08/12/2017

Pilão Arcado: Mais de 100 famílias terão água para produção

 

Os agricultores familiares de Pilão Arcado estão recebendo o Projeto Cisternas do Consórcio Sustentável do Território do São Francisco (Constesf). O Projeto construirá 105 barreiros-trincheira no município, tecnologia capaz de armazenar até 500 mil litros de água e que permite que as famílias do semiárido produzam mesmo nos períodos de estiagem.

Mais de 2.200 tecnologias já foram construídas gratuitamente em todo o Território do Sertão do São Francisco, dividas entre barreiros, cisternas para consumo humano e cisternas de produção (enxurrada). A Iniciativa promove o acesso da população mais pobre à água de qualidade para o consumo humano e para a produção de alimentos.

Fornecer dignidade, melhoria na renda e segurança alimentar são os principais objetivos do Projeto Cisternas, de acordo com o Presidente do Constesf e Prefeito de Canudos, Genário Rabelo. "O Projeto Cisterna é fundamental para a convivência com a seca, a oferta de tecnologias como os barreiros e as cisternas dão dignidade às famílias mais pobres que precisam conviver e produzir em suas comunidades rurais. Elas proporcionam autonomia e saúde", explicou.

Segundo o coordenador de campo do projeto, Mauro Macêdo, ao término das construções as famílias receberão orientações sobre o funcionamento do sistema simplificado de água. “As famílias beneficiadas participarão de um curso sobre produção de alimentos e como fazer o bom uso da água. Durante a capacitação, os beneficiados aprenderão a cuidar da tecnologia, do meio ambiente onde moram e a conviver com o Semiárido”.

Complexo Eólico Umburanas é apresentado às comunidades de Gruna e Demanda

A ENGIE iniciou no mês de novembro as obras do Complexo Eólico Umburanas, localizado nos municípios de Umburanas e Sento Sé, na Bahia.O projeto foi apresentado na última quinta-feira (30/11) aos moradores das comunidades de Gruna e Demanda, situadas nas áreas de influência direta do empreendimento.

Na oportunidade a equipe apresentou as características do projeto e tirou dúvidas da população referente à obra. “A reunião foi uma oportunidade de estreitar laços com as comunidades, responder aos questionamentos da população, esclarecer assuntos e nos colocar à disposição para garantir o bem estar de todos, em meio às mudanças inerentes ao processo de implantação do Complexo”, destacou o gerente da obra Murilo Boselli.

Durante os encontros os participantes elegeram seus representantes para acompanhar a implantação do empreendimento por meio de reuniões periódicas da Comissão de Acompanhamento do Empreendimento- CAE. “A CAE é uma forma de assegurar o envolvimento e a participação das comunidades abrangidas e promover a troca das informações entre as partes envolvidas”, informou Boselli.

Em sua primeira fase, o projeto Umburanas contará com 18 centrais eólicas em um total de 144 aerogeradores e 360 MW instalados. As obras civis serão executadas pela empresa Seta Engenharia, que já deu início aos serviços de abertura de acessos e terraplanagem. As próximas etapas da obra contemplam: Escavação e Implantação das fundações dos aerogeradores, montagem eletromecânica,implantação de Redes de Média Tensão e Linha de Transmissão, comissionamento, testes para operação e operação comercial.

O Complexo Umburanas foi adquirido pela ENGIE Brasil Energia da Renova Energia S.A, por R$ 17 milhões e a expectativa é de que aproximadamente R$ 1,8 bilhões de reais sejam investidos no empreendimento nesta primeira etapa, que deve ser concluída em junho de 2019. Junto com o Complexo Eólico Campo Largo, em implantação na mesma região, Umburanas compõe um cluster de energia renovável da ENGIE na Bahia com potencial de 1.400 MW eólicos e outros 200 MW de fonte solar.

Sobre a ENGIE

A ENGIE está comprometida com um crescimento sustentável a fim de enfrentar os grandes desafios da transição energética na direção de um mundo mais descarbonizado, descentralizado e digitalizado. O Grupo tem por objetivo tornar-se o líder desse novo mundo da energia ao focar em três atividades-chave para o futuro: baixa produção de carbono, especialmente a partir do gás natural e energias renováveis, infraestruturas energéticas e soluções eficientes adaptadas para as necessidades de todos os seus clientes (pessoas, empresas, regiões, etc.). A satisfação dos clientes, a inovação e as soluções digitais são os princípios orientadores do desenvolvimento da ENGIE.

Presente em cerca de 70 países, a ENGIE conta com 150.000 colaboradores em todo o mundo e obteve receitas de € 66,6 bilhões em 2016. Cotado nas bolsas de Paris e Bruxelas (ENGI), o Grupo está representado nos principais índices financeiros (CAC 40, BEL 20, DJ Euro Stoxx 50, Euronext 100, FTSE Eurotop 100, MSCI Europe) e não financeiros (DJSI World, DJSI Europe e EuronextVigeoEiris - World120, Eurozone 120, Europe 120, France 20, CAC 40 Governance).

Sobre a ENGIE Brasil

No Brasil, a ENGIE é a maior produtora privada de energia elétrica no País, operando uma capacidade instalada de 11.059 MW em 31 usinas em todo o Brasil, o que representa cerca de 6% da capacidade do País. O Grupo possui 90%de sua capacidade instalada no Brasil proveniente de fontes limpas, renováveis e com baixas emissões de gases de efeito estufa, posição que tem sido reforçada pela construção de novas eólicas no Nordeste e por uma das maiores hidrelétricas do País, Jirau (3.750 MW), localizada no rio Madeira e que foi inaugurada em dezembro de 2016.

O Grupo também atua na área geração solar distribuída e oferece serviços relacionados à energia, engenharia e integração de sistemas, atuando no desenvolvimento de sistemas de telecomunicação e segurança, iluminação pública e mobilidade urbana para cidades inteligentes, infraestruturas e a indústria de óleo e gás. Contando com 2.100 colaboradores, a ENGIE teve no Brasil em 2016 um faturamento de R$ 6 bilhões.

MP denuncia ex-prefeito e vereadores que desviaram quase R$ 10 milhões dos cofres públicos de Remanso

O Ministério Público estadual, por meio do Grupo de Atuação Especial de Combate às Organizações Criminosas (Gaeco), denunciou o ex-prefeito do Município de Remanso Celso Silva e Souza e outras 16 pessoas por crimes de peculato e fraude a licitações à Justiça. Alvos da operação ‘Carro Fantasma’, deflagrada no último dia 21 de novembro, eles são acusados de envolvimento em um esquema que desviou quase R$ 10 milhões do erário municipal. Segundo os promotores de Justiça, a associação criminosa funcionava por meio de emissões mensais de notas fiscais inidôneas e sublocação de veículos ‘fantasmas’, que não existiam ou não prestavam nenhum tipo de serviço público. Foram oferecidas três denúncias, sendo uma por fraude a licitações e prorrogação indevida de contratos; outra por crime de peculato (que consiste na subtração ou desvio, de dinheiro público ou de coisa móvel apreciável, por funcionário público) a núcleo do Poder Executivo; e, por fim, uma por crime de peculato ligado a núcleo do Poder Legislativo.

Além do ex-prefeito de Remanso, foram denunciados Arismar Silva e Souza, ex-secretário de Administração e Finanças do Município; José Mário da Conceição, sócio-proprietário da JMC Construtora, Comércio e Serviço; Erasmo Paulo Fernandes Ribeiro, responsável pela empresa Consulte Licitação; Ulisses de Araújo Costa Assis, ex-pregoeiro da Prefeitura; Arão Dantas dos Santos e Nelson Senna de Carvalho Filho (Réus Colaboradores), ex-funcionários da JMC Construtora por crimes de fraude a licitações e prorrogação indevida de contratos.  Os denunciados atuaram em um grupo delituoso que frustrou e fraudou, mediante diversos ajustes e restrição da publicidade, o caráter competitivo dos pregões presenciais nº 03/2014 e 04/2015, obtendo vantagens ilícitas dos objetos das licitações. “Eles simulavam publicações em sítios da internet de empresas privadas, com publicações com datas retroativas, apenas para tentar induzir a erro os órgãos de controle e buscando legitimar as licitações. Por isso nenhum outro empresário ou cidadão compareceu às sessões de licitações, de modo que a única a se fazer presente era a JMC”, afirmaram os promotores de Justiça. Foi constatado ainda que, apesar da JMC ser vencedora nas licitações para locar 49 veículos às diversas secretarias da Prefeitura de Remanso, a empresa não detinha frota de veículos suficiente, possuindo apenas quatro veículos, duas motos e dois carros, conforme registros do Detran e Denatran.

Também foram denunciados José Mário da Conceição, sócio-proprietário da JMC Construtora; Felipe Santos Costa, chefe do setor de Contabilidade da Prefeitura; o comerciante José Carlos Rodrigues da Silva; o ex-secretário de Esportes do Município Tomaz Neto Rodrigues da Silva, além do ex-prefeito Celso e Silva e seu irmão Arismar; e Arão Dantas e Nelson Senna pelos crimes de peculato ligado ao Núcleo do Poder Executivo. E os vereadores José Ailton Rodrigues da Silva, Renata Lemos Rosal do Valle, Cândido Francelino de Almeida, Mailto de Franca Brito, Domingo Sávio Ferreira de Castro, Cristiano José Moura Marques; e o ex-vereador Jorge Brito Alves, pelos crimes de peculato ligado ao Poder Legislativo. Segundo consta nas denúncias, por meio dos contratos celebrados com a JMC Construtora, os membros da organização criminosa desviaram dinheiro público em prol do ex-prefeito, secretários municipais, vereadores, servidores públicos municipais e empresários, dentre outros.

 

 

Fonte: Por Jacqueline Santos - Ascom Constesf/Ascom Engie;/Cecom MP/Municipios Baianos

Comentários:

Comentar | Comentários (0)

Nenhum comentário para esta notícia, seja o primeiro a postar!!