16/02/2018

Monte Santo: Acontece a VIII Feira da Agricultura Familiar de Muquém

 

A VIII Feira da Agricultura Familiar de Muquém e região acontecerá nesta sexta e sábado - 16 e 17 de fevereiro, oferecendo os mais variados produtos da agricultura familiar, além de palestras, exposições de caprinos e ovino, artesanato, música e reisado. 

O evento tradicional que já faz parte do calendário de festejos do município de Monte Santo, Bahia,  recebe forte apoio do Centro Público de Economia Solidária – CESOL – que abrange os territórios do Piemonte Norte do Itapicuru, Piemonte da Diamantina, e os municípios de Monte Santo, Cansanção e Itiúba e da ARESOL - Associação Regional dos Grupos Solidários de Geração de Renda.

A Feira do Muquém destaca a valorização da agricultura familiar e da Economia Popular e Solidária, através da divulgação dos empreendimentos solidários formado pelos grupos produtivos, que estarão nos estandes comercializando doces, geleias, beijus e produtos derivados do umbu, maracujá do mato, licuri e mandioca.

Na noite de sábado (17), a animação ficará por conta dos shows de Rennan Mendes, Canindé e Ailton Aboiador, muito forró e animação. A programação da Feira contempla ainda momentos de formação com oficinas temáticas sobre Economia Popular e Solidária.

Em outras edições da Feira do Muquém, em média 3 mil pessoas visitaram os diversos estandes. A Feira é uma realização da Associação Agropastoril dos Pequenos Produtores de Muquém e Região e parceiros.

Após chuvas, barreiros construídos pelo Constesf mudam cenário no Sertão do São Francisco

Depois de um longo período de estiagem, pequenos produtores contemplados pelo Projeto Cisternas do Consórcio Sustentável do Território do São Francisco (Constesf) comemoram as últimas chuvas. Centenas de barreiros estão transbordando e levando alívio às famílias que contam com a tecnologia capaz de captar e armazenar 500 mil litros de água e que garante a manutenção da agricultura e criação de animais durante períodos sem chuvas.

Motivo de alegria para dona Maria Aparecida de Luna, da comunidade de Tatuí 3, em Sobradinho, que tem um barreiro construído pelo Constesf em sua propriedade desde 2016 e que transbordou com as últimas chuvas. "O barreiro que recebi no meu sítio aconchego da Luna desde quando foi feito nunca secou. Eu só tenho a agradecer a parceria do município com o Constesf, pois quando falta alimentos temos água para complementar a ração que compramos e isso é de suma importância, pois muitos agricultores familiares não teriam condições financeiras para fazer o barreiro. A estrutura do barreiro faz com que a água não evapore e assim podemos ter água o ano todo para os animais e até fazer pequenas hortas para o próprio consumo", explicou.

De acordo com o presidente do Constesf e Prefeito de Canudos, Genário Rabelo, a execução do Projeto Cisternas está diminuindo a escassez de água na região. "Até agora entregamos aproximadamente 900 barreiros, além das cisternas para consumo humano e produção de alimentos que também são benefícios do Projeto e que somam mais de 2 mil famílias atendidas. São tecnologias que estão melhorando a vida do pequeno produtor rural e que chegam a todos os 10 municípios que fazem parte do Constesf”, afirmou.

Juazeiro: ABB fornece subestação para atender projeto solar

ABB vai instalar a primeira subestação digital da América Latina na cidade de Juazeiro (BA), no Nordeste brasileiro. A nova subestação de 230 kV e o bay de conexão na subestação Juazeiro II vão fornecer 156 MW da energia gerada em um complexo solar fotovoltaico em desenvolvimento na região.

O projeto solar de Juazeiro é operado pela Atlas Renewable Energy, braço de energia renovável da empresa de investimentos britânica Actis. A Atlas supervisiona mais de 1.500 MW de ativos solares de PV em operação, construção ou desenvolvimento avançado. Quando estiver em plena operação, os projetos irão produzir energia suficiente para abastecer mais de 350 mil famílias, reduzindo em cerca de 1,5 milhões de toneladas as emissões de CO2 da geração convencional.

ABB vai entregar toda a subestação de Juazeiro e fornecer um controle de supervisão e um sistema de aquisição de dados (SCADA), dispositivos eletrônicos inteligentes (IEDs) para proteção e controle, bem como as merging units SAM600 incorporadas ao barramento de processo da subestação, tudo em conformidade com a norma de automação de subestações e comunicação IEC61850. Os cabos de cobre serão substituídos por cabos de fibra óptica.

Uma subestação funciona como o coração de uma rede de energia, transmitindo e distribuindo energia para locais distantes. Mudando as conexões para fibra óptica é possível reduzir consideravelmente a quantidade de cabos de cobre necessários em uma subestação, com uma economia significativa de custo. As subestações digitais também exigem substancialmente menos espaço e aumentam a segurança para o pessoal, pois a supervisão do sistema, com equipamento digital, reduz a necessidade de intervenção manual e elimina a possibilidade dos perigosos choques elétricos na sala de controle da subestação.

“ABB continua na vanguarda do desenvolvimento da tecnologia da rede elétrica digital com uma gama completa de soluções de automação, controle e proteção digital de subestações, desde o pátio até o centro de controle da rede,” disse Patrick Fragman, responsável pelo negócio de Grid Integration da ABB, dentro da divisão de Power Grids. “Estamos contentes em apoiar o desenvolvimento de uma rede mais forte, mais inteligente e mais limpa com a primeira subestação digital da América Latina”.

Em 2017, a ABB concluiu a atualização de um projeto semelhante em uma subestação na cidade de Nova York, onde as tecnologias digitais foram aplicadas ao sistema de fornecimento de energia de centenas de milhares de clientes em Manhattan. Também recentemente, a ABB recebeu um pedido da TAURON Dystrybucja SA, uma das principais concessionárias de energia da Polônia, para a primeira instalação de subestação digital no país.

Uauá: Farra com dinheiro público em plena crise

A professora e líder comunitária do distrito de Serra da Canabrava, Uauá, senhora Elisângela Oliveira Gonçalves, se sentiu preocupada com os rumos que a administração municipal vem tomando referente a contração de uma empresa para fornecer comida para funcionários, o que vai ocasionar mais aumento de gastos desnecessários, o que não justifica com tantas dificuldades financeiras que o próprio prefeito Lindomar Dantas (PCdoB) está informando à população.

De acordo a licitação, a empresa vencedora é Sonia Maria Morais Cardoso – ME, no valor de R$ 88 mil para o “fornecimento parcelado e diário de refeições e lanches destinados à servidores e prestadores de serviço, e ainda para atender todos os eventos de interesse da administração municipal”. Segundo informações levantadas pelo AP, quase todos os funcionários residem na sede do município, e que muitos destes, não gastam 10 minutos para chegarem em suas casas.

Já como se trata em mais um ano eleitoral onde todas as atenções estão voltadas para elegerem seus deputados, advogados e vereadores já se preparam, mais uma vez, para levar este outro caso ao conhecimento do TCM e Ministério Público Estadual.

Hotéis e pousadas registraram 85% de ocupação durante do carnaval de Paulo Afonso

Ao resgatar a tradição do Carnaval de Paulo Afonso, a Prefeitura contou com a aprovação de centenas de foliões, entre pauloafonsinos e turistas, amantes da folia momesca. O evento que aconteceu nos dias 10, 11, 12 e 13/2, na Praça do Coreto, foi organizado pela Secretaria Municipal de Cultura e Esportes.

“A escolha do Coreto para ser o cenário da festa foi estratégica, considerando que o local fica no centro da cidade, o que permitiu aos foliões uma área bastante extensa. Com o desfile dos blocos no espaço amplo, os foliões puderam ficar à vontade para aproveitar cada momento da festa”, disse o secretário de Cultura e Esporte, Jânio Soares.

No sábado (11), como estava previsto, a partir das 17h, as 11 agremiações cadastradas pela organização se concentraram no Centro de Cultura Lindinalva Cabral, de onde seguiram em desfile até o circuito da folia, local do grande encontro geral, onde cada uma realizou sua performance.

A festa, regida ao som do Frevo Pernambucano e do Axé Music, contou com a participação de artistas da cidade. Na estrutura montada pela organização foram disponibilizados: praça de alimentação, sanitários químicos, além de pontos de atendimento do SAMU, Polícia Militar, Corpo de Bombeiros, Guarda Civil Municipal e agentes de trânsito.

De acordo com representantes da Secretaria de Turismo, Indústria e Comércio, o evento repercutiu positivamente, não apenas para os foliões, mas para vendedores ambulantes e comerciantes. Hotéis e pousadas registraram 85% de ocupação.

Chuva no sertão. Cobiça sobre as águas. Por Roberto Malvezzi (GOGÓ),

Depois de longos anos com chuvas abaixo da média, agora chove por todo sertão do Semiárido Brasileiro. Como cantava Gonzaga: “rios correndo, as cachoeiras tão zoando, terra molhada, mato verde que riqueza e a asa branca à tarde canta, ai que beleza, ai, ai o povo alegre, mais alegre a natureza”.

Os grandes reservatórios ainda estão secos ou muito baixos, mas os reservatórios médios, pequenos e micros, como as cisternas, já estão todos cheios. São eles que importam realmente no cotidiano de nosso povo. As grandes obras têm pouca serventia à população difusa do semiárido. Por isso, o problema da água hoje é mais grave no meio urbano que no meio rural nordestino.

O ciclo das águas é fundamental para todos os mananciais de superfície e subterrâneos. São as chuvas que repõem os rios, lagos e aquíferos. Sem renovação constante do ciclo a vida se interrompe.

É esse alerta dramático que pessoas sábias, cientistas e movimentos sociais fazem ao mundo predador do capitalismo, particularmente ao agro e hidronegócios. Sem Amazônia e sem Cerrado o ciclo de nossas águas estará interrompido, com a extinção dos grandes aquíferos que se localizam no Cerrado e abastecem perenemente rios como o São Francisco, Araguaia e Tocantins.

A Oligarquia Internacional da Água, rótulo que lhe atribui Ricardo Petrella, vai se reunir em Brasília no mês de março. São as grandes transnacionais da água, que querem sua privatização geral, sua mercantilização e sua transformação em um produto comercial qualquer. Essas empresas elaboraram o novo discurso da água, com sua teoria de escassez, valor econômico, privatização e mercantilização como soluções para os problemas hídricos do mundo inteiro.

Ao mesmo tempo se reunirá o Fórum Mundial Alternativo da Água (FAMA) para contrapor ao discurso do capital os valores da água como o biológico, social, ambiental, paisagísticos, etc., recusando a sua privatização e garantindo a água como direito fundamental de toda pessoa humana e de todos os seres vivos.

Essa é uma das guerras mais insanas da humanidade. Num país caoticamente político como o nosso, Temer está realizando a entrega de nossos aquíferos, particularmente o Guarani, para grandes empresas como a Coca-Cola, Nestlé e outras transnacionais da água. Uma tragédia cruel e anunciada.

O golpe chegou também à água.

 

 

Fonte: Ascom Aerosol/Ascom Contesf/Canal EnergiaAção Popular/PA4/Outras Palavras/Municipios Baianos

Comentários:

Comentar | Comentários (0)

Nenhum comentário para esta notícia, seja o primeiro a postar!!