16/05/2017

Deputado responsabiliza Rui por “reajuste extorsivo” da Embasa

 

Vice-líder da oposição na Assembleia Legislativa, o deputado estadual Pablo Barrozo (DEM) criticou hoje o reajuste anunciado pela Embasa para o dia 6 de junho. O aumento, de 8,8%, é superior à inflação medida em 2016, que foi de 6,3%, e daquela calculada nos últimos 12 meses, que alcançou 4,7%.

“Trata-se de mais um aumento abusivo e surreal, que não leva em conta nem a realidade econômica vivida pelo país e nem dos serviços prestados pela Embasa, que são péssimos. Em Salvador, toda semana falta água nos bairros”, afirmou o parlamentar.

Pablo Barrozo responsabilizou o governador Rui Costa pelo “reajuste extorsivo”, e estuda medidas judiciais para tentar derrubar o aumento.

“O estado controla a Embasa e a Agência Reguladora de Saneamento Básico da Bahia (Agersa), que tem o poder de vetar o aumento. O governador vive falando em crise. Disse que não vai dar aumento aos servidores públicos porque não tem dinheiro. E não leva em conta o dinheiro do trabalhador que não tem condição alguma de arcar com um aumento desses, acima da inflação”.

Em Salvador, 23 vereadores são virtuais candidatos a deputado

A pouco mais de um ano para a corrida eleitoral de 2018, mais da metade dos vereadores de Salvador já se movimenta nos bastidores para emplacar uma candidatura a deputado estadual ou federal. Levantamento feito pelo Correio aponta que ao menos 23 vereadores, entre os que cumprem mandato e os licenciados, estão no páreo por uma vaga na Assembleia Legislativa ou na Câmara.  Oito deles têm a candidatura dada como certa - três da oposição e cinco da base aliada à prefeitura.

Um deles, Maurício Trindade (DEM), prepara sua candidatura a deputado estadual, cargo que já ocupou de 2003 a 2007. Hilton Coelho (PSOL), Paulo Magalhães Júnior (PV) e Luiz Carlos Suíca (PT), que já se candidataram em outras eleições, devem tentar novamente uma vaga na Assembleia. Joceval Rodrigues (PPS), por sua vez, concorreu em 2014 a deputado federal, mas ficou na suplência. Em 2018, o alvo será o Legislativo estadual, mas Brasília ainda se mantém no radar.

Entre os licenciados, Paulo Câmara (PSDB) é outro nome que aparece como certo na bolsa de apostas. Ele assumiu recentemente a Secretaria Nacional de Assuntos Federativos, órgão vinculado à Secretaria de Governo da Presidência da República. O cargo, considerado estratégico. o fortalece buscar uma eleição a deputado estadual. Tiago Correa (PSDB) e Carlos Muniz (PTN) completam a lista de vereadores que devem concorrer no próximo ano.

A busca por prefeitos e lideranças do interior, aliada à defesa de bandeiras populares, fazem parte da estratégia dos vereadores para musculatura antes da corrida eleitoral. A estimativa, a princípio, é de que o ponto de corte para sonhar com a vitória seja em torno de 40 mil votos. O que representa de duas a três vezes mais do conquistado por eles na eleição de 2016.

Possibilidades

Na lista dos prováveis, dois podem tentar a Câmara dos Deputados. O vereador-celebridade Igor Kannario (PHS), eleito pela primeira vez no ano passado, é um deles. Pesquisas internas do partido indicam que ele tem conquistado boa pontuação nos 50 maiores municípios baianos, o que pode viabilizar uma candidatura ao Congresso, embora a Assembleia também esteja nos planos.

Nos bastidores, Sílvio Humberto (PSB) começou a discutir a hipótese de candidatura com o movimento negro, principal base de votos do socialista. No momento, a disputa pela Assembleia, em dobradinha com o deputado federal Bebeto (PSB), é o caminho mais cogitado.

Candidato a deputado nas últimas quatro eleições, o vereador Odiosvaldo Vigas (PDT) pode novamente tentar a sorte na Assembleia ou na Câmara Federal, cargo que concorreu em 2014. Nas três anteriores, ele concorreu ao Legislativo estadual.

De todos, o DEM é o partido que reúne a maior quantidade de virtuais candidatos entre os vereadores. Além de Maurício Trindade, Orlando Palhinha pode tentar uma cadeira de deputado estadual, como fez nas eleições de 2006 e 2014.

Leo Prates, presidente da Câmara Municipal, é outro nome forte da legenda cotado para a batalha pela Assembleia. Apesar de ser considerado peça certa no xadrez da sucessão, Prates ainda se diz indefinido sobre 2018.

O vereador licenciado Claudio Tinoco também surge na lista de prováveis candidatos do DEM a deputado estadual do ano que vem. Secretário municipal de Turismo e Cultura, Tinoco tem em mãos um cargo cuja visibilidade lhe coloca com boas chances na corrida. Completa a lista o novato Alexandre Aleluia, filho do deputado federal José Carlos Aleluia (DEM).

Assim como Tinoco, Geraldo Júnior (SD), que comanda a pasta de Trabalho, Emprego e Esporte, tem no cargo um trampolim para se viabilizar. Outro licenciado, Alberto Braga (PSC), chefe da Companhia de Governança Eletrônica do Salvador (Cogel), também se movimenta para concorrer à Assembleia.

Mais de 200 prefeitos baianos levam pautas municipalistas à Marcha a Brasília

Derrubada do veto do ISS, parcelamento da dívida do INSS e correção do piso do magistério a partir do valor recebido por aluno/ano. Esses são os três temas municipalistas que vão pautar a atuação dos prefeitos baianos participantes da 20ª edição da Marcha a Brasília em Defesa dos Municípios, que ocorrerá de 15 a 18 de maio, no Centro Internacional de Convenções do Brasil (CICB), em Brasília.

O principal evento do calendário municipalista é promovido pela Confederação Nacional dos Municípios (CNM) e conta com o apoio das associações estaduais. Na Bahia, o presidente da União dos Municípios da Bahia (UPB) e prefeito de Bom Jesus da Lapa, Eures Ribeiro, vai liderar os mais de 200 prefeitos baianos inscritos na Marcha.A principal pauta é a derrubada do veto ao Imposto sobre Serviços de Qualquer Natureza (ISS), que foi assinado pelo presidente da república, no final do ano passado. É importante que aconteça uma redistribuição do ISS.

Os prefeitos vão lutar para alterar o local da cobrança do ISS do Município dos prestadores de serviços sede da administradora de cartões, da arrendadora mercantil ou da administradora de planos de saúde, para o dos tomadores desses serviços. Foi agendada para o dia 16 de maio, período em que estará acontecendo a Marcha, a análise dos vetos, pelos parlamentares. Também durante a Marcha, os prefeitos vão cobrar do presidente Michel Temer a edição da Medida provisória para ampliar o prazo de parcelamento da dívida dos municípios com o INSS, para 200 meses.

Atualmente só é possível fazer esse parcelamento em até 60 meses, com uma entrada de 20% do valor devido. A terceira pauta que será levada à Marcha é a correção do Piso do Magistério a partir da correção do valor por aluno/ano. A receita do Fundo de Manutenção e Desenvolvimento da Educação Básica e de Valorização dos Profissionais da Educação (Fundeb) não acompanha o aumento do piso, fato preocupante especialmente devido à crise enfrentada pelas prefeituras, quando o Brasil vive uma retração da atividade econômica, há dois anos, além da diminuição de arrecadação.

Crise hídrica e falta de abastecimento elevam riscos com Aedes, diz Vilas-Boas

Ao desenvolver a campanha Combate ao Mosquito, lançada na manhã desta segunda-feira (15), o governo estadual levou em consideração a crise hídrica enfrentada no Nordeste. A medida conta com ações contra o Aedes aegypti, principal vetor de doenças como dengue, chikungunya e zika.

Conforme destacou o secretário da Saúde, Fábio Vilas-Boas, o déficit hídrico somado às frequentes interrupções no abastecimento de água têm favorecido a proliferação de larvas.

"A principal localidade onde encontramos larvas nas residências é em recipientes que acumulam água, sejam em caixas d'água descobertas ou mal cobertas, mas também em latas de água e panelas, que as pessoas vêm guardando em momentos de suspensão temporária do abastecimento de água", observou o titular, orientando a população a se mobilizar contra os focos do mosquito.

A campanha do governo estadual vai contar com intervenções educativas nas escolas, nas comunidades e peças veiculadas em jornais, TVs, outdoors e nas diversas redes sociais.

Setps aponta prejuízos como empecilho para atender pleito dos rodoviários

O assessor de Relações Sindicais do Sindicato de Empresas de Transportes de Passageiros (Setps) em Salvador, Jorge Castro, aponta prejuízos do setor como empecilho para atender pleito dos rodoviários. A categoria ameaça entrar em greve e critica a falta de reajuste salarial, pede aumento no ticket refeição e não aceita retirada de cobradores nos ônibus.

O impasse entre empresarios e rodoviários vai ser tratado em reunião de mediação, nesta terça-feira (16), no Ministério do Trabalho e Emprego.

"Estamos com prejuízo de mais de R$ 100 milhões do ano passado. Esse ano, estamos com quase R$ 12 milhões de prejuízos mensais. A situação é muito grave, há uma recessão no país e ela reflete no setor de transporte, pois diminui o número de passageiros. [...] Além do mais, a questão do metrô, que houve uma redução no nosso número de passageiros", elencou Castro em entrevista.

"Estamos até dispostos a discutir um percentual de reajuste de salário, porém, precisamos de algumas coisas que são boas em nossa flexibilização. Por exemplo, a compensação de horas extras, que reduz os nossos custos com horas extras, a retirada de cobrador para linhas de baixa demanda. Que isso fique claro, é somente nos feriados e finais de semana. O sindicato não aceita nenhuma destas propostas e fica falando que estamos querendo tirar cobrador, querendo destruir o mundo. Não, não existe isso", criticou.

Negociação entre empresas e rodoviários precisa de "bom senso e equilíbrio", diz Neto

O prefeito ACM Neto (DEM) se manifestou, durante coletiva de imprensa na manhã de segunda-feira (15), sobre a possível greve dos rodoviários em Salvador. A categoria aprovou o estado de greve na última quinta-feira (11) e vai se reunir com empresários na terça-feira (16) no Ministério do Trabalho e Emprego (MTE).

Pedindo "bom senso e equilíbrio", o democrata declarou que está acompanhando as negociações, além de afirmar que sempre se colocou ao lado da categoria. "Nós acompanhamos com atenção para evitar, se é possível a partir de uma intervenção nossa, que exista paralisação. De lado a lado, sempre me coloquei ao lados dos rodoviários, então fico à vontade para tratar sobre o assunto", afirmou.

"De um lado, os empresários devem ter sensibilidade para garantir os direitos dos rodoviários e por outro, os rodoviários têm que entender que o Brasil vive uma crise. É necessário preservar o emprego. O sistema de transporte tá passando por um momento difícil", acrescentou.

Definição sobre greve dos rodoviários sairá após reunião nesta terça-feira

Em estado de greve desde a última quinta-feira (11), os rodoviários de Salvador só decidirão se vão parar depois da reunião marcada com empresários no Ministério do Trabalho e Emprego (MTE), na terça-feira (16). De acordo com informações do presidente do sindicato da categoria, Hélio Ferreira, o encontro está marcado para às 10h30. "Vamos aguardar [o fim da reunião] para decidir [se vai parar ou não]", disse.

"[Em reunião com a Semob nesta segunda] pedimos a mediação da prefeitura na campanha salarial para evitar a greve, para a Semob [Secretaria de Mobilidade] chamar os empresários para responsabilidade, dar o direito dos trabalhadores e evitar a greve geral por tempo indeterminado", acrescentou.

Hélio disse esperar a presença dos empresários para discutir o assunto na reunião. "Esperamos que os empresários vão e façam uma proposta aos trabalhadores. Estamos à disposição. A comissão de negociação está de plantão esperando qualquer instituição. Hoje a gente acha que os empresários estão querendo empurrar a categoria para a greve", concluiu.

 

Fonte: Ação Popular/Correio/Tribuna/Bocão News/Municipios Baianos

Comentários:

Comentar | Comentários (0)

Nenhum comentário para esta notícia, seja o primeiro a postar!!