11/05/2018

Prefeitura de Gandu sofre bloqueio de R$ 600 mil

 

A Prefeitura Municipal de Gandu sofreu um bloqueio de recursos do Fundo de Participação dos Municípios, o montante foi de quase 600 mil reais.

O bloqueio segundo o processo é devido a uma ação impetrada por cerca de 60 Agentes Comunitários de Saúde do Município de Gandu que propuseram em 2013, reclamação trabalhista tombada, buscando o pagamento de diferenças do percentual do adicional de insalubridade.

A Administração Púbica, desde 2015, não promoveu a alteração do valor pago a título de insalubridade em contracheque (de 10% para 20%), ou seja, de lá pra cá, mensalmente, cada agente de saúde que integrou a ação, vem acumulando valores a título de diferenças do adicional de insalubridade.

A Prefeitura de Gandu segue um planejamento financeiro baseada na previsão anual de receita, mas, imprevistos, como esse acarreta um prejuízo financeiro irreparável para os cofres públicos. Preocupado com situação, o prefeito Leonardo Cardoso destacou que a prefeitura terá que se reorganizar e economizar mais ainda para manter as contas em dia.

Golfinho é encontrado morto em praia de Itacaré

Moradores encontraram, na manhã desta quinta-feira (10), na praia da Coroinha, em Itacaré, um golfinho morto.

De acordo com agentes da Secretaria Municipal de Meio Ambiente, o animal mede quase dois metros de comprimento e o seu corpo apresentam ferimentos, que podem ter sido provocados por redes usadas por pescadores.

Suspeita-se que o golfinho morreu afogado, após ficar preso às redes. Segundo o Projeto (a) mar, é muito provável que o animal tenha ficado sem conseguir subir até a superfície da água para respirar.

Mas as causas da morte só serão conhecidas depois do resultado da necropsia. O corpo do animal será removido pela Secretaria de Meio Ambiente de Itacaré.

Chefs de cozinha desvendam o processo produtivo do chocolate orgânico no Litoral Sul da Bahia

Cuidados com a colheita e pós-colheita, incentivo ao trabalho comunitário, valorização tanto das famílias que trabalham na produção, quanto dos saberes populares e tradicionais, foram alguns aspectos ressaltados, nesta quarta-feira (09), durante o primeiro dia da edição da Expedição Gastronômica Cacau Cabruca - Da Roça para a Mesa, que constou da visita do grupo à propriedade de uma das produtoras de Orgânicos do Cacau, na Vila Tibina, no município de Ilhéus, Território de Identidade Litoral Sul.

A Expedição Gastronômica é realizada pelo Instituto Ori, em parceria com o Governo do Estado, por meio do Bahia Produtiva, projeto executado pela Companhia de Desenvolvimento e Ação Regional (CAR), empresa pública vinculada à Secretaria de Desenvolvimento Rural (SDR), e a Aliança dos Cozinheiros Slow Food, uma rede que reúne cozinheiros de todo o mundo e que preza pela comida boa, limpa e justa. O Instituto Ori foi fundado por chefs de cozinha da Bahia e o Slow Food Nordeste, com a finalidade de promover visitas de chefs a produtores da agricultura familiar.

De acordo com o chef de cozinha, Caco Marinho, nas expedições, é possível ter contato com os agricultores e agricultoras familiares e entender melhor os processos de produção: “Queremos que esses produtos estejam nas prateleiras dos supermercados da capital. Ensinamos as pessoas a utilizarem esses produtos e já estamos fazendo isso, trazendo-os para os nossos cardápios. É muito gratificante  perceber que podemos  melhorar, de alguma forma, a vida desses agricultores familiares. O nosso papel é contar essa história para que as pessoas compreendam e valorizem esses produtos”.

Marinho destacou que muitas pessoas não conheciam o licuri, e, depois da expedição realizada na comunidade produtora, durante o Festival do Licuri,  em 2017, os chefs tem ido a eventos e divulgado o licuri, ensinando a cozinhar com o produto, o que contribuiu para  qualificar a comercialização: “Hoje nós recebemos o licuri congelado e a gente mesmo torra e consegue ofertar para o cliente final um produto com uma qualidade de dar orgulho, e temos feito isso também com o umbu.  Nessa expedição estamos conhecendo o universo do cacau cabruca, que é agroflorestal, com o conceito do sintrópico – que produz alimentos e recupera a natureza ao mesmo tempo, com responsabilidade ambiental, produzindo  alimentos nutritivos, saudáveis e sem agrotóxicos”.

Jeanne Sommer, chinesa, naturalizada brasileira, que desde 2004 reside na Bahia e produz o cacau orgânico, ressaltou que a produção orgânica é importante porque preserva a a Mata Atlântica e a área em que se vive, de agrotóxicos: “A minha área já foi desmatada e tivemos que recompor  com árvores frutíferas e outras, como a seringueira". Ela afirmou ainda que : a produção orgânica é importante também  para que a gente tenha o corpo livre de toxinas. Não somente é bom para mim, mas para outras pessoas que irão consumir o meu produto”.

Na visita à propriedade Amigos do Parque Estadual da Serra do Conduru (Pesc),  os participantes tiveram a oportunidade de conhecer histórias de quatro produtoras de chocolate orgânico, o processo de produção desde a colheita, despolpamento, fermentação e secagem, à torrefação, e também a produção do chocolate cru, que conserva as enzimas, minerais, vitaminas e antioxidantes. O cacau é produzido no sistema cabruca, em que o cacaueiro é sombreado por árvores nativas da Mata Atlântica e outras frutíferas. Foram apresentados também os desafios para a realização dessa produção, que recebe certificações, em grupo, por meio da Cooperativa Cabruca e da Rede Povos da Mata.

Slow Food

“O objetivo do Slow Food nessas expedições é, além de aproximar os chefs de cozinha dos produtores, favorecer a compra direta, procurando a inserção dos produtos da agricultura familiar nos cardápios desses chefs, proporcionando novos sabores para os clientes dos restaurantes, observou a facilitadora Slow Food Nordeste, Revecca Tapie

Programação

Durante a expedição, que acontece até a próxima sexta-feira (11), o grupo irá visitar comunidades produtoras de cacau e a fábrica Bahia Cacau - primeira de cacau da Agricultura familiar da Bahia, no município de Ibicaraí. Em Ibirapitanga, irão conhecer o processamento artesanal do Nibs - matéria prima do chocolate.

Mais de 100 quilômetros de estrada serão recuperadas no sul baiano

Os avisos de licitação para a recuperação de mais de 100 quilômetros de estradas no sul baiano serão publicados no Diário Oficial do Estado (DOE) deste sábado (12). A Secretaria de Infraestrutura da Bahia (Seinfra) vai realizar serviços na BA-120, do entroncamento da BR-415 até Itapé, na BA-270, entre Maiquinique e Itarantim, na BA-262, que liga Itajuipe a Coaraci, e na BA-650 de Ipiaú a Dário Meira.

O sul da Bahia é uma região que se destaca pelo turismo, agricultura, pecuária, e pela presença de indústrias, como de calçados, madeira, papel e equipamentos de informática. Além das cidades que vão passar por recuperação, as obras vão beneficiar as cidades de Almadina, Itagibá, Itagi, Ibirataia, Itaju do Colônia, Santa Cruz da Vitória, Potiraguá, Macarani e Itapetinga. O investimento é de mais de R$ 40 milhões.

O secretário de Infraestrutura do Estado, Marcus Cavalcanti, ressalta a importância das intervenções para a região. "Mais de 282 mil moradores serão beneficiados com a realização desses serviços. Além disso, as obras vão contribuir na atração de novos investimentos para o desenvolvimento econômico do estado", destaca.

Mais Obras

Também no sul do estado, a Seinfra está realizando importantes obras. A BA-680, entre Potiraguá e o entroncamento da BR-101, está com 92% da recuperação dos 58 km concluída. Também na região, a BA-120, entre Gandu e Ibirataia, está passando por restauração em 47 km de extensão. Além disso, está sendo implantada a BA-120, que liga Itapé a Itaju do Colônia, que está com 44% de conclusão.

A Secretaria de Infraestrutura também vai fazer intervenções em outros trechos como o de Itanhém a Ponte sobre o Rio Rezende e a travessia urbanas de Alcobaça. A previsão é de que a licitação aconteça ainda neste semestre. Já a travessia urbana de Teixeira de Freitas está com o processo licitatório em andamento.

UBAITABA: PREFEITURA QUER PRESERVAR CASARÕES E IMÓVEIS HISTÓRICOS

Por meio de um projeto no Instituto do Patrimônio Artístico e Cultural da Bahia (IPAC), desde o ano passado, a Prefeitura de Ubaitaba busca recursos financeiros para o tombamento e preservação de imóveis públicos e casarões de valor arquitetônico, histórico, artístico e cultural. A informação foi transmitida pelo secretário de Saúde, José Carlos Lona de Almeida, ao público Fórum de Agentes Empreendedores e Gestores Culturais do Litoral Sul (FAEG-Sul), no salão do Rotary Club.

O secretário representou a prefeita de Ubaitaba, Suka Carneiro, que por problema de agenda não pode recepcionar os participantes como estava previsto. De acordo com José Carlos, a atual gestão municipal tem feito investimentos para elevar a autoestima dos cidadãos por meio de projetos culturais, tendo destacado a realização do São João ano passado, cujos índices de participação popular e de visitantes e turistas reforçaram a tradição do município com a festa.

Além de fomentar a cultura, a administração tem buscado recursos para estimular a prática esportiva, tendo sido destacado pelo secretário de Cultura e Turismo, Lucianno Coelho, a reforma do ginásio de esportes com recursos de emenda parlamentar e do Governo do Estado, que está construindo um Centro de Treinamento de Canoagem para incentivar o surgimento de novos talentos. “É preciso que se tenha claro que cultura e esportes são essenciais à educação de crianças e adolescentes”, disse.

Pela manhã houve apresentação do cantor e compositor ubaitabense MC Pierre; do grupo de Capoeira Porto da Barra e dos alunos de dança do professor Ualas Santos, além de mini palestras de Vitor Aziz, sobre o que é Faeg-Sul; da advogada Bruna Setenta, que abordou Sistema de Cultura; da atriz e diretora Eva Lima que interpretou “Testemunho”, de José Delmo; fala da atriz e presidente do Conselho Municipal de Cultura de Ilhéus, Janete Lainha; e exibição do curta “O Estranho Sr. Jones”, do cineasta Jota Melo, atualmente residente em Ubaitaba. A parte da tarde será dedicada a oficinas.

 

Fonte: RBN/Pimenta/Ascom SDR/Ascom Seinfra/PSB/Municipios Baianos

Comentários:

Comentar | Comentários (0)

Nenhum comentário para esta notícia, seja o primeiro a postar!!