01/05/2018

Juazeiro: Espetáculo musical ‘Cabra Cega’ no CCJG

 

Neste final de semana, dias 04, 05 e 06 de maio, a partir das 20 horas, no Centro de Cultura João Gilberto em Juazeiro, estará em cartaz o espetáculo musical “CABRA CEGA”. “O espetáculo é uma flecha de cada brasileiro que grita cotidianamente FORA TEMER!  O espetáculo provoca os eleitores de olhos vedados (cabras cegas) a fazer uma reflexão do quanto é importante se educar politicamente” expressou o diretor artístico do espetáculo Hértz Félix em contato com o Blog.

“Considerando que no Brasil a conjuntura atual é caracterizada por uma profunda crise política institucional que ameaça as conquistas democráticas, rompendo com o pacto social realizado nas últimas décadas, bem  como o respeito aos valores humanos básicos,  e que o momento atual que a sociedade brasileira atravessa é delicado e exige acima de tudo uma reflexão aprofundada isenta de paixões e partidarismos, apresentaremos o grande Musical CABRA CEGA, reforçando o apoio ao combate às injustiças e a corrupção no Brasil” pontuou Hértz.

Sob a direção geral de Alan Cleber, o espetáculo tem a produção artística e executiva de Hertz Félix e Katia Gonçalves e no elenco: Elder Ferrari, Joyce Guirra, Ivan Leão, Carlinhos Tapioca, Elisângela Moura e Rodrigo Leal.

Hospital Regional de Juazeiro realizará  mutirão de consultas de Cirurgia Geral 

Seguindo a programação de mutirões, o Hospital Regional de Juazeiro (Gestão APMI) realizará na próxima sexta-feira (04), mais uma etapa de atendimento de consultas médicas na especialidade de Cirurgia Geral.  As consultas serão para triagem de pacientes para cirurgia geral e pequenas cirurgias. Os pacientes que necessitarem deste tipo de atendimento devem comparecer a unidade no próxima sexta-feira, a partir das 7:00 horas para a realização do cadastro. As consultas médicas começarão a partir das 12:00 horas.

O HRJ  desempenha um papel de grande importância na região do Vale do Médio São Francisco e desde o ano passado tem realizado uma intensa agenda de mutirões, tanto de consulta médicas e multiprofissionais, quanto de procedimento cirúrgicos, otimizando o atendimento de pacientes para que a unidade atinja alto grau de resolutividade.

Os pacientes que precisam realizar esse tipo de atendimento devem comparecer  na próxima sexta-feira (04) à unidade portando o cartão SUS e documento de identidade (RG).

Governo reforça Agricultura familiar no Território do Velho Chico

O desenvolvimento rural foi reforçado no município de Carinhanha, às margens do Rio São Francisco, com a entrega, na manhã desta segunda-feira (30), pelo governador Rui Costa, de 712 certificados do Cadastro Ambiental Rural (CAR) e a assinatura de convênio do Bahia Produtiva, beneficiando mais de 40 famílias da localidade de São João, no valor de 403,5 mil.

Rui entregou ainda um trator para a Associação de Produtores Rurais de Baixa do Tribe, e anunciou a construção de um Posto de Saúde, no distrito de Angico, onde o evento foi realizado. O governador disse também que, ainda este ano, será feita a estrada que liga o distrito de Angico à BA-161. Ações reforçam a Agricultura familiar no Território de Identidade do Velho Chico.

Rui destacou que a Bahia é o estado brasileiro com o maior número de produtores rurais. “Os certificados de regularidade ambiental obedecem a uma lei federal que obriga a todos os produtores rurais terem este documento. Os grandes produtores têm condição de fazer isso por conta própria, contratando um consultor. E nós estamos entregando estes certificados gratuitamente, para que os pequenos produtores possam ter esse documento também, e, assim, ter acesso ainda a recursos e financiamentos". Segundo o governador, estão sendo aplicados R$ 37 milhões para que todos os produtores rurais possam ter o documento, do qual já foram entregues cerca de 340 mil unidades em toda a Bahia.

A entrega de tratores foi outro benefício para os pequenos produtores da região. O presidente da Associação dos Produtores Rurais de Baixão do Tribe, Juracir Alves dos Santos, disse que o trator é capaz de fazer o trabalho de até 20 famílias em apenas um dia. “A comunidade tem umas 80 famílias, mais cerca de 100 famílias ao redor. A máquina vai melhorar para todos nós. Vamos poder produzir os alimentos, vender e vai facilitar a nossa produção”. Acompanhou o governador durante e ação o secretário estadual de Desenvolvimento Rural, Jerônimo Rodrigues.

O posto de saúde anunciado pelo governador Rui Costa vai substituir o que funciona atualmente em uma casa antiga, adaptada. “Então, eu quero anunciar a parceria para construir aqui um Posto de Saúde. Podem procurar o secretário Fábio Vilas-Boas [da Saúde do Estado]. Já tem a planta padrão. Vocês só têm que levar a documentação do terreno para começar a construção”.

Água para todas as comunidades rurais

Rui também entregou um Sistema de Abastecimento de Água, construído pela Companhia de Desenvolvimento do Vale do São Francisco (Codevasf). São ao todo cinco subsistemas, beneficiando diversas comunidades, entre elas, a de Angico. Pela importância da água, o governador convidou os vereadores e lideranças de todos os partidos do município para uma parceria, com o objetivo de levar água a todas as comunidades rurais que ainda não têm água potável. “Vocês podem procurar a Cerb [Companhia de Engenharia Hídrica e de Saneamento da Bahia], a Embasa [Empresa Baiana de Águas e Saneamento] para fazer essa parceria, para levarmos saúde e vida para todas as pessoas”.

Os cinco sistemas beneficiam os distritos de Angico, Itumirim, Baixa do Meio, Boa Sorte, Bom Sucesso, Lagoa das Bombas, Lagoa das Pedras, Lagoa de Cima, Lagoa de Fora, Maninho, Salto dos Bois e Tábua, totalizando 2,2 mil pessoas beneficiadas. “Aqui em casa mora um feixe de gente. Pra saber quantas pessoas são, só na hora da dormida ou na hora do café, e, mesmo assim, se não faltar ninguém”, afirma a agricultora familiar Maria Rosa Lima Meira, do distrito de Angico.

Dedo em riste, personalidade forte, dona Maria fez questão de dizer que aos 62 anos ainda trabalha, e conta como a água melhorou a vida dos moradores da localidade. “Sem água, a gente não vive. A gente bebia água do rio, sem tratar, e quando chovia, só saía lama nas torneiras. Então, antes das chuvas, a gente tinha que armazenar naquelas botijas, para ter água limpa em casa. Agora não precisa mais, porque a água está vindo limpa e tratada”.

Inaugurada em Casa Nova a sua primeira faculdade

A inauguração do campus da Faculdade Alfredo Nasser em Casa Nova concretiza um sonho acalentado por décadas por seus cidadãos e prometido centenas de vezes pelos políticos nos últimos 50 anos.

Tornado realidade pelo atual prefeito, o Diretor Geral da UNIFAN, Professor Alcides Ribeiro, registrou que na sexta-feira (27/04), completou-se exatos dez meses da assinatura do protocolo de cessão. O campus da UNIFAN – Casa Nova,  inicia com cinco cursos: Administração de Empresas; Ciências Contábeis; Matemática; Agronegócio e Pedagogia e acrescenta ainda este ano letivo, mais três cursos na área de saúde.

Na noite de sexta-feira, centenas de pessoas de Casa Nova, Remanso e de diversas cidades vizinhas, se encantaram com as dimensões dos prédios da Faculdade e presenciaram o prefeito, o Deputado Federal Elmar Nascimento, empresários, como Wallison Torres, o Tum; lideranças comunitárias, vereadores, ex-prefeitos se emocionarem com a realidade concreta de uma Faculdade, conceituada nacionalmente, se instalando em Casa Nova.

Quem resumiu magistralmente o momento foi o prefeito Wilker: “Se meu mandato acabasse hoje, já estaria plenamente realizado com a instalação da UNIFAN em Casa Nova”.

Pilão Arcado, Remanso e Campo Alegre já pertenceram por vários séculos ao estado de Pernambuco

Com certeza você já ouviu isso, amigo, mas acha difícil compreender como era possível…  Uma imagem vale mais que mil palavras: por isso colocamos aqui  um mapa bem simples e fácil de entender, que mostra a capitania de Pernambuco conforme era seu espaço geográfico criado pela Carta de Évora, que foi o documento de doação desta capitania ao donatário Duarte Coelho Pereira.

 Assinada em 10 de março de 1534 (século 16), na cidade portuguesa de Évora, pelo rei de Portugal D. João III, o criador do sistema das capitanias hereditárias no Brasil, esse documento determinava o território por onde se estenderia a capitania de Pernambuco: iniciava-se à margem do oceano Atlântico, como é até hoje, seguia, pela esquerda o ângulo formado   pelo rio São Francisco – onde justamente fica a nossa área, que é hoje o Oeste da Bahia –  abrangendo até a foz do rio Carinhanha, onde se encontra a cidade de Carinhanha BA, na divisa com Minas Gerais.

Por que a nossa região deixou de pertencer a Pernambuco? Devido a uma revolução liderada pelos pernambucanos contra D. Pedro I, em 1824, quando este dissolveu a Assembleia Constituinte, por ele mesmo convocada para escrever a Constituição Brasileira após proclamar a independência do Brasil, em 1822.

Os pernambucanos tinham um forte desejo de liberdade e já haviam perdido em 1818 a Comarca de Alagoas – atual estado de Alagoas – devido a uma rebelião no tempo em que o rei de Portugal, D. João VI, ainda se encontrava no Brasil. Você pode ver essa comarca de Alagoas, à beira-mar, assinalada por uma linha pontilhada, no mapa em estudo.

Com a nova revolta armada, que intentava tirar do Brasil não só Pernambuco, como parte dos estados vizinhos, criando uma república, denominada Confederação do Equador, D. Pedro I enviou tropas, que venceram a rebelião. Em represália, tirou de Pernambuco todo o território que constituía a Comarca do rio São Francisco, anexando-o a Minas Gerais, que ficava ao sul, tendo como divisa o rio Carinhanha.  No citado mapa, está destacada essa comarca que já foi de Pernanmbuco através de uma linha pontilhada.

Mais tarde, aborrecendo-se com os mineiros, excluiu a citada Comarca de Minas Gerais, anexando-a à Bahia, onde se encontra até hoje.

Examinado o citado mapa, você entenderá facilmente esse processo, em que D. Pedro I revidou aos, pernambucanos pela revolução contra seu governo. Entretanto, a Constituição do Império brasileiro, escrita por uma comissão escolhida pelo próprio D. Pedro, após destituir a primeira, que teve seus membros escolhidos por votação popular, na primeira eleição que houve no Brasil, não dava ao Imperador o direito de retirar partes de uma província – nome dado durante o Império aos atuais estados – e anexá-la a outra, conforme foi feito pelo Imperador. Sendo inconstitucionais, os atos de D. Pedro I no presente caso foram ilegais, mas continuam valendo…

Na segunda foto, da autoria de Napoleão Austregésilo de Macedo, no final da década de 1990, vemos, ao fundo muitas embarcações no porto de Barreiras, que ainda existia, e à frente da foto, uma canoa de pescadores, em que um deles lança a rede de pesca, colhida magistralmente pela perícia fotográfica do seu autor. (Napoleão Austregésilo de Macedo era filho único de Napoleão de Mattos Macedo.)

Foto e texto do acervo da historiadora Ignez Pita.

 

 

Fonte: BlogdoGeraldoJosé/Ação Popular/Secom Bahia/Blog Thiago Peixe/Municipios Baianos

Comentários:

Comentar | Comentários (0)

Nenhum comentário para esta notícia, seja o primeiro a postar!!