14/01/2018

Tasso veta Bolsonaro no palanque das oposições no Ceará

 

O senador Tasso Jereissati (PSDB) indicou o nome do deputado estadual Capitão Wagner (PR) para ser o candidato das oposições ao Governo do Ceará, mas deixou claro, desde logo, que ele não poderá abrir espaço no palanque para o deputado Jair Bolsonaro, pré-candidato do PSL à Presidência da República.

O candidato natural a governador seria o próprio Tasso, que declinou da convocação depois que o senador Eunício Oliveira (PMDB-CE), presidente do Senado e seu aliado em 2014, anunciou que votará em Lula à sucessão de Michel Temer.

Além disso, Eunício iniciou uma aproximação com o governador Camilo Santana (PT), que é candidato à reeleição. Se o acordo vingar, Eunício apoiará o governador à reeleição e será apoiado por ele (o seu mandato termina este ano).

Para o deputado capitão Wagner, que foi o candidato de Tasso à prefeitura de Fortaleza em 2016, o veto do senador a Bolsonaro é um complicador para sua campanha eleitoral.

Segundo ele, grande parte da sua militância voluntária, “que são aquelas pessoas que vão para a rua, vestem a camisa e seguram a bandeira de graça, até porque eu não posso pagar, é formada exatamente por eleitores do Bolsonaro”.

O governador Camilo Santana (PT) deve passar também por esse tipo de problema, pois terá no seu palanque eleitores de Lula e do ex-ministro Ciro Gomes (PDT).

Opção pelo PSL: vitória da ala radical pró-Bolsonaro

Ao optar pelo PSL, Jair Bolsonaro não definiu apenas o partido no qual se abrigará, mas o estilo de candidato que será. O grupo que negociava sua aproximação com o Patriota pregava um modelo menos radical, mas outra ala venceu a queda de braço. Esta defende uma campanha fechada, com alianças ideológicas e centralizada na internet. A falta de recursos e de tempo de TV serão apresentados como ativos. O deputado só vai voar de avião de carreira e estuda fazer vaquinha virtual.

A disputa entre os grupos que cercam o presidenciável já levou a baixas em sua assessoria. Adolfo Sachsida, o primeiro economista que topou guiar Bolsonaro, não troca mais informações com o parlamentar. A ele se somaram outros pregadores da cartilha liberal que deixaram de defender o deputado por vê-lo adotar posição isolacionista. O nome de Alexandre Borges, que coordenou a campanha de Flávio Bolsonaro à Prefeitura do Rio, é citado entre as defecções.

O advogado Gustavo Bebianno tornou-se um dos conselheiros mais influentes de Bolsonaro. Ele diz que o presidenciável não está preocupado em montar um arco de alianças para ter tempo de TV. “Acreditamos na força da internet.”  Estrategistas que atuam para pré-candidatos de centro dizem que a escolha pode ser suicida. Segundo lugar nas pesquisas, Bolsonaro será atacado pelos rivais e não terá artifícios para se defender na televisão. 

Bolsonaro provoca crise em seu novo partido, que perdeu adesão de deputados

“Quem vier para não apoiar o Bolsonaro, é preferível que não venha”. A frase do deputado federal Luciano Bivar, presidente do PSL, sigla que deve abrigar, a partir de março, o presidenciável Jair Bolsonaro, hoje no PSC, engana. Na verdade, mais gente pediu para sair do que para entrar no partido. No último dia 5, após o anúncio da filiação, o Livres, corrente de viés liberal da legenda, anunciou uma saída em bloco de filiados, acusando o pré-candidato de ser um “falso liberal”.

Dentro da própria família Bivar, a decisão causou um racha: Sérgio, um dos fundadores do Livres, optou pelo grupo dissidente ao invés do projeto liderado pelo próprio pai. Por fim, a movimentação de Bolsonaro também cancelou a estratégia do PSL de ganhar seis deputados federais. A negociação, intermediada pelo Livres, foi cancelada.

TOM DE GALHOFA

Bivar, no entanto, minimiza o “efeito Bolsonaro” no partido: “O Livres é um movimento criado por mim. Saíram meia dúzia de rapazes que cabem numa Kombi. Nós precisávamos de alguém que carregasse nossas bandeiras” — disse, em tom de galhofa, usual nos discursos do mais novo aliado.

Presidente interino do Livres, Paulo Gontijo discorda. Segundo ele, o grupo chegou a assumir 12 diretórios estaduais e iniciou os processos de expulsão do deputado federal Alfredo Kaefer, do Paraná, que se absteve na votação da cassação de Eduardo Cunha, e do deputado estadual carioca Márcio Canella, que votou pela soltura de Jorge Picciani.

A relação entre o PSL e o Livres começou em dezembro de 2015. Apresentados ao PSL por Sérgio Bivar, os integrantes do movimento decidiu usar o partido como uma espécie de incubadora, com o objetivo de criar o “primeiro partido liberal orgânico”, segundo seus militantes. Em troca de ceder o partido, o patriarca da família Bivar permaneceu na presidência, alegando que não gostaria de perder o que chamava de “botão de reset”.

INCOMPATIBILIDADE

O botão foi acionado com a chegada de Bolsonaro. Após o anúncio da chegada do pré-candidato ao partido, o grupo alegou incompatibilidade ideológica. Os deputados que entrariam no partido também deixaram o projeto de lado.

— Foi uma decepção. O PSL optou por um caminho pragmático. O nosso (caminho) era melhorar a qualidade do Legislativo — diz Evair de Melo (PV-ES), um dos deputados que negociavam a ida para o PSL.

Os deputados fazem parte do grupo conhecido como “cabeças-pretas”, como Daniel Coelho (PSDB-PE) e Pedro Cunha Lima (PSDB-PB), filho do senador Cássio Cunha Lima. Os dois estudavam migrar para o PSL, articulação que implodiu com o anúncio da filiação de Bolsonaro.

PRIMEIRO, NEGOU

Um mês antes do anúncio da chegada do ex-capitão do Exército, Bivar e o grupo publicaram uma nota negando a possibilidade da filiação. Dentro do campo da direita, o Livres antagoniza com os fãs do presidenciável. Nas redes sociais, simpatizantes de ambos os lados trocaram acusações. “Nossa incompatibilidade vem pela forma como ele faz política, com autoritarismo” — afirma Gontijo.

Segundo lideranças do grupo ouvidas pelo Globo, Bivar justificou ao Livres que aceitou receber Bolsonaro por temor de perder espaço em Pernambuco. Eleito como suplente, Bivar ocupa uma vaga na Congresso desde julho de 2017, graças à nomeação do deputado Kaio Maniçoba para a Secretaria de Habitação. Um dos deputados federais interessados em migrar para o PSL, Daniel Coelho é opositor do grupo que atualmente governa o estado. A cláusula de barreira também foi apontada como um motivo que pode ter motivado Bivar.

Bivar, no entanto, apresenta outra razão para filiar Bolsonaro. Diz que ele será um “arauto do liberalismo” para o partido: “O pensamento dele é o mesmo que o meu” — sustenta o presidente do PSL.

Bolsonaro critica reforma da Previdência e anuncia que votará contra a emenda

Pré-candidato do PSL à Presidência da República, o deputado federal Jair Bolsonaro faz críticas ao projeto de reforma da Previdência e adiantou que votará contra se a proposta de emenda constitucional for colocada à votação na Câmara. Em entrevista ao jornal RedeTV News, da RedeTV, o parlamentar aproveitou ainda para atacar o ministro da Fazenda, Henrique Meirelles (PSD), possível adversário na corrida pelo Palácio do Planalto neste ano. “A economia só afundou com o Meirelles”, comentou Bolsonaro.

Referindo-se à reforma da Previdência, o deputado disse que, da forma como está, a “proposta do Meirelles” não será aprovada e antecipou qual será seu posicionamento caso a matéria seja encaminhada ao plenário na Câmara. “Da forma proposta, não votarei favorável”.

REFORMA ENXUTA

Para justificar a posição, disse que não pode levar “miséria” aos aposentados por exigência do mercado financeiro, que defende, em geral, as mudanças nas regras das aposentadorias. Sobre os desequilíbrios previdenciários, afirmou ser favorável a uma reforma mais enxuta, para ser complementada pelo futuro governo.

Ao avaliar seus possíveis adversários na eleição presidencial, Bolsonaro definiu Meirelles como um homem da economia e lembrou que o ministro da Fazenda trabalhou para a JBS, do empresário Joesley Batista, preso pela Polícia Federal. Considerou o presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM), como um homem que “tem seu valor”, mas que, apesar de ter um grande número de partidos a seu lado, encontrará dificuldade para ter o nome viabilizado eleitoralmente.

SEGURANÇA

Não citou diretamente o governador Geraldo Alckmin (PSDB), mas classificou como ridícula a ideia do governador, também presidenciável, de criar um ministério para a Segurança Pública. “Esses pré-candidatos são parecidos. Eu sou diferente deles”, assinalou o deputado, que aparece na segunda colocação nas pesquisas de intenção de voto.

Questionado sobre o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT), líder nas pesquisas, mas que pode se tornar inelegível caso tenha a condenação por crimes de corrupção passiva e lavagem de dinheiro mantida em segunda instância, Bolsonaro garantiu não estar preocupado sobre quem enfrentará no primeiro e segundo turnos. Apesar disso, reconheceu que será beneficiado se o recurso apresentado pelo petista for negado no Tribunal Regional Federal da 4.ª Região (TRF4).

No PSDB, um guerrilheiro se transforma num tormento para Alckmin

Não é fácil a vida do presidenciável Geraldo Alckmin. Ele começou o ano eleitoral em quarto lugar nas pesquisas, com apenas 7% das intenções de voto. Não conseguiu fechar alianças e ainda enfrenta um adversário no PSDB: o prefeito de Manaus, Arthur Virgílio.

Fundador do partido, ele se recusa a abrir mão da pré-candidatura ao Planalto. Acusa o governador paulista de boicotá-lo e cobra a realização de prévias. Aos 72 anos, o ex-senador diz ser o único capaz de evitar uma nova derrota dos tucanos.

SEM PEGADA

“Geraldo é um candidato sem pegada, sem posições definidas. No ritmo em que ele vai, o PSDB ficará fora do segundo turno”, prevê Virgílio. “Olho para a direção do partido e vejo todo mundo feliz, a caminho da quinta derrota consecutiva. Parece que eles jogam para perder”, critica.

O prefeito diz que Alckmin já teve sua chance em 2006, quando foi derrotado pelo ex-presidente Lula. “Ele teve menos votos no segundo turno do que no primeiro”, lembra. “Para provar que não ia privatizar os Correios, ainda se fantasiou de carteiro. Aquela cena me deixou agoniado.”

OPINIÕES FIRMES

Para se diferenciar do governador, Virgílio diz ter opiniões mais firmes em temas que dividem o eleitorado. Promete privatizar quase todas as estatais e se diz liberal “na economia e nos costumes”. Defende a liberação do aborto, a legalização da maconha e o casamento homoafetivo.

“Não dá para um candidato ficar repetindo evasivas e generalidades”, provoca, em outra indireta contra o estilo “picolé de chuchu” do rival.

PERDA DE TEMPO

Em tom de cobrança, o prefeito diz que o PSDB já perdeu muito tempo. Ele afirma que os adversários estão fora do partido. “Já podíamos ter desmontado o Bolsonaro, que é uma figura grotesca, e botado o Lula no gueto em que ele precisa ficar.”

Fiel ao estilo guerrilheiro, Virgílio também desdenha do aceno do presidente Michel Temer a Alckmin: “Eu não me sentiria à vontade com o apoio dele. Acho que não devemos nos aliar ao PMDB, com ou sem P”.

 

Fonte: Ação Popular/Folha/O Globo/Agencia Estado/Folha/Municipios Baianos

Comentários:

Comentar | Comentários (0)

Nenhum comentário para esta notícia, seja o primeiro a postar!!