20/01/2018

Trio que quebrar na avenida vai ter 'UTI' e 'Samu' à disposição

 

Sabe aquele trio elétrico que quebra bem no meio da avenida, atrasando os outros desfiles e diminuindo a animação dos foliões? Essa situação, comum em todo santo Carnaval, está com os dias contados, ao menos se depender da nova estratégia adotada pelos organizadores da folia em Salvador, este ano.

Será a estreia da Cidade do Trio Elétrico, que vai acionar "socorristas" para atender a trios que apresentem problemas mecânicos nos circuitos da folia. No local, que é conhecido como 'Armação', onde os trios ficam estacionados, em um terreno na Rua da Graça, será montada uma estrutura para dar apoio integral aos caminhões de som e aos operadores dos trios - cerca de 10 funcionários em aproximadamente 100 trios que participam da folia.

  • "Vamos montar uma espécie de UTI [Unidade de Terapia Intensiva] e Samu [Serviço de Atendimento Móvel de Urgência] para os trios. Vai ter todo mundo: soldador, guincho, caminhão reserva, moto para dar apoio mecânico no circuito. Vai ser uma revolução de excelência", explicou o membro do Conselho Municipal do Carnaval (Comcar) e coordenador do Carnaval 2018, Paulo Leal.

Em entrevista ao Correio, ele explicou que no local haverá uma central de apoio técnico e operacional, com praça de alimentação, Centro de Abastecimento e Logística (CAL), escritório e centro de monitoramento. Além disso, também haverá área para estacionamento de carros, trios e de veículos de suporte e banheiros químicos.

O espaço também contará com um gerador de reserva, três caminhões guia, dois motoboys, dois mecânicos, dois eletricistas, dois serralheiros, oficina móvel, um contêiner com seis beliches, um caminhão munck (para transportar grandes cargas) e um guincho, além de vestiários com área de banho e sanitários com capacidade para 300 pessoas por dia.

Uma central de comunicação vai fazer o link direto com os trios, além de duas mesas de som. A iniciativa é apoiada pela prefeitura.

Trios na vitrine

Agora, a vistoria dos trios também vai mudar. Os equipamentos, que eram vistoriados sempre no Parque de Exposições, em Itapuã, vão passar para a Orla da Boca do Rio, no mesmo local onde foi realizado o Festival da Virada, no Réveillon.

A decisão, segundo Paulo Leal, foi para que os trios sirvam como atrativo turístico. "O trio elétrico chama a atenção, pode trazer visibilidade turística. Lá no Parque de Exposições, ninguém via. Agora, vai ser como uma vitrine", concluiu.

Brown, Claudinha, Daniela... Comcar confirma 26 atrações sem cordas

O folião pipoca já tem o que comemorar no Carnaval 2018: até agora, pelo menos 26 atrações vão desfilar sem cordas, de acordo com o Conselho Municipal do Carnaval (Comcar). O coordenador do Carnaval 2018, Paulo Leal, revelou o nome de parte dos artistas que vai passar, de graça, pelo Circuito Campo Grande (Osmar).

Só lá, sairão trios de nomes como Claudia Leitte, Daniela Mercury, Alinne Rosa, Larissa Luz, Ju Moraes, Carlinhos Brown, Léo Santana, Saulo e Parangolé. “A mudança é para revitalizar o [Carnaval no] Centro da cidade. Todas essas atrações vão estar lá também para recuperar o Carnaval domingo, segunda-feira e terça-feira”, afirmou.

A data de uma das apresentações já é conhecida: Claudia Leitte desfila no domingo (11/2).

Para Leal, que também é presidente da Associação Baiana de Trios Independentes, o reforço no circuito do Campo Grande com os trios sem corda deve fortalecer, também, os blocos que desfilam no local. Essas atrações devem sair com apoio da prefeitura.

Praça Castro Alves

Quem prefere curtir a festa no Campo Grande ainda terá a opção de acompanhar o pôr-do-sol na Praça Castro Alves ao som de grupos como Armandinho, Dodô e Osmar, Àttooxxaá e Chiclete com Banana.

“Vamos ter um palco na praça, de domingo (11/2) a terça-feira (13/2). Vai ser um trio como pranchão parado, ainda que ele possa se mover. Ali, vão acontecer os shows ao pôr-do-sol”, adiantou Leal.

Menos blocos

O coordenador admitiu que, este ano, a abertura do Carnaval ser realizada na Barra é uma estratégia para preencher um espaço deixado pelos blocos que não vão desfilar este ano na quinta-feira (9/2). A abertura será comandada por Claudia Leitte e pelo rapper estadunidense Pitbull em um trio sem cordas.

Embora os números de 2018 ainda não estejam disponíveis, houve uma queda no número de agremiações entre 2016 e 2017. Só na Barra, em 2016, saíram 147 blocos, enquanto em 2017 foram 130.

No Campo Grande, de 227 em 2016 passaram para 194, no ano seguinte. O único circuito onde houve aumento foi o Batatinha (Centro Histórico) - de 119 há dois anos para 124 no ano passado. Ainda assim, o saldo total não é positivo: de 489 em 2016 para 448 em 2017.

Esses números não incluem as atrações que desfilam no Furdunço, que chegou a ter mais de 30 nomes por edição.

"Quem não tem conseguido sair são os blocos alternativos, porque a brincadeira é cara. Trio, artista, aí vem patrocínio que muitos não estão achando". Mesmo assim, ele reforça que, ainda que exista uma crise entre os blocos de trio, blocos de samba, de índios e afro continuam desfilando.

Camarote gratuito recebe show de Alinne Rosa neste sábado (20) na Barra

A cantora Alinne Rosa será a primeira atração da Varanda Redonda, da Casa Skol - que funcionará como primeiro camarote gratuito do Carnaval de Salvador. Alinne fará show no espaço neste sábado (20) a partir das 18h. Essa primeira apresentação - assim como a do sertanejo Dan Valente, no próximo dia 27 - será exclusivamente para a rua. A ação é realizada pela Skol, patrocinadora do Carnaval de Salvador, em parceria da Prefeitura. de Salvador

Durante a folia, o espaço - que fica na avenida Oceânica perto do banco Itaú - terá apresentações do grupo FitDance para animar a abertura da casa, como também em todos os dia da folia.

O espaço vai receber no primeiro domingo de fevereiro (4), data em que também ocorre mais uma edição do movimento Furdunço, a banda Àttooxxá. A partir desta data, o espaço funcionará aberto ao público com um palco pensado para entreter tanto os foliões de dentro e fora do local.  O camarote tem capacidade para receber 1,5 mil pessoas. Voltado para a inclusão, o camarote tem estimativa de levar entretenimento para aproximadamente 15 mil foliões. Durante o Carnaval, se apresentarão no local Margareth Menezes, Pitty, Rael, Larissa Luz, Felguk, Karina Buhr  e Nego do Borel.

  • Confira calendário de shows do camarote:

27.01 Dan Valente

04.02 ÀTTØØXXÁ

08.02 Margareth Menezes

09.02 A definir

10.02 Pitty

11.02 Rael

12.02 Nego do Borel

13.02 Felguk

MPT negocia itens do TAC permanente dos cordeiros para o Carnaval

A atualização monetária dos valores e a adoção de medidas previstas do termo de ajuste de conduta (TAC) permanente dos cordeiros para o Carnaval de 2018 estão em fase final no Ministério Público do Trabalho (MPT).

A procuradora Andréa Tannus Freitas, que está à frente do caso desde 2016, acredita que não haverá dificuldades para estabelecer um patamar mínimo de remuneração para as pessoas que forem trabalhar nos blocos para garantir a segurança dos associados, mas alerta que o documento assinado no ano passo prevê a adoção de medidas ainda não adotadas.

O termo de ajuste de conduta (TAC) passou a ser permanente em 2017, quando blocos e afoxés se comprometeram a garantir condições mínimas de saúde e segurança do trabalho, além de patamares mínimos de remuneração de forma permanente. Segundo o documento, não é mais necessário assinar o compromisso a cada ano, já que as condições definidas são extensivas a qualquer atividade realizada por blocos ou outras agremiações carnavalescas em qualquer evento a partir da data de assinatura do termo. Mesmo os que não assinaram o TAC têm a obrigação de garantir os patamares mínimos estabelecidos.

A procuradora informou nesta quarta-feira que aguarda a comunicação oficial do Sindicorda (entidade que representa os cordeiros) e das entidades carnavalescas sobre a negociação entre eles para o reajuste da diária mínima a ser paga para cada trabalhador. Esse valor deve ficar em R$51, segundo as negociações preliminares. Ano passado o piso ficou em R$48. Além disso, o bloco tem que arcar com o preço de duas passagens de ônibus. As demais condições, tais como a obrigação de fornecimento de água, lanche e de equipamentos de proteção individual, estão mantidas. Andréa Tannus Freitas lembra ainda que é obrigatório o registro do contrato temporário de trabalho, com recolhimento ao INSS ou seguro privado para o caso de acidentes.

Para a procuradora “o caráter permanente do TAC dos Cordeiros é simplifica a relação entre entidades carnavalescas e trabalhadores. O TAC apenas esclarece o que está na lei e a lei vale para todos, por isso todos os blocos, mesmo os que não assinaram o documento, têm obrigação de cumprir suas cláusulas, sob pena de sofrerem ações na Justiça do Trabalho”, afirmou.

Necessidade de locais para acolhimento de idosos e pessoas com deficiência no Carnaval são tratados em reunião no MP

A necessidade da criação de espaços para acolhimento de pessoas com deficiência e de idosos em situação de abandono ou perdidos da família no circuito do Carnaval foram discutidas na tarde de ontem, dia 17, no Ministério Público estadual entre a promotora de Justiça Márcia Teixeira, coordenadora do Centro de Apoio Operacional dos Direitos Humanos (CAODH), e representantes da Secretaria de Promoção Social e Combate à Pobreza (Semps) e da Secretaria Municipal da Reparação (Semur).

Também foram debatidos os procedimentos que deverão ser tomados pela Semps e delegacias dos circuitos quanto ao registro dos encaminhamentos de idosos e pessoas com deficiência para as unidades de acolhimento credenciadas à Semps, além de questões relativas ao Observatório da Discriminação Racial, que tem o objetivo de registrar ocorrências de discriminação racial, violência contra a mulher e atos homofóbicos durante a festa.

Segundo a promotora de Justiça Márcia Teixeira, foi discutida ainda a possibilidade de implantação de um projeto piloto para observação da violência praticada contra os catadores de material reciclável e a população em situação de rua. Estiveram presentes a secretária da Semps, Eronilde Carvalho; a diretora da Semps, Juliana Portela; e a secretária da Semur, Ivete Sacramento.

 

Fonte: Correio/Ascom MPTBA/Cecom MP/Municipios Baianos

Comentários:

Comentar | Comentários (0)

Nenhum comentário para esta notícia, seja o primeiro a postar!!