26/03/2017

Governo investe na qualificação de produtores culturais baianos

 

Fomentar a produção por meio da qualificação e capacitação de produtores baianos. Essa é uma das missões do Escritório Bahia Criativa, que funciona nas instalações do Forte do Barbalho, em Salvador, e tem realizado cursos e consultorias, de forma gratuita, para produtores, sendo pessoas físicas ou jurídicas. Ideal para quem deseja, por exemplo, inscrever seus projetos em leis de incentivo e programas como o Programa Estadual de Incentivo ao Patrocínio Cultural (Fazcultura), que está com inscrições abertas e vai destinar, somente em 2017, R$ 15 milhões para patrocinar iniciativas culturais de todos os segmentos. Essa oportunidade de se qualificar sem custos pode abrir portas para negócios culturais.

Vinculado à Secretaria de Cultura do Estado (Secult), o Bahia Criativa foi pensado para produtores e empresas que desejam ter acesso a editais, programas e leis de incentivo, e precisam apresentar seus projetos para grandes empresas. Pensando nisto, o escritório oferece atividades de formação como palestras, oficinas, e cursos de média e curta duração, além de assessoria técnica, via consultorias individuais ou coletivas. Entre os temas abordados estão elaboração de propostas, enquadramento de projetos, captação de recursos, prestação de contas e marketing cultural, tudo gratuitamente.

Para a coordenadora executiva do Bahia Criativa, Luciana Vasconcelos, o escritório trabalha com gestão voltada para os produtores culturais baianos. “Oferecemos assessoria e formação para empresários, empreendedores, e não precisa necessariamente ter experiência com projetos e produção cultural. Temos muitos cases de sucesso de pessoas e empresas que tiveram bons resultados e entendemos que ajudamos aqueles que têm programas de incentivo como o Fazcultura como porta de entrada no mercado cultural. Nosso objetivo é que as pessoas não deixem de ter acesso a essas políticas públicas por falta de conhecimento técnico”.

Selecionada para um processo de consultoria continuada no Bahia Criativa, a administradora da Huol Criações, Cacilda Póvoas, foi acompanhada durante 2015 e 2016. Responsável por diversos projetos, a produtora inscreveu a ação JAM no MAM para a assessoria técnica, que identificou algumas fragilidades e maiores dificuldades da empresa. “Temos um evento muito bem aceito pelo público baiano, mas que enfrenta dificuldades para captação de recursos, e trabalhamos isso também na consultoria. É um desafio também devido à particularidade de ser um projeto realizado durante o ano inteiro, o que aumenta o custo e precisa de investimento continuamente”.

Depois do acompanhamento, a produtora comemora bons resultados, como a primeira vez, desde 2008, em que o projeto captou recursos por meio da Lei Rouanet. “Eu percebo que essa consultoria foi muito importante para darmos uma ‘guinada’ no projeto. O processo criou uma possibilidade de refletir sobre esse trabalho de captação de recurso que vínhamos desenvolvendo, identificar novos parceiros, terceirizar alguns serviços, abrindo espaço para novas possibilidades”, disz Cacilda.

O Escritório Bahia Criativa mantém uma página no Facebook onde são divulgadas todas as informações referentes às próximas atividades, e os interessados podem tirar dúvidas pelo telefone (71) 3319-0033 ou do e-mail bahia.criativa@cultura.ba.gov.br.

Convênio com SJDHDS garante certificação de 100 jovens em Artes Cênicas

“Percebi que a arte é uma ferramenta de mudança muito poderosa; pois me mudou de maneira profissional, pessoal, política e, sobretudo, humana. Me deu acesso a um mundo que não cabe na grade curricular”. A afirmação é Mateus Fernandes, integrante do Conselho Estadual da Juventude e um dos 100 certificadas do Projeto Núcleo de Formação e Pesquisa das Artes Cênicas, resultado de convênio entre a Secretaria de Justiça, Direitos Humanos e Desenvolvimento Social do Estado (SJDHDS) e a Associação Cultural Tupã que atende jovens em situação de vulnerabilidade social no bairro de Itinga, em Lauro de Freitas (RMS).

A solenidade de formatura, na tarde desta sexta-feira (24), contou com a presença do secretário da SJDHDS, Carlos Martins, acompanhado do superintendente de Direitos Humanos, Emiliano José. “São ações como essa que oferecem oportunidades reais de acesso ao mercado de trabalho e, sobretudo, uma formação cidadã. Tenho certeza de que vai mudar a vida de cada um de vocês, que mostraram valor, competência, seriedade e capacidade de superar desafios e mostrar resultados. Vocês estão prontos para encarar desafios ainda maiores, porque jovem é para brilhar”, disse Martins.

O convênio com a Associação Cultural Tupã é parte da Política Estadual de Juventude para o enfrentamento à violência contra a juventude negra, selecionado por meio de edital do Plano Juventude Viva, da Secretaria Nacional de Juventude. Os 100 jovens, entre 15 e 29 anos, tiveram aulas de Formação em Iniciação ao Teatro, Dança, e Figurino e Produção de Moda.

“A parceria com a Secretaria de Justiça assegurou o desenvolvimento do trabalho e, para além disso, a continuidade e o legado para toda comunidade”, afirmou a coordenadora do Núcleo, Eliete Teles, citando a criação de dois grupos de teatro e um de dança após o encerramento do Curso. “Os alunos também criaram o projeto Arte na Praça, que promove apresentações culturais gratuitas, na rua, e abertas a quem queira participar e mostrar sua arte”, enfatizou.

Programa Jovens Baianos

Braço executivo da Coordenação de Políticas para a Juventude da SJDHDS, o PJB é efetivado com recursos do Fundo Estadual de Combate à Pobreza (Funcep), por meio de parceria com instituições não governamentais. Além do Núcleo de Formação em Artes Cênicas, o Programa inclui ainda os projetos Semente de Ciência, Semeando Ciência no Pacto Pela Vida, Projeto Rede TV Jovem, Pracatum Escola de Música e Projeto Estúdio Multimeios.

Fundamentado em práticas pedagógicas, sociais, culturais e esportivas, o objetivo é promover o protagonismo juvenil com ações integradas, buscando o fortalecimento dos laços familiares, o desenvolvimento comunitário, o acesso e permanência na escola, e a formação profissional. Os projetos são direcionados aos inscritos no Cadastro Único para Programas Sociais do Governo Federal (CadÚnico), priorizando jovens com famílias de renda per capita até meio salário mínimo e que estejam matriculados em escolas públicas.

 

Fonte: Ascom SecultBa/Ascom SJDHDS/Municipios Baianos

Comentários:

Comentar | Comentários (0)

Nenhum comentário para esta notícia, seja o primeiro a postar!!