19/10/2017

Itaparica: Médicos ameaçam paralisar atividades no Hospital

 

Hospital Geral de Itaparica, administrado pelo Instituto Fernando Filgueiras, pode ter os atendimentos suspensos a partir desta quinta-feira (19). De acordo com médicos que trabalham na unidade de saúde, faltam medicamentos básicos e as instalações precisam de manutenção urgentemente.

Os trabalhadores também se queixam que, além das dificuldades para atender os pacientes, o atraso salarial é constante, pois desde junho o Fernando Filgueiras não paga os profissionais.

Por iniciativa do Ministério Público do Trabalho (MPT), os médicos obtiveram uma liminar que determina que a empresa terceirizada assine a carteira profissional e encerre os contratos de pessoa jurídica que o instituto mantém com os profissionais. Segundo o presidente do Sindicato dos Médicos do Estado da Bahia (Sindimed-BA), Francisco Magalhães, a determinação da Justiça, “agora já com ganho da ação em primeira instância”, até hoje não foi cumprida.

“Temos mais de 28 ações trabalhistas. São médicos que buscam seus direitos. Eles estão há quatro meses sem pagar”, acrescenta Magalhães. De acordo com o Sindimed-BA , ofícios cobrando o cumprimento do acordo foram enviados para a Secretaria de Saúde do Estado da Bahia (Sesab) e para o Instituto Fernando Filgueiras, assim como a prefeitura.

Caso não tenha nenhum retorno, a categoria promete, a partir desta quinta-feira (19), atender apenas casos que envolvam risco de morte, pacientes com classificação em fichas vermelhas.

Em entrevista, na manhã desta quarta-feira (18), o presidente do Sindicato dos Médicos do Estado da Bahia (Sindimed-BA), Francisco Magalhães, revelou médicos que prestam serviço para diversas prefeituras estão com os salários atrasados.

Comissão desabilita neurocirurgia nos hospitais Sarah, São Rafael e Santo Antônio

A Comissão Intergestores Bipartite (CIB), fórum de negociação entre gestores do estado e municípios, na implantação e operacionalização do Sistema Único de Saúde (SUS) aprovou nesta terça-feira (17) a desabilitação dos serviços de alta complexidade em neurocirurgia de três hospitais de Salvador: Sarah, São Rafael e Santo Antônio, com a publicação de uma portaria no Diário Oficial assinada pelo secretário de Saúde, Fábio Vilas-Boas, e presidente do Conselho Estadual dos Secretários de Saúde da Bahia (COSEMS/BA), Stela Souza.

A CIB é fórum de negociação entre gestores do estado e municípios, responsável pela implantação e operacionalização do Sistema Único de Saúde (SUS) no estado.

Foi publicada também a habilitação de serviços de alta complexidade em neurocirurgia no Hospital Regional Dantas Bião, em Alagoinhas, Hospital Regional Doutor Mário Sobrino, em Irecê, e Hospital Regional de Guanambi.

A Secretaria da Saúde da Bahia (Sesab) ainda habilitou os Serviços de Neurologia e Neurocirurgia do Hospital Geral Roberto Santos (HGRS) e do Hospital Universitário Professor Edgard Santos (Hupes), como Centro de Referência de Alta Complexidade em Neurologia, em Salvador.

Fábio Vilas Boas admite crescimento significativo nos pedidos de regulação

O secretário de Saúde da Bahia, Fábio Vilas Boas, admite que o número de pedidos de transferências de pacientes na Central de Regulação tem crescido significativamente. Em entrevista à Metrópole FM na manhã desta terça-feira (18), o titular da Sesab disse ter um levantamento sobre as crescentes demandas.

"Eu tive o cuidado de fazer um levantamento da situação do volume de pedidos de regulação que aconteceram no ano de 2017. Temos um gráfico que mostra o crescimento significativo ao longo destes três trimestres. A central conseguiu absorver uma parte, não conseguiu absorver o todo. Está crescendo o número de pedidos e a central não está conseguindo dar vazão", admitiu.

Segundo Vilas Boas, parte do problema está nas dificuldades de gestão enfrentada por hospitais municipais. "A central é uma ferramenta que pega um pedido de vaga em um hospital ou unidade e arruma vaga em outro hospital e interna o paciente. Se tenho um aumento progressivo nos pedidos de vagas, eu não tenho como gerar novas vagas. Precisamos entender o porquê de tantos pedidos de regulação. Os hospitais administrados pelas prefeituras estão cada vez mais sufocados financeiramente", apontou o secretário.

Creasi recebe prêmio nacional pela atenção à saúde do idoso

Com um atendimento integrado, voltado para a qualidade de vida do paciente e não para as doenças, o Centro de Referência Estadual de Atenção à Saúde do Idoso (Creasi), em Salvador, recebeu reconhecimento nacional pela assistência prestada. O centro foi selecionado no Mapeamento de Experiências Exitosas de Gestão Pública no campo do Envelhecimento e Saúde da Pessoa Idosa, realizado pelo Ministério da Saúde em parceria com a Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz). É o segundo ano consecutivo que a instituição é reconhecida pelo atendimento a idosos.

Implantado em 2015, o modelo de gestão integrada faz com que o paciente receba atenção de diferentes especialidades. Para serem atendidos pelo Creasi, os idosos precisam ser referenciados pela atenção básica, nos postos de saúde, e, então, são encaminhados para a instituição. No centro, eles são recebidos por uma equipe multidisciplinar que envolve médicos de diferentes especialidades, como geriatria, ortopedia, psiquiatria e reumatologia, além de psicólogos, dentistas, fisioterapeutas, assistentes sociais e terapeutas ocupacionais.

No primeiro ano em que se inscreveu no mapeamento, em 2016, o Creasi foi premiado pelo projeto do Núcleo de Atenção Gerontológica (NAG) e agora pela assistência. Para a diretora da unidade, a geriatra Mônica Hupsel, este é o reconhecimento do trabalho de uma equipe comprometida com a saúde dos pacientes. “O prêmio expõe para o país inteiro quais são as iniciativas exitosas, para que os estados possam trocar experiências com outros locais, e a Bahia hoje está entre os 14 escolhidos para receber a premiação. Estamos muito felizes por fazer parte disso e poder mostrar o que fazemos aqui”, explicou a diretora.

Segundo a geriatra Josecy Peixoto, uma das idealizadoras do modelo de assistência integrada, a resposta dos pacientes ao tratamento tem sido positiva. “A base do atendimento é a funcionalidade e, a partir do perfil do paciente, traçamos o plano de intervenções que serão feitas com ele. Quando o paciente é recebido por esta equipe, ele é atendido na sua plenitude. Mesmo com tantas necessidades, que é o perfil do paciente da saúde pública, a gente sente uma resposta social muito importante, de quando a família se envolve no processo. Quando ele recebe outro tipo de atenção que não é apenas a médica, o resultado é ainda melhor".

Grupos terapêuticos

Durante o tratamento, o paciente pode participar de grupos terapêuticos com abordagens específicas, como os criados para os idosos com Parkinson e problemas de memória, ou ainda atendimento individual para os que não conseguem se expressar com tanta facilidade. Como resultado disso, telas feitas pelos pacientes estão expostas nas paredes da unidade, em homenagem ao mês do idoso, comemorado em outubro.

Como parte do atendimento integrado, a fisioterapia cumpre uma função importante na qualidade de vida do paciente. “Avaliamos as atividades que eles não conseguem fazer e o porquê de não conseguirem realiza-las. A partir disso, o tratamento é pautado na recuperação das potencialidades desse paciente, fazendo com que ele seja o mais funcional possível dentro das limitações que possui. O mais importante não é a patologia e, sim, a capacidade que ele tem de fazer as atividades cotidianas com independência e autonomia, para que ele seja capaz de se autogerir”, explicou a fisioterapeuta Diana Noronha.

HGRS participa de simpósio internacional de fisioterapia com seis trabalhos

O Hospital Geral Roberto Santos (HGRS), em Salvador, será representado no I Simpósio Internacional de Pesquisa em Fisioterapia pelos integrantes dos Programas de Residência em Fisioterapia da instituição. Com seis trabalhos aprovados, os residentes farão apresentações nos dias 20 e 21 de outubro, na Escola Bahiana de Medicina e Saúde Pública (EBMSP), onde acontecerá o evento.

"Esse resultado é fruto da dedicação dos residentes e do empenho da Comissão de Residência Multiprofissional em Saúde do Hospital Geral Roberto Santos [Coremu-HGRS] em oferecer programas de residência de excelência", avalia o fisioterapeuta Jorge Motta, membro da Coordenação de Ensino e Pesquisa do hospital.

  • Confira, abaixo, os títulos dos trabalhos e nomes dos autores:

• Barreiras para a mobilização precoce em Unidade de Terapia Intensiva (UTI) - Gilmara Oliveira Santos e Adriele Mascarenhas Silva

• Prevalência de alterações somatossensoriais em indivíduos com tumor cerebral - Juliana Evaristo e Samara Jesus Nascimento Souza

• Prevalência de alteração de equilíbrio em indivíduos com tumor cerebral - Silvia Letícia Alves do Nascimento e Lara Vasconcelos

• Perfil sociodemográfico, clínico e funcional em indivíduos com tumor do sistema nervoso - Jessica Fabiana de Carvalho Santos e Álec Paraíso Pereira

• Prevalência de déficit de controle de tronco em indivíduos com tumor cerebral - Viviane Brenneisen e Adriani Andrade Carregosa

• Comportamento da capacidade funcional de pacientes internados em uma UTI cirúrgica - Verônica Sales e Jéssica Duarte Martins

 

Fonte: BN/BNews/Ascom Sesab/Ascom HGRS/Municipios Baianos

Comentários:

Comentar | Comentários (0)

Nenhum comentário para esta notícia, seja o primeiro a postar!!