fonte: BN/Ascom PMCN/G1/Municipios Baianos

 

Comentários:

Comentar | Comentários (0)

Nenhum comentário para esta notícia, seja o primeiro a postar!!