29/04/2017

Projeto Arte e Capoeira no Parque realiza encontro em Pituaçu

 

Após o primeiro encontro, realizado em março no Parque São Bartolomeu, o projeto Encontro Infantil Arte e Capoeira no Parque volta a reunir crianças no próximo domingo (30), desta vez no Parque Pituaçu, a partir das 8h. Será mais uma manhã para difundir e semear essa arte e cultura milenar que é a capoeira, associando a sua vivência ao contexto de preservação ambiental. No encontro, acontecem oficinas de musicalidade, envolvendo o berimbau, pandeiro, agogô, reco-reco e atabaque, além de uma oficina de educação ambiental.

O objetivo é ensinar de forma lúdica a importância da capoeira na construção da identidade cultural e social brasileira, tomando como base a valorização da ancestralidade. O público infantil prioritário é oriundo de entidades que já trabalham com a difusão da capoeira, mas as crianças que estiverem no parque serão inseridas nas atividades e atendidas gratuitamente.

O projeto está na sua segunda temporada e é resultado da iniciativa da Associação Cultural de Capoeira Gangara (São Caetano), presidida pelo Mestre Nal, que propõe uma ação coletiva de grupos de capoeira da Bahia, sendo eles a Associação Regional da Bahia (Massaranduba), tendo à frente Mestre Careca, Grupo Berimbau Cruzado (Plataforma), dirigida por Mestre Berico, Associação de Capoeira Calabar (Calabar), presidida por Mestre Malvina, e Associação Cultural Renovação (Nordeste), com direção de Mestre The Flash.

O Encontro Infantil Arte e Capoeira no Parque também cumpre o objetivo de dinamizar espaços públicos da cidade, tendo sido selecionado pelo edital 013/2016 do Centro de Culturas Populares e Identitárias (CCPI), que garante o apoio financeiro do Governo do Estado, através do Fundo de Cultura, da Secretaria da Fazenda e da Secretária de Cultura do Estado da Bahia (SecultBA).

O projeto ainda contempla a confecção de uma cartilha de educação patrimonial, voltada para as crianças com foco na capoeira, desenvolvida por Franciane Simplicio (Bizonha), capoeirista e mestra em educação pela UFBA, juntamente com Dayse Simplicio (Formiga), capoeirista e socióloga. A publicação possibilita o entendimento do universo temporal da capoeira: passado, presente e futuro e preservação dessa memória.

A cartilha será distribuída gratuitamente às crianças participantes do evento e estendida a outros grupos de capoeira que desenvolvem trabalhos com crianças e tenham interesse no material, que pode ser solicitado através do e-mail: marecheiaproducoescriativas@gmail.com.

  • SERVIÇO

Encontro Infantil Arte e Capoeira no Parque

Dia: 30 de abril (domingo)

Horário: 8h

Local: Parque de Pituaçu

Jam no MAM faz homenagem ao músico Zeca Freitas deste sábado

A JAM no MAM neste sábado (29) vai fazer uma homenagem ao saxofonista, pianista, arranjador, empreendedor e maestro Zeca Freitas. Ao receber o músico para um novo lançamento do seu Songbook, a banda Geleia Solar abrirá a noite interpretando algumas das suas composições, como Alma Brasileira e Vitor, além de contar com a presença do próprio maestro na jam session da noite.

O público também poderá adquirir o Songbook contendo as partituras das composições de Zeca Freitas, ordenadas cronologicamente, ao preço de R$ 40,00. A JAM no MAM é um projeto da Huol Criações e é realizado aos sábados, às 18h na área externa do Museu de Arte Moderna da Bahia. Apresentada pelo Ministério da Cultura e Instituto CCR, em 2017 a JAM no MAM tem o patrocínio da CCR Metrô Bahia.

Há alguns anos atrás, cansado de olhar para a pasta onde guardava suas composições escritas à mão - algumas com mais de 40 anos de idade - somadas a outras tantas no computador, Zeca Freitas resolveu tornar real o que considera ser "o sonho de todo compositor". Como forma de organizar a sua produção e compartilhar com outras pessoas, produziu um songbook com cerca de cem composições ordenadas cronologicamente, além de fotografias, cartazes de shows e histórias das músicas e da relação com cada estilo: samba, jazz, baião, valsa, choro, maxixe, forró, marchinha, bolero, maracatu, funk, samba-raggae etc.

O songbook foi lançado em Salvador em julho de 2016 e, nessa homenagem da JAM no MAM a Zeca Freitas, chega novamente ao público, que ganha nova chance de entrar em contato com a produção de um músico que é referência para a música instrumental baiana e brasileira. Zeca foi, por exemplo, integrante da Banda do Companheiro Mágico (ao lado de Tuzé de Abreu, Toni Costa, Sérgio Souto e Guilherme Maia, entre outros, em meados dos 1970), uma das grandes inspirações para os músicos que fazem hoje a JAM no MAM. Contribuiu ainda com grupo Raposa Velha (década de 1980) e foi criador de orquestras e maestro da Orquestra de Todos os Santos.

  • SERVIÇO

JAM NO MAM

Data: Aos sábados

Local: Museu de Arte Moderna da Bahia - MAM (Av. Contorno, s/n, Solar do Unhão)

Horário: das 18h às 21h

Ingresso: R$ 8,00 (inteira) e R$ 4,00 (meia). Vendas na bilheteria do local, a partir das 17h dos sábados.

Palácio sedia III Festival de Ilustração e Literatura Expandido

Crie, imagine, sonhe, ocupe! É com este mantra que o III Festival de Ilustração e Literatura Expandido vai movimentar a cena cultural de Salvador, entre os dias 4 e 7 de maio (quinta-feira a domingo). Tendo como espaço de encontro o Palácio da Aclamação, no Passeio Público - Campo Grande, o festival traz em sua programação, gratuita, diversas oficinas, exposições, lançamento de livro, conversas coletivas, performances, atividades infantis e sedia Feira Ladeira, acontecimento que reúne artistas gráficos, ilustradores, editores e escritores de diversas nacionalidades, em torno das artes impressas e publicações independentes.

O projeto é uma realização da Movimento Contínuo com produção da Multi Planejamento Cultural e tem apoio financeiro do Governo do Estado, através do Fundo de Cultura da Secretaria da Fazenda e Secretaria de Cultura da Bahia.

Ao incorporar, nessa edição, o conceito de "expandido", o festival ensaia propor algumas rupturas de fronteiras entre linguagens artísticas, a começar pelo tema deste ano que é "Leitura Expandida", como explica a idealizadora e coordenadora do projeto, Flávia Bomfim. "Queremos expandir nossos entendimentos sobre a leitura. Falamos de leitura de livros, mas também de leitura de mundos, de mãos e de corpos, de áureas e da íris, de plantas, de tempos e de nuvens, ou seja, é uma leitura que vai além do texto ou da imagem impressa, e que para alcançar camadas mais complexas precisamos reaprender a ver, e reaprender a ler" reitera.

Para abertura do III Festival de Ilustração e Literatura, o artista gráfico espanhol Isidro Ferrer apresenta a conferência "Elogio à Desordem", um convite à construção de novos olhares, sentidos e materialidades. Isidro também apresentará a exposição "Coleção de Assombros" com 36 cartazes em grande formato, criados para os mais diversos eventos, situações e ideias ao longo dos últimos 15 anos. Em seguida, o festival abre espaço para o lançamento do "Rumor", primeiro livro de poemas da baiana Tenille Bezerra com participação especial de Mateus Aleluia. A noite de abertura encerra com um duo entre os músicos Mateus Aleluia e Arto Lindsay.

"Elogio à Desordem" também é o tema da oficina que Isidro Ferrer ministrará nas manhãs dos dias 5 e 6 de maio. Sempre destaque da programação, as oficinas são pensadas para todas as idades, assim como para profissionais e amadores. Nesta edição, foram também convidados para ministrar oficinas para adultos o português André Letria, as chilenas Leonor Pérez e Maria José Ferrada, a mexicana Gimena Romero e a paulista Valquíria Prates. A colombiana Elena Landinez e a baiana Rebeca Silva comandarão as oficinas infantis; "Cidades Invisíveis" no dia 6 (sábado) e "Criança pinta muito - Seres fantásticos" no dia 7 (domingo).

Feira Ladeira

Pela segunda vez o Festival de Ilustração e Literatura Expandido recebe em sua programação uma Feira de Impressos. A Feira Ladeira - Arte Impressa e Publicações Independentes irá reunir artistas, editores, escritores, designers e produtores que prezem em seus processos pelo valor artístico, pela guerrilha, pela manualidade e pelas pequenas tiragens, mas, acima de tudo, que prezem pelo prazer da cooperação, da beleza e do afeto, apresentando novos paradigmas de produção e circulação de conteúdos. Serão 60 editoras e artistas do Brasil e de outros países que estarão expondo, entre elas a Lote 42, Meli-Melo, Nano Editora, Pato Lógico, CRUA, Gris Editora e Tanto. A Feira da Ladeira acontece nos dias 5 e 6 de maio, das 14h às 20h30 e no dia 7 de maio das 10 às 20h30.

Ateliê Vala

Durante os quatro dias do Festival, quatro editoras vão se reunir com o propósito de criar uma publicação e apresentá-la ao público no domingo, dia 7. A Pipoca Press (RJ), a Conspire Edições (SP), a Pallas (RJ), e a Movimento Contínuo (BA) convidarão os artistas da programação do evento à produzirem conteúdos a partir de suas impressões e experiências no festival, para a "Revista Vala", que será impressa em duas cores em uma impressora Risograph.

Kirimurê - A baía dos Tupinambás - Recontado pela escritora baiana Ladu Goodend, o mito Tupinambá foi o mote de convocatória para que artistas e ilustradores enviassem imagens que dessem corpo à exposição coletiva. Dessa convocatória internacional foram selecionadas 30 imagens que serão expostas em lambe-lambes pelos muros da cidade.

Essa é uma história que nos traz a imagem mitológica Tupinambá de como a Baía de Todos os Santos foi formada. "Queremos colar as ilustrações nos muros que estão perto ou que dão vista à baía, essa é também uma ação que questiona os espaços expositivos da arte e que expande para além do espaço de realização do próprio festival", comenta a idealizadora, Flávia Bomfim.

  • III Festival de Ilustração e Literatura Expandido

4 a 7 de maio

Local: Palácio da Aclamação

Entrada franca

Informações e inscrições: ilustrafestival.com.br

Dia 04/05 (quinta-feira)

18h30 - Abertura Exposição de cartazes de Isidro Ferrer

19h15 - Conferência com Isidro Ferrer

20h40 às 21h - Lançamento do livro "Rumor" (Tenile Bezerra)

20h45 às 22h - Poesia musicada com Mateus Aleluia e Arto Lindsay

Dia 05/05 (sexta-feira)

9h30 às 13h - Oficina "Elogio à Desordem" com Isidro Ferrer

14h às 17h30 - Atelier Vala

14h às 20h - Feira Ladeira (abertura)

14h às 17h - Oficina "Imagem e Poesia" com Leonor Perez e Maria José Ferrada e Oficina "Picnário" com Valquíria Prates

17h40 às 18h40 - Jam experimental com Pedro Filho, Elena Landinez e Leo França

Dia 06/05 (sábado)

9h30 às 13h - Oficina "Elogio à Desordem", com Isidro Ferrer

14h às 20h30 - Feira Ladeira

14h às 17h30 - Atelier Vala

14h às 17h - Oficina "Imagem e Poesia", com Leonor Perez e Maria José Ferrada

Oficina "A narrativa do ponto", com Gimena Romero

Oficina "Cidades Invisíveis", com Elena Landinez (infantil)

15h30 às 17h30 - Conversa Coletiva "O que pode um livro?", com Mariana Warth, Vania Medeiros e Valquíria Prates

18h – Lançamento "Puxadinho da Bahia", coleção da editora Pipoca Press em parceria com o festival

Dia 07/05 (domingo)

10h às 13h - Oficina "Imagem e Poesia: o caminho da observação", com Maria José Ferrada e Leonor Perez

10h às 13h30 - Oficina "E se eu fosse um livro?", com Andrea Letria

10h às 12h - Oficina "Criança Pinta Muito", com Rebeca Silva

10h às 19h - Feira Ladeira

10h às 16h - Atelier Vala

14h às 17h – Oficina "A narrativa do ponto", com Gimena Romero

15h às 17h - Conversa coletiva: Leitura expandida - Desafios contemporâneos da escrita para a infância e/ou caminhos possíveis a partir de uma educação pela arte, com André Letria, Maria José Ferrada e Isidro Ferrer.

17h40 às 18h30 - Jam experimental com Vânia Medeiros, Raiça Bomfim e Mariana Marin

 

Fonte: SecultBa/Municipios Baianos

Comentários:

Comentar | Comentários (0)

Nenhum comentário para esta notícia, seja o primeiro a postar!!