30/06/2017

43 anos do Teatro Gamboa Nova tem programação extensa

 

O Teatro Gamboa Nova acaba de completar 43 anos de existência, e para esta comemoração, uma programação super especial. Além no aniversário do Gamboa, também é festejado os 10 anos de execução do projeto Teatro Gamboa Nova, inaugurado em 02 de julho de 2007. O Projeto Gamboa Nova conta com o patrocínio do Governo do Estado,  Fundo de Cultura, através do Edital Ações Continuadas, da Secretaria de Cultura do Estado da Bahia (SecultBa).

Para celebrar as datas, acontece na Galeria Jayme Fygura a exposição Gamboa 43 anos - 10 Anos de Boa Nova, que de 05 a 30 de julho, sempre de quarta a sábado, exibe trabalhos artísticos que ocuparam as capas do teatro na última década. Ainda no mês de julho, o Teatro recebe diversas atrações, com destaque especial para o protagonismo feminino, tema recorrente na programação do espaço nos últimos meses.  Também se destaca neste mês o lançamento do videoclipe da cantora Claudya Costta, que será exibido antes dos eventos no espaço.

  • Confira a programação completa:

Exposição de aniversário - Gamboa 43 anos - 10 Anos de Boa Nova

Um apanhado afetivo das principais imagens dos programas desde 1997, realizadas por parceiros em recortes individuais ou em séries, que demonstram um pouco destas conexões visuais sempre valorizadas na história do Teatro nos últimos 10 anos. Classificação Livre

Data: de 05 a 30/07 (qua a sáb)

Horário: das 16h às 20h e dom das 15h às 17h

Valor: gratuito

Cine Gamboa Levanta a Cabeça - Claudya Costta

Onde impera a cultura machista e patriarcal também reina a violência contra a mulher. Partindo deste ponto, este é um videoclipe dedicado às mulheres. Violência, leis, empoderamento feminino, são temas que envolvem o novo single da cantora. Classificação Livre

Data: a partir do dia 05, sempre antes dos espetáculos com autorização prévia das produções

Valor: gratuito

Cine especial Enrolado na Raiz - lançamento público

Em 25 de junho é celebrado o Dia Nacional da Mulher Negra. A data foi instituída inspirada no Dia da Mulher Afro-Latina-Americana e Caribenha, criado como um marco internacional da luta e resistência da mulher negra no mundo. Para marcar esta data, exibimos a produção mineira que mostra mulheres de origens distintas, falando como o racismo atua em diversos aspectos sociais de suas vidas. 23 minutos, Classificação Livre. Exibição + bate-papo com a diretora Camila Caracol e comunicadoras negras

Data: 26/07 (qua), às 19h

Valor: gratuito

Teatro Nenhuma Carta - Larissa Lacerda

O espetáculo nasce como uma celebração ao poeta baiano Alexandre Coutinho, falecido em 2013. A partir da morte do seu amigo, a atriz/performer/pesquisadora Larissa Lacerda lança mão de lapsos, erra diante das memórias e de uma narrativa estilhaçada pelo presente, para refletir sobre ausência, solidão, morte, e, inevitavelmente, sobre amor e amizade. Classificação 14 anos

Data: 27, 28 e 29/07 (qui, sex e Sab), às 20h;

Data: 30/07 (dom), às 17h

Valor: R$ 20,00 e R$ 10,00

Teatro Coisas Belas

Com Deusi Magalhães, Ismael Marques e Nildson Veloso, sob a direção de Fabrício Torres, a peça se passa num bar em que uma cantora ensaia para sua apresentação, até que é surpreendida por um encanador que ficou preso no estabelecimento, concertando defeitos nas tubulações. Classificação Livre

Data: 12, 13, 14, 15, 19, 20, 21, e 22/07 (qua a Sab), às 20h;

Data: 16 e 23/07 (dom), às 17h

Valor: R$ 20,00 e R$ 10,00

Minha irmã - Cia Total de Teatro

Novo trabalho do grupo, com referências expressionistas, mostra a relação conturbada entre duas irmãs, num recorte de tempo de um amanhecer. Contudo, o que torna essa madrugada diferente das demais é a situação criada e o que está por vir.  Classificação 13 anos

Data: 05, 06, 07 e 08/07 (qua a Sab), às 20h;

Data: 09/07 (dom), às 17h

Valor: R$ 20,00 e R$ 10,00

Oficina 'Música e Musicalidade na Cena' acontece no Cine Teatro Solar Boa Vista

Em julho o Cine Teatro Solar Boa Vista recebe a segunda edição da Oficina "Música e Musicalidade na Cena". A oficina tem como proposta discutir a interação Música-Teatro, bem como o papel da direção musical e do artista cênico, em geral, frente às questões da musicalidade na cena e no processo teatral, no contexto das produções locais.

O público alvo é diverso, sendo a atividade oferecida a estudantes, professores, atores, atrizes, cantores, compositores, músicos instrumentistas, diretores teatrais, artistas plásticos, diretores musicais, escritores, poetas, dançarinos, coreógrafos, educadores e quem mais se interessar em agregar, dividir experiências, ouvir, dizer, pensar e sentir o ritmo que pulsa na gente.

A oficina busca aproximar o participante da relação entre essas duas linguagens artísticas, proporcionando um espaço para discussão, pesquisa e criação que envolva a interdisciplinaridade entre Música e Teatro.

A segunda edição acontece nos dias 04, 05, 06 e 07 de julho, sempre às 14h. O valor da inscrição é de R$ 30,00 e podem ser feitas presencialmente no espaço ou online.

O Cine Teatro Solar Boa Vista é um espaço cultural apoiada pela Secretaria de Cultura do Estado da Bahia (SecultBA), através do Programa de Apoio a Ações Continuadas e Instituições Culturais.

  • Serviço:

OFICINA "MÚSICA E MUSICALIDADE NA CENA"

Data: 04, 05, 06 e 07

Horário: sempre às 14h

Valor: inscrições R$ 30,00

Local: Cine Teatro Solar Boa Vista

Projeto 'Dei Valor!' do IPAC destaca Balé Folclórico no Pelourinho

Com quase 30 anos de trajetória, o Balé Folclórico da Bahia (BFB) acaba de ganhar um vídeo do Projeto 'Dei Valor!' do Instituto do Patrimônio Artístico e Cultural (IPAC), entidade da SecultBA, que mostra a importância artístico-cultural e social dessa iniciativa no Centro Histórico de Salvador (CHS). A iniciativa é da Secretaria de Comunicação do Estado (SECOM) no programa Nossa Cultura. O projeto ‘Dei Valor!’ dissemina ocupações bem-sucedidas de imóveis no Centro Histórico de Salvador (CHS).

"O Pelourinho é um espaço que é ocupado por bons projetos que merecem ser conhecidos pelos soteropolitanos, baianos, turistas nacionais e internacionais", afirma o diretor geral do IPAC, João Carlos de Oliveira. Segundo o dirigente, algumas dessas iniciativas bem-sucedidas no Pelourinho ocupam imóveis do Estado, como o Balé que administra uma grande casa do IPAC na esquina da Rua Gregório de Mattos com a Ladeira do Ferrão. O imóvel tem três pavimentos, com palco/plateia, camarim, sala de ensaio, cabine de som e luz, além de estrutura hidrossanitária e logística. Ao fundo da casa, área a céu aberto com piso em pedra portuguesa para eventos, com sanitários e bar.

"Administramos o Teatro Miguel Santana que ocupa a casa e também virou a nossa sede; além das turnês nacionais e internacionais é muito importante estarmos no Pelourinho pela simbologia que isso representa e pela visibilidade do local", lembra o fundador e diretor do Balé, Vavá Botelho. Segundo ele, a companhia trabalha com as manifestações populares e folclóricas do estado da Bahia, promovendo apresentações, cursos, oficinas, trabalhos artísticos e sociais.

"O que fazemos ganhou dimensão internacional e se tornou objeto de estudos e pesquisas no mundo inteiro", diz Botelho. O BFB já se apresentou em mais de 200 cidades e 24 países. "Descobri o meu objetivo, que é trabalhar com dançar e ainda sobreviver com essa atividade artística", comemora a dançarina solista e professora assistente da companhia, Nildinha Fonseca. O dançarino Arismar Júnior ressalta que se formou no Balé. "Aqui eu aprendi a ser cidadão e profissional; o Balé para mim é tudo", diz emocionado. "Antes de vir para o Pelourinho, o Balé não tinha sede, apenas uma sala alugada nos Barris. Passamos a ocupar o casarão do IPAC em 2004", conta Botelho.

A ocupação dos prédios do IPAC atende estratégias urbanístico-arquitetônicas de fomento à economia local, atividades consulares, comerciais, culturais e artísticas, visando dinamismo local. São 226 imóveis na zona tombada do CHS, apenas cerca de 2% do total da região. O restante de 98% é de propriedade da Prefeitura de Salvador, governo estadual, privados, irmandades e ordens da Igreja Católica. O Governo do Estado atua ainda com a Conder/Sedur no CHS. "Além da casa do Balé, o governo mantém as fachadas de outros imóveis", diz o diretor do Centro Antigo de Salvador (Dircas/Conder), Maurício Mathias. A Dircas requalifica também 267 ruas, praças e calçadas com investimento de R$ 124 milhões.

"A Conder reformou a Praça Pastores da Noite do IPAC, utilizada pelo Projeto Mandinga que ocupa outra casa do IPAC atendendo crianças, adolescentes e adultos", completa João Carlos. Confira a praça: https://goo.gl/RduW6w. Assista ao vídeo do BFB: https://goo.gl/1ShLtv. As apresentações ao vivo acontecem de segunda-feira ao sábado, sempre às 20h, na Rua Gregório de Mattos, nº 49. Informações: www.balefolcloricodabahia.com.br.

 

Fonte: SecultBa/Municipios Baianos

Comentários:

Comentar | Comentários (0)

Nenhum comentário para esta notícia, seja o primeiro a postar!!