21/04/2017

Transposição em Pedra do Cavalo é emergencial, diz Embasa

 

Os reservatórios que abastecem Salvador apresentam nível crítico e como tentativa de prevenir o racionamento, nesta quarta-feira (19) está sendo implantado um sistema que transpõe as águas de Pedra do Cavalo, no Recôncavo Baiano, para a barragem de Joanes II, em Camaçari, na região metropolitana de Salvador. Por conta da implantação do sistema, o abastecimento de água está suspenso nesta quarta-feira em mais de 200 localidades.

O objetivo, segundo a Empresa Baiana de Águas e Saneamento (Embasa), é aumentar o período de operação da barragem Joanes II, que junto com as barragens Joanes I (Lauro de Freitas) e a Santa Helena (Dias D'Ávila), abastece aproximadamente 40% de Salvador e maior parte da região metropolitana. Pedra do Cavalo também é responsável por mais da metade da água que abastece a capital baiana e região metropolitana.

Apesar da transposição, a situação crítica em que se encontra o manancial não será solucionada definitivamente. Caso a situação não melhore, Salvador poderá ter racionamento e essa será a primeira vez em 45 anos que a capital baiana vai restringir o fornecimento de água.

Conforme a Embasa, a intervenção desta quarta-feira é realizada a partir da adutora de água bruta que liga Pedra do Cavalo à Estação de Tratamento de Água (ETA) Principal, em Candeias, também na região metropolitana.

A Embasa explica que a transposição, também chamada de reversão, é a retirada de água de um manancial para outro como forma de equilibrar o sistema. Conforme a empresa, não é um ato inédito, mas a empresa não detalhou quando foi a última vez que isso ocorreu em Pedra do Cavalo. A medida operacional é usada em diversos sistemas de abastecimento, com o objetivo de que haja integração entre as barragens e maior disponibilidade de água armazenada em cada local.

De acordo com a empresa, para transferir água de Pedra do Cavalo à barragem de Joanes II, a Embasa vai reativar uma tubulação, que já estava implantada, na adutora de água bruta, que leva água de Pedra do Cavalo à ETA. A quantidade de água a ser direcionada para Joanes II por meio dessa tubulação dependerá das condições e necessidades do sistema.

Além do serviço de transposição, a Embasa também está fazendo a perfuração progressiva de 14 poços em uma área próxima à ETA, no município de Candeias, com custo estimado em R$ 70 milhões, que devem propocionar o aumento de mil litros por segundo no volume de água disponível para o sistema.

A Embasa informou ainda que são executadas outras intervenções no sistema de abastecimento da capital, como o remanejamento de uma adutora na Avenida Bonocô e outras ações de manutenção preventiva em diversos pontos do sistema.

Joanes II

A barragem já havia recebido água em um processo de reversão em março deste ano, assim como está sendo feito com Pedra do Cavalo. Na situação, a água da barragem de Santa Helena foi revertida para Joanes II. O encaminhamento da água de Santa Helena para Joanes II funcionou como um reforço às barragens do Joanes (I e II) em períodos de estiagem.

Segundo a Embasa, o processo deu certo, mas ainda assim, a empresa decidiu também reverter a água de Pedra do Cavalo para Joanes II. A ação tem a finalidade de reforçar a quantidade de água em Joanes II a partir de outro manancial.

A Joanes II encaminha água para Joanes I e, para que a água seja aproveitada de forma plena, a barragem precisa estar com bom fluxo. A empresa informou que não é possível fazer um cálculo da quantidade de chuva necessária para a recuperação do reservatório, pois isso depende de outros fatores como intensidade, localização das chuvas, evaporação, entre outros.

Além de Joanes II, outros cinco reservatórios fazem parte sistema integrado de abastecimento de água em Salvador e região. Quando considerado o volume útil, calculado entre o nível máximo e o nível de captação da água, os mananciais apresentam atualmente os seguintes percentuais de armazenamento: Pedra do Cavalo (22,85%), Joanes I (68%), Joanes II (8,08%), Ipitanga I (20,09%), Ipitanga II (30,62%) e Santa Helena (10,65%).

1 milhão e meio pessoas sem água desde quarta, em Salvador

O vereador Tiago Correia (PSDB) voltou a fazer críticas à Embasa devido ao problema de fornecimento de água em Salvador. Cerca de 70 localidades da capital baiana estão com o abastecimento suspenso. "Desde ontem que cerca de 1 milhão e meio de pessoas tiveram prejuízos por conta da falta d'Água. Foram 200 localidades que tiveram que amargar a ausência deste serviço. O prazo era de ser restabelecido dentro de 24 horas e até o momento existem 70 localidades com problemas de abastecimento", reclamou.

Além da interrupção no fornecimento de água da capital, por conta das obras emergenciais contra o racionamento, a Embasa informou que irá interromper o abastecimento à população em outras regiões da capital, por conta de obras de remoção de uma adutora na Avenida Bonocô. O serviço está previsto para ser realizado das 4h às 24h, com previsão de normalização do abastecimento até a próxima sexta-feira, "Nem no feriado o cidadão que paga caro por este serviço está livre desse problema. O que mais me deixa indignado é que a população mais atingida com essas ações da Embasa está na Cidade Baixa, em Cajazeiras e no Subúrbio Ferroviário", lamentou.

Autoridades e ambientalistas debatem problemas e potencialidades da Pedra do Cavalo

As potencialidades e os problemas enfrentados pelo Lago da Pedra do Cavalo foram debatidos em reunião extraordinária do Comam-Fieb (Conselho de Meio Ambiente da Federação das Indústrias do Estado da Bahia), realizada em parceria com a Secretaria de Meio Ambiente e o Grupo Feira 2.030.

O evento, que foi realizado pela primeira vez no interior, aconteceu na tarde desta quarta-feira, 19, no Auditório do Sesi, e teve a participação de autoridades municipais, conselheiros e ambientalistas.

Para o coordenador da Comam, Jorge Cajazeiras, a discussão das possibilidades viáveis para o lago é fundamental, que tem condições para ser usado como área de lazer e as terras às suas margens, irrigadas. Ele também explicou o que é e quais os objetivos do conselho.

O educador ambiental João Dias de Santana, da Semmam, mostrou a situação do lago – sob vários ângulos e destacou que discutir o manancial é importante para toda a microrregião. Apontou problemas, como assoreamento, a proliferação de plantas aquáticas que se alimentam de nutrientes presentes em esgotos.

Apontou a viabilidade da instalação de uma hidrovia que encurta a distância entre as BRs 116 e 101, do turismo ainda inexplorado em toda sua plenitude, entre outros assuntos.

É a água do lago da Pedra do Cavalo, formado pelos rios Jacuípe e Paraguaçu,  que abastece as duas maiores cidades do estado – Salvador e Feira de Santana, e dezenas de outras na região.  Mostrou problemas que o afetam – como o esgoto e o lizo, e possíveis soluções.

O vice-prefeito, Colbert Filho, que representou o prefeito José Ronaldo de Carvalho, também destacou a importância do lago na questão do desenvolvimento sustentável, bem como para os 12 municípios banhados por ele, bem como para a Salvador.

Estiveram presentes os secretários de Meio Ambiente, Sérgio Carneiro, que destacou a criação do Comitê Municipal de Políticas Sustentáveis, mais o de Trabalho, Turismo e Desenvolvimento Econômico, Antônio Carlos Borges Júnior e o de Governo, Paulo Aquino.

Mais os vereadores Roberto Tourinho e Fabiano da Van, o engenheiro Sérgio Aras e o vice-presidente da Fieb, Edson Nogueira.

 

 

Fonte: G1/Bahia Já/Secom PMFS/Municipios Baianos

Comentários:

Comentar | Comentários (0)

Nenhum comentário para esta notícia, seja o primeiro a postar!!