12/01/2018

Bahia: Em troca de palanque duplo PDT pleiteia chapa na majoritária

 

Com o PSD e o PP com posição de destaque na base aliada do governador Rui Costa, o PDT saiu pela disputa por uma vaga na chapa majoritária usando como trunfo a possibilidade de um “palanque duplo” nas eleições deste ano.

“São dois casos especiais que o próprio candidato Ciro Gomes já colocou, que a situação do Ceará, onde a situação do candidato dele, o governador Camilo, que é filiado ao PT, bem como aqui na Bahia pela aliança histórica que o PDT possui com o PT, de a gente trabalhar com essa questão de palanque duplo nos dois estados”, explica o secretário de Agricultura do Estado, Vítor Bonfim.

No Ceará, o ex-ministro Cid Gomes, irmão de Ciro, será candidato a senador na chapa de Camilo – o partido barganha a mesma parceria em terras baianas.

“Aqui na Bahia deve ser a mesma coisa. O PDT tem tido conversas tentando caminho na chapa majoritária do governador Rui Costa”, afirma o pedetista, que sinalizou que o partido ainda espera conseguir seu intento. “Sobra uma vaga. O PDT está na disputa por esse espaço. É um partido de esquerda, que tem um diálogo muito grande com a sociedade, conseguiu passar por toda essa crise sem nenhum integrante dos seus quadros envolvidos em nada”.

Alice Portugal não descarta tentar vaga no Senado: ‘Todos nós somos indispensáveis’

A deputada federal Alice Portugal não descartou a possibilidade do PCdoB pleitear uma vaga na chapa majoritária do governador Rui Costa, que buscará a reeleição este ano.

O presidente estadual do partido, Davidson Magalhães, já havia admitido que a sigla discute uma candidatura avulsa ao Senado. “Hoje Senhor do Bonfim está sendo instado por nossos corações para a devolução da democracia no Brasil. Essa é a nossa prioridade em 2018. E democracia, na Bahia, é reeleger Rui Costa no primeiro turno. Partindo dessa premissa, todos nós somos indispensáveis. Por isso mesmo, eu acho que ele fez uma fala correta e nós vamos avaliar agora, eleitoralmente, o que será melhor pra essa chapa”, explicou Alice.

“A presidente do partido está nos colocando no páreo, assim como as outras siglas. Nós não podemos abrir mão de nenhum dos elos dessa nossa corrente”, completou.

A parlamentar disse que se houver uma vaga para o PCdoB, ela saberá “honrar” o desafio, mas que se não for o caso ela deve lutar para continuar na Câmara dos Deputados.

Alice, inclusive, se disse feliz com as pesquisas que apontam seu nome entre os mais citados nas pesquisas de intenção de voto. “Você verifica que o seu trabalho reverbera bem. O meu enfrentamento aqui em Salvador, contra uma cidade que não olha para as pessoas, uma prefeitura que faz cenários, mas onde as pessoas são abandonadas. Esse enfrentamento reverberou e me deixa animada, naturalmente. Mas daí a ter uma chance é diferente. Então nós vamos aguardar que o comandante desse processo, que é o governador Rui Costa, nos chame para esse debate. E vamos sempre lutar para que haja rodízio, haja uma alternância. Não havendo, estarei lá na chapa de federal”, reforçou.

Política é 'mais complexa do que apenas o tamanho de cada partido', afirma Lídice

A senadora Lídice da Mata (PSB-BA) minimizou nesta quinta-feira (11) o conflito em torno das discussões sobre a composição da chapa majoritária, que não tem espaço para todos os aliados da base do governador Rui Costa.

“Isso é uma discussão que o partido está tendo, mas não é o momento central dessa definição. O próprio governador disse que estava muito cedo para decidir. A política tem muitos critérios e é mais complexa do que apenas o tamanho de cada partido. E ele sabe disso e ele próprio relativizou isso. Tem dois partidos maiores, mas tem outros partidos que tem um papel importante no processo político”, afirmou, dizendo que a possível candidatura avulsa ainda não está em seu radar.

Presente no cortejo da Lavagem do Bonfim, ela afirma que foi pedir ‘esperança de dias melhores’ na celebração. “Eu vim pedir a paz ao povo baiano, ao povo brasileiro; a esperança em dias melhores para o Brasil, para a democracia, e que as eleições possam significar o fortalecimento democrático do nosso país e a volta de um projeto que possa incluir o brasileiro no crescimento e no desenvolvimento”.

'Vou ter mais votos do que o Jaques Wagner', aposta Jutahy Magalhães em relação ao Senado

Totalmente focado em disputar uma vaga ao Senado nas eleições deste ano, o deputado federal Jutahy Magalhães (PSDB) tem articulado o plano com outros partidos da base aliada.

Ele comenta, que já conversou com lideranças do PTB, PPS e DEM, para dar alguns exemplos. "Estamos conversando com todas as forças políticas que compõem nossa aliança. "Se eu for candidato a senador na chapa do ACM Neto (DEM), pode anotar, no próximo ano, me cobre aqui no Bonfim: Eu vou ter mais votos do que o Jaques Wagner (PT)", aposta Jutahy.

O nome do petista é cotado para assumir uma vaga na majoritária do governador Rui Costa (PT).

No caso do tucano, ele conta que a decisão já foi tomada internamente, com apoio do presidente do PSDB no Estado, deputado João Gualberto, dos três deputados estaduais e dos prefeitos baianos. Mas ainda não é certeza que ele vá compor a chapa do prefeito ACM Neto, embora afirme que tem "99,9% de convicção" de que o democrata vá sair candidato a governador.

"O que pra mim está claro é nossa unidade em termo irreversível. A nossa aliança PSDB-DEM, com as forças que desejam a candidatura do ACM Neto pra o governo é algo definitivo, consolidado", garante Jutahy. Já no âmbito nacional, em que se especula a candidatura do presidente da Câmara Rodrigo Maia (DEM) à presidência da República, o deputado baiano diz que só deve haver uma definição "lá pra agosto, setembro".

Neto na presidência do DEM é 'praticamente uma unanimidade', afirma Azi

A entrega da presidência nacional do DEM ao prefeito ACM Neto “é praticamente uma unanimidade” no Democratas, segundo o deputado federal Paulo Azi (DEM-BA).

“A colocação de Neto como presidente nacional é praticamente uma unanimidade no partido, que busca uma renovação política, que busca se fortalecer através de pessoas que pensem como o partido pensa. O partido que quer renovar, que quer colocar à sociedade que a política precisa ser feita com responsabilidade, com respeito à gestão pública, com os que mais precisam. E nada melhor que ACM Neto para representar esse espírito de renovação e de modernidade”, afirma o parlamentar.

Apresentando-se como uma opção de “centro”, o DEM também articula a candidatura do presidente da Câmara dos Deputados, Rodrigo Maia (DEM), à Presidência da República junto a outros partidos.

“Existe um movimento também muito forte no sentido de fazer com que o deputado Rodrigo Maia coloque sua candidatura como presidente da República. Ele hoje representa o equilíbrio, a serenidade, e a capacidade que o Brasil precisa”, afirma Azi, para completar: “Ainda não tem adesão fechada de ninguém. Existem uma série de conversas com diversos partidos que hoje fazem parte do bloco de alianças que está se construindo na Câmara: PP, PR, o próprio PMDB participa dessas conversas. É bem possível que exista uma aglutinação de vários partidos”.

Célia diz que Neto perdeu com sua saída e nega revanche ao apoiar Rui: ‘Política é política’

A ex-vice-prefeita de Salvador, Célia Sacramento, acredita de ACM Neto (DEM) “com certeza” perdeu com sua saída da chapa, em 2016.

Ainda assim, diz que não se arrepende do caminho que trilhou ao lado do democrata. “Não existe arrependimento não. Deixa o prefeito lá no projeto dele, que eu tenho o meu”, minimizou.

Presente no cortejo da Lavagem do Bonfim, Célia sugeriu que sua legenda pode apoiar o concorrente direto de Neto durante as eleições de 2018.

“O partido tem conversado muito. Nós estamos gostando da forma do governador Rui Costa fazer política e provavelmente o partido fará isso”, apontou, antes de garantir que sua mudança de lado não significa uma revanche ao prefeito da capital baiana: "Política é política".

Questionada sobre seus planos para o pleito deste ano, Sacramento tergiversou. “As minhas pretensões políticas são as do meu partido, Pátria Livre: fazer deputados federais. Eu provavelmente vou seguir a orientação partidária”.

Eventual substituto de Neto, Bruno Reis diz que pedido a Senhor do Bonfim 'ajuda muito'

Questionado se pedir ao Senhor do Bonfim para que se concretize como prefeito de Salvador e que ACM Neto (DEM) vença a disputa ao governo do Estado ajuda na realização do projeto, o vice-prefeito Bruno Reis (PMDB) afirmou que “ajuda muito”.

Caso o democrata confirme sua saída da prefeitura para as eleições, como apoiado pelo grupo político, Reis disse que espera mostrar à população baiana a importância de ter um governo aliado.

“De tudo que ACM Neto fez nesses cinco anos, 96% foi com recursos próprios, não teve ajuda do governo do Estado em nada”, acusa o vice-prefeito. “Imagine se a gente tiver um governo aliado, que grandes transformações nós poderemos fazer na cidade”, acrescenta, de forma retórica.

De acordo com o peemedebista, ao longo do cortejo da Lavagem do Bonfim, que acontece nesta quinta-feira (11), é possível ver o apoio e o reconhecimento da população pelo trabalho executado na gestão da capital baiana.

Sandro Régis afirma que "prefeitos recebem Rui de forma institucional"

O deputado estadual Sandro Régis (DEM), afirmou ao BNews, durante a Lavagem do Bonfim, nesta quinta-feira (11), que "o governador tem ido aos municípios e muitos prefeitos têm recebido ele de forma institucional. Isso não quer dizer apoio a ele. Temos palanque nos 417 municípios da Bahia".

Já sobre as articulaçõs e liderança da oposição na Assembleia Legislativa da Bahia (ALBA), o democrata ressaltou que "essa articulação quem deve comandar é o líder em excercício, que é Leur Lomanto Junior. Estou aguardabdo a bancada se reunir para saber qual é a vontade da bancada. Acredito que ela vai marchar unida e aquele que assumir terá capacidade de comandar nosso projeto para 2018", avaliou.

Pedro Tavares diz que MDB caminha com Neto e fala da ausência de Lúcio Vieira Lima no Bonfim

O presidente estadual do MDB, Pedro Tavares, participa na manhã desta quinta-feira (11), da Lavagem do Bonfim, em Salvador. Na oportunidade, foi questionado pelo BNews sobre a presença discreta do partido no festejo.

“A gente tradicionalmente segue sem ala. Hoje é um dia de você agradecer, de fé, de reverenciar o Senhor do Bonfim”, desconversou.

Ele ainda comentou sobre a ausência do deputado federal Lúcio Vieira Lima, irmão do ex-ministro Geddel Vieira Lima, preso durante uma das fases da Operação Lava Jato. Os dois são grandes nomes baianos que representam a legenda no estado. “Pelo que sei, Lúcio está em Brasília, cuidando do mandato dele, das prefeituras dele”, limitou-se.

O presidente do MDB ainda garantiu que o partido segue caminhando com o prefeito de Salvador ACM Neto (DEM). “A gente está com Neto. Não tem... Mas hoje é dia de gratidão, de agradecer ao Senhor do Bonfim. Política a gente fala depois”, desconversou mais uma vez.

 

Fonte: BN/BNews/Municipios Baianos

Comentários:

Comentar | Comentários (0)

Nenhum comentário para esta notícia, seja o primeiro a postar!!