25/06/2017

Valente: Deputado é vaiado na abertura do São João

 

Deputado federal que pegar em microfone em público, e quando ele apareceu na lista que votou contra a reforma trabalhista e tende a votar a favor da Reforma da Previdência, tem se dado mal perante o público. Foi assim com João Bacelar em Riachão do Jacuípe que não conseguiu falar durante a inauguração da estrada, foi assim em Cicero Dantas com Mário Negromonte Junior e José Nunes durante o Festival do Umbu, em Uauá

Essas situações foram registradas pela imprensa e o caso mais recente ocorreu na noite de quinta-feira, 22, durante a abertura do São João de Valente, o locutor passou o microfone para o prefeito Marcos Adriano para abrir oficialmente a festa.

Conforme estava previsto na programação apenas a fala do gestor, porém, não se sabe quem partiu a ideia de escalar também os deputados para falar.

Primeiro falou o deputado estadual Tom Araújo que fez um breve discurso e foi poupado das vaias, mas quando chamou o deputado federal João Gualberto e presidente estadual do PSDB a vaia “comeu” no centro e ele para minimizar, disse que o povo queria era festa, era curtir Limão com Mel e não para ouvir politico.

João Gualberto, o segundo com maior votação em Valente, na eleição de 2014, quando obteve 2.758 votos.

Os aliados do prefeito Marcos Adriano (PSDB), que ocupavam o palco aplaudiram o Tucano, mas o publico permaneceu vaiando e logo começou a circular pelas redes sociais um vídeo.

O governador Rui Costa (PT), tem interferido quando começa uma vaia em protesto aos deputados que fazem parte da sua base no estado, porém divergem na esfera nacional, ao tomar o microfone e dizer que sua presença no palanque é pelo fato de ter sido convidado pelo prefeito local ou pelo próprio governador.

Na opinião do governador, isso acontece muitas vezes por disputas locais em militantes defensores dos parlamentares, conforme aconteceu no dia 16 em Quijingue, quando num ato de ordem de serviço para inicio das obras da estrada que liga a sede daquele município a BR 116/Norte, ensaiaram mais uma vaia para o deputado José Nunes, o mais votado na eleição de 2014 com 4.909 votos.

Caravana Agroecológica vai passar por seis municípios do Submédio do São Francisco

Refletir sobre modelos de desenvolvimento e sistemas agroalimentares a partir de elementos comuns a uma bacia hidrográfica. Esse é o objetivo da “Caravana Agroecológica do Semiárido Baiano: nos caminhos das águas do São Francisco”, que tem início na próxima segunda-feira (26), em Juazeiro (BA). O grupo de 70 pessoas, que fará parte da Caravana, também tem como proposta dar visibilidade a denúncias, conflitos e experiências de resistência e organização de comunidades dos seis municípios que serão visitados.

No primeiro dia da Caravana Agroecológica do Semiárido Baiano, os participantes vão se reunir, em Juazeiro, para um momento de integração e reflexão sobre a região do Submédio do São Francisco. No dia seguinte, a Caravana vai se dividir em duas rotas, uma com destino aos municípios de Campo Formoso e Jacobina; e outra, que passará por Casa Nova, Remanso e Campo Alegre de Lourdes. Durante três dias, integrantes de movimentos e entidades populares, universidades, centros de pesquisas e órgãos públicos vão vivenciar diferentes realidades e contrastes do Semiárido baiano.

Seis eixos orientaram a construção das rotas da Caravana: os impactos da mineração, conflitos fundiários, conflitos por água, uso e impactos de agrotóxicos, experiências agroecológicas e resistências comunitárias. Para Manoel Ailton Rodrigues, integrante do Movimento Quilombola e do Comitê da Bacia Hidrográfica do Rio Salitre, é de suma importância os locais escolhidos para a realização da Caravana. “Os impactos nas bacias do rio Salitre e do entorno do Lago de Sobradinho são os objetivos da Caravana Agroecológica. Sem dúvida, ela vai fortalecer a luta dos respectivos comitês”, afirma.

Comunidades tradicionais, como quilombolas, pescadores e fundos de pasto também estão incluídas nas rotas dos caravaneiros/as. Como parte da programação, acontecerá, no dia 28 pela manhã, o Seminário: “Ameaça aos Territórios Tradicionais”. A atividade será realizada no salão da Colônia de Pescadores de Casa Nova e é aberta a toda a população. “A programação está bastante rica, convidamos todas comunidades por onde a Caravana estará passando para participar com a gente. Várias pessoas de diversas organizações estarem juntas em uma caravana ajuda a gente a reconhecer os desafios para além da própria comunidade ou organização, nos permitindo um olhar de mais amplo para o território onde estamos”, ressalta o sanitarista da Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz) e integrante da coordenação da Caravana, André Búrigo.

A Caravana Agroecológica tem como diferencial a produção de um diagnóstico sobre o Submédio do São Francisco a partir de trocas e saberes coletivos e uma análise crítica composta por olhares de pesquisadores, comunidades, técnicos e integrantes de movimentos populares. Como resultado, espera-se realizar e reforçar denúncias de violações de direitos e contribuir para a atuação do Ministério Público da Bahia, pressionar por políticas públicas e sociais, fortalecer a luta de comunidades tradicionais e divulgar experiências agroecológicas e de Convivência com o Semiárido. Uma carta política e um documentário também serão produzidos a partir da Caravana.

“A vivência da Caravana já é um grande resultado. É uma aposta de que devemos e pudemos caminhar juntos, construindo convergências nas ações”, diz Búrigo. As Caravanas Agroecológicas têm sido realizadas por todo o Brasil desde 2013, como estratégia de mobilização de diferentes atores sociais. A do Semiárido Baiano vem sendo construída desde agosto do ano passado, com a participação de cerca de 30 organizações dos âmbitos federal, estadual e que atuam na região do Submédio do São Francisco. O encerramento da Caravana Agroecológica do Semiárido Baiano será realizado no dia 30, no Espaço Plural da Univasf, em Juazeiro.

Município alinha parcerias com Superintendência da Codevasf em Juazeiro

Os Secretários municipais de Obras e Desenvolvimento Urbano (SEDUR), Anderson Alves; de Serviços Públicos (SESP), Celso Leal e de Desenvolvimento Social, Mulher e Diversidade (SEDES), Cida Gama, estiveram reunidos com o Superintendente da CODEVASF 6ª SR, Misael Neto. A reunião aconteceu no gabinete do superintendente e teve como objetivo reafirmar a parceria entre município e CODEVASF, além de discutir a viabilização de demandas para o interior de Juazeiro.

“Em reuniões anteriores já tínhamos discutido com o superintendente a execução da recuperação das estradas vicinais nos perímetros irrigados de Mandacarú, Maniçoba, Itamotinga, e também a viabilização de recursos para a perfuração e implantação de poços e limpeza de aguadas. Hoje estamos definindo detalhes para viabilizar a recuperação das estradas vicinais nos distritos irrigados, para garantir um melhor escoamento da nossa produção, bem como a segurança no deslocamento de toda a comunidade”, explicou o titular da SEDUR, Anderson Alves.

Ainda de acordo com Anderson Alves, em parceria com a SESP, está sendo realizado um levantamento das estradas vicinais em todos os distritos do município com necessidade de recuperação, para que seja montado um cronograma de atividades. “Nossa intenção é iniciar os trabalhos com as estradas que apresentem maior necessidade, mas queremos atender todas as necessidades possíveis”.

O secretário de Serviços Públicos, Celso Leal, ressaltou a importância da parceria entre o município e o Governo Federal. “Temos trabalhado permanentemente na recuperação das estradas vicinais no interior de Juazeiro. E com isso, estamos buscando o apoio da Codevasf para reafirmamos cada vez mais a parceria em trabalhar por uma Juazeiro ainda melhor”, disse Celso Leal.

Já para a titular da SEDES, Cida Gama,  independente da área em que cada secretaria atue, todas estão ligadas por um único objetivo: trabalhar em prol da população, tanto da sede como do interior. “Então procuramos o superintendente da Codevasf, Misael Neto, com esse objetivo. Buscamos saber de que forma a Companhia poderia ajudar as comunidades de Massaroca, Juremal, Carnaíba, Abóbora, por exemplo, por que sabemos da vulnerabilidade social ainda mais nesse período de grande estiagem. Sabemos que não é possível atender todas as áreas de imediato. Com essa parceira é possível capitalizar melhores formas de ajudar ao homem do campo”, pontuou Cida Gama.

De acordo com o Superintendente da 6ª SR, devido a crise nacional que abala o país, as parcerias são importantes. “No atual momento que vivemos, cada um dando sua parcela de contribuição vamos conseguindo vencer os obstáculos. Somos parceiros do município, temos serviços desenvolvidos junto ao SAAE e hoje estamos aqui reunidos com secretários de pastas importantes do município encaminhando questões para resolver em conjunto, como a recuperação de estradas vicinais na área dos perímetros irrigados”, observou Misael Neto.

 

Fonte: Bahia Já/Calila Noticias/Ascom da Caravana Agroecológica /odiáriodaregião/Municipios Baianos

Comentários:

Comentar | Comentários (0)

Nenhum comentário para esta notícia, seja o primeiro a postar!!