13/03/2018

Fórum Social Mundial começa nesta terça em Salvador

 

O início do 13° Fórum Social Mundial, evento que pretende reunir em Salvador cerca de 50 mil pessoas, acontece nesta terça-feira (13) e vai até o sábado (17), com mais de mil atividades, debates e palestras que vão acontecer em vários pontos da cidade.

Alguns nomes importantes da política nacional e internacional já confirmaram presença, como o ex-presidentes Lula e Dilma, além de José Mujica, ex-presidente do Uruguai e Cristina Kirchner, ex-presidente da Argentina.

Com o tema central “Povos, Territórios e Movimentos em Resistência”, e o slogan “Resistir é criar, resistir é transformar”, o Fórum Social Mundial (FSM) deve ser um evento de resistência contra os retrocessos e os ataques à democracia no Brasil. Criado em 2001, em Porto Alegre, o FSM 2018 será realizado entre terça (13) e sábado (17), em Salvador.

Com programação vasta e diversificada, o evento terá como território principal o Campus de Ondina, da Universidade Federal da Bahia (UFBA), além de outros locais da capital baiana, como o Parque do Abaeté, em Itapuã, e o Parque São Bartolomeu, no Subúrbio Ferroviário da cidade. Segundo os organizadores, são esperadas cerca de 60 mil pessoas, de 120 países, reunidas para debater e definir novas alternativas e estratégias de enfrentamento ao neoliberalismo, aos golpes e genocídios que diversos países enfrentam na atualidade.

Com mais de 1.500 coletivos, organizações e entidades cadastradas, e em torno de 1.300 atividades autogestionadas inscritas, o Fórum Social Mundial reunirá representantes de entidades de países como Canadá, Marrocos, Finlândia, França, Alemanha, Tunísia, Guiné, Senegal, além de países sul-americanos e representações nacionais.

Entre as presenças confirmadas estão a dos ex-presidentes Luiz Inácio Lula da Silva e Dilma Rousseff, Fernando Lugo, do Paraguai, e José Mujica, do Uruguai. Também participarão o sociólogo português  Boaventura de Sousa Santos, a militante indígena e pré-candidata à vice-presidência pelo Psol Sônia Guajajara, a presidente da Federação Democrática Internacional de Mulheres (FDIM), Lorena Peña, e o filósofo do Congo Godefroid Ka Mana Kangudie.

Participarão ainda das atividades do FSM Abdellah Saaf, ex-ministro da Educação de Marrocos; Eda Duzgun, liderança das mulheres curdas; Sara Soujar, do Movimento de Combate ao Racismo e Xenofobia do Norte de Marrocos; Mamadou Sarr, militante da Mauritânia para defesa dos negros; e Gustave Massaih, membro fundador do movimento de Maio 68, na França, entre dezenas de outras lideranças e ativistas internacionais.

  • Programação

Assembleias, Tribunais e Marchas

Terça 13

Já tradicional desde o primeiro FSM, o evento deste ano se inicia na terça, a partir das 15h, com a Marcha de Abertura. O percurso sairá da praça do Campo Grande, passando pela Avenida Sete, até a Praça Castro Alves, conhecida como “Praça do Povo”, palco de grandes manifestações de luta e resistência baiana. Ali será montado um palco para apresentações culturais, performances artísticas e musicais.

No mesmo dia, às 11h, integrantes do Coletivo Brasileiro do Fórum Social Mundial 2018 e do Conselho Internacional do Fórum Social Mundial darão uma coletiva de imprensa.

Quarta 14

Pela manhã será realizado o Tribunal contra os Despejos, na Faculdade de Arquitetura da UFBA.

Às 9h, ocorre o Tribunal Popular para Julgamento dos Crimes de Feminicídio contra as Mulheres Negras, no auditório do IFBA; à tarde, a partir das 14h, Marcha das Mulheres Contra o Racismo, com concentração no Largo do Campo Grande; no mesmo horário será realizada a Assembleia Mundial da Juventude, no Acampamento Intercontinental das Juventudes, que será montado no Parque de Exposições de Salvador.

Quinta 15

Às 17h, ato em Defesa da Democracia, no Estádio de Pituaçu, com as presenças dos ex-presidentes Lula, Dilma, Lugo (Paraguai) e Mujica (Uruguai).

Sexta 16

Assembleia Mundial dos Povos, Movimentos e Territórios em Resistência, às 14h, no Acampamento dos Povos Indígenas, no Centro Administrativo da Bahia

Sábado 17

Pela manhã, será realizada a Ágora dos Futuros, com a apresentação dos resultados das atividades do FSM, na Praça das Artes, campus de Ondina da UFBA.

Assembleia Mundial das Mulheres

Na manhã de sexta (16), a Assembleia Mundial das Mulheres será a única atividade na programação oficial do FSM, com possibilidade de acontecer no centro histórico de Salvador. A exclusividade tem como objetivo garantir que as mulheres com outras agendas políticas no Fórum estejam liberadas para debater questões de gênero, pautas feministas e lutas das mulheres, como a criminalização do aborto, o feminicídio, o combate contra a violência da mulher e o machismo, entres outras.

Acampamento Intercontinental da Juventude

Mais do que um alojamento, o acampamento da juventude é um local para debates e discussões políticas. Nesta edição, ocupará o Parque de Exposições Agropecuárias de Salvador, a partir deste domingo (11) até o próximo (18), com capacidade para receber cerca de 6 mil jovens. Atos, shows e assembleia farão parte das atividades do Acampamento Intercontinental da Juventude (AIJ), que terá ainda uma vila gastronômica da economia solidária, palcos para apresentações culturais e debates.

Sobre o Fórum Social Mundial

O Fórum Social Mundial é uma iniciativa da sociedade civil organizada, nascida em Porto Alegre, em 2001, para promover o encontro democrático, plural e de resistência com o objetivo de incentivar debates, aprofundar a reflexão coletiva, troca de experiências e a constituição de coalizões e de redes entre os movimentos da sociedade civil e organizações comunitárias que se opõem ao neoliberalismo e ao domínio do capital. O evento é realizado a cada dois anos. Nos intervalos, fóruns temáticos descentralizados e autônomos são realizados para dar seguimento às articulações e reflexões críticas nos diferentes países e regiões. O último foi realizado no Canadá, em 2016.

Rui defende patrocínio de R$ 2,2 mi da Uneb a Fórum Social Mundial

O governador Rui Costa (PT) se mostrou a favor da decisão da Universidade do Estado da Bahia (Uneb) de patrocinar com R$ 2,2 milhões o Fórum Social Mundial, evento que trará a Salvador os ex-presidentes petistas Luiz Inácio Lula da Silva e Dilma Rousseff.

Durante entrevista na rádio Sociedade, Rui afirmou que a instituição tem autonomia para decidir sobre as prioridades de investimentos, e “não depende da opinião do governador”. O gestor estadual fez questão de salientar que o evento é mundial e que só foi sediado no Brasil por três vezes, e em nenhuma das edições em um estado nordestino.

O chefe do Palácio de Ondina ressaltou que o evento deve reunir mais de 50 mil pessoas de diversos lugares com a proposta de debater temas comuns às políticas da humanidade, inclusive de estados emergentes.

Uneb ‘desperdiça’ recurso ‘para servir à propaganda do PT’, diz Jutahy

Pré-candidato ao Senado, o deputado federal Jutahy Magalhães Júnior (PSDB) criticou, na manhã desta segunda-feira (12), a decisão da Universidade do Estado da Bahia (Uneb) de patrocinar com R$ 2,2 milhões o Fórum Social Mundial, evento que trará a Salvador os ex-presidentes petistas Luiz Inácio Lula da Silva e Dilma Rousseff.

Ao bahia.ba, o tucano disse que a Uneb “desperdiça” recursos públicos “para servir a propaganda do PT”. “É um absurdo. O culto ao atraso promovido por quem deveria buscar a excelência e pensar no futuro”, afirmou o parlamentar.

Segundo o deputado, a Uneb sofre com “carências gigantescas”, que são “reconhecidas pelos professores e pelos alunos”.

“[O governo] faz uma suplementação de 2,2 milhões, que a gente imaginava que era para qualificar projetos e recuperar equipamento, mas era para um culto ao passado e ao atraso. Isso só é possível porque o governador Rui Costa é do PT”, acrescentou.

Mais cedo, em entrevista à rádio Sociedade, o petista afirmou que a instituição tem autonomia para decidir sobre as prioridades de investimentos, e “não depende da opinião do governador”. Sobre a relevância do patrocínio, destacou, ainda, que o evento é mundial e que só foi sediado no Brasil por três vezes, e em nenhuma das edições em um estado nordestino.

Evento do MBL

Na contramão da pseudo moralidade, quando o MBL realizou evento em Salvador, não se ouviu do deputado federal Jutahy Magalhães Jr. qualquer crítica da utilização de recursos públicos municipais para o referido evento, que tinha como único objetivo tenta difundir no Estado da Bahia as suas ideias retrógradas e para servir de propaganda eleitoral para alavancar a candidatura de ACM Neto ao governo do Estado.

Como se observa, utiliza o deputado de dois pesos e duas medidas.

Visão estreita

Ao criticar a utilização dos recursos para o Fórum Mundial Social, demonstra o político em questão a visão estreita que possui, tendo em vista que o evento trará à capital baiana milhares de pessoas, aliado de ser um Fórum da caráter internacional o que dará à Bahia uma visibilidade que ultrapassará as fronteiras do País, além de trazer para o debate autoridades e debatedores estrangeiros, qie ajudará a difundir ainda mais a Bahia a nível mundial.

Legado de Abdias Nascimento será tema de ações no Fórum Social Mundial 2018

No Fórum Social Mundial (FSM), que acontece em Salvador na próxima semana (13 a 17), o Instituto de Pesquisas e Estudos Afro-Brasileiros (Ipeafro), do Rio de Janeiro, se junta à Fundação Cultural do Estado da Bahia (Funceb), às universidades do Estado da Bahia (Uneb) e Federal da Bahia (Ufba) e à Associação Brasileira de Pesquisadores Negros (ABPN) em ações que terão como tema o genocídio da população negra e o legado de Abdias Nascimento.

A Funceb abrigará atividades abertas ao público, nas Salas King (Funceb) e Sala Walter da Silveira (Biblioteca Pública do Estado). A realização tem o apoio de diversos parceiros, entre os quais o Fórum Permanente Pela Igualdade Racial (Fopir), Coletivo Boca Quente, Sarau da Onça, Coletivo Luíza Bairros, Fórum Negro de Artes Cênicas, Programa de Direito e Relações Raciais, ambos da Ufba, Odara Instituto da Mulher Negra, Biblioteca Abdias Nascimento do Subúrbio Ferroviário, Soweto Organização Negra, Acosta Produções Artísticas e Vida Brasil.

Dentro do eixo temático ‘Vidas Negras Importam’, o conjunto de atividades mistura arte, poesia e ativismo social e terá como temas centrais o genocídio da população negra e o legado de Abdias Nascimento. A programação conjunta estreia no Teatro Martim Gonçalves (Escola de Teatro da Ufba), às 8h30 do próximo dia 14, aniversário de nascimento de Abdias Nascimento, com performance poético-musical de Nelson Maca, seguida de debate em torno da nova edição do livro 'O Genocídio do Negro Brasileiro', publicado há 40 anos por Abdias. Participam do debate os professores Kabengele Munanga (UFRB), Marluce Macedo (Uneb), Samuel Vida (Ufba) e o escritor Sandro Sussuarana (Sarau da Onça).

No dia seguinte (15), a Sala Mestre King, localizada na sede da Funceb, no Pelourinho, será palco do Slam Abdias, com premiação do Troféu Ipeafro Sankofa. Entre as atrações estão DJ Bieta, Coletivo Boca Quente, Sarau da Onça, poeta Giovane Sobrevivente, Maestrina Elem e Banda Meninos da Rocinha do Pelô. No último dia de atividades (16), a exibição do filme ‘Abdias Nascimento Memória Negra’, do cineasta baiano Antonio Olavo, será na Sala Walter da Silveira (Barris). A programação contempla ainda recitação poética com Milsoul Santos e artistas locais, além de conversa com o diretor do filme, o professor Kabengele Munanga e a viúva de Abdias Nascimento e autora da biografia, Elisa Larkin Nascimento.

Todas as atividades incluem sessão de autógrafos da nova edição do livro “O Genocídio do Negro Brasileiro” (Ipeafro Editora Perspectiva/Itaú Cultural, 2017) e da biografia ilustrada ‘Grandes Vultos que Honraram o Senado: Abdias Nascimento’, publicada pelo Senado Federal, além de ações em apoio ao Quilombo Rio dos Macacos. O Ipeafro se dedica à continuidade da ação pioneira de seu fundador, o professor Abdias Nascimento, contribuindo para a defesa dos direitos dos afrodescendentes a preservação, divulgação da memória, cultura, história e ativismo negros (http://ipeafro.org.br/).

 

Fonte: RBA/Bahia.ba/Ascom Funceb/Municipios Baianos

mil atividades, debates e palestras que vão acontecer em vários pontos da cidade.

Alguns nomes importantes da política nacional e internacional já confirmaram presença, como o ex-presidentes Lula e Dilma, além de José Mujica, ex-presidente do Uruguai e Cristina Kirchner, ex-presidente da Argentina.

Com o tema central “Povos, Territórios e Movimentos em Resistência”, e o slogan “Resistir é criar, resistir é transformar”, o Fórum Social Mundial (FSM) deve ser um evento de resistência contra os retrocessos e os ataques à democracia no Brasil. Criado em 2001, em Porto Alegre, o FSM 2018 será realizado entre terça (13) e sábado (17), em Salvador.

Com programação vasta e diversificada, o evento terá como território principal o Campus de Ondina, da Universidade Federal da Bahia (UFBA), além de outros locais da capital baiana, como o Parque do Abaeté, em Itapuã, e o Parque São Bartolomeu, no Subúrbio Ferroviário da cidade. Segundo os organizadores, são esperadas cerca de 60 mil pessoas, de 120 países, reunidas para debater e definir novas alternativas e estratégias de enfrentamento ao neoliberalismo, aos golpes e genocídios que diversos países enfrentam na atualidade.

Com mais de 1.500 coletivos, organizações e entidades cadastradas, e em torno de 1.300 atividades autogestionadas inscritas, o Fórum Social Mundial reunirá representantes de entidades de países como Canadá, Marrocos, Finlândia, França, Alemanha, Tunísia, Guiné, Senegal, além de países sul-americanos e representações nacionais.

Entre as presenças confirmadas estão a dos ex-presidentes Luiz Inácio Lula da Silva e Dilma Rousseff, Fernando Lugo, do Paraguai, e José Mujica, do Uruguai. Também participarão o sociólogo português  Boaventura de Sousa Santos, a militante indígena e pré-candidata à vice-presidência pelo Psol Sônia Guajajara, a presidente da Federação Democrática Internacional de Mulheres (FDIM), Lorena Peña, e o filósofo do Congo Godefroid Ka Mana Kangudie.

Participarão ainda das atividades do FSM Abdellah Saaf, ex-ministro da Educação de Marrocos; Eda Duzgun, liderança das mulheres curdas; Sara Soujar, do Movimento de Combate ao Racismo e Xenofobia do Norte de Marrocos; Mamadou Sarr, militante da Mauritânia para defesa dos negros; e Gustave Massaih, membro fundador do movimento de Maio 68, na França, entre dezenas de outras lideranças e ativistas internacionais.

  • Programação

Assembleias, Tribunais e Marchas

Terça 13

Já tradicional desde o primeiro FSM, o evento deste ano se inicia na terça, a partir das 15h, com a Marcha de Abertura. O percurso sairá da praça do Campo Grande, passando pela Avenida Sete, até a Praça Castro Alves, conhecida como “Praça do Povo”, palco de grandes manifestações de luta e resistência baiana. Ali será montado um palco para apresentações culturais, performances artísticas e musicais.

No mesmo dia, às 11h, integrantes do Coletivo Brasileiro do Fórum Social Mundial 2018 e do Conselho Internacional do Fórum Social Mundial darão uma coletiva de imprensa.

Quarta 14

Pela manhã será realizado o Tribunal contra os Despejos, na Faculdade de Arquitetura da UFBA.

Às 9h, ocorre o Tribunal Popular para Julgamento dos Crimes de Feminicídio contra as Mulheres Negras, no auditório do IFBA; à tarde, a partir das 14h, Marcha das Mulheres Contra o Racismo, com concentração no Largo do Campo Grande; no mesmo horário será realizada a Assembleia Mundial da Juventude, no Acampamento Intercontinental das Juventudes, que será montado no Parque de Exposições de Salvador.

Quinta 15

Às 17h, ato em Defesa da Democracia, no Estádio de Pituaçu, com as presenças dos ex-presidentes Lula, Dilma, Lugo (Paraguai) e Mujica (Uruguai).

Sexta 16

Assembleia Mundial dos Povos, Movimentos e Territórios em Resistência, às 14h, no Acampamento dos Povos Indígenas, no Centro Administrativo da Bahia

Sábado 17

Pela manhã, será realizada a Ágora dos Futuros, com a apresentação dos resultados das atividades do FSM, na Praça das Artes, campus de Ondina da UFBA.

Assembleia Mundial das Mulheres

Na manhã de sexta (16), a Assembleia Mundial das Mulheres será a única atividade na programação oficial do FSM, com possibilidade de acontecer no centro histórico de Salvador. A exclusividade tem como objetivo garantir que as mulheres com outras agendas políticas no Fórum estejam liberadas para debater questões de gênero, pautas feministas e lutas das mulheres, como a criminalização do aborto, o feminicídio, o combate contra a violência da mulher e o machismo, entres outras.

Acampamento Intercontinental da Juventude

Mais do que um alojamento, o acampamento da juventude é um local para debates e discussões políticas. Nesta edição, ocupará o Parque de Exposições Agropecuárias de Salvador, a partir deste domingo (11) até o próximo (18), com capacidade para receber cerca de 6 mil jovens. Atos, shows e assembleia farão parte das atividades do Acampamento Intercontinental da Juventude (AIJ), que terá ainda uma vila gastronômica da economia solidária, palcos para apresentações culturais e debates.

Sobre o Fórum Social Mundial

O Fórum Social Mundial é uma iniciativa da sociedade civil organizada, nascida em Porto Alegre, em 2001, para promover o encontro democrático, plural e de resistência com o objetivo de incentivar debates, aprofundar a reflexão coletiva, troca de experiências e a constituição de coalizões e de redes entre os movimentos da sociedade civil e organizações comunitárias que se opõem ao neoliberalismo e ao domínio do capital. O evento é realizado a cada dois anos. Nos intervalos, fóruns temáticos descentralizados e autônomos são realizados para dar seguimento às articulações e reflexões críticas nos diferentes países e regiões. O último foi realizado no Canadá, em 2016.

Rui defende patrocínio de R$ 2,2 mi da Uneb a Fórum Social Mundial

O governador Rui Costa (PT) se mostrou a favor da decisão da Universidade do Estado da Bahia (Uneb) de patrocinar com R$ 2,2 milhões o Fórum Social Mundial, evento que trará a Salvador os ex-presidentes petistas Luiz Inácio Lula da Silva e Dilma Rousseff.

Durante entrevista na rádio Sociedade, Rui afirmou que a instituição tem autonomia para decidir sobre as prioridades de investimentos, e “não depende da opinião do governador”. O gestor estadual fez questão de salientar que o evento é mundial e que só foi sediado no Brasil por três vezes, e em nenhuma das edições em um estado nordestino.

O chefe do Palácio de Ondina ressaltou que o evento deve reunir mais de 50 mil pessoas de diversos lugares com a proposta de debater temas comuns às políticas da humanidade, inclusive de estados emergentes.

Uneb ‘desperdiça’ recurso ‘para servir à propaganda do PT’, diz Jutahy

Pré-candidato ao Senado, o deputado federal Jutahy Magalhães Júnior (PSDB) criticou, na manhã desta segunda-feira (12), a decisão da Universidade do Estado da Bahia (Uneb) de patrocinar com R$ 2,2 milhões o Fórum Social Mundial, evento que trará a Salvador os ex-presidentes petistas Luiz Inácio Lula da Silva e Dilma Rousseff.

Ao bahia.ba, o tucano disse que a Uneb “desperdiça” recursos públicos “para servir a propaganda do PT”. “É um absurdo. O culto ao atraso promovido por quem deveria buscar a excelên

Comentários:

Comentar | Comentários (0)

Nenhum comentário para esta notícia, seja o primeiro a postar!!