14/01/2018

Museu de Paleontologia será reaberto em Santana do Carriri (CE)

 

O Museu de Paleontologia Plácido Cidade Nuvens será reinaugurado, pela Universidade Regional do Cariri (URCA), em Santana do Cariri-Ceará, no próximo dia 17 de janeiro, às 18 horas. Na ocasião serão abertas as exposições Fósseis do Cariri, Memorial Plácido Cidade Nuvens, e Fossilis – Olhares sobre a Chapada, integrando a arte à ciência da paleontologia e contando um pouco da história do homem e sua vivência no seu habitat.

A renovação do museu traz além da nova forma de expor o acervo, de maneira facilitada ao entendimento do público em geral, as salas com exposições temáticas, a exemplo do fundador do local, Professor Plácido Cidade Nuvens, fundador do Museu e ex-reitor da URCA. São cerca de 7 mil peças que se inserem na área de exposições, além da reserva técnica do espaço, reunindo importante material do período Cretáceo, de mais de 110 milhões de anos.

Segundo o diretor do Museu, Sérgio Vilaça, haverá três mudanças importantes, conforme a direção, a partir da reabertura, como nova conceituação da exposição de fósseis, antes organizada por formações, como a Crato, Romualdo e Ipubi, e agora estará por espécies, destacando a diversidade de fósseis que existe no Museu. “Está mais interativa. E quem for ao local, terá a oportunidade de receber orientações dos monitores mirins, que vão guiar as pessoas pelo museu”, diz ele. Todos os fósseis expostos, contam com uma placa indicativa.

A segunda exposição poderá ser vista no salão interior, onde ficava o dinossauro. Pela primeira vez, estará sendo exibida no museu a exposição de artes “Fossilis”, com uma leitura sobre a paleontologia e a Chapada do Araripe. Os artistas convidados fizeram trabalhos específicos, para levar ao museu o diálogo entre a riqueza da Chapada, a cultura e a paleontologia.  São 12 artistas que estão trazendo trabalhos de artes sobre a leitura da Chapada.

Também será aberto um espaço dentro do Museu com um memorial permanente em homenagem ao Professor Plácido Cidade Nuvens. Poderão ser vistas imagens desde o momento em que ele fundou o museu até o seu falecimento, há um ano. Nessa linha do tempo, é traçada a história do criador do Museu e o próprio espaço, que todos os anos recebe milhares de visitantes, entre pesquisadores, estudantes e pessoas interessadas em conhecer a história dos animais da pré-história que viveram na região. Na sala estarão dois fósseis especiais, a Libélula, muito famosa, e o primeiro fóssil do Museu.

EXU: II ENCONTRO DE SABERES DA CAATINGA, RAIZEIROS, PARTEIRAS E BENZEDEIROS

Parteiras, rezadores, raizeiros e estudiosos de práticas de curas ligadas à natureza, estarão, de 19 a 28 de janeiro de 2018, na Chácara Paraíso da Serra, no município de Exu (sertão de Pernambuco), para realização do II Encontro Saberes da Caatinga.

Realizado pela Rede de Agricultores Experimentadores do Araripe, com apoio de instituições como a Fundação Oswaldo Cruz, Instituto Chico Mendes de Biodiversidade (ICMBio) e o Ibama, entre outras, o Encontro tem como um dos principais objetivos incentivar e manter vivas práticas de cura (algumas milenares) que não dependem do sistema biomédico. Nesta segunda edição do evento, serão oferecidos vários serviços, oficinas de agrofloresta, extração de óleos vegetais, primeiros socorros usando óleos essenciais, arteterapia, shiatsu, cromoterapia, aromaterapia e bioenergética.

Na opinião da pesquisadora do departamento de Saúde Coletiva da Fiocruz Pernambuco Islândia Carvalho, ao apoiar o Encontro, a Fiocruz PE cumpre o seu papel social de valorização da cultura local no que tange á saúde. “Além disso, a instituição vem desenvolvendo várias pesquisas para elucidar a efetividade dessas práticas e sua potencial contribuição para a saúde da população. Para tal, residentes e mestrandos do Programa de Pós-Graduação em Saúde Coletiva da Fundação, participarão do evento com o objetivo de sistematizar conhecimentos e produzir informações científicas sobre o tema”, afirmou.

Desde 2006, o Sistema Único de Saúde – SUS, conta com a Política de Práticas Integrativas e Complementares. Essas práticas são caracterizadas pela Organização Mundial de Saúde como Medicina Tradicional ou Medicina Complementar. Esse termo significa um conjunto diversificado de ações terapêuticas que difere da biomedicina ocidental, incluindo práticas manuais e espirituais, com ervas, partes animais e minerais, sem uso de medicamentos quimicamente purificados, além de atividades corporais, como tai chi chuan, yoga, lian gong. Outros exemplos de PICs são: acupuntura, reiki, florais e quiropraxia.

O primeiro Encontro, realizado há um ano, contou com mais de 100 benzedeiros, parteiras, raizeiros, pesquisadores e professores dos estados de Pernambuco, Ceará e Piauí. Para esta edição esse número já foi superado, tendo as inscrições sido encerradas em apenas duas semanas. A organização do evento está analisando a possibilidade de transmiti-lo via internet.

O uso da água em debate

Dono da maior quantidade de água doce do mundo, o Brasil vai receber, em 2018, o 8º Fórum Mundial da Água. O evento é uma oportunidade única de discutir o modelo de gestão nacional e trocar experiências com os maiores especialistas internacionais sobre o tema. O Fórum Mundial da Água foi criado em 1996 e já passou por sete países. Esta é também a primeira vez em que será sediado por um país da América do Sul.

Organizado pelo Conselho Mundial da Água em parceria com o governo brasileiro e diversas organizações mundiais, o fórum acontecerá em Brasília (DF), de 18 a 23 de março de 2018, e tem o objetivo de contribuir para o diálogo político no processo decisório sobre a água em nível global e para o uso racional e sustentável do recurso. A expectativa de público é de 30 mil pessoas provenientes de mais de cem países.

O Comitê da Bacia Hidrográfica do Rio São Francisco (CBHSF) participa do evento levando experiências de gestão.

“O fórum será um momento muito importante, sobretudo porque os debates e as contribuições que serão levados para o evento irão alimentar decisões sobre a questão da água no mundo inteiro”, observou Anivaldo Miranda, presidente do CBHSF. “É importante que todas as visões sobre a questão da água sejam levadas em consideração nesse espaço. Especialmente que prevaleça a visão de que a água é um bem comum, esse deve ser o ponto de partida para qualquer debate sobre o tema”.

Segundo Taciana Neto Leme, integrante da Comissão do Processo Cidadão do Fórum, é importante a participação dos Comitês de Bacia no evento. “Os comitês reúnem representantes da sociedade civil e dos espaços privilegiados para a participação social. Nesse sentido, espera-se uma grande mobilização dos integrantes dos comitês para envolvimento no fórum. Seja participando de sessões temáticas no centro de convenções ou em atividades que acontecerão na Vila Cidadã”.

O Fórum Mundial da Água acontecerá simultaneamente em dois espaços. No Centro de Convenções Ulisses Guimarães, onde serão realizadas as discussões dos Programas Temáticos, Regionais e Políticos. Para participação nesse espaço é necessário o pagamento de uma inscrição. O segundo espaço é a Vila Cidadã, que tem o objetivo de incentivar a participação social no evento. A Vila será montada no Estádio Nacional Mané Garrincha, com acesso gratuito, onde acontecerão debates, exposições, palestras, cinema, artesanato e talk-shows.

“A Vila Cidadã é um espaço privilegiado para a participação social porque foi pensado e estruturado para envolver a sociedade, para que ela também possa se expressar e compartilhar suas experiências e opiniões”, contou Taciana.

  • A programação no Mané Garrincha

Filmambiente Festival

Foram inscritos filmes de até quatro minutos, abordando questões relativas à água. Na categoria “A voz dos cidadãos”, as inscrições se encerraram em 3 de dezembro. Um júri internacional escolherá as cinco melhores produções, que receberão 400 dólares cada, cerca de 1.200 reais.

Mercado de Soluções

É uma chamada pública que recebeu, até 04 de dezembro, inscrições de experiências comunitárias e sociais que ajudam a enfrentar os desafios globais da água. Serão escolhidas 60 iniciativas para apresentação ao público. O resultado da seleção será divulgado em janeiro de 2018.

Grande Prêmio Mundial para a Água Rei Hassan II

O prêmio recebeu inscrições até o dia 30 de novembro. O tema desta edição é a “Cooperação e solidariedade nas áreas de gestão e desenvolvimento dos recursos hídricos”. Foram aceitos trabalhos nas áreas científicas, econômicas, técnicas, ambientais, sociais, institucionais, culturais ou políticas. O vencedor ganhará um cheque no valor de 100 mil dólares.

 

Fonte: Diário do Nordeste/BlogdoGeraldoJosé/CBHSF/Municipios Baianos

Comentários:

Comentar | Comentários (0)

Nenhum comentário para esta notícia, seja o primeiro a postar!!