03/04/2018

Corte de verbas prejudica a pesquisa acadêmica na UFBA

 

“É mais fácil ganhar na loteria, do que conseguir uma bolsa no CNPq (Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico) para pesquisa atualmente”. A declaração do pró-reitor de Pesquisa, Inovação e Criação da Universidade Federal da Bahia (Ufba), Olival Freire, dá uma ideia das dificuldades enfrentadas por quem busca subsídios para desenvolver atividades acadêmicas na área da produção de conhecimento avançado.

O quadro decorre da crise que atinge as agências de fomento à pesquisa, entre as quais está o CNPq, que atua na área científica e tecnológica e na formação de recursos humanos especializado no País.

Outras instituições atingidas são a Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior (Capes), que trabalha para a expansão e consolidação da pós-graduação stricto sensu e a Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado da Bahia (Fapesb).

A redução das verbas está relacionada às "alternativas" que o Governo Federal vem buscando para diminuir o engessamento no orçamento, conforme estudo divulgado na última semana pelo lo Tesouro Nacional.

A Lei Orçamentária Anual de 2017 (LOA) previa recursos da ordem de R$ 5 bilhões para o Ministério da Ciência, Tecnologia, Inovações e Comunicações, o que já era uma queda de 40% do valor praticado nos dois anos anteriores. Em março de 2017, o governo contingenciou cerca de 44% do orçamento ligado à ciência, fazendo os R$ 5 bilhões diminuírem para R$ 2,8 bilhões.

“É uma situação dramática esta que as áreas de ciência, tecnologia e educação estão vivendo”, é o que garante Nelson Pretto, professor titular da Faculdade de Educação da Ufba. De acordo com Nelson, a defasagem entre o investimento aplicado e o número de bolsistas e pesquisadores pode causar um colapso no sistema.

A equipe de A Tarde não recebeu retorno da Fapesb, do CNPq e da Capes a respeito do tema, até o fechamento dessa reportagem.

Início de disciplina sobre o Golpe de 2016 terá aula-ato na Ufba

Será na quinta-feira, dia 5, a aula-ato inaugural do curso “O Golpe de 2016 e o futuro da Democracia no Brasil”, no auditório da Faculdade de Filosofia e Ciências Humanas da Universidade Federal da Bahia (Ufba), em São Lázaro. O evento se anuncia em defesa da democracia e da universidade e comemora o indeferimento, pela Justiça, do pedido de liminar feito pelo vereador Alexandre Aleluia (DEM), que sob o argumento de que a disciplina estaria sendo utilizada para fins político-partidários moveu uma ação popular contra o professor Carlos Zacarias de Sena Junior e contra a UFBA, numa tentativa de impedir que o curso fosse dado.

O ato do dia 5 contará com a presença dos 23 professores da Ufba que darão aulas na nova matéria, e também de Luis Felipe Miguel, da Universidade de Brasília (UnB), autor da proposta original da disciplina, já oferecida em 47 universidades brasileiras e três estrangeiras.

– Felizmente o juiz usou do bom senso e garantiu que o artigo 207 da Constituição, que trata da autonomia universitária, não vá ser ferido. Resistimos e estamos certos de que após vencer essa primeira batalha na Justiça venceremos também outras que forem necessárias – afirma Carlos Zacarias, que é o coordenador da disciplina.

Na decisão que indeferiu o pedido de liminar, o Juiz Iran Esmeraldo Leite, da 16ª Vara Federal, afirma que “a discussão ampla e plural de ideias sobre momentos históricos importantes para o país é inerente ao meio acadêmico e encontra na Universidade lugar ideal”.

Até julho

Com 123 alunos matriculados, o curso será oferecido às quintas-feiras, às 14h, na Faculdade de Filosofia e Ciências Humanas, com previsão de encerramento da primeira turma no final de julho.

“A vida e o trabalho de nosso pai significaram muitas coisas para muitas pessoas, religiosas e não religiosas. Por isto, a cerimônia reflete a amplitude e diversidade de sua vida”

Uneb reduz impacto com investimentos próprios

A redução dos investimentos em ciência e tecnologia também impacta nos repasses para a Universidade Estadual da Bahia (Uneb). De acordo com o Gerente de Pesquisa da Pró-Reitoria de Pesquisa e Ensino de Pós-Graduação da Uneb, Eduardo Jorge, a situação na universidade só não é pior por conta dos investimentos feitos com recursos da própria instituição.

“Vamos lutar para aumentar o número de bolsas de Iniciação Científica e Iniciação Tecnológica. A quantidade de bolsas da Fapesb (99 bolsas) e do CNPq (150 bolsas) para Iniciação Científica é de 50% a outra metade a Uneb provê com recursos próprios”, disse.

De acordo com Eduardo, a defasagem no valor pago da bolsa também é um problema que os estudantes passam na Universidade Estadual da Bahia.

“Trabalhamos na Uneb com uma abordagem contemporânea de ensino. As habilidades e competências necessárias para os alunos atuarem no mercado do futuro devem mudar de formações conteudistas para uma formação focada em competências. Porém, o valor baixo da bolsa de 400 reais, sem direitos adicionais, é um complicador para o aluno conseguir permanecer na Universidade e realizar a sua pesquisa”, reconhece Eduardo.

O Gerente de Pesquisa acrescenta ainda que “a quantidade de bolsas para os mestrados profissionais é ínfima e não atende ao quantitativo de alunos desses programas”.

A preocupação é reforçada pelo pró-reitor de Pesquisa, Inovação e Criação da Ufba, Olival Freire, que vê prejuízos para toda uma cadeia do processo científico.

UFRB abre 110 vagas de curso para pessoas com idade a partir de 45 anos

Pessoas com idade igual ou superior a 45 anos, que não tenham curso superior, podem se inscrever até o dia 16 de abril para o Programa Universidade Aberta à Maturidade (Promat), da Universidade Federal do Recôncavo da Bahia (UFRB).

Ao todo, são 110 vagas em 24 componentes curriculares de cursos de graduação para o semestre 2018.1. Os cursos, na forma de extensão, ocorrerão nas cidades de Cachoeira, Cruz das Almas, Feira de Santana, Santo Amaro e Santo Antônio de Jesus.

Conforme o G1, após o curso, o estudantes receberá certificação. Para se inscrever, os interessados devem preencher o formulário de inscrição disponível no site da Proext. Ainda segundo a instituição, no caso de haver mais candidatos que vagas, aqueles com mais idade serão priorizados. O resultado da seleção será divulgado no dia 23 de abril. Já as atividades terão início a partir do dia 30 de abril.

O Projeto Universidade Aberta à Maturidade tem como objetivo possibilitar vivências do público da maturidade no universo acadêmico, como também integrar adultos e idosos como discentes de extensão no desenvolvimento de ações de ensino e de extensão universitária na UFRB.

UNE começa caravana em defesa da educação pública: ‘Estratégico para resolver problemas’

A União Nacional do Estudantes (UNE) dá início neste mês de abril à caravana ‘UNE Volante – Uma universidade chamada Brasil’, para defender as universidades públicas.

A bandeira é prioridade da organização, após assunção do governo Michel Temer, não reconhecido pela entidade. De acordo com a presidente nacional da UNE, Marianna Dias, a ideia da caravana é mobilizar os estudantes sobre a importância da universidade pública para superar a crise política, institucional e social que foi instalada no Brasil.

“Por enxergar a universidade como um instrumento estratégico para resolver os problemas, outros tantos, que existem no Brasil, é que a gente tem tratado como prioridade a defesa da universidade pública”, disse a baiana de 25 anos, estudante de Pedagogia na Universidade do Estado da Bahia (Uneb).

À frente da UNE desde o ano passado, quando foi eleita, Marianna conversou com o Bahia Notícias sobre a articulação da entidade desde o pós-impeachment, quando o novo governo trouxe mudanças que impactam investimentos na educação e saúde pública, até este ano eleitoral.

A presidente da UNE também deu detalhes sobre o tema da 20ª bienal da organização, que deve acontecer em Salvador em janeiro de 2019, com a participação de Gilberto Gil.

Escolas constituem comissões para eleição de líderes de classe

Os estudantes de todas as escolas estaduais da Bahia irão eleger, entre os dias 9 e 12 de abril, os líderes e vice-líderes de classe, que passarão a atuar como interlocutores das turmas junto à comunidade escolar. Para isso, nesta segunda (2) e terça-feira (3), está sendo constituída uma comissão eleitoral em cada unidade escolar, que ficará responsável por organizar e fiscalizar todo o processo eleitoral.

No Centro Educacional Monteiro Lobato, localizado em Firmino Alves, no sul da Bahia, a comissão eleitoral já foi formada, com representantes dos alunos, professores, funcionários e das famílias. “A comissão tem um papel muito importante na eleição de líderes de classe, pois iremos viabilizar a realização de todo o processo eleitoral de forma consciente e democrática. Uma das nossas ações será ouvir as propostas de cada um dos candidatos, em cada sala de aula”, destaca a professora e vice-diretora, Sicleide Cintra, que está exercendo a função de presidente da comissão eleitoral.

O estudante Rodrigo de Jesus, 19 anos, 3° ano, é um dos candidatos da turma. Caso seja eleito, este será o segundo ano como líder de classe. “Atuei como líder no ano passado e acredito que fiz um ótimo trabalho, pois o meu objetivo de incentivar os colegas aos estudos e a participarem dos projetos estruturantes foi alcançado. Agora, tenho mais experiência para exercer esta função e ajudar toda a comunidade escolar”, afirma o candidato.

Quem também está na expectativa da eleição é Eduardo Bonfim, 16, 2° ano. “Esta é a primeira vez que sou candidato e estou muito animado porque quero ajudar meus colegas no que for necessário. Já estou pensando nas propostas que apresentarei na campanha”, ressalta.

 

Fonte: A Tarde/BN/Ascom Educação/Municipios Baianos

Comentários:

Comentar | Comentários (0)

Nenhum comentário para esta notícia, seja o primeiro a postar!!