29/06/2017

Monte Santo: DNOCS doa sete novos tratores ao município

 

Uma excelente notícia para a população de Monte Santo: O prefeito Vando, ao lado do vereador Laerte, esteve hoje no município de Feira de Santana para receber das mãos de representantes do DNOCS (Departamento Nacional de Obras Contra as Secas), sete novos tratores que irão beneficiar diversas comunidades rurais do município.

A entrega oficial foi realizada na manhã desta terça-feira (27), e é fruto de emenda parlamentar do deputado federal Jutahy Magalhães, em convênio com a prefeitura municipal de Monte Santo. Um investimento de aproximadamente um milhão e meio de reais.

"Esta é uma conquista muito importante para o nosso povo. Um avanço significativo que irá facilitar o trabalho dos nossos produtores rurais. Isso demonstra a nossa preocupação em promover uma vida digna aos moradores do campo'', destaca o prefeito Vando. "Esta é só mais uma etapa do grande trabalho de reconstrução que estamos realizando em todo o município. Muito ainda será feito. Muitas outras conquistas já estão chegando", concluiu o prefeito.

As máquinas são equipadas com grade, arado, reboque, batedeira e guinchos. A entrega oficial para as comunidades beneficiadas será realizada nos próximos dias.

Galpão no município de São Domingos já está disponível para novos investimentos

O município de São Domingos, localizado a 250 km de Salvador, desocupou um galpão que pode ser melhor aproveitado pela indústria calçadista. O espaço amplo, com mão de obra disponível , pode-se integrar ao pólo calçadista da região. Próximo a São Domingos, em cidades como Valente e Conceição do Coité, o setor já possui casos de sucesso. Em Coité, por exemplo, estão implantadas, a BSC | Lia Line com 280 empregos;  a Eco Sosa fios e cordas de sisal com 78 empregos. Já em Valente ,a Lia Line segue com 330 empregos  e a Bahia Shoes com outros 200 .

Para prospectar investimentos na região, estiveram reunidos na Secretaria de Desenvolvimento Econômico, hoje, 27/06, com Éden Valadares, assessor-chefe da SDE, representantes da sociedade civil do município de São Domingos, entre eles Elizângela Araújo, Ilário Carneiro e Jeudson Domingos.

"Aqui no nosso território já temos empresas do setor calçadista instaladas em Valente e Conceição do Coité, o que comprova o potencial também do nosso município", comentou Elizângela Araújo, diretora da FETRAF e da CUT.

Segundo Valadares, o Governo do Estado entende que este equipamento é uma possibilidade real de atração de investimentos para a Bahia e que compõe o portfólio apresentado às empresas que aqui chegam. "O galpão foi recentemente desocupado e trabalhamos diuturnamente para viabilizar o novo empreendimento em São Domingos. Temos dialogado com parceiros do setor de calçados, com fabricantes de componentes e também com outras alternativas, como a Economia Criativa e a Agricultura Familiar", disse o assessor do Gabinete da SDE.

Em meio a um cenário nacional de instabilidade, a Bahia tem se destacado como uma opção para investidores pela sua segurança jurídica, boa infraestrutura e eficiência na gestão pública. "O secretário Jaques Wagner concentra seu trabalho na atração de investimentos e geração de empregos para nossa gente. E tem destacado que os esforços do governador Rui Costa cria um ambiente muito favorável para o desenvolvimento econômico do estado", completa Valadares.

Produtor de Itiúba adapta suporte para sustentar “vaca” debilitada

Criadores de gado de Itiúba, na região norte da Bahia, enfrentam dificuldades para manter os animais vivos por conta da seca prolongada que atinge a região. Com a cidade em situação de emergência com a seca, um dos produtores rurais só consegue manter uma das vacas que cria em pé sustentada por um suporte de madeira com cordas.

Com a estiagem, os pastos e açudes ficam secos e o gado não encontra água para beber e nem alimento – alguns têm somente palma para comer. Assim, os animais ficam bastante debilitados e muitos sequer conseguem se sustentar sozinhos em pé.

Itiúba é um dos 212 municípios baianos que estão em situação de emergência pela seca, conforme a Superintendência de Proteção e Defesa Civil (Sudec). Conforme o órgão, mais de 4 milhões de pessoas são afetadas, 36 mil somente em Itiúba.

Os decretos de emergência permitem que as prefeituras solicitem apoio da Secretaria Nacional de Proteção e Defesa Civil (Sedec) para ações de socorro e assistência à população, restabelecimento de serviços essenciais e recuperação de áreas atingidas.

Parceria que fortalece agricultura familiar tem adesão de 388 municípios baianos

Já são 388 municípios, de 17 Territórios de Identidade da Bahia, com 100% de adesão ao Serviço Municipal de Apoio à Agricultura Familiar (SEMAF), iniciativa da Secretaria de Desenvolvimento Rural (SDR) em parceria com as prefeituras municipais para fortalecer a agricultura familiar no estado.

O SEMAF é um serviço do município para atendimento direto aos agricultores familiares baianos, onde serão ofertados serviços como assistência técnica e extensão rural (ATER), regularização fundiária e estruturação produtiva de assentamentos rurais, disponibilização de insumos produtivos (Garantia-Safra, água para produção, distribuição de mudas e sementes), implantação de infraestrutura rural (habitação e equipamento público), além do apoio à comercialização e implantação de agroindústrias familiares.

O SEMAF atuará de forma integrada ao Serviço Territorial de Apoio à Agricultura Familiar (SETAF), unidade da SDR, nos Territórios de Identidade do estado. O objetivo é a implantação, execução e gestão de políticas públicas, programas, projetos e ações, com foco na promoção do desenvolvimento rural sustentável e solidário.

Segundo o secretário da SDR, Jerônimo Rodrigues, essa é uma estratégia do Governo do Estado. “Como o governador Rui Costa sempre diz, o Estado não faz nada sozinho. Entendemos que é importante a parceria com as entidades da sociedade civil e temos forte interesse em fazer essa parceria com os governos municipais, e criar um sistema estadual de politicas públicas para a agricultura familiar, onde possamos colocar uma grande rede de entidades e instituições públicas federais, estaduais e municipais envolvidas nesse processo”.

Rodrigues salientou ainda que o Estado continuará respondendo por suas responsabilidades, mas que é necessário o envolvimento dos municípios. “Fizemos um levantamento e em 170 prefeituras da Bahia contamos com um quadro de 600 profissionais dentre agrônomos, veterinários, técnicos agrícolas e outros. Um exército que precisa participar dessa construção de políticas estruturantes da agricultura familiar”.

Para o presidente da União dos Municípios da Bahia (UPB) e prefeito de Bom Jesus da Lapa, Eures Ribeiro, os gestores municipais estão mais próximos da população da cidade e do meio rural e a parceria do Estado com o município facilita a interlocução, para que as políticas públicas cheguem ao agricultor. “Parabenizo essa iniciativa que vai facilitar mais ainda o atendimento das políticas afirmativas para a agricultura familiar, principalmente, para os pequenos produtores dos nossos municípios”.

O prefeito de Serra do Ramalho, Ítalo Rodrigo, afirmou que essa é uma parceria muito importante para os municípios. “A Bahia é o estado que mais investe na agricultura. Temos que aproveitar essa oportunidade para conseguirmos evoluir, fortalecendo esse elo de ligação e de parceria com o Governo do Estado para que possamos promover a agricultura de Serra do Ramalho e de toda a Bahia”.

Entre os 17 territórios com adesão 100% dos municípios ao SEMAF estão Irecê, Velho Chico, Chapada Diamantina, Sisal, Baixo Sul, Médio Sudoeste, Vale do Jiquiriça, Serão do São Francisco, Bacia do Rio Grande, Bacia do Paramirim. Piemonte do Paraguaçu, Bacia do Jacuípe, Piemonte da Diamantina, Semiárido Nordeste II, Recôncavo, Itaparica, Piemonte Norte do Itapicuru.

Novas adesões

As prefeituras que ainda não aderiram ao SEMAF devem procurar o SETAF do seu território. A ação é resultado da série de diálogos, realizada pela SDR, em fevereiro e março, em que representantes da secretaria se reuniram com gestores municipais para apresentar e pactuar, com as prefeituras, ações para promover o desenvolvimento rural na Bahia, fortalecendo a estratégia da secretaria de interiorização dos serviços. A ação conta com a parceria dos colegiados territoriais, consórcios públicos, da Federação dos Consórcios Públicos da Bahia (FecBahia), câmaras de vereadores e Coordenação Estadual dos Territórios (CET).

Codevasf realiza ação para convivência com a seca no norte baiano

Mais de 800 famílias de agricultores familiares serão beneficiadas com a construção de pequenas aguadas, também conhecidas como barreiros, em cerca de 80 comunidades rurais no Norte da Bahia. A ação da Companhia de Desenvolvimento dos Vales do São Francisco e do Parnaíba (Codevasf) visa garantir água para a sobrevivência de pequenos rebanhos e assegurar a produção de hortaliças e forragens.

O investimento do governo federal, por meio do Ministério da Integração Nacional e da Codevasf, é de aproximadamente R$ 3,9 milhões. As obras são executadas pela 6ª Superintendência Regional da Companhia, sediada em Juazeiro.

Os barreiros estão sendo construídos com sangradouros, feitos com argamassa e pedras, e servirão para acumular água da chuva por um período de até um ano. “Em muitas situações, os barreiros tornam-se o único reservatório de água disponível para a comunidade, o que demonstra a grande importância da ação”, ressaltou a engenheira civil da Codevasf Márcia Araújo de Almeida, que acompanha o contrato de execução das obras.

A estimativa é de que cada barreiro terá condições de armazenar em média três mil metros cúbicos de água no período chuvoso, previsto para começar na região no final do ano.

Chuvas na região

Segundo dados da Embrapa, colhidos nas estações meteorológicas de Bebedouro, em Petrolina (PE), e Mandacaru, em Juazeiro (BA), a precipitação pluvial na região é muito variável. Nos últimos 30 anos, o total anual médio é de 567 mm em Petrolina e 542 mm em Juazeiro.

O período chuvoso ocorre de novembro a abril, onde são registrados 90% do total anual. No período de janeiro a abril foram registrados 68% do total anual.

Em Petrolina, março é considerado o mês com maior índice (136,2 mm); e agosto, o de menor incidência de chuvas (4,8 mm). Em Juazeiro, os índices variam no mesmo período entre 139,6 mm e 17 mm.

A estimativa técnica é de que chovam por ano 450 mm, mas em 2016 essa média caiu para 170 mm.

 

 

Fonte: Ascom PMMS/i9 Comunicação/Ascom SDE/G1/Ascom SDR/Ascom Codevasf/Municipios Baianos

Comentários:

Comentar | Comentários (0)

Nenhum comentário para esta notícia, seja o primeiro a postar!!