05/07/2017

Embasa planeja uso da reserva técnica da barragem de Pedras Altas

 

Diante da atual crise hídrica, a Embasa trabalha em um plano emergencial para exploração da reserva técnica (volume de água existente abaixo dos níveis mínimos operacionais) da barragem de Pedras Altas. O manancial, responsável pelo abastecimento de 13 municípios no interior do estado, tem apenas 12,5% de sua capacidade de acumulação devido à severa estiagem. Para uso da reserva adicional, a Embasa implantou uma infraestrutura capaz de alcançar a água do fundo da barragem.

Essa reserva adicional, conhecida como volume morto, tem cerca de quatro metros de profundidade. Na última semana, a Embasa instalou uma nova bomba para captar esta água, que fica abaixo do nível da comporta da barragem, e interligou a uma estação elevatória. A intervenção foi realizada pelas equipes da Embasa de Feira de Santana e Senhor do Bonfim, com um investimento de R$50 mil.

Segundo o gerente de operação de água da unidade regional da Embasa em Feira de Santana, este volume técnico somente será usado caso o nível de captação da barragem chegue a níveis ainda mais críticos. “No cenário atual, com a manutenção do regime de racionamento e complementação com água da barragem de São José do Jacuípe, ainda temos um horizonte de cerca de três meses de autonomia”, explica. “Executamos essa nova estrutura, já testamos, tudo funcionou plenamente e ficará em prontidão para o caso de não haver chuvas e necessitarmos usar a reserva no futuro”, conclui Euzébio. A reserva, se vier a ser utilizada, garantirá água suficiente para o abastecimento dos 13 municípios da região por mais dois meses e meio.

Histórico

Em função da pior seca dos últimos 100 anos na Bahia, o volume da barragem de Pedras Altas vem caindo rapidamente, o que obrigou a Embasa a adotar medidas emergenciais. A retirada de água da barragem foi reduzida pela metade e é complementada pela água proveniente da barragem de São José do Jacuípe. Visando manter o serviço de abastecimento até que hajam chuvas suficientes para recompor o volume de Pedras Altas, a Embasa também diminuiu a quantidade de água fornecida aos municípios, num regime de racionamento.

Em 2016, nesse mesmo período do ano, o volume da barragem de Pedras Altas era de quase 70%. “É um cenário crítico e toda a população precisa intensificar os hábitos de economia, consumindo a água de maneira racional”, alerta o gerente regional da Embasa, Euvaldo dos Santos Neto.

Os municípios afetados pelo racionamento de água são Candeal, Capela do Alto Alegre, Capim Grosso, Gavião, Ichu, Nova Fátima, Pé de Serra, Pintadas, Quixabeira, Riachão do Jacuípe, São Domingos, São José do Jacuípe e Valente.

Com chuvas, Salvador e RMS se afastam de racionamento de água

Sob risco de passar por um racionamento em abril, quando o volume útil das barragens estava próximo a zero, as barragens que atendem a Salvador e região metropolitana (RMS) foram abastecidas pelas águas das chuvas nos últimos meses.

Em abril, Pedro do Cavalo tinha apenas 22,85% da capacidade útil para atender à população. Joanes I (68%), Joanes II (8,08%), Ipitanga I (20,09%), Ipitanga II (30,62%) e Santa Helena (10,65%) também sofriam com o desabastecimento.

Agora, três meses depois, o quadro é diferente: Pedra do Cavalo cresceu 1,53% e atingiu 24,38% da sua capacidade total. O salto nos outros reservatórios, no entanto, foi mais expressivo. Joanes I e Joanes II chegaram ao volume de 96,36% e 65,51%, respectivamente. Em Ipitanga I e Ipitanga II os resultados foram de 49,04% e 61,39%. Já Santa Helena recebeu 22,31% de água a mais e bateu a marca de 32,96% da sua capacidade – ainda abaixo do esperado pela Embasa.

Apesar dos bons resultados, a empresa de águas, por meio de nota enviada ao bahia.ba, afirmou que o nível se mantém “estável” e recomenda economia no recurso não renovável. “Da mesma forma, a população deve continuar adotando hábitos de consumo racional de água e evitando desperdícios”, pede.

CONSISAL dá inicio ás obras de recuperação e manutenção de estradas do território do sisal

Nesta segunda-feira (03), o presidente do Consisal, Dival Pinheiro, o secretário executivo, José Silva, o engenheiro civil do consórcio, José Bezerra e equipe, estiveram acompanhando o início dos trabalhos de manutenção que estão sendo realizados na BA 120, que liga Conceição do Coité a Riachão do Jacuípe.

“A roçagem lateral da via se faz necessária em razão do crescimento do mato, vislumbrando desde já, evitar possíveis transtornos e auxiliar na conservação da rodovia. Aqui realizaremos serviços em 29 km de estrada”. Pontuou o engenheiro do Consisal.

“Tem início hoje os nossos trabalhos, o Governo da Bahia através da Seinfra celebrou esse importante convênio, visando resolver as demandas do nosso território e o Consisal vai se empenhar para executar um bom trabalho”. Destacou o presidente do Consórcio.

O investimento de R$ 1.002.509,06, será destinado à prestação de serviços de manutenção preventiva e corretiva de rodovias estaduais no Território do Sisal. As estradas que serão recuperadas são a BA 411 (Serrinha-Barrocas), BA 400 –BR 116(Entroncamento de Lamarão), BA 120(Conceição do Coité- Riachão do Jacuípe), BA 383- BA 120(Nordestina), BA 120(Cansanção-Monte Santo) e a BA 120(Cansanção- Queimadas). No total serão 153,5 km de estradas recuperadas O convênio prevê o investimento nos serviços de roçagem lateral da via, limpeza de bueiros, tapa buracos com solo e massa asfáltica e correção de pontos críticos.

Para José Silva, secretário executivo do Consisal, este é um importante momento para consolidar os consórcios públicos como gestores de políticas públicas, inclusive no setor de infraestrutura. “Tenho convicção de que através da execução de um bom trabalho nas rodovias da nossa região, abriremos espaço para novas parcerias entre o governo e os consórcios, pensando no desenvolvimento regional do nosso território”, pontuou, José Silva.

Cooperativa de Tucano participa da maior feira internacional de moda em calçados e acessórios do país

A Cooperativa dos Produtores de Artefato de Couro da Comunidade do Tracupá (Coopact) de Tucano está em São Paulo de 02 a 05 de julho participando da maior feira internacional de moda em calçados e acessórios do país, a Francal 2017.

Em sua 49ª edição, a feira reúne mais de 1.500 marcas e conta com a participação de importadores de 17 países.

A Coopact, que se destaca na produção de artefatos do couro na Bahia e exporta para os estados de Minas Gerais, São Paulo, Goiás, Tocantins, Sergipe, Pernambuco e Paraíba viu na feira uma oportunidade gigantesca de estabelecer contatos e novas parcerias com fornecedores e representantes de lojas.

A Francal é responsável por apresentar novidades que ditarão a moda no mundo dos calçados e ajuda a aquecer o mercado e a economia nesse momento de crise financeira. A Coopact está representada pelo presidente Adriano Ferreira e José Carlos Matos.

Denuncia de descaso na educação de Uauá

Parece que a coisa desmoronou de vez na administração municipal de Uauá. De acordo as informações destacadas em redes sociais e na imprensa, o prefeito Lindomar Dantas (PCdoB) não tem o controle da máquina com as coisas erradas acontecendo a cada hora, e que pelo jeito, ele será obrigado a soltar o jacaré o mais rápido possível para tentar se livrar da sombra agorenta que vem atrapalhando sua administração. Caso contrário, ele será vítima do TCM, ou quem saiba do Ministério Público e da própria justiça.

  • Veja a grave denuncia que a APLB – Sindicato fez sobre o que está acontecendo no município:

“O prefeito teima em ignorar as observações e solicitação explicações referente a alguns erros que o sindicato aponta através de OFÍCIOS. São vários que fazemos e não respondem. Por exemplo: Temos professores trabalhando em outras cidades e na folha de educação, sem estar em sala de aula, TEMOS PROFESSOR LOTADO NA ESCOLA JOÃO BORGES SEM NENHUM ATO DE PUBLICAÇÃO (Lembre-se que a escola estava “sem vagas”). Qual é a posição do sindicato? Solicitar ao MP que fiscalize a situação, uma vez que o sindicato é ignorado. Como fizemos no primeiro semestre em um determinado caso. É uma vergonha! É uma decepção! Falo decepção porque eu não imaginaria que as pessoas mudariam tanto ao chegar ao poder( falo com conhecimento de causa)”.

Prefeitura de Pedro Alexandre ainda não têm portal da transparência

Transparência na gestão pública não é o forte de alguns prefeitos do interior da Bahia.

No norte do Estado, alguns gestores nem sequer providenciam um site, através do qual possam prestar contas à população e fornecer informações sobre serviços de interesse da maioria da população.

É o caso, por exemplo, de Pedro Alexandre, cujo alcaide, Pedro Gomes (PSD), segue os passos do irmão morto a tiros, Petrônio Gomes, no que diz respeito à despreocupação em esclarecer os conterrâneos sobre os detalhes de como estão sendo investidos os recursos públicos.

Quem tenta acessar informações sobre o assunto se depara com a ausência de um canal de diálogo, por parte da prefeitura, com o público. Aliás, quando o assunto é comunicação, Pedro Gomes leva nota zero.

 

Fonte: Interior da Bahia/Resenha Local/Bahia.Ba/Ascom Consisal/Ação Popular/Municipios Baianos

Comentários:

Comentar | Comentários (0)

Nenhum comentário para esta notícia, seja o primeiro a postar!!