10/05/2018

“Chapa da oposição está quase toda formada”, diz Bruno Reis

 

O vice-prefeito de Salvador, Bruno Reis (DEM), sinalizou ontem que a chapa majoritária do pré-candidato ao governo, José Ronaldo (DEM), está praticamente definida. O democrata, no entanto, não quis mencionar os nomes que vão estar na composição.  “Conversas, têm. Especulações, muitas. Mas ainda estamos sem definições”, disse. Atualmente, entre as possibilidades ventiladas para as vagas ao Senado, estão a vereadora Ireuda Silva (PRB) e o do deputado federal Irmão Lázaro (PSC). Bruno também mencionou Jutahy Magalhães Jr. (PSDB), apostando que os tucanos se unirão em torno de José Ronaldo. A vice, no entanto, ainda é uma incógnita.

“Faz parte da política o governo definir a chapa deles para depois definirmos a nossa”, avisou, fazendo alusão ao grupo do governador Rui Costa (PT). “Enquanto não houver uma definição do lado de lá, não haverá uma do lado de cá. Temos diversas alternativas nos mais diversos partidos. Posso assegurar que a chapa está quase completamente formada”, afirmou antes da cerimônia em que o prefeito ACM Neto (DEM) assinou a ordem de serviço para a construção de uma unidade de saúde em Vila Canária.

“Há nos partidos um consenso comum de que os nomes serão os que tiverem mais chance de vencer as eleições. Nenhum partido está impondo. Agora é natural que esses nomes saiam dos partidos que compõem a aliança. Hoje são mais de 14 partidos que compõem a base de sustentação da Prefeitura na Câmara Municipal”, disse. “Os nomes especulados são grandes nomes e têm grandes possibilidade de ser. Lázaro, Ireuda, Jutahy, Joseph Bandeira... Têm muitos cogitados. E espero que haja unidade [de todos os partidos de oposição”, acrescentou o vice-prefeito, assegurando que têm a “convicção” de que o pré-candidato tucano, João Gualberto (PSDB), desista de uma chapa própria e mude de lado.

Procurado pela Tribuna na semana passada, Irmão Lázaro informou que está negociando com os grupos de Zé Ronaldo e Gualberto. “O partido tem todo o interesse. Tenho todo interesse de fazer parte da chapa majoritária. Temos conversado com os dois pré-candidatos, que têm excelente aceitação. Estamos conversando e esperando o momento certo”, disse. Já Ireuda afirmou que  não sabe como andam as conversas. “Sei que o PRB tem a mim como uma das possibilidades de compor a majoritária ao Senado, e também soube que isso era visto com muita simpatia pelo prefeito ACM Neto. Independentemente do que venha a acontecer, me sinto preparada para o desafio e reafirmo que estou à disposição do meu partido”, declarou.

Bruno Reis discorda de Neto e quer nome para vice fora de Salvador

O vice-prefeito de Salvador, Bruno Reis (DEM), discordou do prefeito ACM Neto na composição da chapa majoritária da oposição. Na vaga para vice-governador, Reis sugere nomes fora de Salvador, além de outros partidos. Isso porque seu nome foi cogitado, por diversas vezes, para o cargo.

Em entrevista ao programa Se Liga Bocão na rádio Itapoan FM, na noite desta quarta-feira (9), o vice-prefeito citou os nomes de deputado federal Irmão Lázaro (PSC), a vereadora Ireuda Silva (PRB) e Joseph Bandeira (Solidariedade). “Eu acho que o vice tem que sair de outro partido da aliança. Existem nomes do PSC, como Irmão Lázaro, do PRB de Ireuda, Joseph Bandeira do Solidariedade. Não necessariamente um nome de Salvador. Discordo dessa tese. Discordo dessa tese. Tem que ser um nome forte, que tenha valor, resultado. Um nome que represente a Bahia como um todo”, afirmou.

Segundo Bruno Reis, a formação da chapa só será divulgada após o governador Rui Costa informar quem estará ao seu lado. Bruno compartilha da tese de que o governo precisa primeiramente se apresentar para depois a oposição. “Ainda é cedo para decidir o nome. É normal quem está no campo da oposição possa até se arrumar após as definições quem está no governo. Quando o governo apresentar a chapa deles é que vamos apresentar a nossa. Nomes não faltam. É verdade que meu nome é lembrado que eu posso ser vice, é motivo de orgulho. Meu nome está sendo lembrando é uma honra”.

O vice-prefeito ainda falou sobre sua candidatura à prefeito em 2020. Reis desconversou e disse que está pensando, primeiramente, em 2018.

Desânimo de Bruno Reis chama atenção e preocupa aliados

Desde o anúncio oficial do prefeito ACM Neto (DEM) de que não renunciaria à Prefeitura de Salvador para se candidatar a governador, a mudança no comportamento do vice-prefeito Bruno Reis (DEM) chama atenção de aliados e pessoas próximas.

Segundo informações obtidas pelo bahia.ba de dois integrantes da base do democrata, é visível o desânimo que tomou conta do vice-prefeito desde o início do mês passado. É possível notar, inclusive, de acordo com as fontes, uma mudança de postura do ex-emedebista.

Principal articulador do grupo político de Neto, Bruno Reis fazia dezenas de reuniões com diferentes lideranças da base do democrata todas as semanas. Agora, ele colocou o “pé no freio”, relata um dos interlocutores.

O vice-prefeito, que mergulhou profundamente na tentativa de viabilizar uma chapa forte para que Neto pudesse concorrer ao Palácio de Ondina, atualmente tem evitado muitas audiências diárias e já não é tão acessível como antes.

Uma das incertezas é, por exemplo, como Bruno Reis, que foi um dos grandes responsáveis para que Léo Prates (DEM) se tornasse o candidato único da base na eleição para presidente da Câmara Municipal, em 2017, se comportará neste pleito da CMS.

O vice-prefeito já disse publicamente que alimentou o sonho de ser o prefeito de Salvador. Os planos ficaram mais distantes com o recuo de Neto em relação à candidatura a governo do Estado.

Bruno Reis tranquiliza bancada e promete solução para chapão

O vice-prefeito de Salvador, Bruno Reis (DEM), reuniu-se na terça-feira (8) com os deputados da oposição na Assembleia Legislativa da Bahia (AL-BA) e apaziguou os ânimos dos parlamentares em relação ao temor geral de redução da bancada nestas eleições.

De acordo com o apurado pelo Bahia Notícias, o democrata mostrou um cenário favorável para o bloco e conseguiu convencer os aliados de que a bancada manterá o número atual, de 20 deputados, ou até ampliar para 22.

Ainda segundo as informações obtidas pela reportagem, para isso, Bruno prometeu colocar na disputa pela AL-BA vereadores e suplentes de municípios como Salvador, Feira de Santana, Camaçari e Vitória da Conquista que tenham alto potencial de votos.

Com isso, a chapa teria uma quantidade de votos maior, ampliando as possibilidades de eleição de deputados da bancada. Até o PRB, presidido na Bahia pela deputada federal Tia Eron, teria se comprometido a colocar candidatos com, em média, 15 mil a 20 mil votos, para fazer "escadinha" a outros com maior potencial eleitoral. Esta seria uma forma de reduzir a rejeição da bancada a coligar com a sigla.

Da capital baiana, o vice-prefeito citou nomes como os de Paulo Magalhães Jr. (DEM), Maurício Trindade (DEM), Alexandre Aleluia (DEM), Sabá (PV), Orlando Palhinha (DEM) e Pedrinho Pepê (MDB) – o partido deste último, no entanto, não tem no horizonte coligar com as siglas do chapão da candidatura de Zé Ronaldo (DEM), já que tem João Santana como candidato próprio ao governo.

Os nomes citados pelo vice-prefeito, no entanto, já vinham sendo cogitados para concorrer à AL-BA.

Após a conversa com Bruno, os parlamentares se mostraram aliviados, revelou uma fonte ao BN. “Depois disso, passamos a achar a coligação com os partidos da chapinha até um mal negócio”, brincou, em referência à polêmica criada pelas legendas menores, que não querem fazer parte do chapão, em oposição à vontade das agremiações maiores.

Cotada a vice de Ronaldo, Taíssa admite que pode deixar disputa pela AL-BA

A ex-secretária de Política para as Mulheres, Infância e Juventude, Taíssa Gama (PTB), admite a possibilidade de deixar a pré-candidatura de deputada estadual para assumir outra: a de vice na chapa de José Ronaldo (DEM).

“Hoje eu sou candidata a deputada estadual. Mas se for algo em prol do grupo. Se for um nome aceito pelo grupo e pela sociedade, não veria problema em deixar a disputa, mas hoje sou pré-candidata à AL-BA”, definiu.

Questionada pelo Bahia Notícias, Taíssa Gama negou, no entanto, que uma conversa formal tenha sido realizada entre ela e os articuladores de Zé Ronaldo. O mesmo foi feito pelo presidente do partido e seu pai, Benito Gama (PTB).

“A gente ouviu falar, mas não tivemos uma conversa formal sobre isso, não”, disse Benito. O deputado federal ainda afirmou estar esperando uma definição das chapas de José Ronaldo e João Gualberto (PSDB). “Eu acho que isso deve ocorrer nos próximos três dias”, opinou.

Gualberto diz que falta de definições na oposição provoca incertezas nas negociações

O pré-candidato ao governo do Estado, João Gualberto (PSDB), atribui as incertezas para composições das chapas de oposição às várias pré-candidaturas do grupo.

“Na minha chapa nós temos o melhor nome, que é Jutahy Magalhães para o Senado. Outros nomes são mais difíceis porque depende dos outros partidos. Tem uns que podem ser para uma chapa ou para outra. Por isso, vamos esperar mais um pouquinho”, afirmou Gualberto.

Com relação à certeza de sua candidatura, o tucano afirmou que, por ele, era 100% de certeza. “Mas não depende só de mim. Existem outros cenários, como a conjuntura nacional, por um exemplo”, destacou.

MDB vai atrás de PHS; partido humanista tem reunião com PSL, PMB, PTC e PPC

O presidente do MDB na Bahia, João Santana, afirmou ao Bahia Notícias, nesta quarta-feira (9), que vai atrás do PHS para uma coligação. “Vai ser um dos primeiros que vamos procurar”, disse.

O partido, comandado na Bahia por Junior Muniz, integra hoje a base do prefeito ACM Neto (DEM), mas a relação está estremecida e ameaça deixar o arco de aliança. “Vamos conversar sim. Qualquer um presidente de partido que queira, vamos ouvir”, disse Muniz, ao portal.

Ele contou também que tem uma reunião marcada, nesta quarta, na Assembleia Legislativa da Bahia (AL-BA), com o PSL – de Jair Bolsonaro –, PMB, PTC e PPC. “Foi Toninho [presidente municipal do PSL em Salvador] que me convidou. Vamos discutir coligações”, informou.

Crítico do “chapão” que o grupo de ACM Neto quer impor, o dirigente partidário disse que “sai até só”, se o pleito não for atendido. “O partido está bem organizado. Não vamos correr risco no chapão”, completou.

Temer ‘incentivou’ candidatura e virá para Conquista em junho, afirma João Santana

O pré-candidato ao governo do Estado pelo MDB, João Santana, afirmou nesta terça-feira (8) que o presidente Michel Temer disse ser “entusiasta” de sua candidatura, durante reunião entre os dois ocorrida na segunda à noite (7), em Brasília.

“Foi uma reunião muito boa, de três horas. Ele foi um incentivador da minha candidatura e prometeu me ajudar, na medida do possível”, relatou, em entrevista ao Bahia Notícias. No encontro, que teve a presença de pré-candidatos ao governo do partido em outros estados, Temer prometeu também vir para Vitória da Conquista, no sudoeste baiano, em junho.

“O presidente vem vistoriar algumas obras federais na cidade. Ele ficou de vir até o dia 10 de junho, mas agenda de presidente a gente sabe como é. Então, ainda não dá para confirmar nada”, disse o emedebista. Na cidade, o presidente visitará obras como a do aeroporto, a da Avenida José Pedral Sampaio e na BR-116. Sobre a montagem da chapa majoritária, o pré-candidato adiantou que pensou em um nome específico para uma vaga no Senado, apesar de ainda não ter feito o convite. Ele não quis revelar quem, mas adiantou que a pessoa tem ligações antigas com o MDB e que, com a indicação dela, prestigiaria uma região no interior do estado. Em relação às conversas com outras siglas, afirmou que elas estão se encaminhando para o fim, sem citar, no entanto, com quais delas. “Como viajei esses dias, deixei um grupo encaminhar e até ultimar as conversas”, revelou.

 

Fonte: Tribuna/Bahia.ba/BNews/BNMunicipios Baianos

Comentários:

Comentar | Comentários (0)

Nenhum comentário para esta notícia, seja o primeiro a postar!!