17/05/2017

Profissionais fazem a diferença no atendimento do Mutirão de Cirurgias

 

Teixeira de Freitas já tem 740 pacientes inscritos para o Mutirão de Cirurgias, que começou a atender hoje (16) e fica até o dia 18 na cidade, no estacionamento do Shopping Pátio Mix. O atendimento pré-operatório para as cirurgias de vesícula, hérnia e histerectomia começa às 7 horas e segue até 17 horas.

Mas para o sucesso desta iniciativa do Governo da Bahia, existem profissionais dedicados, prontos a acolher, a ajudar e a orientar cada um desses pacientes.

Composta por enfermeiros, médicos, técnicos de raio X, técnicos em eletrocardiograma (ECG), recepcionistas, digitadores e motoristas, a equipe reúne 20 profissionais que desde setembro levam saúde aos municípios baianos, sempre com um sorriso no rosto, ainda que por vezes, muito cansados, "pois tem dias que temos hora para começar, mas não temos hora para encerrar o trabalho, que muitas vezes  entra pela madrugada. Mas não deixamos nenhum paciente sem atendimento'", conta o coordenador do Mutirão, Deleon Francisco, um dos entusiastas do programa.

E por falar em entusiasmo, tem aqueles que, a princípio, sua "única" função na equipe seria levá-la de um lado para o outro, mas já se envolveram tanto, que hoje até ajudam orientando o fluxo do atendimento e colaborando no que é necessário, como é o caso do motorista João Andrade, servidor da Secretaria da Saúde do Estado da Bahia (Sesab) há mais de 20 anos.

Rose Simões, coordenadora da equipe de imagem do Mutirão, ressalta que quando se trabalha "com amor, mesmo estando na estrada há tanto tempo, é impossível não se emocionar em determinadas situações". Ela se referia à paciente Lucinélia Rocha dos Santos, 41 anos, que vai fazer cirurgia de vesícula e chorou de emoção por estar ali para ser atendida. "Eu percebi que ela chorava muito e fui saber o motivo para confortá-la, para abraçá-la", explica Rose Simões.

Para a equipe, no final o que importa é a satisfação do paciente. O médico Lucas Olivieri destaca que é muito bom ver a felicidade estampada no rosto de quem ficou até anos aguardando para realizar uma cirurgia. "A beleza do Mutirão está em atender pessoas que realmente precisam, que estão sofrendo e, às vezes, até sem trabalhar, e levar saúde para elas".

Ricardo José da Silva, que trabalha na triagem dos pacientes, resumiu o sentimento da equipe, dizendo que é “muito prazeroso atender essas pessoas, é uma sensação de dever cumprido quando a gente vê a gratidão e a emoção delas ao saírem daqui com suas cirurgias marcadas”.

Condições para atendimento:

Para ser atendido, o paciente já deve ter a indicação médica para a cirurgia e ter feito o cadastro na Secretaria de Saúde do município de residência. Caso ele não tenha feito o cadastro prévio, mas tenha exames laboratoriais que comprovem a necessidade de realizar uma das cirurgias oferecidas, o paciente poderá se dirigir ao local das consultas pré-operatórias munido dos documentos de identidade, cartão do SUS e comprovante de residência.

Pacientes que farão procedimento de vesícula, para a realização do exame de USG, precisam estar em jejum. Já os pacientes que farão histerectomia, deverão levar exame preventivo. Todos os pacientes devem levar resultados de exames laboratoriais e outros que tiverem realizado.

Para saber se a pessoa está cadastrada para passar pela cirurgia, basta consultar a lista única, disponível no seguinte endereço: http://mutiraodecirurgias.saude.ba.gov.br/. Também, o paciente ou responsável poderá ir até a Secretaria Municipal de Saúde de seu município, para saber se o seu nome consta na lista para a realização do procedimento.

Unidades da Sesab terão campo de práticas ampliado

A maior integração entre as universidades estaduais e a Secretaria da Saúde do Estado (Sesab), visando à ampliação do espaço para Residência Médica e estágios na área de saúde nas unidades hospitalares da rede estadual foi o principal objetivo da reunião realizada na manhã de hoje, na Sesab, com as presenças do secretário da Saúde, Fábio Vilas-Boas e reitores das Universidades Estaduais da Bahia (UNEB), Santa Cruz (UESC), do Sudoeste (UESB) e de Feira de Santana (U EFS).

Na oportunidade, o secretário Fábio Vilas-Boas, enfatizou que os hospitais da rede estadual estão "integralmente à disposição das universidades estaduais para funcionarem como campo de prática e especialização de profissionais, não só na área médica, como nas demais áreas de saúde". Ele ainda acrescentou que devem ser criados mecanismos para que os professores das universidades não sejam meros acompanhantes. "Os professores devem ser inseridos na assistência dos hospitais", concluiu.

O diretor do Hospital Geral Roberto Santos afirmou que a parceria entre a unidade e a Uneb é fundamental, e vem sendo constantemente aprimorada, opinião compartilhada pelo reitor da Uneb, José Bites. "A relação da universidade com os hospitais tem avançado muito, não só no que se refere à Residência Médica, mas também nos estágios", disse José Bites.

O encontro teve também a participação dos diretores dos hospitais Gerais Roberto Santos, José Admirço Lima Filho; Clériston Andrade, José Carlos Pitangueiras, e Prado Valadares, Polianna Leandro, além da diretora da Escola Estadual de Saúde Pública, Marcele Paim, e da superintendente de Recursos Humano da Sesab, Maria do Rosário Muricy.

Hospital da Mulher expõe telas pintadas por pacientes com câncer

As pacientes em tratamento oncológico no Hospital da Mulher Maria Luzia Costa dos Santos participaram nesta terça-feira (16) do lançamento de uma exposição de telas pintadas por elas mesmas durante as intervenções de arteterapia. As doze telas podem ser visitadas pelo público até o dia 31 de maio, na entrada na unidade hospitalar.

A iniciativa partiu de Clíssia Morgana, 33 anos, que encontrou no desenho e na pintura uma forma de amenizar os sintomas da doença. Foi ela também que batizou a exposição com o nome “Borboletas: Transformação”. “Me sinto muito feliz porque uma coisa que era só minha agora é de um todo. Eu vou sair do hospital e a minha sementinha vai continuar aqui”, comemora Clíssia.

A introdução da arteterapia no tratamento oncológico é bastante trabalhada por psicoterapeutas atualmente, como conta a coordenadora do serviço de Psicologia, Márcia Aquino.“A mulher consegue externar toda a angústia, tristezas e alegrias que ela sente. Participar deste projeto hoje é muito gratificante para elas”, afirma a psicóloga. A ferramenta funciona como um complemento aos demais métodos terapêuticos e ajuda a desenvolver a autoestima da mulher e liberar a subjetividade através dos sentimentos.

Nas telas, as pacientes expressaram seus sentimentos, ideias e memórias. Clíssia pintou uma borboleta, que para ela simboliza a transformação do momento que ela está vivendo. Já a paciente Ijaílta Lima, reproduziu uma referência ao lugar em que vive bons momentos ao lado da família. “A gente sempre vai lá, fica o final de semana, então eu desenhei o sitiozinho da minha filha em Minas Gerais”, contou Ijaílta, que adorou a experiência de criar algo novo, pois até então, só havia pintado desenhos que já existiam.

 

Fonte: Ascom Sesab/Municipios Baianos

Comentários:

Comentar | Comentários (0)

Nenhum comentário para esta notícia, seja o primeiro a postar!!