17/03/2018

UFSB é pioneira na criação de cotas para transexuais e travestis

 

Entre os dias 22 e 26 de março deste ano, a Universidade Federal do Sul da Bahia (UFSB) irá se tornar a primeira instituição de ensino superior do país a abrir inscrições na graduação com sistema de cotas para homens e mulheres transexuais, travestis e transgêneros.

O edital, que prevê a reserva de vagas, foi lançado em fevereiro deste ano. Em entrevista ao G1, o pró-reitor de Sustentabilidade e Integração Social da UFSB, Sandro Augusto Ferreira, disse que a decisão pioneira partiu de um intenso diálogo feito dentro e fora dos portões da universidade.

"É uma conquista da comunidade acadêmica, de estudantes LGBTI, das entidades que pautam a questão, de professores e pesquisadores, de pessoas que não chegavam a uma universidade por falta de acolhimento".

Ao G1, Keyla Simpson, que é presidente da Associação Nacional de Travestis e Transexuais (Antra), defendeu a importância de políticas públicas que possibilitem o acesso de pessoas trans ao ensino superior. Entretanto, deixou uma provocação importante.

"Acho emblemático que o ensino superior tenha essa preocupação. É emblemático e fundamental que se garanta esse direito. Entretanto, é preciso que o poder público também dê condições de que essas pessoas possam buscar uma vaga no ensino superior, garantindo a permanência delas no ensino fundamental".

Seleção

Anualmente, a UFSB tem dois processos de seleção, ambos tendo como parâmetros as notas do Exame Nacional do Ensino Médio (Enem). Um deles é guiado pelo Sistema de Seleção Unificado (Sisu), que é regido pela Lei Federal de Cotas e que não prevê reserva de vagas para pessoas trans.

O outro, que terá inscrição neste mês de março, envolve a Seleção da Área Básica de Ingresso (ABI), um processo em que a instituição tem maior autonomia para promover novas iniciativas, inclusive nos critérios de definição de cotas, tendo a devida aprovação do Conselho Universitário (Consuni).

No ABI, os estudantes aprovados têm um ano de formação multidisciplinar em um dos oito Colégios Universitários vinculados às três sedes da UFSB (Itabuna, Porto Seguro e Teixeira de Freitas).

Os Colégios Universitários, que funcionam em salas de escolas estaduais e com aulas via videoconferência, estão nas seguintes cidades: Itabuna, Ilhéus, Porto Seguro, Coaraci, Santa Cruz Cabrália, Teixeira de Freitas, Ibicaraí e Itamaraju.

Cada colégio conta com 35 vagas. O novo sistema de cotas irá criar uma 36ª vaga em cada uma das escolas (oito ao todo), denominada como supranumerária, que será reservada para transexuais, travestis e transgêneros.

Há também outras duas vagas supranumerárias, uma delas destinada a candidatos autodeclarados indígenas e outra para autodeclarados quilombolas. Nos três casos, os candidatos devem ter cursado integralmente o ensino médio em escolas públicas.

Ciclos

Após a formação multidisciplinar no Colégios Universitários, o estudante migra para uma das três sedes da UFSB, onde terão um primeiro ciclo de formação por meio Licenciaturas Interdisciplinares (LI), com duração de dois anos e um quadrimestre, ou de Bacharelados Interdisciplinares (BI), que têm duração de dois anos.

Passada esta fase, os estudantes seguem para um segundo ciclo de formação, já com direcionamento profissional. A UFSB tem cursos como medicina, direito, psicologia, serviço social e Engenharia Agrícola e Ambiental.

  • Lista de cursos

1º Ciclo

Licenciatura Interdisciplinar (LI)

Artes e suas tecnologias

Ciências da Natureza e suas tecnologias

Ciências Humanas e Sociais e suas tecnologias

Linguagens e Códigos e suas tecnologias

Matemática e Computação e suas tecnologias

Bacharelado Interdisciplinar (BI)

Bacharelado Interdisciplinar em Artes

Bacharelado Interdisciplinar em Ciências

Bacharelado Interdisciplinar em Humanidades

Bacharelado Interdisciplinar em Saúde

2º Ciclo

Campus Jorge Amado - CJA (Itabuna)

Engenharia Agrícola e Ambiental

Engenharia Florestal

Engenharia da Sustentabilidade

Campus Sosígenes Costa - CSC (Porto Seguro)

Antropologia

Artes do Corpo em Cena

Ciências Biológicas (Bacharelado)

Direito

História

Oceanografia

Som, Imagem e Movimento

Campus Paulo Freire - CPF (Teixeira de Freitas)

Medicina

Psicologia

Saúde Coletiva

Estudantes e professores baianos são premiado na maior Feira de Ciência e Engenharia do país

Projetos desenvolvidos em sala de aula renderam premiações a estudantes e professores da rede estadual de ensino na 16ª Feira Brasileira de Ciências e Engenharia (FEBRACE), realizada durante esta semana na Escola Politécnica da Universidade de São Paulo (Poli-USP). O resultado foi divulgado, nesta sexta-feira (16), e os projetos baianos se destacaram pela relevância e alcance social.

O projeto ‘Smartcam:  Dispositivo de segurança para ultrapassagem’, do Colégio Estadual Wilson Lins, em Valente, conquistou o Prêmio ABRITEC Certificado de Incentivo à Pesquisa Tecnológica e Científica da Associação Brasileira de Incentivo Tecnológico e Científico (ABRITEC) e o Prêmio da Revista InCiência. Já o projeto ‘Desvendando as regiões da Bahia através da criação de mangás’, do Colégio Edvaldo Brandão Correia, no bairro de Cajazeiras, em Salvador, conquistou o Prêmio Destaque da Associação Brasileira de Incentivo à Ciência (ABRIC).

“Os estudantes e os professores da rede estadual vêm se destacando em eventos nacionais, como a FEBRACE, e até em internacionais, mostrando como a escola está cada vez mais voltada para o estudo da Ciência direcionada para os problemas que ocorrem ao seu redor. Nós, na Secretaria, temos incentivado a iniciação científica justamente com este foco, fazendo com que o conhecimento gerado em sala de aula se volte em benefício das comunidades onde estes jovens vivem. A premiação destes projetos não é uma surpresa para nós, mas o justo reconhecimento do potencial dos nossos estudantes e do trabalho dos nossos educadores”, comentou o secretário da Educação do Estado, Walter Pinheiro.

O projeto “Smartcam: Dispositivo de segurança para ultrapassagem” foi desenvolvido pelos estudantes Ana Letícia Araújo Lima e Saulo Ferreira de Jesus Santana, orientado pelo professor Adaltro José Araujo Silva. Trata-se de uma câmera monitor, instalada no retrovisor externo do veículo, que serve de auxílio para o motorista na hora de realizar uma ultrapassagem. O aparelho auxilia e evita que o motorista faça movimentos ao tentar realizar uma ultrapassagem e evite acidentes. Para a criação do protótipo, foram realizados levantamentos e pesquisas com as Polícias Rodoviária Federal e Estadual e verificado que mais de 12% dos acidentes que ocorrem no trânsito são decorrentes desse movimento que os motoristas fazem durante a tentativa de ultrapassar.

Já o projeto ‘Desvendando as regiões da Bahia através da criação de mangás’ foi realizado pelos estudantes Bianca Rodrigues de Oliveira, 18, e Lucas Max Estrela Pinho, 18, e orientado pelos professores Jorge Lucio Rodrigues das Dores e Juciane Cerqueira de Souza. O projeto teve como base aulas de campo para a produção de um mangá (revista em quadrinho japonês) voltado para as regiões do Estado. O objetivo foi criar uma ferramenta paradidática para atrair os estudantes a aprenderem assuntos, que muitas vezes, eles não possuem uma proximidade física, possibilitando que eles sejam os protagonistas na construção do conhecimento.

Reconhecimento

A estudante Bianca Rodrigues falou sobre a emoção do momento. “Estou muito emocionada e feliz. Ganhar esta premiação é gratificante por toda a construção do projeto. Eu estou lisonjeada em representar o meu Colégio Edvaldo Brandão Correia e a educação pública da Bahia”. O professor Jorge Lucio Rodrigues também falou sobre o significado da premiação. “Este prêmio é a recompensa do esforço dos estudantes, professores e da escola e também é uma vitória da educação pública da Bahia, mostrando que nós estamos trabalhando no caminho certo”.

Esta é também a opinião do professor Adaltro José Araujo Silva, que orientou o projeto “Smartcam: Dispositivo de segurança para ultrapassagem". “Os prêmios que recebemos aqui na FEBRACE reforçam as ações da Secretaria da Educação do Estado e do Programa Ciência na Escola, pois somos fruto dele, mostrando que a educação transpassa os muros da escola”, comentou.

A coordenadora do Projeto Ciência na Escola, Shirley Costa, falou sobre o significado das premiações para a iniciação científica na rede estadual. “O Projeto Ciência na Escola cumpre o seu papel na motivação dos estudantes baianos para o caminho da pesquisa científica por meio da tecnologia. Aqui, fomos contemplados com uma premiação da FEBRACE que servirá de inspiração para outros estudantes continuarem fazendo história na Ciência”, afirmou.

 A Febrace

A Feira Brasileira de Ciências e Engenharia é um movimento nacional de estímulo ao jovem cientista, incentivo à cultura investigativa, que vem, desde 2003, descobrindo novos talentos, gerando oportunidades de inovação e empreendedorismo no Brasil. Além de ter um importante papel social incentivando a criatividade e a reflexão em estudantes da educação básica, através do desenvolvimento de projetos com fundamento científico, nas diferentes áreas das ciências e engenharia.

Representaram a rede estadual de ensino na FEBRACE, estudantes de Ilhéus, Itabuna, Poções, Salvador, Barreiras, Alagoinhas, Juazeiro, Valente e Vitória da Conquista.

>> Confira a lista dos projetos apresentados:

  • Ação antimicrobiana de extratos aquoso e etanólico de alfavaca (Ocimum Gratissimum) – Centro Estadual de Educação Profissional em Gestão e Tecnologia da Informação Álvaro Melo Vieira – Ilhéus.
  • Análise da eficiência do pó de pet como alternativo da cultura de espécies leguminosas – Colégio da Polícia Militar Antônio Carlos Magalhães – Itabuna.
  • As nascentes do rio das mulheres – Cuidar para não morrer – Colégio Estadual Eurides Santana – Poções.
  • Desvendando as regiões da Bahia através da criação de mangás – Colégio Edvaldo Brandão Correia – Salvador.
  • Gerenciamento dos resíduos sólidos orgânicos da produção de banana para desenvolvimento de bioetanol de segunda geração – Centro Territorial de Educação Profissional da Bacia do Rio Grande – Barreiras.
  • SAB – O caminho para combater o descarte indevido do lixo e os problemas ocasionados a comunidade alagoense – Colégio Estadual Deputado Luís Eduardo Magalhães – Alagoinhas.
  • Separador alternativo de resíduos: Recycling Truck – Colégio Modelo Luís Eduardo Magalhães – Juazeiro.
  • Smartcam:  Dispositivo de segurança para ultrapassagem – Colégio Estadual Wilson Lins – Valente.
  • Você tem atitudes sustentáveis? – Centro Juvenil de Ciência e Cultura (CJCC) – Vitória da Conquista.

Metodologia do Ensino Médio com Intermediação Tecnológica da Bahia será implantada no Espírito Santo

O Programa Ensino Médio com Intermediação Tecnológica (EMITEC) deverá ser adotado no Estado do Espírito Santo. A metodologia e a tecnologia do EMITEC, que leva o Ensino Médio aos estudantes que moram em áreas remotas da Bahia, foram conhecidas pelos técnicos do Espirito Santo, durante visita aos estúdios do programa, nesta quinta-feira (15), instalados no Instituto Anísio Teixeira, em Salvador.

Graças ao programa, a Secretaria da Educação do Estado da Bahia garante que os estudantes possam fazer e concluir esta etapa da vida escolar, com a vantagem de estudar perto de casa. As aulas são transmitidas, em tempo real, dos estúdios de TV instalados no Instituto Anísio Teixeira, em Salvador, para as salas de aula instaladas nas comunidades. Desde 2011, quando foi implantado, o EMITEC já formou 32.352 estudantes. Em 2017, o programa beneficiou 21.120 alunos, em 403 localidades, de 149 municípios da Bahia.

A instalação do EMITEC no Espírito Santo será realizada por meio de uma parceria técnica e pedagógica entre as secretarias de Educação da Bahia e do Espírito Santo. A iniciativa vai proporcionar aos jovens e adultos que moram em localidades distantes dos centros urbanos a oferta do Ensino Médio, além de atender a localidades que tenham deficiência em profissionais com formação específica em determinadas áreas do ensino.

Para a diretora do EMITEC, Letícia Machado, esta é uma forma de reconhecimento do trabalho e compromisso da Secretaria da Educação do Estado da Bahia com os estudantes baianos. “É a reafirmação de um trabalho de sete anos que vem dando bons frutos em nosso Estado, pois o programa vem obtendo grandes resultados”, declara.

A gerente de Ensino Médio da Secretaria da Educação do Espírito Santo, Andréa Guzzo Pereira, afirma que ficou surpresa com toda a metodologia e tecnologia aplicada no programa. “Conhecer, na prática, essa experiência exitosa que é referência no Brasil é muito importante, pois, apesar de sermos de redes diferentes, a Bahia traz um objetivo próximo ao nosso, que é ir onde os estudantes estão em localidades mais complexas, como a zona rural, e isso casou com o nosso interesse em suprir essa demanda no nosso Estado”, revela.

O gerente de Tecnologia da Informação, da SEDU, Flávio Ramos, entente que “o EMITEC é uma ferramenta muito eficiente, pois leva a todos os cantos do Estado uma metodologia eficiente. A gente pretende levar para o Espírito Santo essa mesma tecnologia com o intuito de diminuir a evasão escolar, garantindo a qualidade do aprendizado dos nossos estudantes, principalmente, das escolas da zona rural, com a mesma qualidade do ensino que a gente exerce na capital”, explica.

As aulas do EMITEC são realizadas nos turnos matutino, vespertino e noturno e as avaliações são presencias, aplicadas sob a supervisão de um mediador.

 

Fonte: G1/Ascom Educação/Municipios Baianos

Comentários:

Comentar | Comentários (0)

Nenhum comentário para esta notícia, seja o primeiro a postar!!