30/03/2017

Salvador: Para garantir consulta, pacientes dormem na fila

 

Dona Fabiana Santos de Jesus, 39, é uma das várias pessoas encontradas na fila para atendimento no hospital Irmã Dulce, na manhã desta quarta-feira, 29.

Desde segunda-feira, ela e os filhos Bruna Luana, de 12 anos, Tauan, 5, e Ruan, 7, dormem na fila para a cada manhã esperarem abrir a marcação de consultas médica. "Já conseguimos exames de laboratório para toda a família, um otorrino para Ruan e um oftalmologista para Tauan. Vamos ficar aqui até sexta-feira", disse Fabiana, que mora em Periperi.

À noite, ela relata contar com agasalhos, um grande plástico para proteção de eventuais chuvas e papelão para deitar ou ajudar a agasalhar a si mesma, os filhos e o marido Adailton, que volta à noite para dormir com a família. "Quando dá sete horas da noite, o pessoal da igreja vem trazer lanches para todo mundo, relatou Fabiana.

"De noite faz frio e eu prefiro a sopa, que é quente", disse Bruna, enquanto os irmãos optaram pelo mesmo prato, mais o acompanhamento com pão ou sanduíches.

Contente por já ter conseguido marcar sua consulta para um ortopedista, dona Isabel Santos, de 68, contou ter chegado às 5h para receber o lugar de um parente que dormiu na fila. "Aqui ainda é o melhor lugar. Nos tratam muito bem e os médicos são muito bons. Aí da gente se não fosse o Irmã Dulce", elogiou a aposentada, residente no IAPI, sendo aprovada por todos os que estão na fila.

Já na espera para a próxima quinta-feira, 30, o motorista Carlos Teixeira Rios, do Bairro Uruguai, disse não se preocupar com a comida porque ela é certa toda noite.

Voluntários trazem sopas, pão e sanduíche. "Ruim só quando chove. A gente corre para o outro lado onde tem abrigo" contou ele, que espera conseguir amanhã marcar atendimento na fisioterapia.                       

Residente em Periperi, Djeane Santos, 23, disse estar dormindo na fila desde segunda-feira, 27, às 14h, e estar sendo proveitoso o sacrifício.

"Consegui marcar, até agora, um otorrino, para o dia 3 de abril, e um ecocardiograma para o dia 18 de abril. Só falta agora a ultrassonografia da mama, que vou tentar amanhã", relatou.   

Ao contrário de Dejane, a atendente de enfermagem aposentada, Creuza Oliveira (de blusa rosa na foto), 68, foi almoçar em casa para voltar à noite.

A amiga Vera Lúcia ficou de guardar o lugar de Creuza, moradora do Rio Vermelho, que dormirá na fila por uma vaga na consulta da ultrassonografia mamária. "Pode perguntar a todos aí, se não é. Apesar de tudo, aqui é o melhor lugar para esperar por um médico", afirmou Creuza.

Grande demanda

De acordo com Consuelo Santana, líder do ambulatório José Sarney das Obras Sociais Irmã Dulce, esta semana houve uma demanda de 2.500 vagas para a especialidade otorrinolaringologia. "Em relação aos agendamentos que fazemos aqui no laboratório, toda sexta-feira divulgamos as especialidades e procedimentos que vamos agendar durante a semana seguinte aqui no ambulatório das Obras Sociais Irmã Dulce", explicou Consuelo.

Ela acrescentou que essas especialidades são oferecidas para toda Salvador, região metropolitana e municípios o que demanda grande número de interessados e engrossa a fila de espera. "Ontem, especificamente, nós tivemos essa demanda muito grande para o otorrino e os pacientes saíram daqui com esse quantitativo de vagas. Para amanã (esta quinta-feira, 30), temos uma quantidade menor de vagas para ultrasson mamária e fisioterapia", completou Consuelo.

Estado intensifica ações de controle do vírus da febre amarela

A Secretaria da Saúde do Estado da Bahia (Sesab) e a Secretaria da Saúde de Salvador intensificaram as ações de controle do vírus da febre amarela na capital baiana. Cerca de 400 mil doses extras da vacina foram liberadas nesta quarta-feira (29), a fim de imunizar os indivíduos que não possuem duas doses registradas no cartão de vacinação.

Devido à confirmação de casos de febre amarela em quatro macacos, nos bairros da Vila Laura, Paripe e Itaigara, em Salvador, detectado precocemente pela vigilância epidemiológica estadual e municipal, o processo de vacinação foi intensificado.

No total, serão disponibilizadas 2 milhões de doses para atingir a cobertura vacinal de 100% da população que ainda não está imunizada. Considerando que quem tomou uma dose da vacina nos últimos dez anos encontra-se imunizado contra a doença.

Na avaliação do secretário da Saúde do Estado, Fábio Vilas-Boas, a cooperação entre Estado e municípios é fundamental para garantir que a febre amarela não contamine humanos na Bahia.

"Não temos nenhum caso confirmado em seres humanos em nosso estado e um dos motivos é que estamos atuando de modo preventivo. O Governador Rui Costa determinou desde janeiro um bloqueio vacinal nas regiões Oeste, Extremo Sul e Sudoeste do estado, em virtude da situação epidemiológica da febre amarela no país, com a ocorrência de óbitos em São Paulo, Goiás e Minas Gerais, incluindo regiões que fazem divisa com a Bahia”, destaca Vilas-Boas, que apontou ainda que, desde janeiro, a vigilância epidemiológica do estado vem executando o plano de ação  elaborado para a prevenção da Febre Amarela nos municípios com epizootias (morte de macacos), a fim de adotar precocemente  medidas para evitar a ocorrência da doença em humanos, como aquelas adotadas atualmente na capital baiana.

Ações

A Sesab, em sintonia com a Secretaria da Saúde do Município de Salvador, foi além da vacinação. A busca ativa de casos suspeitos em toda a área delimitada e a aplicação de inseticida utilizando o UBV (Ultra Baixo Volume) costal na área da epizootia e o UBV veicular na sede são exemplos das intervenções das equipes de vigilância epidemiológica.

Com o objetivo de intensificar o monitoramento da área, foi implantada a notificação negativa diária de febre amarela, estabelecendo assim, um fluxo de informação entre as unidades de saúde do município com o estado.

Além disso, foi recomendada a implementação da Sala Municipal de Coordenação e Controle com a participação das diversas secretarias municipais, sob a coordenação do estado, a fim de estabelecer e realizar ações intersetoriais de combate ao Aedes aegypti.

Boletim

Na Bahia, em 2017, até o dia 28 de março, foram notificados 16 casos suspeitos em humanos de Febre Amarela em 08 municípios. São eles: Coribe (4), Feira de Santana (1), Ilhéus (1); Itamaraju (2), Itiúba (1), Mucuri (1), Nova Viçosa (1), Teixeira de Freitas (3) e 2 casos com pessoas residentes no estado de Alagoas (que passaram por vários locais na Bahia). Destes, sete casos foram descartados laboratorialmente (Coribe - 4; Mucuri – 1; Teixeira de Freitas – 2) e nove casos permanecem em investigação, aguardando resultados laboratoriais.

Quanto às epizootias, até o dia 28 de março, foram notificadas 104 epizootias de Primatas Não Humanos (PNH) em 42 municípios do estado. Foram encaminhadas 51 amostras/animais em condições de análise para o Laboratório Central de Saúde Pública Professor Gonçalo Moniz (Lacen). Destes, 23 PNH foram positivos para Febre Amarela Silvestre, nos municípios de Alagoinhas, Camaçari, Catu, Cordeiros, Feira de Santana, Ituberá, Nova Viçosa, Ouriçangas, Pedrão, Salvador, Santa Rita de Cássia, São Felipe e São Miguel das Matas.

Cobertura vacinal

Os municípios que já tinham recomendação permanente de vacinação contra Febre Amarela estão com 68% da população vacinada. São eles: Angical, Baianópolis, Barra, Barreiras, Bom Jesus da Lapa, Brejolândia, Buritirama, Campo Alegre de Lourdes, Canápolis, Carinhanha, Casa Nova, Catolândia, Cocos, Coribe, Correntina, Cotegipe, Cristópolis, Feira da Mata, Formosa do Rio Preto, Ibotirama, Itaguaçu da Bahia, Iuiú, Jaborandi, Luiz Eduardo Magalhães, Malhada, Mansidão, Morpará, Muquém de São Francisco, Paratinga, Pilão Arcado, Remanso, Riachão das Neves, Santa Maria da Vitória, Santa Rita de Cássia, Santana, São Desidério, São Félix do Coribe, Sento Sé, Serra do Ramalho, Serra Dourada, Sítio do Mato, Sobradinho, Tabocas do Brejo Velho, Wanderley, Xique-Xique.

Nos municípios do extremo-sul do estado que estão com recomendação temporária para a vacinação contra a doença, a cobertura já chega a 76%. Na área ampliada da cobertura vacinal, que inclui municípios do extremo-sul e sudoeste, cerca de 74% da população imunizada. Em Alagoinhas, onde a recomendação foi feita recentemente, a cobertura está em 64%. Na capital baiana e em Feira de Santana há uma necessidade de imunizar, respectivamente, 1,7 milhão e 355 mil pessoas. Para os municípios de Camaçari, Catu, Cordeiros, Ituberá, Ouriçangas, Pedrão, Santa Rita de Cássia, São Felipe e São Miguel das Matas cerca de 250 mil pessoas deve se vacinar.

Confirmado primeiro caso de macaco infectado com febre amarela em Salvador

O primeiro caso de um macaco infectado com febre amarela em Salvador foi confirmado na manhã desta quarta-feira, 29, pela Secretaria da Saúde do Estado da Bahia (Sesab). A doença foi encontrada em um animal no bairro de Vila Laura. Já foi registrada situação semelhante em Alagoinhas, no interior da Bahia.

Após a confirmação do caso, o órgão, por meio de nota, informou que as Secretarias de Saúde do Estado e do Município vão definir novas estratégias para que o vírus não se prolifere na capital baiana.

Segundo a Sesab, os detalhes para campanha serão apresentados na coletiva de imprensa que será realizada na tarde desta quarta.

Macaco protetor

Conforme já dito em outra ocasião pela diretora de Vigilância Epidemiológica da Sesab, Aparecida Araújo, os macacos não são transmissores da febre amarela. “O macaco não causa risco e não deve ser morto, ele é um sentinela e nos protege”, esclareceu.

 

 

Fonte: A Tarde/Tribuna/Municipios Baianos

Comentários:

Comentar | Comentários (0)

Nenhum comentário para esta notícia, seja o primeiro a postar!!