13/12/2017

Feira expõe produtos da economia solidária e agricultura familiar

 

Agricultores e membros de grupos que utilizam os princípios da Economia Popular e Solidária participam, nas próximas quinta e sexta-feira (14 e 15), da 3ª Edição da Feira de Saberes e Sabores da Universidade Estadual de Feira de Santana (Uefs). O evento será um ponto de encontro para exposição de produtos e apresentações artísticas no campus universitário, no estacionamento ao lado dos bancos, em frente à Incubadora.

A Feira faz parte do projeto Programa Incubadora de Iniciativas da Economia Popular e Solidária da Uefes (Ieps/Uefs). É construída em parceria com grupos que trabalham seguindo os princípios da Economia Popular e Solidária e com agricultores que produzem seguindo os princípios agroecológicos.

Conforme a organização, a expectativa é de que a Feira de Saberes e Sabores não seja apenas um espaço de comercialização, mas que se constitua enquanto um ponto de encontro. Neste contexto, as pessoas serão incentivadas a estabelecer e estreitar as relações nos espaços populares. O espaço está aberto, inclusive, para quem quiser participar com apresentações musicais, dança e outras performances.

Mostra performática de contos terá entrada gratuita nesta quarta (13) no Teatro do Cuca

Fruto do componente curricular "Formação de Contadores de História: conta comigo!", a iniciativa visa possibilitar estudos sobre os fundamentos da arte de contar histórias em diálogo com os sentidos culturais, educacionais e terapêuticos dos contos de tradição oral. A Mostra Performática Contos de Esperança é promovida pelo Departamento de Educação da Universidade Estadual de Feira de Santana (Uefs) em parceria com o Colegiado do Curso de Música. O evento está programado para esta quarta-feira (13), no Teatro do Centro Universitário de Cultura e Arte (Cuca), às 15h.

O contexto também envolve a contação no processo formativo dos estudantes articulando aos conhecimentos básicos acerca da voz falada e cantada, conforme explica professora Maria Cláudia Silva do Carmo, ministradora da mostra.

O projeto procurou estabelecer diálogo dos fundamentos da contação de história com a música por meio da Oficina Corpo Musical, ministrada pela professora Simone Marques Braga, do Colegiado de Música da Uefs. Com isso, "são anunciados sentimentos, emoções e a esperança em nossas vidas de fomentar a arte de ouvir e contar histórias diante do espetáculo da imaginação humana com os Contos de Esperança", afirmou a professora Simone.

Referência mundial no violão, Robson Miguel é atração do Natal Encantado

Reconhecido internacionalmente, o violonista Robson Miguel, considerado o melhor neste instrumento em todo o mundo, será uma das atrações do Natal Encantado. Vai se apresentar no dia 18. Na mesma noite a cantora Gal Costa também vai ocupar o palco.

A apresentação do violonista, diz o prefeito José Ronaldo de Carvalho, aumenta exponencialmente o brilho das comemorações natalinas, que terá presenças de grandes estrelas da Música Popular Brasileira. “Será mais um grande nome para animar as noites festivas”.

Robson Miguel também é arranjador, compositor, produtor e maestro. O primeiro lugar no ranking é reconhecido pelo prestigiado Círculo Violonístico Europeu de Madrid. No seu repertório clássicos consagrados. O músico transforma o violão em vários instrumentos.

O Natal Encantado será aberto no dia 17, com a Orquestra Sinfônica da Bahia. Nas noites seguintes se apresentarão Gal Costa: voz e violão, mais Robson Miguel, 14 Bis, Alcione, Fagner e Joana – todos no palco 1.

No palco 2 (nas mesmas noites) se apresentarão Divas, Tropicália 50 anos, Orquestra Neojiba, Baiana Bossa, Wanderley Cardoso e a Orquestra Sanfônica de Serrinha.

Também serão atrações feirenses Vênus Carvalho, com o show “Esse samba em mim”, Sarau de Quintal, Dan Silveira, Chorinho entre amigos, Dionorina in Concert, Robson Miguel e Santini & Trio, que neste ano ganhou o Troféu Caymmi, na categoria Melhor Banda. O baterista Flávio Gallo foi o Melhor Instrumentista.

Unamacs projeta novos cursos para 2018

Os bons resultados atingidos pela Unamacs (Universidade Aberta de Meio Ambiente e Cidadania Sustentável) no seu primeiro semestre de atividades, tanto em qualidade como em quantidade, estão sendo comemorados na Secretaria de Meio Ambiente. Do final de agosto até o final de novembro a instituição realizou oito cursos e duas oficinas, que somados, tiveram as participações de mais de 250 pessoas – média de 25 por turma.

A Semmam já organiza a grade para o próximo semestre. Algumas sugestões foram apresentadas e estão sendo avaliadas, conforme explica o secretário de Meio Ambiente, Sérgio Carneiro. “Precisamos estudar as viabilidades das propostas para que atenda o maior número de interessados em participar dos cursos e oficinas”.

O sucesso da Unamacs, conforme o secretário, se deve muito ao empenho das professoras Elizângela Lucena e Érica Teles, intituladas por ele como "reitoras da Unamacs". "O empenho delas e a dedicação foram fundamentais para que os objetivos fossem atingidos".

TRANSFORMAÇÃO

A UNAMACS é aberta a pessoas de todas as idades, independente do nível de escolaridade. Para a professora Érica Teles (foto), o interesse e compromisso dos alunos superou todas as expectativas. "A transformação e mudança de atitudes foram evidentes", salientou.

RECOMPENSA

Os cursos e oficinas são totalmente gratuitos para os alunos. O professores, por sua vez, nada cobram para ministrar as aulas. Mas para os mestres, a maior recompensa é proporcionar a reflexão ambiental. “É uma oportunidade ímpar na vida dessas pessoas. E poder fazer parte disso é muito gratificante”, ressalta Elizângela Lucena.

SOBRE A UNAMACS

Os cursos foram realizados no Parque da Cidade Frei José Monteiro Sobrinho, com cargas horárias variadas. O maior deles foi o de “Capacitação em Resíduos Sólidos: Destino e Reuso”, que teve 80 horas.

A UNAMACS é a primeira Universidade Aberta do Meio Ambiente da Bahia e do Norte e Nordeste neste formato, para capacitação de cursos e de educação informal, a terceira do Brasil, acompanhada da UMAPAZ (em São Paulo) e a Unilivre (em Curitiba) e a sétima no mundo.

A educação informal surge na Inglaterra em 1969 e chega no Brasil com a concepção da Universidade Aberta à Terceira Idade, onde os mais velhos vão a um local em que desenvolvem atividades mentais de jogos, cursos de corte e costura, dança e salão com mentores que, não necessariamente, tenham cursos superiores. O Meio Ambiente se apropria dessa ideia e oferece cursos como o de compostagem, jardinagem, minhocário e capacitações acerca do tema “meio ambiente” e que, diferentemente das Universidades tradicionais, não exigem anos de graduação.

Vereador cobra ação do Estado contra índices crescentes de violência em Feira

Indignado com os altos índices de violência registrados no município de Feira de Santana, o vereador Roberto Tourinho (PV), durante pronunciamento na tribuna da Casa da Cidadania na sessão desta terça-feira (12), cobrou mais ação do Governo do Estado, Secretaria de Segurança Pública (SSP-BA) e Polícia Militar da Bahia no sentindo de garantir a segurança pública da população feirense.

“Recebi um áudio enviado por moradores do Conjunto Viveiros que se assemelhava à Guerra Civil da Síria. Os moradores do Viveiros e de tantos outros bairros de Feira de Santana clamam por segurança. A cidade está vivendo uma escalada da violência em patamar estratosférico. Até o dia 11 de dezembro de 2017 o número de homicídios registrados já é superior ao registrado no ano de 2016. A cada ano que passa, esses registros só aumentam”, afirmou.

Para o edil, a população está “acostumada” à falsa ideia de que os homicídios ocorridos no município estão exclusivamente ligados ao tráfico de drogas. “A população está acostumada com essa violência que se instalou em nossa cidade. Criou-se a ideia de que todas as pessoas assassinadas em Feira de Santana estavam associadas ao tráfico de drogas. Quero aqui cobrar do Governo do Estado, do secretário estadual de Segurança Pública e do comandante geral da Polícia Militar da Bahia que garantam a segurança da população de nosso município”, reivindicou.

Nenhum estrangeiro que não seja naturalizado brasileiro poderá explorar box no Shopping Comercial Popular

“O mundo inteiro busca dinheiro na China para investimentos, assim como o Governo do Estado, que tem ido à China constantemente para conseguir financiamento para a construção da ponte Salvador/Itaparica e o Porto de Ilhéus. Os governos de outros estados e o Governo Federal também não têm medo de empresas nacionais se associarem a grupos chineses para executar os seus projetos”.

Com estes argumentos o prefeito José Ronaldo de Carvalho desmentiu, durante entrevista concedida na manhã desta segunda-feira, 11, ao quadro “Na Sala do Povo”, do Programa Acorda Cidade, os boatos espalhados por setores refratários a construção do Centro Comercial Popular, de que o entreposto seria explorado por comerciantes de origem chinesa.

No jornalístico da Rádio Sociedade comandado pelo radialista Dilton Coutinho, José Ronaldo enfatizou, inclusive, que a Câmara Municipal aprovou um Projeto de Lei encaminhado pelo Poder Executivo, proibindo que estrangeiros ocupem áreas comerciais no Centro Comercial Popular, a não ser quer sejam naturalizados brasileiros.

Presidido pelo empresário mineiro Elias Tergilene, a Fundação Doimo, responsável pela construção do Centro Comercial, atua nos ramos de mineração de pedras ornamentais para a Construção Civil, no setor industrial; e na implantação de shoppings populares. Todos estes seguimentos contam com capital italiano, brasileiro e chinês.

No tocante à implantação do Centro Comercial Popular, a Doimo está representada pelo capital brasileiro (Elias Tergilene), e os sócios chineses e italianos. Este fato, entretanto, “não tem nada a ver com o espaço ser direcionado a comerciantes de origem chinesa”, descartou o prefeito.

Embora este tema tenha ganhado destaque durante a entrevista, dada à importância socioeconômica que envolve o investimento, que tem como um dos principais objetivos reordenar o comércio informal nas ruas centrais da cidade, José Ronaldo também respondeu sobre as ações do seu governo, a exemplo das obras do BRT, que segundo ele deverão ser concluídas nos próximos seis meses.

Com transmissão simultânea através da página que o programa mantém no Facebook, a maioria das participações dos ouvintes se referiu às obras contidas no Pacote de Obras lançado na semana passada pelo prefeito, orçado em mais de R$ 35 milhões, sendo cerca de R$ 14 milhões destinados à pavimentação de ruas e praças, na sede e nos distritos.

 

Fonte: Ascom UEFS/Secom PMFS/Ascom CMFS/Municipios Baianos

Comentários:

Comentar | Comentários (0)

Nenhum comentário para esta notícia, seja o primeiro a postar!!