13/07/2017

Startup baiana está entre os 22 Casos de Inovação do Brasil

 

Mudar a difícil realidade enfrentada nos portos brasileiros com a falta de informações e previsões que permita a carga e descarga de navios de maneira segura. Esse foi o desafio aceito pela Preamar, startup incubada no Parque Tecnológico da Bahia. O trabalho incessante começa a render frutos com a divulgação, pela Confederação Nacional da Indústria (CNI), de que a Preamar está entre os 22 Casos de Inovação do Brasil. Tudo isso graças à ideia de criar um software de gestão portuária, o Sistema de Observação e Modelagem Costeira (SOMC).

A ferramenta desenvolvida pelos quatro sócios da Preamar, todos formados em Oceanografia pela Universidade Federal da Bahia (Ufba), é um sistema de informação que permite avaliar riscos para facilitar as manobras de um navio em determinado porto. Mateus Lima e Bruno Balbi, sócios da Preamar, contam que no terminal de Cotegipe, o SOMC permitiu reduzir em 53% o tempo de espera dos navios, o que representa, pelo menos, US$ 2 milhões de economia em cada safra.

Tanto o terminal quanto a praticagem podem utilizar o sistema. “Apesar de ser a mesma tecnologia de gerar dados e fazer previsões, o prático precisa de informações que o terminal não precisa. Logo, são ferramentas diferentes. No prático, tem informação de qual o risco em toda navegação até o chegar ao porto. O porto quer saber quanto que ele carrega mais, então existe uma ferramenta da gestão do carregamento”, explica Balbi.

Única startup da Bahia entre os 22 Casos de Inovação do Brasil, a Preamar planeja o futuro. “Ser reconhecido pela CNI e Sebrae é algo que nos faz perceber que estamos no caminho certo. A credibilidade aumentou muito e estamos usando isso a nosso favor. Acabamos de fechar um investimento com um grupo de capital de risco de São Paulo. Junto com eles, vamos colocar a estratégia comercial pra frente, a fim de conquistar clientes e, a partir do ano que vem, internacionalizar a ferramenta. A ideia é conquistar o mundo”, projeta Balbi.

Como funciona o SOMC

O Sistema de Observação e Modelagem Costeira (SOMC), criado pela Preamar, inclui, no modo de observação, a instalação de equipamentos no porto, permitindo a coleta de dados em tempo real, como maré, onda, corrente, ventos e precipitação. Já o modo de previsão serve-se de dados de domínio público, como os fornecidos pelo Instituto Nacional de Meteorologia (Inmet). Com estas informações, o SOMC transforma dados complexos em uma linguagem de fácil entendimento por parte do usuário.

Salvador: Seminário Cidade Inovadora discute empreendedorismo e inovação

Apresentar práticas de sucesso na promoção do empreendedorismo é o objetivo do seminário Salvador - Cidade Inovadora, que acontecerá na próxima sexta-feira (14), no auditório do Senai Cimatec, em Piatã (Av. Orlando Gomes, 1835). Realizado pela Prefeitura Municipal de Salvador, com o apoio do Jornal CORREIO e do Sebrae, o seminário é organizado pelo Senai Cimatec e integra o Programa Salvador 360, iniciativa da Prefeitura para acelerar o crescimento social e econômico da cidade. A entrada é gratuita e o credenciamento dos interessados começará às 8h, no local do evento.

Programado para durar todo o dia de sexta-feira, com palestras e dinâmicas sobre inovação ocorrendo das 9h até às 19h, o seminário também irá possibilitar o mapeamento de práticas inovadoras e sustentáveis já adotadas em Salvador.

Entre os temas programados estão: práticas e políticas para a criação de ecossistemas de inovação e novos modelos de negócios para inovação. Serão ainda mostrados exemplos de cases de sucesso da área no Brasil e exterior, como o Porto Digital, em Recife (PE), os projetos de tecnologia em Florianópolis (SC) e as estratégias de inovação em Boston (EUA), cidade que é sede do Instituto de Tecnologia de Massachusetts (MIT).

O Programa Salvador 360 está dividido em oito eixos e 360 medidas que contemplam projetos e ações que adotam a tecnologia como ferramenta de desenvolvimento de políticas públicas. A ideia é que através do programa, sejam promovidas iniciativas e parcerias entre o poder público, empresas e sociedade civil organizada. A meta é que Salvador ofereça oportunidades para a geração de novos negócios que dinamizem a economia local e reflitam em melhor qualidade de vida para a população.

Mais 8 cidades assinam a Declaração de Paris para combate à epidemia de AIDS

Mais oito prefeitos de cidades brasileiras assinaram na segunda-feira (10) a Declaração de Paris, comprometendo-se em acelerar os esforços locais para alcançar o fim da epidemia de AIDS até 2030. A assinatura ocorreu durante encontro da Frente Nacional de Prefeitos (FNP) em Campinas, no interior paulista.

Os centros urbanos estão no centro dos esforços pelo fim da epidemia de AIDS como ameaça à saúde pública. Com a adesão à Declaração de Paris, estas prefeituras se comprometem a alcançar as populações e comunidades mais vulneráveis – incluindo acesso ao diagnóstico, adesão ao tratamento, até a manutenção de seu bem-estar e o exercício de seus direitos.

Assinaram a declaração os prefeitos das cidades de Aracaju (SE), Campinas (SP), Fortaleza (CE), Palmas (TO), Santana de Parnaíba (SP), Jaguariúna (SP), Rio de Janeiro (RJ) e Vitória (ES), que se uniram a outras 23 cidades e dois estados que já haviam se comprometido com a declaração. No caso do Rio de Janeiro, tratou-se de uma reafirmação do compromisso já firmado em 2014.

Lançada pelo Programa Conjunto das Nações Unidas sobre HIV/AIDS (UNAIDS) em dezembro de 2014 na capital francesa, a Declaração de Paris busca mobilizar esforços locais para o fim da epidemia da doença nos próximos 13 anos.

Os municípios brasileiros se somam a mais de 200 prefeituras ao redor do mundo que já estão mobilizadas rumo às metas de tratamento 90-90-90 para 2020: ter 90% das pessoas vivendo com HIV diagnosticadas; desse total, 90% em tratamento; e que 90% deste grupo tenha carga viral indetectável. Além das metas de tratamento, os prefeitos se comprometem a colocar as pessoas no centro das ações e enfrentar as causas do risco, das vulnerabilidades e da transmissão do HIV.

O evento de assinatura foi organizado pelo presidente da Frente Nacional de Prefeitos, Jonas Donizette, que também firmou o compromisso como prefeito de Campinas. “Temos notado que a preocupação das pessoas com a AIDS está diminuindo. E não podemos diminuir a intensidade no combate a essa doença que vitima milhares de pessoas no país”, afirmou ele durante o evento.

A Declaração de Paris foi assinada também por Edvaldo Nogueira, prefeito de Aracaju; Roberto Cláudio, prefeito de Fortaleza; Carlos Amastha, prefeito de Palmas; Marcelo Crivella, prefeito do Rio de Janeiro; Luciano Rezende, prefeito de Vitória; Gustavo Reis, prefeito de Jaguariúna; e Elvis Cezar, prefeito de Santana de Parnaíba.

“A liderança das cidades em relação ao HIV é essencial para o mundo atingir as metas de aceleração da resposta e o fim da epidemia de AIDS até 2030. Mais de metade da população mundial vive em cidades. A meta é global, mas sabemos que quem implementa na ponta são os municípios, que estão mais perto dos indivíduos e sua participação é crucial para não deixarmos ninguém para trás”, disse a diretora do UNAIDS no Brasil, Georgiana Braga-Orillard.

“Estamos saindo da era das nações para chegarmos na era dos municípios. Parabenizo a ONU por dar ênfase na resposta local”, afirmou o prefeito de Palmas, Carlos Amastha.

O evento de assinatura da Declaração de Paris é a primeira atividade dentro de uma parceria firmada entre a FNP e a ONU no âmbito dos Objetivos de Desenvolvimento Sustentável.

A Frente Nacional de Prefeitos

A FNP foi fundada em 1989 e é uma única entidade municipalista nacional dirigida exclusivamente por prefeitas e prefeitos em exercício dos seus mandatos com alcance de mais de 600 municípios com mais de 50 mil habitantes. Recentemente, a Frente tem trabalhado em conjunto com o Sistema das Nações Unidas para a disseminação dos Objetivos do Desenvolvimento Sustentável (ODS).

A Declaração de Paris

A Declaração de Paris reforça o compromisso dos Estados-membros das Nações Unidas com os ODS, que são um apelo claro para a criação de condições que favoreçam o bem-estar de toda a humanidade.

O documento também reforça a necessidade de implementação dos direitos humanos em todas as suas dimensões, garantindo que ninguém seja deixado para trás nesta nova agenda de desenvolvimento — especialmente as pessoas vivendo com HIV, as pessoas privadas de liberdade, as pessoas que usam drogas, profissionais do sexo, os migrantes e pessoas deslocadas, pessoas com deficiência e aquelas com 50 anos ou mais fazem parte das populações mais vulneráveis à epidemia.

As primeiras cidades brasileiras a assinar a Declaração de Paris em dezembro de 2014 foram Curitiba (PR), Salvador (BA) e o estado do Rio de Janeiro. As demais adesões aconteceram em 2015: três cidades fronteiriças do Alto Solimões (AM) – Tabatinga, Atalaia do Norte e Benjamin Constant –, além de São Paulo (SP), Manaus (AM), Belém (PA), Porto Alegre (RS) e outros 13 municípios do Rio Grande do Sul — incluindo o próprio governo do estado — e o Distrito Federal.

 

 

Fonte: Correio/ONU Brasil/Municipios Baianos

Comentários:

Comentar | Comentários (0)

Nenhum comentário para esta notícia, seja o primeiro a postar!!