17/10/2017

Casa Nova e Canudos: Constesf atinge meta de construção de barreiros

 

O projeto Cisternas, desenvolvido pelo Consórcio Sustentável do Território do São Francisco (Constesf), continua mudando a realidade das famílias da zona rural. Nos municípios de Casa Nova e Canudos a meta de construção de barreiros, capaz de armazenar até 500 mil litros de água para os animais e para produção agroecológica nos períodos de estiagem, já foi 100% concluída.

Foram entregues 102 barreiros em Canudos e 102 em Casa Nova, totalizando 204 tecnologias que garantem mais acesso à água para pequenos agricultores. "Com o curso de Sistema Simplificado de Manejo de Água de Chuva, realizamos a capacitação das famílias que receberam os barreiros em suas propriedades. Dessa forma, asseguramos a participação das famílias e garantimos, através de capacitações e cursos, que a tecnologia vai ser bem aproveitada e realmente fará diferença na vida dessas pessoas que sofrem com a seca", explicou o coordenador geral do projeto. Mauro Macêdo.

O Projeto Cisternas tem o objetivo de garantir às famílias do Território o acesso à água no período de estiagem, através da captação e armazenamento de água nos períodos de chuva. A meta é universalizar o acesso à água de qualidade em todo o Território do São Francisco, formado por 10 municípios.

Estudos sobre a vitinivinicultura do Vale do São Francisco serão apresentados em evento

Nesta semana, dias 17 e 18 de outubro, em Petrolina (PE), serão conhecidos os resultados de projeto de pesquisa realizado desde 2013, que teve como objetivo conhecer e organizar as informações dos vinhos finos do Vale do São Francisco, produzidos há mais de 30 anos no semiárido do Nordeste brasileiro. As contribuições do projeto constituirão o processo para a solicitação do reconhecimento da Indicação de Procedência.

O evento reunirá a equipe de pesquisadores e professores de diversas Instituições do Brasil (veja lista completa no programa abaixo), que colaboraram para o desenvolvimento de pesquisas e na caracterização dos fatores naturais da região, dos vinhedos e dos vinhos do Vale do São Francisco. Como resultado, em breve, o Vinhovasf solicitará no próximo ano, junto ao Instituto Nacional da Propriedade Industrial (INPI), a Indicação de Procedência (IP) para vinhos e espumantes da região.

“Nosso objetivo foi conhecer a vitivinicultura da região, gerar tecnologias e estruturar a Indicação de Procedência dos vinhos finos tranquilos e espumantes tropicais do Vale do São Francisco”, informa Giuliano Elias Pereira, pesquisador da Embrapa e coordenador do projeto. Ele comenta que o projeto contou com importante financiamento do Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (CNPq), com aporte superior a R$ 1 milhão. “A ação atende a uma demanda do Instituto do Vinho do Vale do São Francisco (Vinhovasf), que agrupa os viticultores e a participação de sete vinícolas da região, tendo como presidente o produtor José Gualberto de Freitas Almeida, que é pioneiro na elaboração de vinhos na região”, contextualiza Pereira.

Durante o encontro, que é aberto ao público, serão apresentadas informações detalhadas sobre a delimitação do território vitivinícola do Vale, reunindo desde aspectos históricos, naturais (clima, solo, relevo), estudos enológicos para a melhoria da qualidade, da tipicidade e da estabilidade dos vinhos tropicais, dentre muitos outros itens necessários para desvendar a complexa vitivinicultura tropical do nordeste do Brasil e consolidar esta futura indicação de procedência.

Iniciado em 2013 com previsão de término em dezembro de 2017, o projeto conta com o esforço conjunto de uma grande equipe multidisciplinar de várias unidades da Embrapa (Uva e Vinho, Semiárido, Agroindústria Tropical e Clima Temperado), da Universidade de Caxias do Sul (UCS), a Universidade Federal de Lavras (UFLA), a Universidade Federal de Pernambuco (UFPE), a Universidade Federal Rural de Pernambuco (UFRPE) e o Instituto Federal do Sertão Pernambucano (IF Sertão), além do Vinhovasf, entidade privada, representante dos produtores vitivinícolas da região, que é a demandante do projeto e que encaminhará o pedido de registro da Indicação de Procedência.

Atualmente a vitivinicultura no Vale do São Francisco conta com cerca de 400 hectares de vinhedos, que produzem aproximadamente de 4 milhões de litros de vinhos finos tranquilos e espumantes por ano, dos quais 70% são espumantes, 29% são vinhos tintos e 1% são de vinhos brancos. Dentro dos espumantes, cerca de 60% são espumantes moscatéis, doces, com baixo teor alcoólico, sendo o restante de espumantes finos, brancos e rosados, secos ou meio doces.

  • SERVIÇO

O que: Seminário: Indicação Geográfica para os Vinhos Finos do Vale do São Francisco

Data: 17 e 18 de outubro

Local: Auditório do SENAC- Petrolina (PE)

Inscrições gratuitas pelo e-mail: cpatsa.chtt@embrapa.br

  • Programação:

Dia 17 de outubro de 2017

MANHÃ

9h - Abertura

11h - Conferência de abertura: Vitivinicultura mundial e brasileira: Panorama 2017 - José Fernando da Silva Protas – Embrapa Uva e Vinho

12h - Intervalo

TARDE

14h - Perfil das leveduras autóctones de vinhedos da região vitivinícola do Vale do Submédio São Francisco - Gildo Almeida da Silva – Embrapa Uva e Vinho

14h20 - Cadastro vitícola no Vale do São Francisco - Loiva Maria Ribeiro de  Mello –Embrapa Uva e Vinho

14h40 - Estudo qualitativo dos compostos voláteis de vinhos finos da região vitivinícola do Vale do Submédio São Francisco

Rita Nassur – Uneb

15h - Determinação de compostos contaminantes em vinhos comerciais do Vale do São Francisco

Adélia Araújo – ITEP

15h20 - A composição fenólica de vinhos comerciais do Vale do São Francisco

Marcos dos Santos Lima – IF Sertão-PE

15h40 - Intervalo

16h00 - Estabilidade de vinhos do Vale do São Francisco

Luciana Leite de Andrade Lima –UFRPE

16h20 - Fungos ocratoxigênicos e ocratoxina A em solos, folhas, uvas e vinhos do Vale do São Francisco

Luis Roberto Batista – UFLA

16h40 - Os efeitos do consumo de vinhos do Vale do São Francisco na saúde humana

Ferdinando Oliveira Carvalho – Univasf

17h - Encerramento

Dia 18 de outubro de 2017

MANHÃ

Painel I - Os Fatores Naturais e a Viticultura para Vinhos na Indicação de Procedência Vale do São Francisco

8h30 - A área delimitada da IP Vale do São Francisco

Ivanira Falcade – UCS

8h45 - Caracterização do relevo da região vitivinícola do Vale do Submédio São Francisco

Iêdo Sá – Embrapa Semiárido

9h - A geologia e geomorfologia da região vitivinícola do Vale do Submédio São Francisco

Rosemary Hoff – Embrapa Uva e Vinho

9h30 - Potencial agrícola dos solos do Vale do Submédio São Francisco para a vitivinicultura

Tony Jarbas Ferreira Cunha – Embrapa Semiárido e Mateus Filho – UFRPE

10h - Intervalo

10h30 - Caracterização do potencial e risco climático na viticultura destinada à produção de vinhos finos na região do Vale do Submédio São Francisco

Magna Soelma Beserra de Moura – Embrapa Semiárido

11h - Cobertura do solo, vinhedos e outros usos do solo na região vitivinícola do Vale do Submédio São Francisco

Iêdo Sá – Embrapa Semiárido

11h30 - Variedades e sistemas de produção da viticultura para vinho da região do Vale do Submédio São Francisco

Giuliano Elias Pereira – Embrapa Uva e Vinho/Semiárido

12h - Intervalo

TARDE

Painel II - Os Vinhos da região da Indicação de Procedência Vale do São Francisco

13h30 - Aspectos sociais e econômico-financeiros da produção vitivinícola do Vale do Submédio São Francisco

João Ricardo Ferreira de Lima – Embrapa Semiárido

14h - As tecnologias de vinificação dos vinhos finos da região vitivinícola do Vale do Submédio São Francisco

Giuliano Elias Pereira – Embrapa Uva e Vinho/Semiárido

14h30 - A composição química dos vinhos finos tranquilos e espumantes da região vitivinícola do Vale do Submédio São Francisco

Celito Crivellaro Guerra – Embrapa Uva e Vinho

15h - Caracterização sensorial qualitativa e quantitativa da cor, aroma e paladar dos vinhos finos do Vale do Submédio São Francisco

Mauro Celso Zanus –Embrapa Uva e Vinho

15h30 - Intervalo

Painel III - A Indicação Geográfica Vale do São Francisco: Estruturação e Registro no INPI

16h - O renome da região da IP Vale do São Francisco como produtora de vinhos finos

Ivanira Falcade – UCS

16h30 - O Regulamento de Uso da Indicação de Procedência Vale do São Francisco

Jorge Tonietto – Embrapa Uva e Vinho

17h - O sistema de controle para a atestação da conformidade dos vinhos da Indicação de Procedência Vale do São Francisco

Presidente do Conselho Regulador da IP Vale do São Francisco, Vinhovasf

17h30 - O pedido de registro da Indicação de Procedência Vale do São Francisco junto ao INPI

Kelly Bruch – Ibravin/UCS

18h - Encerramento

 

Fonte: Ascom Constesf/Ascom Embrapa/Municipios Baianos

Comentários:

Comentar | Comentários (0)

Nenhum comentário para esta notícia, seja o primeiro a postar!!