30/09/2017

Governo apoia realização da 1ª Feira Orgânica em Juazeiro

 

Agricultores e agricultoras familiares de associações comunitárias rurais do município de Juazeiro, Território Sertão do São Francisco, passam a ter a oportunidade de comercializar seus produtos orgânicos na Feira Orgânica do Vale, que será realizada às quintas-feiras, das 16h às 20h, na Praça Santiago Maior, no centro de Juazeiro.

A feira, que possibilita à população da sede do município o acesso a alimentos saudáveis, livres de agrotóxicos nocivos à saúde de quem consome e de quem produz, recebeu barracas padronizadas entregues pela Companhia de Desenvolvimento e Ação Regional (CAR), empresa pública vinculada à Secretaria de Desenvolvimento Rural (SDR), por meio da emenda parlamentar do deputado estadual Crisóstomo Antônio Lima, conhecido como deputado Zó.

O diretor-presidente da CAR, Wilson Dias, parabenizou a Prefeitura Municipal de Juazeiro, associações e o deputado Zó por essa parceria, que possibilitou a inauguração desse espaço de comercialização, que vem ajudar quem produz um alimento de qualidade, certificado, de forma participativa, pelos próprios agricultores familiares organizados: "Além disso, esse espaço possibilita um conforto à população que vem em busca de um produto diferenciado. O Estado vai continuar apoiando essas iniciativas".

Jovita da Silva, presidente da Associação Rural do João Paulo II, agradeceu o apoio para a realização da feira e ressaltou que a chegada das barracas "significa uma ajuda muito grande para as famílias produtoras. Esse foi o primeiro passo e a expectativa é crescer e melhorar ainda mais, até conquistar um espaço permanente".

De acordo com Justiniano Félix, secretário de Agricultura do município de Juazeiro, a realização dessa primeira Feira de Orgânicos do Vale conta com o apoio de diversas instituições e do Governo do Estado, por meio da CAR: “Essa feira representa um implemento importante na produção orgânica do município e na qualidade de vida das pessoas que irão consumir um produto de qualidade, além de ser um implemento na organização dos trabalhadores e trabalhadoras rurais, que têm um espaço de comercialização dos seus produtos. É um ganho muito importante”.

Os produtos orgânicos podem ser encontrados todos os dias da semana no Espaço Solidário, do Centro Público de Economia Solidária (Cesol), localizado também na praça Santiago Maior, em Juazeiro.

Participaram ainda do evento o deputado Zó, o prefeito de Juazeiro, Paulo Bonfim, e representantes de movimentos sociais, entre outros.

Rio São Francisco chega ao mais baixo volume de água em 513 anos de história

O Rio São Francisco, o Velho Chico, chegou ao ano de 2017 com o mais baixo volume em 513 anos de história. O manancial enfrenta uma espécie de sentença de morte.

Estudo inédito realizado pelo Corpo de Engenheiros do Exército dos Estados Unidos e pela Companhia do Desenvolvimento dos Vales do São Francisco e Parnaíba (Codevasf) revela que o leito do rio recebe por ano 23 milhões de toneladas de sedimentos, da nascente na Serra da Canastra, em Minas, à foz no Oceano Atlântico, entre Alagoas e Sergipe.

Para fazer frente a essa realidade, o estudo propõe medidas controversas, que incluem a transposição de águas de outras bacias.

O diagnóstico aponta ainda que o soterramento do rio tem como uma das principais causas a ação humana, especialmente o desmatamento.

De acordo com o Notícias da Lapa, os impactos causados pelo crescimento dos grandes empreendimentos do agronegócio na região também têm influenciado no volume de chuva, atingindo diretamente o lençol freático e diminuindo a vazão de forma drástica dos rios Corrente, Grande, Carinhanha, que são as veias principais do São Francisco na Bacia.

Sem chuvas e com perspectivas nada animadoras, a revitalização do Rio São Francisco aparece como única saída para dar segurança hídrica à região.

Bahia lidera ranking nacional em rebanhos de cabra, ovelha e produção de peixe

A Bahia tem os municípios com maior rebanho caprino, ovino e alevino [peixes jovens] do país. As informações foram divulgadas nesta quinta-feira (28) pela Pesquisa da Produção da Pecuária Municipal (PPM), do IBGE. Segundo o levantamento, o município de Casa Nova, no Sertão do São Francisco, tem o maio rebanho do país de caprinos [bodes, cabras e cabritos] e ovinos [ovelhas, carneiros e burregos], com 468.258 caprinos, ou 4,8% do total nacional, e 408.526 ovinos, ou 2,2% de todo Brasil. Juazeiro, na mesma região, tem o quarto maior rebanho do país, com 211.133 cabeças. A Bahia tem 22 municípios entre os 50 primeiros do país com maior efetivo de caprinos. No rebanho bovino, a Bahia detém o maior plantel, 3.497.190 animais, ou quase 1 a cada 5 ovinos brasileiros (19%). Em relação aos alevinos, Paulo Afonso, na parte norte do Vale do São Francisco na Bahia, é o maior produtor brasileiro, com 112.786 milheiros. Na comparação nacional, a Bahia é terceiro estado produtor de alevinos, com 11,2% do total (ou 131.512 milheiros). A pesquisa também apontou a Bahia como o terceiro estado em efetivo de equinos, com 481.869 animais (8,6% do total de 5.577.539 no país), atrás apenas de Minas Gerais (762.006 animais, ou 13,7% do efetivo nacional) e Rio Grande do Sul (537.159 animais ou 9,6%).O efetivo nacional de equinos foi de 5,58 milhões de cabeças em 2016, registrando um aumento de 0,5% em relação ao observado em 2015. A região Nordeste apareceu na primeira posição, com 23,2% do rebanho nacional, seguida pelas regiões Sudeste (23,2%), Centro-Oeste (20,0%), Sul (17,5%) e Norte (16,1%).

Cemafauna comemora Dia internacional do Morcego com programação especial durante o mês de outubro em Petrolina

1º de outubro é o Dia Internacional do Morcego e para celebrar a data o Centro de Conservação e Manejo de Fauna da Caatinga (Cemafauna Caatinga) preparou uma programação especial para proporcionar maior conhecimento sobre esse mamífero tão temido pela maioria da população. O ‘Mês do Morcego’ acontecerá durante todo o mês de outubro no Museu de Fauna da Caatinga que localiza-se no Campus de Ciências Agrárias da Universidade Federal do Vale do São Francisco (Univasf), zona rural de Petrolina-PE.

O intuito é desmistificar a figura do morcego através de palestras tanto educativas quanto mais acadêmicas (relacionadas tanto a história natural dos quirópteros quanto as questões epidemiológicas e de saúde pública), além de atividades mais lúdicas para o público infanto-juvenil. Dessa forma, o laboratório de Mastozoologia do Cemafauna propõe uma grade de palestras semanais com ministrantes convidados, como também palestras de educação ambiental desenvolvidas por estagiários (dos cursos de Ciências Biológicas, Zootecnia e Medicina Veterinária da Univasf) que atuam no próprio Centro, para o público das escolas que sempre visitam o Museu de Fauna. Além disso, haverá também exposição de morcegos do acervo da coleção científica do Museu, painel de fotos, pintura facial infantil, desenhos para colorir e origamis.

A bióloga Cibele Zanon do Laboratório de Mastozoologia do Cemafauna ressalta que é necessário conhecer para poder conservar e foi pensando nisso que o Centro alinhou uma série de atividades para que os visitantes possam conhecer sobre diversidade de espécies, seus hábitos e características, verdades e mitos para que assim o público saia das palestras com uma conscientização maior e ajude a combater todo o preconceito, mostrando a importância dos morcegos para o equilíbrio do meio ambiente.

Morcegos como aliados

Os quirópteros, uma das maiores ordens de mamíferos do Brasil, contam com quase duzentas espécies, sendo divididas em nove famílias de animais e mais de sessenta gêneros. Além de potenciais polinizadores, os morcegos frugívoros quando se alimentam de frutos os retiram de uma planta e voam para outros locais e durante esse processo pode ocorrer tanto a queda do fruto, quanto também o descarte das sementes durante alimentação ou defecação, contribuindo na dispersão de diversas plantas. Outro ponto a ressaltar é que morcegos nectarívoros ao introduzirem a face na flor em busca de néctar ficam repletos de pólen, ajudando assim na fecundação das plantas.  Há também os morcegos insetívoros que têm grande influência na agricultura, pois, segundo artigo da revista científica ‘Science’, agem como inseticidas naturais já que muitas espécies se alimentam de insetos que causam prejuízo às plantações. De acordo com o pesquisador norte-americano Paul Cryan é possível economizar anualmente cerca de US$ 3,7 bilhões em inseticidas.

Os eventos são abertos ao público em geral, com entrada gratuita, mas vagas limitadas e acontecem no auditório do Museu de Fauna da Caatinga no Campus de Ciências Agrárias da Univasf. Outras informações e agendamento de visitas em grupo (acima de 10 pessoas) pelo telefone 87 2101-4821 ou ainda pelo e-mail museu.cemafauna@univasf.edu.br

  • Confira o cronograma das palestras semanais:

06/10 – 15h - Ordem Chitoptera - Conhecer para conservar 

Cibele Zanon - Cemafauna/UNIVASF

13/10 – 9h - Efeitos da Urbanização sobre os Morcegos

 Talita Rosa - Cemafauna/UNIVASF

20/10 – 15h - Quirópteros: Aspectos epidemiológicos e de saúde pública.

João Alves – Professor de Saúde Pública e coordenador do Curso de Medicina Veterinária (UNIVASF)

27/10 – 14h - Morcegos frugívoros da restinga de Sergipe: Dieta, dispersão e germinação de sementes

Tamiris  Oliveira (UFES)

             15h30 - Ectoparasitas em morcegos.

 Glauber Meneses (UNIVASF) - Laboratório de Doenças Parasitárias

 Serviço

Mês do Morcego – Cemafauna Caatinga

Data - 02 a 31 de outubro (Horário de funcionamento do Museu - segunda a quinta-feira das 9h as 11h e das 14 as 18h; sexta-feira das 9h as 11h e das 14h as 17h)

Local – Auditório do Museu de Fauna da Caatinga

Outras informações - (87) 2101-4821

Entrada gratuita.

Cursos de elaboração de projetos será realizado entre os dias 02 e 03 de novembro

A Melodia Produções, em Petrolina, inicia os cursos de Elaboração de Projeto Culturais, o de elaboração de projetos culturais na área do Artesanato e o segundo para projetos direcionados à Cadeia Produtiva da Música. Os cursos serão ministrados pelo músico e produtor cultural Marcone Melo, entre os dias 02 de outubro a 30 de novembro, no horário das 19h às 22h. A iniciativa conta com o incentivo do Governo de Pernambuco, através da Fundarpe, via aprovação no edital do Funcultura 2015/2016, conta ainda com o apoio da UNIVASF e do IF-SERTÃO - Petrolina, que gentilmente cederam as salas para a realização dos cursos.

O principal objetivo dos cursos é capacitar os artistas e produtores culturais de Petrolina, com conhecimentos e técnicas de elaboração de Projetos culturais, para que possam competir de forma equilibrada, com os artista e produtores da Região Metropolitana do Recife e das outras regiões do Estado, nos editais do Funcultura, assim como na Lei Rouanet.

Outras informações sobre o curso podem ser obtidas pelo telefone: (87) 98866-7387 ou pelo e-mail: marconeemelo@hotmail.com

 

Fonte: Ascom SDR/BN/Ascom Cemafauna/BlogGeraldoJosé/Municipios Baianos

Comentários:

Comentar | Comentários (0)

Nenhum comentário para esta notícia, seja o primeiro a postar!!