06/07/2017

Salvador receberá dois eventos de saúde no mês de agosto

 

Foi lançada nesta terça-feira, 4, no Centro Estadual de Prevenção e Reabilitação da Pessoa com Deficiência (Cepred), a 1ª Feira de Soluções em Saúde, que acontecerá em Salvador de 8 a 10 de agosto, simultaneamente ao Seminário Internacional do Fundo das Nações Unidas para a Infância (Unicef).

Os eventos reunirão produtos, serviços, estudos, pesquisadores, investidores e representantes da sociedade dedicados ao combate, prevenção, diagnóstico e tratamento de doenças transmitidas pelo mosquito Aedes aegypti, como dengue, zika e chicungunya.

As iniciativas fazem parte de parceria entre a Secretaria da Saúde do Estado (Sesab), Fundação Oswaldo Cruz (FioCruz), Unicef e Federação das Indústrias do Estado da Bahia (Fieb), por meio do Senai-Cimatec.

Titular da Sesab, o secretário Fábio Vilas-Boas adiantou que a ocasião servirá para o estado apresentar a experiência que resultou na produção, pela Bahiafarma, do teste rápido para detecção essas doenças em até 20 minutos.

Segundo o gestor, esse teria sido o motivo pelo qual a Bahia foi escolhida para sediar a primeira edição do evento. Segundo o secretário, o teste rápido foi viabilizado em um momento em que a sociedade estava aflita com os casos de microcefalia em crianças cujas mães tiveram zika.

Dados

Coordenador de Integração de dados do conhecimento da FioCruz na Bahia, Maurício Barreto avalia que a ideia da feira é colocar lado a lado as várias frentes de combate ao mosquito. Para ele, as epidemias provocadas pelas arboviroses estão longe de desfecho.

“Estamos diante de um problema muito grande no combate às doenças. A questão não está encerrada. Por isso, temos que estar preparados para eventos adiante”, disse. “Temos que juntar toda experiência para entendermos o que está acontecendo e discutir ações para o futuro”, completou.

Coordenador de gestão e integração estratégia da FioCruz em Brasília, o pesquisador Wagner Martins diz aguardar resultados concretos nos dois eventos: “Estamos em um período de observação. É importante que o ambiente acadêmico esteja em sintonia com o setor produtivo”.

A especialista em saúde do Unicef, Tati Andrade, antecipa que a entidade deverá tratar de temas como a reabilitação dos bebês com microcefalia, assim como abordar o direito das crianças e também das famílias. “Desde o aumento do número de casos o Unicef procurou o governo para cooperar, até mesmo porque a entidade é uma das maiores fornecedoras de vacina do mundo”, destacou. “Além disso, nossa preocupação é que as doenças, em particular, afetam muito as crianças”, disse.

A gerente de tecnologia da informação do Cimatec, Josiane Dantas, observa que os eventos colocarão em contato pesquisadores e o setor produtivo.

“É uma chance para trocar conhecimentos, para que essas ideias virem produtos que cheguem às mãos de quem precisa”, pontua.

Hospital das Clínicas vai receber R$ 100 milhões para efetuar melhorias

A bancada baiana no Congresso Nacional, por meio de votação realizada nesta terça-feira (4), elegeu como prioridades para as emendas impositivas de bancada as obras de reformas e ampliações dos hospitais universitários da Universidade Federal da Bahia (Ufba) e da construção do Canal do Sertão.

Os recursos, que devem beirar os R$ 100 milhões para cada emenda, serão incluídos à proposta de Lei Orçamentária Anual (LOA) de 2018. Na votação, foi eleito como prioritário também o repasse recursos para o Ministério da Agricultura para a aquisição de equipamentos para a agricultura familiar.

Fato curioso é que a ação coletiva colocou lado a lado os deputados Jorge Solla (PT-BA) e José Carlos Aleluia (DEM-BA), que há muito tempo trocam farpas publicamente. “Eu voto com Solla”, disse Aleluia, após o voto do petista, para receber de pronto um aperto de mão. O entendimento pontual dos parlamentares não passou despercebido. “Eu voto com Solla e Aleluia”, registrou Alice Portugal (PCdoB).

“Serão recursos preciosos para reforma e ampliação do Hospital das Clínicas (Hupes), com ampliação do centro de transplantes, do Hospital Pediátrico e do Ambulatório Magalhães Neto, mas também haverá recursos para tirar do papel o prédio novo da Maternidade Climério de Oliveira”, afirmou Solla.

Brasileiros vão mais a médicos do que recomenda OMS e causam desperdício na saúde

O presidente da Associação Brasileira dos Planos de Saúde (Abramge) no Nordeste, Flávio Wanderley, afirmou que os brasileiros frequentam mais consultórios médicos do que o necessária, de acordo com padrões estabelecidos pela Organização Mundial da Saúde (OMS).

O que parece um ponto positivo representa prejuízo para as empresas operadoras de saúde.

“A OMS diz que o indivíduo adulto vai em média quatro vezes ao ano ao médico. No nosso país, a gente vai 5,6 vezes. Por outro lado, a OMS observa que a pessoa deve fazer cerca de 8,3 exames complementares ao ano. A gente faz 13,6, e o mais cruel é que 20% desses exames realizados não são resgatados nos laboratórios, ou seja, são desperdício”, explicou.

Os dados são muito relevantes, principalmente atrelados ao contexto de crise econômica observado atualmente no país. Uma das consequências é a redução de beneficiários.

“Só para dar um dado estatístico interessante, em 2000, quando a Agência Nacional de Saúde (ANS) foi criada, nós tínhamos 5 mil empresas de plano de saúde. Atualmente nós temos 930 empresas, das quais apenas 810 contêm usuários em suas carteiras de assistência. Isso é um reflexo, por um lado, da profissionalização do sistema, por outro lado, das dificuldades operacionais da empresa, sanções e exigências do ponto de vista da agência reguladora”, pontuou Wanderley.

O presidente da Abramge ainda ressaltou as diferenças financeiras entre a saúde pública e privada, além de explicar o que seriam os planos de saúde acessíveis, em discussão no Ministério da Saúde.

HGRS promove curso de visitação hospitalar para agentes religiosos

O Hospital Geral Roberto Santos (HGRS) promove, no próximo mês de agosto, o Curso de Visitação Hospitalar para sua comunidade. A ação – em cumprimento à Portaria nº 880/2014, que assegura a assistência religiosa em hospitais – será organizada em quatro módulos, conduzidos por autoridades religiosas/espirituais, psicólogos, enfermeiros, assistentes sociais e advogados.

Para se inscrever na capacitação, o interessado deve comparecer a um dos encontros ecumênicos realizados pela Diretoria de Apoio Diagnóstico e Terapêutico do HGRS. Intitulado ‘Tarde de Fé – Saúde para Servir’, projeto que acontece todas as quintas-feiras, às 15h, no Auditório Central da unidade. O curso também será realizado às quintas, no mesmo local, mas das 16 às 17h.

“Nosso objetivo é cumprir de maneira organizada o que determina a Secretaria da Saúde do Estado [Sesab]. Sabemos da importância da combinação harmônica entre os aspectos físico, mental e espiritual para o paciente internado, mas há técnicas e normas hospitalares que devem ser seguidas por qualquer agente religioso”, explica a diretora de Apoio Diagnóstico e Terapêutico do HGRS, Débora Santana. Segundo ela, as visitas sempre aconteceram, porém, é a primeira vez que a unidade oferece treinamento específico para esse fim.

O hospital disponibiliza 30 vagas para a atividade. No ato da inscrição, o candidato deve ter em mãos a carta de apresentação da instituição religiosa que lhe encaminhou. Ao fim do quarto módulo, a turma realizará provas prática e teórica. Os aptos receberão, em solenidade posterior, certificado e credencial para as visitas no hospital.

Os temas abordados serão ' Orientação sobre como lidar com a dor e a morte, com equipe de psicologia'; 'Normas e técnicas de higienização e segurança hospitalar, com equipe de enfermagem'; e 'Questões jurídicas do paciente, com advogados convidados'. No final do curso (31 de agosto), haverá avaliações práticas e teóricas, e, no mês de setembro, cerimônia de entrega de certificados e credenciais para os aptos.

 

 

Fonte: A Tarde/Bahia Econômica/BN/Ascom HGRS/Municipios Baianos

Comentários:

Comentar | Comentários (0)

Nenhum comentário para esta notícia, seja o primeiro a postar!!