05/10/2017

NTCO promove X Caminhada contra a Obesidade, no Dique do Tororó

 

O brasileiro está mais obeso. Quase um em cada cinco brasileiros sofre de obesidade e mais da metade da população adulta do Brasil, que reside nas capitais,  está acima do peso. Em Salvador, 53,8% da população está com excesso de peso. Os dados são da Pesquisa de Vigilância de Fatores de Risco e Proteção para Doenças Crônicas por Inquérito Telefônico (Vigitel), realizada pelo Ministério da Saúde em todas as capitais do país. A Caminhada, promovida pelo NTCO, tem o objetivo de alertar para os riscos do excesso de peso e do sedentarismo.

 Alertar a população para os riscos da obesidade e do sobrepeso, estimular a pratica de atividades físicas e promover hábitos saudáveis são os objetivos da X Caminhada Movimento contra Obesidade, promovida pelo NTCO (Núcleo de Tratamento e Cirurgia da Obesidade). A Caminhada acontece no próximo dia 29 de outubro, às 8 horas, no Dique do Tororó, com largada perto da área dos restaurantes. O percurso será feito em torno da lagoa, que tem 2,5 Km.  Na programação, haverá avaliação e exame físico dos participantes,  aula de dança e uma sessão de aquecimento e exercícios de alongamento antes da caminhada.

O kit para participar da Caminhada pode ser trocado por três quilos de alimentos não perecíveis, a partir do dia 17, na sede do NTCO (Rua Agnelo de Brito, 187, Centro Odontomédico Henry Dunant, Federação). Os alimentos arrecadados serão revertidos para instituições filantrópicas.  Mais informações no site www.ntco.com.br

O cirurgião bariátrico Erivaldo Alves, diretor do NTCO e membro titular da Sociedade Brasileira de Cirurgia Bariátrica e Metabólica (SBCBM), ressalta: “A atividade física é essencial para a prevenção da obesidade e de várias doenças associadas. A sua pratica regular significa saúde e qualidade de vida.”

Sobre o NTCO

Com 16 anos de fundado, o Núcleo de Tratamento e Cirurgia da Obesidade (NTCO) atua no tratamento clínico e cirúrgico da obesidade e suas comorbidades. Como agente social na luta contra a doença, o NTCO conta com equipe multidisciplinar com cirurgiões, endocrinologista, oncologista, fonoaudiólogo, nutricionista, psicólogo, pneumologista, educador físico e fisioterapeuta, oferecendo todo suporte necessário para uma abordagem integral do paciente. A clínica é dirigida pelo cirurgião bariátrico, Erivaldo Alves, membro titular da Sociedade Brasileira de Cirurgia Bariátrica e Metabólica (SBCBM).

Atendimentos odontológicos são necessários em pacientes com câncer

Embora pouco divulgado, o tratamento bucal tem sua parcela de importância no tratamento do câncer.  A relevância da odontologia hospitalar começa a mobilizar não apenas famílias de pacientes, como também profissionais da área que estão buscando se especializar, e contribuir com a saúde desses enfermos.

Responsável pelo Serviço de Odontologia do Hospital São Rafael – além de já ter atuado na saúde do Estado de Sergipe –, a odontóloga Isa Barboza explica que o atendimento aos pacientes com câncer começa antes do tratamento oncológico, tendo a função de reduzir os focos de infecção como a cárie, cálculo ou tártaros dental. inflamação da gengiva, dentes com mobilidades, remoção de restos radiculares, extrações dentarias.

Ou seja, visa adequar a boca, orientar sobre a higiene oral, preparando o paciente para o tratamento, que poderá ser feito por meio da quimioterapia ou/e radioterapia ou/e cirurgias.

Durante o tratamento, é feito o acompanhamento do paciente com protocolo de profilaxia, prevenção dos efeitos colaterais ou secundários que ocorre em boca proveniente do tratamento do câncer.

“Há 17 anos que nosso protocolo contempla higiene oral, profilaxia com bochechos com antissépticos, bactericidas, sem álcool, mais o uso do laser de baixa intensidade para prevenir as mucosites orais, que são úlceras ou aftas ou seja, as feridas na boca, também diminuir a boca seca – a xerostomia – que acomete mais o paciente em tratamento do Câncer de Cabeça e Pescoço”, explica Isa. 

Durante o tratamento, também é utilizado a Terapia Fotodinâmica Antimicrobiana, onde é usada a luz associada a um fotossensibilizador para eliminar microrganismos, (bactérias, fungos, vírus) de maneira indolor e economicamente viável.

Após o tratamento oncológico, o paciente com câncer de cabeça e pescoço, transplantado de medula óssea, e oncologia pediátrica, segue acompanhamento com a Odontologia por mais um ano, a fim de minimizar os efeitos tardios que acomete a cavidade oral.

Isa destaca que a presença do cirurgião dentista em ambiente hospitalar, inserido numa equipe multidisciplinar nas diversas especialidades da medicina, contribui para minimizar o risco de infecções, reduzindo o tempo de internamento.

A redução também acontece no uso de antibióticos, no uso de alimentação enteral e parenteral, e consequentemente nos custos hospitalares – que podem alcançar uma economia de aproximadamente 40% - proporcionando a continuidade dos protocolos oncológicos, aumentando a sobrevida e qualidade de vida dos pacientes.

Ao longo de 17 anos, Isa conta que já atendeu uma média de dois mil pacientes, realizando 14 mil procedimentos odontológicos no paciente oncológico, hematológico e transplantado de medula óssea.

Ginecologista sugere 'glamourização' da camisinha para incentivar uso entre jovens

Os baixos índices de uso de preservativo entre os jovens é um problema que preocupa os profissionais, por levar à disseminação de doenças sexualmente transmissíveis (DSTs) e à gravidez na adolescência.

Para a obstetra e ginecologista Albertina Takiuti, responsável pelo Ambulatório de Ginecologia da Adolescência do Hospital das Clínicas de São Paulo, a “glamourização” da camisinha pode ser uma forma eficaz de atingir esse público, já que alertas sobre os riscos não têm sido tão efetivos.

“Eu acho que o menino devia se sentir careta, ridículo por não usar. Você não vai beijar sem escovar os dentes porque bafo é muito ruim, então acho que precisa ser parecido. Devia ser falta de higiene, como não escovar os dentes e não tomar banho”, afirmou, durante a coletiva de imprensa “Sexualidade e Comportamento”, promovida pela Bayer em São Paulo.

De acordo com dados do Datasus, entre 1998 e 2015, o Brasil registrou uma queda de aproximadamente 25% no número de nascidos vivos de mães com idade entre 10 e 19 anos.

O índice é inferior aos Objetivos de Desenvolvimento do Milênio (ODM), da Organização das Nações Unidas (ONU), de reduzir esse número em 30%. O estado de São Paulo, por sua vez, teve redução de 46,6% nesse mesmo público.

“Nós apresentamos duas vezes ao ano os índices, mostrando as cidades que estão com problemas e pedindo parcerias da Educação, dos prefeitos, da Saúde”, explicou Albertina sobre a experiência exitosa.

A ginecologista falou ainda sobre a importância da educação sexual, empoderamento feminino e preocupações do jovem no início da vida sexual.  

Pacientes com câncer têm direito a saque do FGTS, isenção do Imposto de Renda e do IPVA

Pessoas que sofrem com algum tipo de neoplasia – o câncer – detêm alguns direitos especiais na esfera Trabalhista, Previdenciária e Tributária. A informação foi dada pelo advogado Breno Novelli, diante da campanhas do Outubro Rosa e o alerta para o combate e prevenção ao câncer de mama. 

Pacientes que lutam contra o câncer, sobretudo mulheres, ou familiares com dependentes que buscam a cura da doença podem, por exemplo, fazer o saque integral do Fundo de Garantia por Tempo de Serviço (FGTS), para ajudar nos custeios do tratamento e no seu próprio sustento.

A pessoa diagnosticada com algum tipo de neoplasia, a depender da gravidade, também pode ter direito a aposentadoria integral por incapacidade laboral. “Os benefícios estarão diretamente ligados à gravidade e intensidade do câncer junto com a capacidade de trabalho da pessoa. Não se pode falar em aposentadoria integral em casos em que a capacidade de trabalho não fique completamente impossibilitada”, salienta o advogado.

Breno completa que a incapacidade para o trabalho não é mensurada somente pelo aspecto físico, mas também pela condição psicológica, emocional, moral, social e financeira. O servidor público tem direito ao benefício, mesmo que tenha contraído a doença após a aposentadoria, transformando em integral, se for o caso.

Caso haja o deferimento da aposentadoria por invalidez, a pessoa ainda pode ter a quitação total do financiamento de um imóvel. Isso se deve pois, ao comprar um imóvel financiado junto à Caixa Econômica Federal, por exemplo, o comprador paga um seguro habitacional. O contrato deste seguro prevê a quitação do saldo devedor nos casos de morte e invalidez permanente do contratante.

Pacientes que ainda foram submetidos a tratamentos, como quimioterapia e radioterapia, podem ter isenção do Imposto de Renda. Outros impostos também podem ser deduzidos, como o ICMS, IPVA, IPI e IOF.

Outros direitos de pessoas com câncer versam sobre o direito ao saque do PIS/Pasep, que devem ser requeridos junto à Caixa Econômica Federal e o Banco do Brasil. Também têm desconto na contribuição previdenciária.

Apesar de deterem direitos que lhes proporcionem um conforto em um período tão delicado de suas vidas, muitas pessoas encontra dificuldade em obter tais vantagens.

  • Breno Novelli enumera três entraves na hora que conseguir tais benefícios:

“O primeiro deles, infelizmente, é a informação. As pessoas ainda, infelizmente, não sabem que elas podem em um momento tão difícil desses da vida - que a gente nunca espera - ter esses benefícios”.

A segunda dificuldade é a burocracia. “Apesar de sabermos que o INSS, para seu bom funcionamento, precise ser rigoroso, percebemos que é exigida uma quantidade grande de documentos. Precisa de atestado médico não superior a 30 dias, com assinatura, com carimbo, com CRM, com tipificação especifica. É preciso juntar exames patológicos que serviram de base para o diagnóstico do câncer, além de carteira de trabalho, cartão cidadão”, detalha. A isenção de impostos também não é fácil de conseguir. Para se ter isenção do IPVA, por exemplo, é preciso dar entrada em um pedido no Detran e na Secretaria da Fazenda, para que façam a análise para saber se, de fato, a pessoa tem direito a receber os benefícios. Com a aprovação, o Detran e a concessionária são comunicadas para não cobrarem o imposto. Ele ressalta que, apesar de nesses casos não ser necessário ter advogado, é recomendável contratar um diante da dificuldade em obter os auxílios e isenções.

Já no ambiente de trabalho, o advogado diz que as empresas precisam ter bom senso. “É preciso que as empresas tenham bom senso quanto ao afastamento que não for superior ao prazo de 15 dias. Que ela cobre os atestados médicos dos pacientes e, com as faltas justificadas, não desconte os dias não trabalhados no contracheque do funcionário. Sendo superior a 15 dias, o paciente deve dar entrada no pedido de auxílio-doença junto ao INSS, e durante o tempo do pedido até a concessão do benefício, o contrato seja suspenso”, frisa.

Esse período compreendido entre o pedido e deferimento do auxílio é chamado por Breno de “vácuo jurídico”. É justamente neste “vácuo” que o contrato de trabalho deve ficar suspenso, pois a pessoa não tem condições de trabalhar até o dia da perícia. O advogado ainda destaca que as mulheres que tiveram que ter a mama retirada em decorrência do câncer têm direito a cirurgia de reconstrução através do plano de saúde ou do próprio SUS.

 

Fonte: Carol Campos - Assessoria de Imprensa/Tribuna/BN/Municipios Baianos

Comentários:

Comentar | Comentários (0)

Nenhum comentário para esta notícia, seja o primeiro a postar!!