15/03/2017

Arte, tradição e tecnologia dialogam no SSA Mapping

 

O Centro Histórico de Salvador, espaço de tradição cultural da cidade, será palco de uma fusão entre arte e tecnologia durante o SSA Mapping. O primeiro festival de vídeo Mapping da capital baiana acontece no dia 25 de março, na Praça Municipal. A programação é gratuita e conta com trabalhos de artistas visuais do Brasil e do exterior, além de uma Mostra Aberta e atração musical.

Com patrocínio da Oi, através do Fazcultura, a realização do festival é fruto de uma parceria entre as produtoras Baluart e Ilimitado. O objetivo é movimentar a cena das artes visuais na capital baiana, promovendo aproximação e troca entre artistas e criando diálogo entre artes, intervenção urbana e história.

O superintendente de Promoção Cultural da SecultBA, Alexandre Simões, salienta a importância do Fazcultura na promoção do desenvolvimento artístico e cultural do Estado. “O programa é estratégico e traz oportunidade para as empresas investirem na cena cultural, ratificando seu papel social. É interessante também pela dimensão econômica, pois movimenta os equipamentos culturais, faz girar essa engrenagem e gera emprego e renda para centenas de profissionais”.

O video Mapping (ou projeção mapeada) é uma das mais novas linguagens da arte contemporânea e tem se inserido em um número crescente de eventos ao redor do mundo. Com essa técnica, ainda pouco difundida na Bahia, os artistas realizam projeções em superfícies não-lineares para criar uma espécie de ilusão de ótica, reconstruindo os espaços com formas e movimentos, luzes e cores.

Com curadoria da artista visual paraense Roberta Carvalho, o SSA Mapping terá, na sua Mostra Principal, obras criadas a partir da paisagem e da história do Centro Antigo de Salvador e do seu entorno.

Além da própria Roberta, artistas visuais da Colômbia (Optika VJ), de Santa Catarina (VJ Vigas) e da Bahia (VJ Gabiru) levarão seus trabalhos para a “tela de projeção” – a fachada do Palácio Rio Branco. Para criar as obras, os artistas contaram com a consultoria de conteúdo do historiador Daniel Rebouças, pesquisador da Universidade Federal da Bahia (Ufba). 

Optika VJ é o nome artístico da colombiana Laura Ramirez, artista que já participou de festivais em Roma, Paris e São Paulo e Nova Zelândia, projetou o "AV Invader" em Bogotá para 90.000 pessoas e uma área de palco de 480 m2para o concerto de Katy Perry na Colômbia.

O catarinense Leandro Mendes (VJ VIGAS) foi campeão de torneios de VJs na Polônia, Cidade do México, Roma, Cidade do Cabo e Istambul. Foi selecionado para festivais em Amsterdam e Rio de Janeiro e premiado no Circle of Light, em Moscou.

DJ, VJ, fotógrafo, videomaker, cenógrafo e pioneiro de video mapping na Bahia, VJ Gabiru participa ativamente na cena eletrônica local. Entre seus trabalhos estão Singue in de Rein (2005), Urbe et Orbi (2005) e o pôlemico O Fim do Homem Cordial (2004, direção de Daniel Lisboa) em que co-assina direção de arte, roteiro, produção e assistência de direção.

DIÁLOGOS

Além da Mostra Principal, o SSA Mapping promove iniciativas que visam estimular a criação artística e a difusão da história do Centro Antigo da capital baiana. Trata-se da Mostra Aberta e do Rolé Histórico.

Para a Mostra Aberta, a curadoria selecionou obras produzidas nos diferentes meios de expressão das artes visuais - e não somente projeções mapeadas – a partir de uma chamada que recebeu trabalhos de todo o país. A temática é livre e o objetivo é oferecer a todos uma oportunidade de exibir suas obras, inéditas ou não, através de uma estrutura de projeção de alta qualidade.

No Rolé, que será realizado nos dias 24 e 25, sob a coordenação do historiador Daniel Rebouças, o público será guiado por pontos simbólicos do Centro Antigo. A partir do Mosteiro de São Bento até a Praça Municipal, ponto de fundação de Salvador, os participantes passarão por ruas e monumentos históricos que inspiraram as obras do SSA Mapping.

MÚSICA

No dia 25, a noite será encerrada com o show de ÀTTØØXXÁ e OZ, dupla que bebeu das referências eletrônicas e do pagodão feito nas ruas da Bahia para criar uma seleção de sons suingados presentes no disco BLVCKBVNG e que vão fazer todo mundo entrar no ritmo em frente ao Palácio Rio Branco.

SERVIÇO

SSA MAPPING – OLHARES DE UMA MEMÓRIA

Data: 25 de março de 2017

Horário: A partir das 18h

Local: Praça Municipal – projeções no Palácio Rio Branco

Evento gratuito

Produção: Baluart e Ilimitado

Projetos apoiados pela SecultBA invadem a periferia de Salvador

Seja via edital, ou uma ação independente realizada nos espaços culturais, a Secretaria de Cultura do Estado da Bahia vem apoiando diversas ações culturais durante o ano. Nos próximos dias varias atividades vão tomar conta dos bairros de Alagados, Plataforma e Paripe. Para começar, nesta terça-feira (14), às 19h, o Espaço Cultural Alagados exibe filme “Terra Fértil em Maré Cheia”.  O evento é fruto da parceria do Coletivo Urucum, de São Paulo, com a SecultBA, que já havia promovido a estreia do filme “Toda Reza”, em 2015. A première tem entrada franca e classificação livre.

Com direção de Karen Furbino, o filme aborda histórias das parteiras do estado de São Paulo, seus conhecimentos e experiências. O documentário propõe a discussão sobre a liberdade feminina diante do machismo, da crescente medicalização da saúde, da violência obstétrica, além da ‘gourmetização’ e do encarecimento do parto humanizado. O projeto revela a beleza do parto natural, mostrando o lado espiritual do ritual, apontando esse como caminho. Outro debate levantado é o apagamento da ancestralidade afro-indígena na sociedade sobre esse processo em especial.

Sobre a parceria, a diretora comenta a importância desse tipo de iniciativa para o coletivo, que é formado por jovens da periferia de São Paulo. “Compreendemos na pele o que é ser preterido no acesso à cultura, educação e lazer. A periferia é o centro, a base dela está nos braços que constroem e as pernas que suportam. No entanto, a ela tudo é negado”, comenta Karen Furbino. Para Jamira Alves, coordenadora do Espaço Cultural Alagados, esse tipo de iniciativa é essencial para a formação dos jovens da comunidade, mas não só. “Aqui não é uma sessão de cinema comercial. Estamos aqui para promover o debate, a reflexão, sobre nossa condição, nossos valores, nossa sociedade. Na sessão passada, tivemos a alegria de ter de crianças a senhoras discutindo a intolerância religiosa. Foi um momento lindo e tenho certeza que repetiremos isso na terça”, comenta.

Festival

Música, dança, teatro e performance farão parte da programação do Festival das Periferias Ano 3 – cada quebrada um ritmo, marcada para os dias 15 a 18 de março, em Plataforma, Subúrbio Ferroviário de Salvador. Além das apresentações artísticas, o Festival ainda contará com seminário, minicursos e o 1º Concurso Música de Favela. O show de encerramento ficará por conta da cantora Larissa Luz.

O evento, totalmente gratuito, integra o Projeto: Formação em Produção e Gestão para Jovens de Coletivos Culturais, realizado pela CIPÓ com apoio financeiro do Governo do Estado, através do Fundo de Cultura, Secretaria da Fazenda, Fundação Cultural do Estado da Bahia e Secretaria de Cultura.

O objetivo do Festival é valorizar a cultural local, favorecendo a identidade das comunidades periféricas. Para isso, além das apresentações culturais, também ocorrerão debates sobre os temas: Culturas Periféricas e Cultura e Mundo do Trabalho; além de Minicursos sobre elaboração de projetos culturais e planejamento de comunicação para ações culturais, no intuito de instrumentalizar jovens produtores para realização de ações culturais na periferia.

Depois de passar pelas comunidades de Amaralina, Federação/Garcia, Águas Claras e Mussurunga/São Cristóvão o projeto de arte-educação Mutirão Mete Mão segue em sua última etapa, de 20 a 25 de março, em Paripe.

As aulas acontecerão de segunda à sexta. Nos dias de sábado, em uma programação aberta ao público, serão executadas feiras de exposição com stands de artesanato, gastronomia, vestuário e etc, montados com os produtos dos próprios moradores, parceiros e apoiadores de cada bairro e, shows, onde músicos convidados, junto com Fael e os artistas do projeto, comandarão o som do evento em estilo sound system para um público de todas as idades. Também serão executadas atividades com as crianças e uma live painting, ao longo do evento.

Para sua realização, o projeto conta com o patrocínio da Coelba - Companhia de Eletricidade do Estado da Bahia, através da Lei N.º 7.015, de Incentivo Fiscal do Estado da Bahia, o Fazcultura.

 

Fonte: Ascom SecultBa/Municipios Baianos

Comentários:

Comentar | Comentários (0)

Nenhum comentário para esta notícia, seja o primeiro a postar!!