16/03/2017

Atrações musicais agitam os largos de Pelô no fim de semana

 

A programação musical do Pelô continua em alta, confira tudo dos largos para esse fim de semana. Nesta sexta-feira (17), o Largo Quincas Berro D'Água vai receber a Banda Capuccino, com Simone Raios, Sandro Marcus e Márcio Lima, às 20h, com entrada gratuita. E no Largo Pedro Archanjo é a vez do Samba Trator e convidados para balançar os esqueletos, às 19h, também com entrada gratuita. A programação dos Largos do Pelourinho recebe apoio do Governo do Estado, pelo Centro de Culturas Populares e Identitárias (CCPI) da Secretaria de Cultura do Estado da Bahia (SecultBA).

Na tarde de sábado (18), das 14h às 17h, o Projeto Models - PJT oferece 'Oficina para Modelos Iniciante', voltado para todas as idades, gratuito, no Largo Pedro Archanjo. E às 19h, tem Samba do Pretinho e convidados, gratuito. No Largo Tereza Batista, acontece o 'De RAPentemente', com Eduardo - Ex Facção Central (SP) e Negro Davi, Okaris e Sangue Real (AL). No 1º lote os ingressos custam R$ 20 (inteira) e R$ 10 (meia), 2º lote custam R$ 30 (inteira) e R$ 15 (meia) e 3° lote, R$ 40 (inteira) e R$ 20 (meia). Já no Largo Quincas Berro D'Água, a Banda Balaio de Gato anima a noite, às 20h, gratuito.

Domingo (19), tem Projeto Vem Sambar, com as atrações Katulê e Samba de Mará, às 15h, no Largo Pedro Archanjo, gratuito. E no Largo Quincas Berro D'Água, tem o Samba Opção, às 16h30, também gratuito.

  • SERVIÇO

Banda Capuccino - participação Simone Raios, Sandro Marcus e Márcio Lima

Data: 17.03

Local: Quincas Berro D'Água

Horário: 20h

Valor: Gratuito

Samba Trator e convidados

Data: 17.03

Horário: 19h

Local: Pedro Archanjo

Valor: Gratuito

Projeto Models - PJT _ 'Oficina para Modelos Iniciantes'

Data: 18.03

Horário: 14h

Local: Pedro Archanjo

Valor: Gratuito

Samba do Pretinho e convidados

Data: 18.03

Horário: 19h

Local: Pedro Archanjo

Valor: Gratuito

'De RAPentemente' - com Eduardo (SP) e Negro Davi, Okaris e Sangue Real (AL)

Data: 18.03

Horário: 21h

Local: Tereza Batista

Valor: 1º lote R$20 (inteira) e R$10 (meia); 2º lote R$30 (inteira) e R$15 (meia) e 3° lote R$40 (inteira) e R$20 (meia)

Banda Balaio de Gato

Data: 18.03

Horário: 20h

Local: Quincas Berro D'água

Valor: Gratuito

'Projeto Vem Sambar' - com Katulê e Samba de Mará

Data: 19.03

Horário: 15h

Local: Pedro Archanjo

Valor: Gratuito

Samba Opção

Data: 19.03

Horário: 16h30

Local: Quincas Berro D'Água

Valor: Gratuito

Festival de Cinema Indígena está com as inscrições prorrogadas

A 6ª edição do Cine Kurumin, o principal festival de cinema indígena do Brasil, prorrogou suas inscrições até o dia 20 de março. O evento está previsto para acontecer em Salvador, de 12 a 16 de julho, e na aldeia Tupinambá da Serra do Padeiro - Bahia, de 16 a 19 de agosto. Pela primeira vez, a mostra terá filmes nacionais e internacionais, selecionados por uma chamada pública. Filmes de longa, média ou curta metragem, de qualquer gênero e formato, podem ser inscritos, incluindo vídeos feitos por câmeras em celulares e câmeras digitais, desde que finalizados a partir de janeiro de 2014.

A comissão de seleção da Mostra Competitiva será formada por curadoras e curadores escolhidos pelo festival. Um conjunto mínimo de cinco produções será selecionado para exibição na mostra competitiva de longa ou média-metragem. Um mínimo de dez produções participará da mostra competitiva de curtas-metragens. O melhor filme de longa ou de média-metragem receberá R$ 2 mil; o prêmio para melhor curta é de R$ 1mil e o melhor filme indígena escolhido pelo público da aldeia Tupinambá terá a premiação no valor de R$ 2 mil.

As inscrições são gratuitas e podem ser feitas no site cinekurumin.com até 20 de março de 2017. O festival tem apoio financeiro do Governo do Estado via Fundo de Cultura da Bahia, da Secretaria da Fazenda e de Cultura e é produzido pela Portátil Produtora e realizado pela rede Espalha Semente.

Edições anteriores

O Cine Kurumin surge das experiências de exibição em aldeias indígenas durante oficinas de cultura digital realizadas pela rede de comunicação indígena Espalha Semente. Em 2009, o projeto Espalha Semente recebeu o Prêmio Tuxaua, do Ministério da Cultura, e, com esse apoio, deu início à mostra oficial na aldeia Tupinambá, em Olivença.

A cada ano ele traz uma novidade. Em 2015, aconteceu na aldeia Kiriri de Banzaê e trouxe 30 produções de dez diferentes etnias, incluindo a inédita participação dos próprios diretores.

No ano passado, o festival chegou a Salvador e promoveu um encontro único no Brasil de cineastas indígenas e não-indígenas. Foi sucesso de público nas sessões e debates no Palacete das Artes. Contou com a presença de Vincent Carelli, idealizador do Vídeo nas Aldeias, e dos cineastas Takumã Kuikuro, Isael Maxacali, Zezinho Yube Huni Kuin, Ariel Ortega e Dário Yanomami. Neste ano a mostra amplia para produções estrangeiras, além dos prêmios de crítica e público indígena.

  • CRONOGRAMA

– Inscrições prorrogadas: até 20 de março de 2017, via online ou correio

– Taxa de inscrição: não

– Premiação: sim

– Regulamento + Inscrição: cinekurumin.com

Sofar Souds realiza evento “secreto” em Salvador

Sabe aqueles recados tipo “missão secreta”, em que no final do texto vem a informação: “Essa mensagem se autodestruirá em ‘x’ segundos”?. Pois bem, um show musical vai ser realizado em Salvador no próximo dia 24. As atrações, local e horário somente serão divulgados poucos momentos antes. Essa é a proposta do Sofar Souds, movimento musical surgido em Londres, há nove anos, realiza sua terceira edição na capital baiana, através do apoio do Fundo de Cultura da Bahia (Secretarias da Cultura e da Fazenda), via Edital Setorial de Música 2016.

O evento já marcou presença em 35 países e mantém a característica de guardar em segredo as informações sobre o show que tem vagas limitadas, máximo de 120 pessoas, podendo acontecer em locais inusitados, como a sala de uma residência, uma loja ou uma galeria. O produtor executivo, Ricardo Rosa, da Ruffo, conta que em outras edições participaram artistas como Cascadura, Sertanília, Ifá Afrobeat, Adelmo Casé, Prince Addamo, Sandyalê, Du Txai, Adrea Martis e O Pulo, entre outros artistas que estão se destacando na cena local, mas também podendo aparecer novidades. São 3 a 5 músicos ou bandas que se apresentam, sendo gravado um clipe de cada artista que será divulgado na rede social do projeto, com visibilidade mundial.

Os interessados têm que correr até a próxima sexta-feira (17) ao site do projeto (em inglês): https://www.sofarsounds.com/salvador e seguir o roteiro de inscrição para garantir presença. Segundo Ricardo Rosa, serão oito edições esse ano em Salvador e, claro, nenhuma delas está programada, nem poderia ser divulgada. “O público faz a inscrição e recebe a confirmação com a sugestão de contrapartida de colaboração. Até 48 horas antes do evento é confirmado horário e local das apresentações. É uma experiência musical interessante e o objetivo é contemplar o resultado e fazer parte dele”.

O público é convidado a participar dos eventos via internet e faz uma contribuição voluntária recebendo em troca brindes como adesivos, playlists em mp3, cds, vinis, ecobags, almofadas, camisetas entre outros, de acordo com o valor da contribuição. “Essa foi a maneira encontrada pelo projeto para diferenciar o Sofar de um show comum. Não há venda de ingressos, nem bilheteria. O público é estimulado ao consumo cultural, fugindo da relação comercial tradicional de um evento de música em que se troca dinheiro por um ingresso. Este projeto funciona à base de colaborações voluntárias”, explica o produtor.

Cada show tem duração de 25 minutos onde o publico é convidado a assistir às apresentações acomodados e em silêncio. Os artistas são em sua quase totalidade novos nomes da cena local, bandas fora do circuito mainstream, artistas independentes em início de carreira e buscando espaços para tocar e público interessado em conhecer seus trabalhos. Além das apresentações musicais, outras expressões da arte compõem o clima: pode ser um artista visual pintando ao vivo, exposições, performances entre os shows, um DJ, etc. Outras surpresas.

Sofar Sounds - nasceu em Londres em 2009. Os amigos Rafe Offer e Dave Alexander decidiram criar um evento em que a música fosse o foco e a principal razão para reunir pessoas. Juntaram a isso um intrigante e estimulante fator: o segredo. Cada evento do Sofar Sounds é único. Primeiro, é itinerante: cada evento acontece em um lugar diferente, preferencialmente lugares inusitados como uma galeria, a sala de estar de alguém, ou um deck de piscina. Segundo, porque cada evento tem endereço e atrações secretas: os interessados se inscrevem para participar de um evento sem saber onde acontecerá e quais artistas se apresentarão.

O projeto se desenvolveu e hoje acontece em mais de 35 países, se tornando assim a maior plataforma de música independente do mundo. O Sofar Sounds chegou ao Brasil em 2012 trazido pelo músico e produtor cultural Fernando Remiggi e desde então vem contribuindo cada vez mais para a difusão do cenário musical e artístico nas principais capitais do país. O projeto está presente em Belém, Belo Horizonte, Brasília, Curitiba, Florianópolis, Porto Alegre, Rio de Janeiro, Salvador e São Paulo. Em média o Sofar Sounds Brasil realiza 4 eventos por mês, apresentando de 12 a 20 artistas, a um público médio de 120 pessoas por evento. Em Salvador o projeto teve início em Agosto de2014 e realiza edições mensais.

O Sofar Sounds Brasil já aconteceu nas principais capitais Brasileiras atingindo um público de 4,5 mil pessoas que passaram pelos eventos, com a participação de mais de 200 artistas independentes de todo o Brasil e fora dele também, sendo produzidos vídeos, fotos e áudios de todos os eventos. Já foi realizado também um festival com a presença de 700 pessoas, 50% do público conheceu o projeto por informações de pessoas que já participaram de outras edições.

 

Fonte: Ascom SecultBa/Municipios Baianos

Comentários:

Comentar | Comentários (0)

Nenhum comentário para esta notícia, seja o primeiro a postar!!