14/03/2018

PSD se mantém como segunda maior bancada da AL-BA

 

Na Bahia, a janela partidária, que começou na última sexta-feira, 7, e permite que parlamentares migrem de sigla sem sofrer punição da Justiça Eleitoral, mantém o Partido Socialista Democrático (PSD) como a segunda maior bancada da Assembleia Legislativa da Bahia (AL-BA).

Na tarde desta segunda, 12, na AL-BA, os deputados estaduais Alan Castro e Manassés deixaram o Pros e se filiaram ao PSD, partido do senador e presidente estadual da legenda, Otto Alencar, e do presidente da AL-BA, deputado Ângelo Coronel. Com a migração, o PSD soma nove deputados estaduais e fica atrás do PT, que possui 12 parlamentares na Casa.

E não para por aí: o presidente do legislativo estadual informou que até o dia 7 de abril a sigla terá outras filiações importantes. “Nada como estar no guarda-chuvas do senador Otto Alencar. Quem está neste guarda-chuva não pega resfriado, nem gripe e nem insolação. Eu, que já sou ‘vítima’ deste guarda-chuvas há 28 anos, posso dizer que vocês entram não num partido político e sim numa família”, disse em um vídeo no momento da filiação.

O deputado Alan Castro revelou que o convite foi feito por Coronel. “Ele levou a gente para conversar com o senador. Eu já o conhecia, pois já fui estagiário dele. Otto sabe que liderar é a arte de servir, e ele atende todos bem. Orienta, me atende, é um grande líder. Coronel também é um grande líder”, elogiou.

Por sua vez, o senador Otto Alencar elogiou o trabalho social desenvolvido pelos dois parlamentares e revelou que todos estão renovando a sigla.

Os deputados se filiaram ao Pros em outubro do ano passado. O deputado Alan Castro busca reeleição ao cargo. Já Manassés, informou no início do mês passado que é pré candidato a deputado federal. Agora, os parlamentares terão a oportunidade de disputar a vaga na maior agremiação do estado.

No estado, além de nove deputados estaduais, o PSD acumula 542 vereadores, 85 prefeitos, cinco deputados federais e um senador.

Acho improvável’, diz Otto Alencar, sobre perder Sedur para PR

O senador Otto Alencar, presidente do PSD na Bahia, evitou comentar a cobiça do PR na Secretaria de Desenvolvimento Urbano (Sedur), hoje comandada por Jusmari Oliveira, quadro da sigla, conforme noticiou o Bahia Notícias

No entanto, o congressista disse que “depende das articulações do governador”. “Acho improvável. Conheço a força política do PR, mas é improvável [que isso aconteça]”, afirmou, à reportagem.

Se não conseguir a Sedur, o Partido da República pretende pleitear tirar o “Esporte” da Secretaria do Esporte, Turismo e Lazer (Setre) para colocar na Secretaria de Turismo, hoje comandada por um republicano, José Alves.

Otto diz que pode assumir ‘Sedur ou Seinfra’, mas nega criação de supersecretaria

O senador Otto Alencar (PSD), que vai pedir licença do Senado para assumir uma secretaria do governo Rui Costa e coordenar a campanha do petista, conforme noticiado com exclusividade pelo Bahia Notícias, disse que a decisão ainda “depende de um colegiado”.

“Tem mesmo essa possibilidade. É um trabalho em grupo. Depende de quantas pessoas podem fazer esse trabalho também. Eu não vou ser candidato em outubro. Então eu posso ser. Existe essa conversa no grupo”, disse.

O senador, no entanto, negou que seria criada uma supersecretaria para abrigá-lo na gestão petista, mas admitiu que a pasta não vai sair da cota do PSD. “Ou a Sedur [Secretaria Municipal de Desenvolvimento e Urbanismo] ou a Seinfra [Secretaria de Infraestrutura]. Qualquer uma das duas”, disse.

A Sedur é hoje comandada por Jusmari Oliveira, que vai deixar a pasta para disputar uma cadeira na Assembleia Legislativa da Bahia (AL-BA), segundo o próprio Alencar.

O espaço vago é a possibilidade mais forte de abrigo para o congressista. Questionado sobre sua relação com o primeiro suplente, o ex-reitor da Universidade Estadual do Sudoeste da Bahia (Uesb), Abel Rebouças (PSD). “Ele tem minha total confiança. O problema não é esse”, completou.

Possível coordenador de campanha de Rui, Otto crava candidatura de Jusmari

Presidente do PSD na Bahia, o senador Otto Alencar afirmou nesta terça-feira (13) que pode se licenciar do cargo para assumir uma secretaria no governo Rui Costa (PT) e coordenar a campanha do petista.

“Está sendo conversado dentro do grupo. Depende também do conselho político. Como eu não sou candidato, posso fazer essa função. Mas não é uma coisa batida”, declarou o senador.

Caso a estratégia do grupo se confirme, Otto abriria uma vaga no Senado para o suplente Abel Rebouças (PSD). O presidente do PSD baiano, por sua vez, ocuparia alguma pasta no governo estadual. Otto nega que alguma supersecretaria seja criada para esse fim.

Caberia e ele, portanto, ficar na Secretaria de Desenvolvimento Urbano (Sedur) ou na Secretaria de Infraestrutura (Seinfra), comandadas, respectivamente, pelos correligionários Jusmari Oliveira e Marcus Cavalcanti.

Segundo Otto, Cavalcanti não disputará a eleição este ano, apesar de ter se filiado recentemente à legenda.

Jusmari, por sua vez, sairá candidata a deputada estadual, de acordo com o senador, apesar dos pedidos do governador para que não concorresse no pleito.

Marcelo Nilo filia-se ao PSB de olho na Câmara Federal

Após breve passagem pelo PSL, o deputado estadual, Marcelo Nilo, ex-presidente do Legislativo baiano por 10 anos consecutivos (2007-2016), abriu a temporada do troca-troca de legenda previsto na chamada janela partidária, e assinou nesta segunda-feira, 12, sua filiação ao PSB, da senadora Lídice da Mata, levando consigo o secretário de Administração Penitenciária e Ressocialização, Nestor Duarte e seu genro, Marcelo Veiga, o Marcelinho, atual diretor de administração corporativa da Embasa, que será candidato a deputado estadual. Nilo sairá candidato a deputado federal.

Em evento na Assembleia Legislativa, nesta segunda, que contou com a participação do governador Rui Costa (PT), o secretário de Desenvolvimento Econômico e ex-governador, Jaques Wagner (PT), de quem é amigo pessoal, José Carlos Araújo, presidente do PR, diversos prefeitos e deputados, além de Lídice e Domingos Leonelli, Nilo fez discurso defendendo que a ex-prefeita de Salvador ocupe uma das vagas ao Senado da chapa do governador. Enfatizou o fato de que uma mulher na chapa é importante.

Nilo aproveitou para provocar: defendeu que o atual presidente do Legislativo, Ângelo Coronel (PSD) seja candidato a vice-governador na chapa de Rui. Sabe-se que o PSD de Coronel pleiteia, na verdade, o Senado, mas o comentário atinge, principalmente o vice-governador João Leão, do PP, partido que também pleiteia a manutenção do espaço na chapa.

Musculatura

Ao entrar no PSB, Marcelo Nilo também leva sua musculatura eleitoral ao partido. Nas eleições de 2014 Nilo foi o deputado estadual mais votado com 150 mil votos em 104 municípios. Trinta e seis prefeitos o apoiam hoje, diz o próprio.

Marcelo Nilo foi o grande aliado do ex-governador Jaques Wagner durante seus dois mandatos. Tentou com afinco emplacar seu nome na chapa nas eleições de 2010 e de 2014, perdendo a batalha para o PP, de JoãoLeão e o PSD, do senador Otto Alencar.

Com seu modo de fazer política acabou sendo cinco vezes eleito presidente da Assembleia Legislativa. Nesse ínterim teve atritos do PDT com o presidente da legenda, Felix Mendonça. Deixou a sigla e filiou-se ao PSL, que chegou a presidir. Mas, com a filiação do pré-candidato à presidência da República, Jair Bolsonaro, à legenda, Nilo anunciou sua saída. Agora, encontrou abrigo no PSB.

No início de 2017 colocou candidatura para o sexto mandato na Assembleia Legislativa mas acabou retirando seu nome na véspera da votação em plenário quando viu os pares que o apoiavam fechando com o colega Ângelo Coronel. Decidiu, após o episódio, que sairia candidato a deputado federal.

Deputados do PMDB querem reunião com Neto para definir futuro político

A bancada do PMDB na Assembleia Legislativa da Bahia (AL-BA) quer uma reunião com o prefeito ACM Neto (DEM) para discutir a situação do partido no grupo político do democrata.

Nos bastidores, circulam rumores de que Neto estuda deixar a sigla de fora da chapa majoritária de sua possível candidatura ao governo do Estado.

O BN apurou que o resultado do encontro vai ser usado por alguns peemedebistas como definidor de seus futuros políticos.

Por conta da situação envolvendo o PMDB, muitos deles estudam deixar a sigla. São os casos de Luciano Simões, Hildécio Meireles, Leur Lomanto Jr. e David Rios.

ACM Neto estaria temeroso do desgaste de ter na chapa a legenda dos irmãos Vieira Lima.

Com o ex-ministro Geddel preso e seu irmão, o deputado federal Lúcio Vieira Lima, sendo investigado pelo caso do bunker de R$ 51 milhões e enfrentando processo de cassação no Conselho de Ética, Neto não quer enfrentar o ônus de ser atrelado aos dois.

De acordo com informações obtidas pelo Bahia Notícias, o pedido de reunião pode ser feito ainda nesta terça-feira (13), quando a bancada de oposição se encontrará com o prefeito, inicialmente às 16h, na prefeitura.

Entretanto, como o dia do democrata foi tomado pelas chuvas na cidade e a tragédia que matou quatro pessoas em Pituaçu, a conversa deve ficar para outro dia. “Queremos discutir a situação toda que envolve o PMDB”, afirmou um deputado à reportagem, que preferiu não se identificar.

Ex-comandante da PM se filia ao PDT para disputar Câmara Federal

Ex-comandante da Polícia Militar da Bahia, o coronel Alfredo Castro se filiou ao PDT para concorrer a deputado federal.

Além de Castro, ingressaram na legenda o pastor Pedro Amorim e o empresário do setor de transportes Raimundinho da JR.

Amorim também tentará uma vaga na Câmara dos Deputados e Raimundinho concorrerá a deputado estadual.

“O PDT está construindo uma relação de nomes na esperança de eleger o maior número de candidatos, num pleito em que o coeficiente eleitoral deverá ficar abaixo do registrado em 2014”, afirmou o deputado federal Félix Mendonça Jr, presidente estadual da sigla.

Encontro de Prefeitos confirma mais de 320 gestores e bate recorde de inscrições

O Encontro de Prefeitos que ocorre em Salvador entre sexta-feira (16) e sábado (17) já tem mais de 320 gestores confirmados.

Realizado pela União dos Municípios da Bahia (UPB), o evento contará também com a presença dos ministros da Saúde, Ricardo Barros, da Ciência e Tecnologia, Gilberto Kassab, e do governador Rui Costa. Nesta edição, o tema será “Municípios Inteligentes”.

Segundo a UPB, o encontro, que ocorrerá no Senai – Cimatec, trará na programação discussões sobre soluções tecnológicas para dar eficiência à gestão. Além disso, abordará temas polêmicos como: o pedido para que o Tribunal de Contas dos Municípios (TCM/BA) retire os programas federais do cálculo do índice de gasto com pessoal e a negociação das prefeituras com a Federação Brasileira de Bancos (Febraban) e a Secretaria da Fazenda do Estado, para o recolhimento do Imposto Sobre Serviço (ISS) ser destinado ao município de origem do consumidor.

“Será um grande encontro, totalmente modificado. Teremos palestras de dois ministros, do governador do estado, dos três senadores e deputados. Creio que deve ser o maior encontro já realizado até então”, diz Eures Ribeiro, presidente da UPB.

Os participantes vão poder ainda ter acesso a atendimentos estratégicos de quatro ministérios, nove secretarias e diversos órgãos do estado, com a disponibilidade de informações sobre os programas e ações de governo disponíveis para os municípios.

 

Fonte: A Tarde/BNews/BN/Bahia.ba/Municipios Baianos

Comentários:

Comentar | Comentários (0)

Nenhum comentário para esta notícia, seja o primeiro a postar!!