24/02/2018

Conselho de Fisioterapia é alvo de inquéritos sobre corrupção

 

O Conselho Regional de Fisioterapia e Terapia Ocupacional da Bahia (Crefito-7) é alvo de, pelo menos, quatro processos no Ministério Público Federal (MPF).

De acordo com o advogado Mario Scaldaferri, que representa um grupo de fisioterapeutas, um mesmo grupo político se alterna no comando da entidade há cerca de 30 anos e é acusado de uma série de irregularidades. "O problema não é só a falta de alternância, mas também a malversação dos recursos. Existem quatro inquéritos civis que tramitam no Ministério Público Federal. São denúncias que foram feitas por nós para apurar essas irregularidades, que vão de nepotismo a má utilização dos recursos", afirmou.

Com a proximidade das eleições do Crefito-7, que acontece no próximo domingo (25), os fisioterapeutas acreditam ser necessário que toda a classe compreenda as questões que permeiam o processo.

Os inquéritos investigam o pagamento irregular de diárias e gratificações a conselheiros, funcionários e colaboradores; irregularidades na contratação de um escritório de arquitetura; irregularidades na contratação de um escritório de advocacia; não cumprimento da Lei de Acesso à Informação; e nomeação de parentes como colaboradores.

No entanto, o defensor questionou a impossibilidade de acompanhar os processos, já que correm em segredo de Justiça. "Todo e qualquer profissional deveria ter acesso a essas informações", pontuou Scaldaferri. "A nossa dificuldade hoje é demonstrar para a categoria que aqueles dirigentes não têm um perfil, ainda mais em uma época na qual se discute tanto a corrupção no país. A gente vê pessoas que estão em uma esfera muito maior serem condenadas, então por que não esses que estão em uma esfera menor?".

Atualmente, o Crefito-7 tem uma receita anual de aproximadamente R$ 8 milhões, fruto da anuidade de mais de 9 mil profissionais. "A nossa luta hoje é que os profissionais tenham conhecimento e que o Ministério Público Federal possa rever o posicionamento para que esses inquéritos fiquem disponíveis, até porque são denúncias graves. A gente percebeu que um volume muito grande de dinheiro está sendo utilizado de forma indevida", ressaltou o advogado.

Scaldaferri ainda criticou a falta de transparência da entidade, que começou a divulgar a prestação de contas apenas em agosto de 2017.

Doença do pombo pode levar até à morte

Eles chegaram à época da colonização do país – vindos principalmente da Europa – e, com as drásticas mudanças nas grandes cidades, eles passaram a fazer parte do cenário do dia-a-dia. Mas, não é de hoje que os pombos, com a grande capacidade reprodutiva que possuem, viraram um problema de saúde pública, uma vez que as fezes deles, quando viram pó e são inaladas pelo homem, podem vir a causar doenças respiratórias e neurológicas, podendo levar a morte.

No Distrito Federal, aos menos cinco pessoas foram contaminadas, este ano, por fungos presentes nas fezes das aves, três delas estão internadas no Hospital de Base, em Brasília, e outras duas receberam alta no início da semana após ficarem quase um mês hospitalizadas. Segundo a literatura médica, o índice de mortalidade chega a 70%. 

Em Salvador, principalmente na região central da cidade, é muito comum encontrar dezenas deles, a maioria em grupos, aproveitando os restos de comida que as pessoas deixam pelo chão. Além disso, como se não bastasse, parte da população ainda mantém um velho hábito de alimentar a ave, o que ajuda a contribuir com a proliferação.

O lixo espalhado em algumas ruas da cidade pode ser “um prato cheio” para a atração dos animais. A localidade da Piedade é onde a situação chama mais a atenção, mas a cena pode ser vista nas praças Municipal, Cayru, do Campo Grande, entre outras. O fato de não terem um caçador natural também é considerado um fator contributivo.

Entre as doenças que eles podem causar, estão criptococose, histoplasmose, ornitose, salmonelose, encefalite, dermatites, alergias respiratórias, doença de Newcastle, aspergilose e tuberculose (algumas delas você terá mais detalhes no final desta reportagem).

Apesar desse grau de nocividade, os pombos não podem ser, simplesmente, exterminados, pois estão protegidos pela Lei Federal 9.605/1998. Segundo a norma, maltratar, ferir ou matar estes animais seja crime ambiental e a pena pode variar de multas até cinco anos de reclusão.

Prevenção

De acordo com especialistas da área de biologia, algumas medidas podem ser tomadas para evitar não apenas a proliferação dos animais, assim como problemas de saúde. Umedecer forros, calhas e outros locais onde há a presença destes animais antes de remover a sujeira, se protegendo com o auxílio de luvas e máscara sobre o nariz e boca, e resguardar os alimentos são algumas delas.

Medidas educativas também podem ser feitas, como a orientação a população a não alimentar os pombos e tampouco deixar lixo exposto e a utilização de barreiras físicas, como o uso de telas, além do uso de repelentes específicos em muros, telhas e lajes.

CCZ realiza trabalho de orientação

O Centro de Controle de Zoonoses (CCZ), da Prefeitura de Salvador, realiza um trabalho de orientação à população justamente para evitar a proliferação desses animais. “Nós fazemos inspeções em locais como escolas e hospitais quando as pessoas têm um grande incômodo. Nelas, nós observamos quais as situações que estão propiciando o aparecimento de pombos naquela área. Mas, nós não somos um órgão controlador de pragas. Damos apenas indicações para o manejo, como proteção de locais e destinação do lixo” explicou Eliaci Costa, subgerente das ações básicas do centro.

A população pode acionar o CCZ através do número 156. Conforme Eliaci, não existe um órgão público, em Salvador, que lide com essa questão do controle da população de pombos, a menos que seja contratada uma empresa que trabalhe especificamente com isso. “A Prefeitura fez um convênio, com uma empresa, para atuar nas unidades de saúde, que é um problema que nós temos. Ela é quem faz o desalojamento e a limpeza”, pontuou.

Por último, subgerente das ações básicas do CCZ pontuou que o centro só poderia ter um controle de programa de pombos caso a capital baiana tivesse registrada alguma doença ou morte oriunda das fezes dos pombos. Mas, o órgão realiza campanhas educativas para justamente alertar a população quanto aos riscos, como a produção de informativos e visitas a escolas. “Uma das coisas que faz com que a quantidade de pombos aumente é a alimentação dos mesmos pela população”, afirmou Eliaci.

  • Confira algumas das doenças que podem ser causadas pelos pombos:

Salmonelose: doença infecciosa provocada por bactérias. A contaminação ao homem ocorre pela ingestão de alimentos contaminados com fezes animais.

Criptococose: doença provocada por fungos que vivem no solo, em frutas secas e cereais e nas árvores; e isolado nos excrementos de aves, principalmente pombos.

Histoplasmose: doença provocada por fungos que se proliferam nas fezes de aves e morcegos. A contaminação ao homem ocorre pela inalação dos esporos (células reprodutoras do fungo).

Ornitose: doença infecciosa provocada por bactérias. A contaminação ao homem ocorre pelo contato com aves portadoras da bactéria ou com seus dejetos.

Meningite: inflamação das membranas que envolvem o encéfalo e a medula espinhal.

Antidepressivos funcionam, e não é por efeito placebo, diz estudo

Um estudo publicado na última quarta-feira (22) na revista médica "The Lancet" considerou dados de mais de 100 mil pacientes, de 522 outros estudos, para chegar à conclusão de que antidepressivos são eficazes.

Em todos esses estudos, os pacientes foram distribuídos aleatoriamente entre os grupos tratados com a droga em questão ou com placebo.

De acordo com a Folha de São Paulo, os pesquisadores não sabiam quem fazia parte de qual grupo até o final da pesquisa, o que reduz a chance de erros decorrentes do viés de observação.

O resultado é que a chance de uma pessoa melhorar com um antidepressivo é de 37% a 113% maior do que com um placebo.

Havia um debate sobre a eficiência de medicamentos usados para combater esse problema, com alguns testes indicando que antidepressivos teriam o mesmo resultado que placebos. O Royal College of Psychiatrists, a principal organização de psiquiatras no Reino Unido, disse que o estudo "finalmente coloca um ponto final à controvérsia sobre antidepressivos".

A pesquisa abrangeu oito semanas de tratamento, por isso, algumas descobertas não se aplicam ao uso dos remédios a longo prazo.

Oito municípios baianos têm ‘dia D’ de vacinação contra Febre Amarela neste sábado

Para chamar atenção da população para importância da imunização contra febre amarela, acontece neste sábado (23) o dia D de vacinação contra a doença, nos oito municípios baianos que participam da campanha. Cerca de 3,3 milhões de pessoas de Camaçari, Candeias, Itaparica, Lauro de Freitas, Mata de São João, São Francisco do Conde, Salvador e Vera Cruz devem tomar a dose fracionada até o final da campanha, que teve início no dia 19 de fevereiro e vai até 9 de março.

Para o dia D, os municípios estão preparando esquemas especiais para facilitar o acesso da população à vacinação. Em Lauro de Freitas, 13 unidades de saúde funcionarão das 8h às 17h. Haverá ainda outros nove postos montados no Parque Ecológico, na Praça-Centro, na Escola Ana Lúcia e em seis supermercados. Em Camaçari, além de 16 unidades de saúde que estarão abertas de 8h às 16h, dois postos estarão montados de 9h às 15h, nos shoppings Boulvard Camaçari e Guarajuba.

O secretário da Saúde do Estado, Fábio Vilas-Boas, alerta que é muito importante que a população busque os postos de vacinação para recebera a dose fracionada da vacina. “Até o momento não tivemos casos de febre amarela em humanos no nosso estado. Isso se deveu ao grande esforço dos municípios e do governo do estado, mas o vírus está circulando. Quanto mais gente vacinada, menor é a chance de haver a introdução da febre amarela humana em nosso meio”, pontua o Secretário.

A vacinação é destinada a pessoas a partir dos dois anos de idade, inclusive indígenas, desde que não apresentem condições clínicas especiais Todos que já tiverem tomado a vacina ao longo da vida não terão a necessidade de receber nova dose. A intenção é proteger o maior número de pessoas contra a Febre Amarela, em localidades com grande contingente populacional e que tem evidência de circulação do vírus e risco elevado de transmissão da doença.

O coordenador do programa estadual de imunização, Ramon Saavedra, explica que o desenvolvimento de uma vacina segue altos padrões de exigência e qualidade em todas as suas fases, o que inclui a pesquisa inicial, os testes em animais e humanos sob rigorosos protocolos. “Nenhuma vacina está livre totalmente da ocorrência de efeitos indesejáveis, porém os riscos de complicações graves são muito menores que os das doenças contra as quais elas protegem”, afirma Ramon.

 

Fonte: BN/Tribuna/Ascom Sesab/Municipios Baianos

Comentários:

Comentar | Comentários (0)

Nenhum comentário para esta notícia, seja o primeiro a postar!!