11/03/2017

Em PE, 36 dos 39 reservatórios do Sertão estão em colapso

 

A falta de chuva na zona rural piorou a situação dos reservatórios no Sertão de Pernambuco. De acordo com a Agência Pernambucana de Águas E Clima (Apac), dos 39 reservatórios localizados no Sertão do estado, 36 estão em colapso, como menos de 3% do volume útil. Já dos 185 municípios pernambucanos, 126 decretaram estado de emergência por causa da seca prolongada.

A estiagem é mais visível no campo. No povoado de Uruás, na Zona Rural de Petrolina, o reservatório Vira Beiju, um dos maiores da região, está quase seco. A última vez que o açude encheu foi em 1992. Ele chegou a 8 km de distância e 10 metros de profundidade. Hoje é possível caminhar na água.

Cerca de oito comunidades da região de Petrolina dependem do reservatório Vira Beiju. Com a seca, os agricultores ainda não conseguiram plantar na vazante. “Planto milho, feijão, macaxeira, batata. tudo a gente planta na vazante. Sem água fica difícil. Com água aqui é uma riqueza, tanto para o ser humano, para alimento, quanto para o bicho né. É uma tristeza, a gente sofre e sofre o animal” relata o agricultor Antônio dos Santos.

Segundo o agricultor José Constantino, a água do reservatório que restou não serve nem para matar a sede dos animais. "Essas pessoas estão vivendo com o carro-pipa do exército, porque essa água que tem aqui é água que ninguém bebe. Cada dia que passa está ficando mais difícil. Tem muita gente passando sede porque quando o carro não leva, eles passam sede. Tem gente que está sofrendo, morrendo a criação. Bota para o chiqueiro, quando amanhece o dia é três, quatro mortos por dia, por noite. É uma coisa absurda. A situação da nossa região aqui, a mais grave que tem é essa”, afirma.

No povoado de Terra Nova, os poucos peixes estão morrendo. O agricultor Ivanilson foi obrigado a vender os animais e mudar de profissão por causa da seca." Eu não tinha condições de comprar ração para os animais, a ração está muito cara. como é que ia criar os animais sem água, açude seco, não tem emprego para o povo da roça trabalhar. Como não tinha deixar os bichos morrerem de fome”.

O meteorologista Mário de Miranda explica que desde o ano de 2011 as chuvas diminuíram drasticamente no Sertão pernambucano. "Em média no Semiárido, o ciclo de chuvas dura 13 anos. Em média nós temos de quatro a cinco anos de chuvas acima da média, quatro a cinco anos de chuvas abaixo da média, dois, três dentro da média, um pouco abaixo ou um pouco acima em determinados anos. Esse ciclo ele não é  de 13 anos, ele é variável, mas ele existi e sempre vai se repetir

A tendência é que a situação melhore nos próximos meses. “A expectativa é que vão ocorrer chuvas no mês de março, no mês de abril. Agora para os próximos, a gente a gente ainda não tem uma previsão, e a gente precisa analisar isso com mais cuidado, o que temos é estatística, e que nem sempre funciona. Pela estatística é que nós estamos nessa fase de transição, para mudar desse ciclo baixo, dessa fase com pouca chuva. A tendência nos próximos anos é a gente atinja esse período de maior ocorrência de chuva", explica Mário de Miranda.

Temer inaugura nesta sexta, obra realizada por Lula e Dilma no Nordeste

O Presidente da República, Michel Temer, inaugurou nesta sexta – feira, 10,  o eixo leste da transposição do Rio São Francisco, obra que teve 90% de sua execução realizada nos governos de Lula e Dilma. As cidades do projeto  visitadas por Temer foram Sertânia, em Pernambuco, e Monteiro, na Paraíba.

A integração do São Francisco tem como objetivo levar água a cerca de 12 milhões de pessoas que vivem no sertão de quatro estados – Pernambuco, Ceará, Paraíba e Rio Grande do Norte. O projeto se estende por 477 km e é dividido nos eixos leste, com 217 km, e norte, com 260 km.

Os debates para realizar a transposição começaram no primeiro mandato do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva. As obras tiveram início em 2007. A previsão inicial era que todo o projeto fosse concluído em 2012, ao custo de R$ 4,5 bilhões.

Entretanto, somente agora o primeiro eixo está sendo inaugurado, e os investimentos já passaram dos R$ 8,2 bilhões. Nos últimos dez meses, por exemplo, foram injetados mais R$ 602 milhões nas obras, informou o Planalto.

Eixos leste e norte

A estimativa do governo é que o eixo leste inaugurado nesta sexta-feira beneficie 4,5 milhões de pessoas em 168 municípios da Paraíba e de Pernambuco.

Em janeiro, o presidente Temer viajou ao município de Floresta, no sertão pernambucano, e inaugurou uma estação de bombeamento do ramal.

Na ocasião, ele prometeu que o eixo norte também será entregue em 2017. "Ainda neste ano, nós vamos inaugurar o eixo norte. Fora tantas outras obras complementares que visam trazer água para região do Nordeste", declarou na ocasião.

Segundo o Palácio do Planalto, o eixo norte está 94,52% concluído e visa complementar o abastecimento da região metropolitana de Fortaleza, no Ceará.

Viagem pelo Nordeste

Embora o principal evento desta sexta seja a inauguração do eixo leste, o presidente Michel Temer decolará da base aérea de Brasília por volta das 8h30 com destino a Campina Grande, na Paraíba, para autorizar obras em uma rodovia.

Na cidade, ele visitará o Complexo Multimodal Aluízio Campos e assinará uma ordem de serviço para obras na BR-230.

O trecho beneficiado tem 28 km e vai do município de Cabedelo até a capital paraibana, João Pessoa. O investimento previsto para o empreendimento é de R$ 255 milhões, informou o governo.

Só então, no início da tarde, é que Temer irá para Sertânia, em Pernambuco, onde abrirá a comporta do reservatório de Campos.

A água que encherá o reservatório vai percorrer canais e outras estruturas até chegar a Monteiro, novamente na Paraíba. Às margens do Rio Paraíba no município, Temer participará da “celebração da chegada” da água do São Francisco ao estado.

Após os eventos, o presidente embarcará de volta a Brasília a partir de Campina Grande por volta das 17h.

‘Prioridade’ ao Nordeste

Em declaração à imprensa na noite desta quinta-feira (9) no Planalto, o porta-voz da Presidência, Alexandre Parola, afirmou que a conclusão do eixo leste traduz a “prioridade” do governo para o desenvolvimento do Nordeste.

Na avaliação do Planalto, todas as regiões do país devem ser beneficiadas por ações do governo, mas o “enfoque deve recair nas áreas mais necessitadas”.

“Por isso os projetos e as iniciativas que beneficiam a população nordestina têm recebido atenção prioritária das autoridades dos vários ministérios”, defendeu o porta-voz, ao ressaltar ainda que o equilíbrio fiscal proposto pelo governo não tem negligenciado recursos para obras de infraestrutura.

Briga pela paternidade de transposição do São Francisco ganha novo capítulo

A briga entre o presidente Michel Temer e o PT pela paternidade das obras de transposição do rio São Francisco ganhou nesta quinta-feira, 9, um novo capítulo, com ofensivas de ambos os lados, na véspera da viagem de Temer para inauguração do equipamento.

Enquanto os ex-presidentes Luiz Inácio Lula da Silva e Dilma Rousseff publicaram notas para reivindicar o mérito pela transposição das águas, o peemedebista usou o seu porta-voz, Alexandre Parola, para falar dos investimentos feitos “nos últimos 10 meses”, em uma tentativa de mostrar que é seu governo quem vai entregar a obra.

Como tem feito desde que essa disputa começou, Lula recorreu às redes sociais para ressaltar que a obra começou na sua gestão. Na publicação de hoje, ele escreveu que muitos diziam que a transposição era algo impossível, “até que Lula foi lá e fez”, destacando que os trabalhos começaram em 2007, quando ele estava no primeiro ano do seu segundo mandato.

Dilma, em seu site, voltou a apresentar números para destacar que a maior parte dos investimentos foi feito no período petista. “Os governos Lula e Dilma empenharam 92,40% e pagaram 87,50% da execução do projeto de integração do São Francisco, antes do golpe de 2016.”, diz a nota. Na terça-feira, ela havia dito que 86,3% das obras estavam concluídas até abril do ano passado, um mês antes de Dilma ser afastada da Presidência.

Nesta noite, o porta-voz de Temer convocou jornalistas para fazer um pronunciamento, que além de detalhar o trajeto do presidente na viagem de inauguração, que será amanhã, e os benefícios da obra, destacou que foram investidos R$ 602 milhões nos últimos 10 meses. Contando o período em que ficou como interino, Temer está no comando do governo desde o dia 12 de maio do ano passado, o que dá quase 10 meses.

“Graças a isso, foi possível concluir os 217 quilômetros do Eixo Leste, entregar três das suas seis estações de bombeamento e instalar outras estruturas que estão trazendo as águas do São Francisco a municípios de Pernambuco e da Paraíba”, afirmou Parola.

Temer vai amanhã às cidades de Campina Grande e Monteiro, na Paraíba, e Sertânia, em Pernambuco. Em Campina Grande, ele visita o Complexo Multimodal Aluízio Campos e assina ordem de serviço para adequação de capacidade da BR-230, com investimento estimado de R$ 255 milhões. Depois, em Monteiro, ele participa de evento para celebrar a chegada das águas do rio São Francisco à Paraíba. As cerimônias em Sertânia e em Monteiro marcam a entrega do chamado Eixo Leste do Projeto de Integração do rio.

As obras, no entanto, ainda não estão completamente concluídas. O porta-voz disse que o governo espera concluir ainda neste ano as obras do Eixo Norte, que já apresentam 94,52% de execução. "A finalização desse trecho permitirá levar água até a região metropolitana de Fortaleza, beneficiando municípios no Ceará, Paraíba, Pernambuco e Rio Grande do Norte. Uma vez totalmente concluído, o projeto São Francisco garantirá a segurança hídrica de 12 milhões de pessoas no Nordeste", afirmou.

 

Fonte: G1/A Folha/Municipios Baianos

Comentários:

Comentar | Comentários (0)

Nenhum comentário para esta notícia, seja o primeiro a postar!!