30/04/2017

Jogo da Baleia Azul: Até que ponto devemos nos preocupar?

 

A prefeitura de Curitiba (PR) emite alerta diante de tentativas de suicídio de jovens. Em Goiânia (GO), polícia investiga a automutilação de adolescentes. Belo Horizonte (MG), Pará de Minas (MG) e Arcoverde (PE) apuram mortes suspeitas com o mesmo perfil. O Ministério da Justiça aciona a Polícia Federal para investigar o jogo virtual que teria relação com esses e outros casos recentes de suicídios e automutilações pelo país.

Relatos sob investigação no Brasil em abril de 2017 citam adolescentes vulneráveis que estariam sendo encorajados a retirar a própria vida por meio de uma série de desafios online.

Sabe-se que esses desafios, conhecidos como "jogo da Baleia Azul", tiveram origem em 2015 nas redes sociais da Rússia e se espalharam pela Europa nos últimos dois anos.

Na Rússia, as mortes de alguns adolescentes foram relacionadas ao jogo - embora não haja confirmação sobre esses relatos.

A ideia é que indivíduos estariam sendo convidados a completar um número de tarefas em 50 dias. As tarefas ficariam cada vez mais danosas à pessoa e terminariam com um desafio ao suicídio.

Há preocupação que a ideia esteja se espalhando pelo mundo - e pelo Brasil - por meio de redes sociais.

Mas como diferenciar o que é fato e boato nessa história, que por muitas vezes assume contornos de lenda urbana? Com questionamentos sobre a própria existência do desafio, e sem conexões comprovadas entre as mortes da Rússia e o jogo, quão preocupados devemos estar?

O que é a Baleia Azul?

Há certa confusão sobre a origem do nome, mas acredita-se que seja uma referência a um comportamento de certas baleias azuis, que aparecem em praias e morrem encalhadas.

O nome estaria sendo usado por grupos de pressão na internet, que indicariam um "curador" ou "administrador" que encorajaria participantes a completar testes em 50 dias.

As tarefas iriam de demandas simples, como assistir um filme de terror, a pedidos mais sinistros, como automutilações e suicídio.

Infelizmente é comum que grupos em redes sociais atraiam adolescentes, causando danos à saúde mental desses jovens.

Origem dos grupos

O primeiro elo nessa cadeia de eventos foi o suicídio, em novembro de 2015, da adolescente russa Rina Palenkova, de 16 anos.

Fotos publicadas pela jovem antes do ato, a mensagem de despedida e supostas fotos do corpo viralizaram no Vkontakte, ou VK, espécie de Facebook russo.

O VK permite que usuários faturem atraindo tráfego para comunidades online criadas dentro da rede social. Com isso, alguns viram oportunidade de negócio no apetite de adolescentes por imagens e informações sobre o suicídio de Rina.

Assim surgiram os chamados "grupos da morte" da web russa. Esgotado o material autêntico sobre a jovem, tais grupos começaram a produzir ações interativas baseadas em narrativas fictícias - incluindo a de que Rina teria integrado uma seita secreta e sido a primeira a cumprir as etapas de uma "missão" que teria culminado no suicídio.

Do underground ao escândalo

Esses grupos deixaram de ser um fenômeno underground e se transformaram em escândalo na sociedade russa com a publicação, em maio de 2016, de uma reportagem-denúncia pelo jornal Novaya Gazeta , conhecido pelas críticas ao Kremlin.

A reportagem trazia o depoimento de uma mãe de uma menina de 12 anos que se suicidou. A mãe dizia ter investigado a tragédia e descoberto o elo da filha com os grupos.

Oscilando entre indignação emotiva e sensacionalismo, o material afirmava que "ao menos 80" entre 130 suicídios de jovens supostamente registrados na Rússia de novembro de 2015 a abril de 2016 envolviam vítimas que participavam desses grupos.

A reportagem provocou comoção, mas também críticas. Algumas diziam, por exemplo, que os números citados careciam de fontes e que administradores dos "grupos da morte" não tinham sido ouvidos.

Outros veículos da imprensa russa entraram na história e produziram outros relatos. Supostos curadores de "grupos da morte" consultados disseram que o objetivo era atrair jovens com tendências suicidas, e então dissuadi-los; outros, que tudo não passava de uma arapuca financeira.

Um dos curadores citados pela Novaya Gazeta , Filipp Budeikin, de 22 anos, disse que tudo não passava de "piada". Em suas comunidades, contudo, Budeikin se referia aos jovens como "lixo biológico" a ser eliminado. Ele acabou preso em novembro de 2016, acusado de incitar pelo menos 15 suicídios, e aguarda julgamento.

Segunda onda

A imprensa russa voltou a mencionar o fenômeno no início deste ano, citando um surto de buscas online, nos países da antiga União Soviética, por expressões como "baleia" e "baleias azuis", e a emergência da hashtag #ojogo na rede social VK.

Ao mesmo tempo, reportagens do site americano de checagem Snopes e do grupo Radio Free Europe/Radio Liberty concluíram que não havia evidências que ligassem atos de violência na Rússia - suicídio ou agressões a terceiros - ao jogo virtual.

A Radio Free Europe , por exemplo, descreveu um mundo em que os dois lados do jogo pareciam não levar nada muito a sério - "curadores" que pediam dinheiro em vez de tarefas mórbidas e "vítimas" que se inscreviam por brincadeira .

Também no começo de 2017, o assunto chamou a atenção de tabloides britânicos, como Daily Mirror e The Sun , que resgataram o material original da Novaya Gazeta . Assim a história chegou ao Ocidente.

A narrativa começou a atrair atenção no Brasil no início de abril, provocando preocupações e e um furor midiático semelhantes aos observados na Rússia e em ex-repúblicas soviéticas.

Para o pesquisador americano Benjamin Radford, autor de livros sobre lendas urbanas, a situação tem "todas as características de um pânico moral", nome dado por cientistas sociais a temores que se espalham de modo irracional.

Radford identifica nessa tendência elementos familiares a outros casos de medo coletivo: uma ameaça tecnológica a crianças e adolescentes; a situação clássica de "forasteiro perigoso", em que a ameaça parte de um estranho manipulador; e o elemento de teoria da conspiração.

"Há pouca evidência de que o jogo já tenha causado algum suicídio, ou mesmo que exista", disse ele, embora reconhecendo que a história em torno do jogo seja algo "possível".

Na última semana, o ministro da Justiça, Osmar Serraglio, atendeu pedidos do prefeito de Curitiba, Rafael Greca, e de quatro deputados federais para que a Polícia Federal investigue o jogo Baleia Azul.

Segundo o Ministério da Justiça, há relatos sobre adesão e vitimização de adolescentes que aceitaram desafios propostos pelo jogo em Estados como Paraná, Minas Gerais, Pernambuco, Maranhão e Amazonas. Ainda não há prisões relacionadas aos casos.

Devo me preocupar?

Embora autoridades na Rússia e no Brasil estejam investigando possíveis elos entre o suicídio de adolescentes e grupos de pressão na internet, não há relatos confirmados de ligação com o jogo da Baleia Azul.

O que a policia procura nessas investigações são conversas prévias entre as vítimas e usuários de redes sociais que possam ter influenciado as ações. No Brasil, incitação ao suicídio é crime com pena de dois a seis anos de prisão, em caso consumado.

Também há relatos de casos de suicídio em investigação na Ucrânia, Casaquistão e no Quirguistão, com foco com grupos online.

Como identificar sinais?

Grupos como a organização britânica de proteção à criança NSPCC oferecem conselhos sobre como detectar sinais de assédio online de crianças e práticas de construção de conexão emocional para obtenção de confiança - e também sobre como proteger a criança do avanço dessas situações.

Há uma série de possíveis sinais, mas eles não são óbvios porque criminosos costumam procurar a discrição para evitar serem detectados.

  • Entre os sinais e comportamentos mais comuns a serem observados são crianças que:
  • ficam com muitos segredos, sobretudo sobre o que fazem na internet;
  • estão passando muito tempo na internet e em redes sociais;
  • mudam a tela de visualização quando alguém se aproxima;
  • ficam caladas ou com raiva após usarem a internet ou enviarem mensagens de texto;
  • possuem muitos números de telefone e e-mails novos no celular.

O que fazer ?

O Ceop, agência do governo britânico de combate à exploração infantil online, ressalta que às vezes a mudança de comportamento da criança é algo completamente normal, e que é importante não reagir de modo exagerado.

Ter uma conversa calma e aberta, diz a agência, é uma maneira eficaz de determinar as causas de qualquer mudança de comportamento, lidando com preocupações de maneira franca e oferecendo suporte e apoio moral.

Um programa educacional preparado pela organização ThinkUKNow também diz ser importante deixar claro ao jovem que qualquer conversa não irá resultar em punição. Segundo a ONG, crianças costumam evitar relatar sua preocupação caso acreditem, por exemplo, que seu acesso à internet será restringido.

Outro grupo de aconselhamento britânico, o Get Safe Online, diz ter conhecimento dos relatos "horríveis" relacionados ao jogo e lamentou que grupos estejam dispostos a "abusar dessas plataformas (redes sociais)".

Tony Neate, executivo do grupo, afirma que o diálogo é essencial para enfrentar questões de pressões de grupo caso a criança esteja "agindo estranhamente".

"Isso permitirá a criança dar um passo atrás, para longe das pressões", diz ele, acrescentando que isso ajudará o jovem a perceber que não se trata de "algo que eles tenham que seguir".

 

Fonte: BBC Brasil/Municipios Baianos

Comentários:

Comentar | Comentários (0)

Nenhum comentário para esta notícia, seja o primeiro a postar!!