13/06/2017

Uauá: Vereador denuncia farra de combustível

 

O vereador Rosevaldo Loiola (PDT), ocupou a tribuna da Câmara Municipal de Uauá na sessão ordinária da última quarta-feira (07) e falou sobre os problemas que a cidade vem enfrentando com a atual administração Lindomar Dantas (PCdoB). “Temos que fazer o máximo da nossa obrigação e cumprir com os nossos deveres sem desviar dinheiro ou levantar suspeitas de desvios, quando a gente faz o contrato tipo este do lixo e têm outros aí falta remédio no hospital, máquinas para restaurar as estradas vicinais. A região de Poço do Vieira está intransitável e as pessoas com enxadas para ver se ameniza a situação”, disparou.

Ainda assim, ele falou sobre o gasto de R$ 150 mil de combustível em 14 dias. “Isso levanta fortíssimas suspeitas, o povo não é besta, tem que parar com isso, os vereadores nem de oposição e nem de situação é idiota de chegar aqui e achar tudo isso normal, isso é desvio de dinheiro. Eu não posso me contentar com uma situação dessa, reclamei na gestão anterior e reclamarei nesta gestão também. A população não é cega e enxerga o que vem acontecendo”.

O vereador ainda disse que a gestão atual fica atribuindo a falta de investimento na cidade por conta que ele é oposição. “Não venham levantar falsos em dizer que o projeto da Embasa foi renegado por conta de mim, este governo só sabe mentir e ficar dizendo nas redes sociais que a gente anda fazendo politicagem”.

Por fim, ele disse que gostaria de saber para onde está sendo direcionado o dinheiro da prefeitura. “Cadê o dinheiro da Secretaria de Ação Social, da saúde, desapeguem da gestão anterior, estão demitindo os servidores para fazerem alguma sacanagem mais na frente. Eles ficam dizendo que não tem dinheiro, mais eles têm, estão demitindo as pessoas que fazem as limpezas das escolas. Essa gestão é a pior da história e não tenho vergonha de dizer isso”.

Com a palavra a administração municipal.

Diretora do Hospital de Uauá pode deixar o cargo a qualquer momento

A coisa não anda nada boa mesmo no município de Uauá com relação a administração municipal. A mais nova novidade é que a diretora do Hospital Municipal, a médica Tânia Caetano pode deixar o cargo a qualquer momento. Isso porque já tem gente querendo a sua cabeça por não ter a minima condição de atender caprichos de determinados políticos sem coração, e ainda, a médica está tendo dificuldade em desenvolver suas atividades regularmente devido a falta de condições imposta pela própria administração.

Tânia Caetano é considerada na região como uma profissional altamente competente, mas ao mesmo tempo se esbarrou com uma administração manca, arrebentada, que até o momento só sabe enxugar gelo. Para algumas pessoas da comunidade, ‘a médica está carregando o hospital nas costas’ e pode deixar o cargo a qualquer momento mesmo algumas pessoas ligadas ao ciclo do poder quererem o seu afastamento para colocar um coligado político sem a minima condição profissional. “É a mesma coisa que colocar um açougueiro para extrair dente”, compara o repórter Epaminondas Alves, o Dondinha.

De acordo denúncias de vereadores e parte de população na imprensa e redes sociais, o hospital não tem laboratório, falta profissionais, ambulâncias precárias, funcionários sobrecarregados, pacientes fugindo para outros municípios vizinhos a procura de atendimento, médicos de outros municípios se recusando a fazer contrato com a prefeitura devido as condições de trabalho e pagamento, dentre outras coisas.

“O hospital está jogado….agora querem demitir doutora Tânia Caetano da direção do hospital”, informou Epaminondas.

Mas será que está acontecendo isso mesmo no Hospital de Uauá?

APLB-Sindicato, Núcleo de Uauá, entrega manifesto na Assembleia Legislativa do Estado

Na última sexta-feira (09) o coordenador da APLB-Sindicato, Núcleo de Uauá, Francisco-Prolepses, esteve na Assembleia Legislativa da Bahia para entregar manifesto dos profissionais em Educação de Uauá extraído das greves em defesa dos direitos trabalhistas, contra as reformas impostas pelo Governo Federal.

O documento traz no seu corpo uma nota clara aos Deputados do Estado da Bahia, informando que aquele que votar a favor das reformas da Previdência, Trabalhista e Terceirização, não retornarão ao cargo.

O coordenador ao chegar na ALBA procurou saber quem seria o presidente da Comissão de Educação na Casa, tendo como resposta a Deputada Fabíola Mansur(PSB). E foi até o gabinete da mesma, onde foi bem recebido pela assessoria. O mesmo entregou o manifesto e teve a garantia de ser ventilado em plenária.

O coordenador, Francisco-Prolepses, externou: “Nós fizemos 10 dias de greve. Um debate intenso. Chegamos a conclusão de que a luta e a nossa mensagem não poderia ficar restrito só a nossa comunidade, mas chegar nos ouvidos dos principais autores dessa história trágica, que nos remete a um passado de retrocesso. Nós estamos prontos para fazer uma campanha de conscientização na nossa comunidade para que não VOTEM naqueles deputados que VOTARAM contra os trabalhadores, contra o nosso povo. Cumprimos também uma pauta que foi elencada na greve.”

Remanso: Zé Filho começa a ser questionado por crimes eleitorais

Ausente da primeira audiência de instrução por abuso de poder econômico e compra de votos, o prefeito de Remanso, norte da Bahia, José Clementino de Carvalho Filho, o Zé Filho, instruiu seus advogados para desqualificar o depoimento das testemunhas de acusação.

Dois senhores do Povoado do Tamboril, que fizeram declaração pública em cartório narrando o oferecimento de dinheiro e poços artesianos por parte da atual Secretária de Ação Social e esposa do prefeito, Telma Castelo Branco, foram tachados pelos advogados de “mentirosos”.

Em várias localidades a Hidromax, que atualmente detém a concessão de recolhimento do lixo urbano, sem nunca anteriormente ter prestado esse tipo de serviço, ofereceu poços artesianos durante a campanha. Mesmo com provas as testemunhas de acusação foram desqualificadas pelos advogados do prefeito.

A AIME – Ação de Impugnação de Mandato Eletivo é uma das onze propostas pelo PC do B e PRTB contra Zé Filho e seus vereadores, com farta documentação provando a compra de votos e abuso de poder econômico. Quem resume a forma de fazer campanha do atual prefeito é Marcos José, morador de uma comunidade do interior: “O derrame do grupo do Zé Filho foi grande na região da beira do rio, esse Dé Construções distribuiu foi muito poço, para o povo votar no Zé Filho”.

A audiência, realizada na última quinta-feira (08/06), foi presidida pelo Juiz João Celso Targino Filho e contou com a presença dos advogados do PC do B. Marcos Palmeira, que disputou com Zé Filho, comentou: “O que já dizíamos na campanha está aí. Zé Filho está pagando com contratos milionários o apoio que recebeu para fraudar as eleições”

Além das AIMEs, Zé Filho responde por processos no Tribunal de Justiça da Bahia pela reprovação de suas contas eleitorais. Entre os doadores há pessoas beneficiárias do Bolsa Família “doando” à sua campanha valores entre 10 e 20 mil reais.

Agricultores do Norte e Nordeste tem até dezembro para renegociar dívidas rurais

Descontos de até 95% sobre o saldo devedor estão entre as oportunidades criadas para produtores rurais do Norte e Nordeste pela Lei 13.340, regulamentada pelo Governo Federal no final do ano passado. Os interessados, com operações contratadas até dezembro de 2011, têm até o final do ano para liquidar ou renegociar dívidas de financiamento. A iniciativa está permitindo a milhares de agricultores recuperarem o crédito e melhorarem sua condição financeira com recursos dos fundos constitucionais das duas regiões (FNO e FNE), administrados pelo Ministério da Integração Nacional. Mais de 46 mil pessoas já regularizaram sua situação. Os valores quitados e refinanciados somam mais de R$ 2 bilhões.

Além dos produtores rurais das regiões Norte e Nordeste do país, a medida atinge também agricultores do norte de Minas Gerais e norte do Espírito Santo. Mais de um milhão de operações de crédito podem ser repactuadas - são 860 mil no Nordeste e 215 mil na região Norte. Os interessados têm até 29 de dezembro deste ano para manifestar o interesse de quitar ou renegociar seus débitos. Para isso, devem procurar a agência bancária onde o empréstimo foi contratado.

No Nordeste, a opção por liquidar a dívida representa mais de 78% do total de operações até o momento. Foram 31.078 quitadas e 8.458 renegociadas. Isso porque a lei aumentou de 85% para 95% o percentual de desconto máximo para produtores que desejam pagar de uma só vez todo o débito, justamente para os financiamentos de menor valor. O montante liquidado já garantiu a recuperação de R$ 738 milhões para novos investimentos na região.

Já no Norte do país, beneficiado pela primeira vez com a medida de repactuação de dívidas com desconto, 3.680 produtores rurais buscaram o benefício até o momento. Destes, a maioria optou por renegociar seus débitos - foram 2.245 operações - com vantagens que incluem período de carência até o ano 2020. Outros 1.435 financiamentos liquidados permitiram um retorno de aproximadamente R$ 53 milhões à região Amazônica.

Recuperação do crédito

O pecuarista Sérgio Muraska, do município de Darcinópolis (TO), aproveitou a oportunidade para regularizar dívidas oriundas de um empréstimo obtido em 1992. Com todos os débitos renegociados, está apto a conseguir novos financiamentos. "São condições bastante facilitadas: a oportunidade de um grande desconto, o amplo prazo de carência e a facilidade de pagar apenas uma pequena parcela de entrada. Agora, graças a essa iniciativa do governo, já posso pensar em voltar a investir na minha fazenda", afirma.

O ministro da Integração Nacional, Helder Barbalho, destaca que a iniciativa tem o objetivo de estimular o setor rural nas regiões Norte e do semiárido. "Contempla desde o pequeno agricultor familiar a empreendimentos de maior porte, facilitando não só o pagamento das dívidas, mas, sobretudo, a recuperação do crédito", afirma.

Mais benefícios

As garantias estabelecidas pela Lei 13.340 permitem ainda repactuar financiamentos tomados junto aos bancos federais Caixa Econômica Federal e Banco do Brasil. Mais de três mil operações já foram realizadas nessa modalidade, destinada a agricultores na área de atuação da Superintendência do Desenvolvimento do Nordeste (Sudene) - estados da região, norte de Minas Gerais e norte do Espírito Santo. As dívidas já renegociadas somam mais de R$ 266 milhões.

Também está assegurada a produtores do Nordeste a renegociação de débitos referentes à venda de lotes para titulação e à utilização da infraestrutura de irrigação de uso comum em perímetros públicos. Essas áreas públicas irrigadas estão sob responsabilidade da Companhia de Desenvolvimento dos Vales do São Francisco e do Parnaíba (Codevasf) e do Departamento Nacional de Obras Contra as Secas (Dnocs).

Outra vantagem do projeto é a ampliação do período para as dívidas que agora podem ser repactuadas nas duas regiões - Norte e Nordeste. Nas medidas anteriores, o refinanciamento poderia ser feito para operações contratadas até 31 de dezembro de 2008. Por esta nova regra, as dívidas tomadas até 31 de dezembro de 2011 poderão ser renegociadas.

 

 

Fonte: Ação Popular/Ascom APLB-Uauá/Ascom MIN/Municipios Baianos

Comentários:

Comentar | Comentários (0)

Nenhum comentário para esta notícia, seja o primeiro a postar!!