01/06/2018

Umburanas: Complexo Campo Largo começa a gerar energia

 

O Complexo Eólico Campo Largo, que está sendo implantado nos municípios de Umburanas e Sento Sé, na Bahia, já está gerando energia. A primeira central eólica iniciou sua operação em testes no dia 13 de maio, quando foram sincronizados os primeiros aerogeradores do Complexo.

A energia destes primeiros aerogeradores já está sendo entregue na Subestação Ourolândia II e distribuída pelo Sistema Interligado Nacional – SIN. Segundo o gerente da obra, Murilo Boselli, neste primeiro momento, estão operando em teste os 11 aerogeradores do Central Eólica Campo Largo VII, com 29,7 MW de potência total instalada. Na sequência, com o bom andamento das atividades, devem ser sincronizados também os aerogeradores dos demais parques.

“Nesta etapa colocamos à prova todo o trabalho feito desde o início das atividades no Complexo, uma vez que, a aprovação nos testes e o bom funcionamento dos aerogeradores com a exportação de energia nos trazem resultados positivos e comprovam que as obras civis, eletromecânicas e de montagem, foram bem executadas”, destacou Boselli.

No canteiro de obras, as equipes seguem com os trabalhos de montagem e comissionamento dos aerogeradores, além da implantação dos 85 km das redes de média tensão (34,5 kV), que vão interligar os aerogeradores à Subestação Campo Largo. Até o momento, 20% dos 121 aerogeradores previstos no projeto foram montados, fase que deve ser concluída em outubro de 2018.

Em sua primeira etapa, o Complexo Eólico Campo Largo contará com 11 centrais eólicas compostas por 121 aerogeradores. Com capacidade total instalada de 326,7 MW, ele poderá abastecer uma população de até 600 mil habitantes.

A linha de Transmissão 230 kV, rede responsável por transportar a energia produzida no Complexo Eólico Campo Largo até a Subestação Ourolândia II, localizada no Município de Ourolândia, já está energizada.

Desta forma, a população precisa ficar atenta às dicas de segurança para evitar acidentes. É importante lembrar que a faixa de servidão deve ser respeitada e a atenção redobrada na época da colheita ou plantio. O manuseio de máquinas agrícolas próximo às redes exige cautela e é proibido fazer queimadas, soltar pipas ou balões, subir nas torres e utilizar bambus ou varas compridas nas proximidades dos cabos elétricos, que em hipótese alguma podem ser tocados.

“É de fundamental importância que estas regras sejam respeitadas pois, só assim, conseguiremos garantir o bem estar de toda comunidade”, destacou o gerente da obra, Murilo Boselli.

PRODUTORES DE FRUTAS DO VALE DO SÃO FRANCISCO DEFLAGRAM CAMPANHA DE PREVENÇÃO CONTRA A MOSCA-DAS-FRUTAS

A possibilidade do agravamento da crise devido ao aumento da incidência da mosca-das-frutas na região fez com que produtores se reunissem com representantes de órgãos públicos e entidades do Vale do São Francisco na noite desta terça-feira (29), na sede do Sindicato dos Produtores Rurais de Petrolina (SPR). Segundo a instituição sindical, os danos ocasionados há mais de uma semana pela paralisação nacional dos caminhoneiros podem aumentar ainda mais caso haja uma proliferação da praga. Só com a greve o setor já teve prejuízos de mais de R$ 570 milhões.

A reunião emergencial foi convocada após a divulgação de vídeos em grupos do Whatsapp que mostram uma grande quantidade de frutas sendo descartadas irregularmente nas áreas de acesso à Petrolina e Juazeiro (BA), devido o bloqueio dos caminhoneiros.  “Isso fez surgir mais uma preocupação, uma vez que esse fruto descartado erroneamente pode gerar um aumento na população da mosca”, disse o gerente-executivo da Associação dos Exportadores de Hortigrangeiros e Derivados do Vale do São Francisco (Valexport), Tássio Lustoza.

O grupo, formado por representantes do Ministério da Agricultora, Agência Estadual de Defesa Agropecuária da Bahia (Adab), Agência de Defesa e Fiscalização Agropecuária do Estado de Pernambuco (Adagro), Secretaria de Desenvolvimento Econômico e Agrário de Petrolina, Agência Municipal de Desenvolvimento Econômico, Agricultura e Pecuária de Juazeiro (ADEAP), Câmara da Fruticultura, Moscamed, Sebrae, Univale, Valexport, Sindicato dos Produtores Rurais (SPR) e Embrapa Semiárido, foi acionado visando executar medidas emergências já a partir desta quarta-feira (30).

Com a reunião, ficou decidido que as ações irão focar numa campanha de sensibilização para produtores e caminhoneiros. O Sindicato dos Produtores Rurais deverá divulgar à imprensa e redes sociais um vídeo informativo e uma Nota Técnica, explicando a maneira correta de descarte da fruta e as consequências danosas que sua negligência podem trazer para a economia do Vale do São Francisco.

“A problemática da mosca das frutas preocupa os produtores e instituições públicas, até porque isso pode agravar os prejuízos econômicos da região. Então, um dos passos que iremos seguir, dando assistência aos produtores, é promover a discussão do tema nas TVs locais, rádios, blogs e redes sociais, de modo a orientar a forma técnica e correta do descarte desses frutos”, afirmou o presidente do SPR, Jailson Lira.

Além da campanha de conscientização, o grupo realizará um levantamento dos locais onde as cargas estão sendo despejadas. “A partir do monitoramento desses pontos críticos, nossas equipes vão atuar indicando aos produtores e caminhoneiros as áreas específicas para o descarte”, comentou o secretário de Desenvolvimento Econômico, Agricultura e Pecuária de Juazeiro, Tiano Félix.

A Secretaria de Desenvolvimento Econômico e Agrário de Petrolina também vai identificar e indicar os locais de descarte das frutas apodrecidas nos caminhões. “Com o andar dessas ações iniciais, nos reuniremos novamente para definir quais serão os passos futuros”, indicou Lucas Ballalai, que representou a pasta durante a reunião.

Produtores descartam caixas de uva que passaram do ponto de maturação durante a greve dos caminhoneiros

A greve nacional dos caminhoneiros gerou muitos prejuízos para os produtores rurais do Vale do São Francisco. Em Petrolina, no Sertão de Pernambuco, uma fazenda descartou diversas caixas de uvas que passaram do ponto de maturação e não podem mais seguir para exportação, nem abastecer o mercado interno.

De acordo com o Sindicato dos Produtores Rurais do Vale do São Francisco em Petrolina, o maior exportador de frutas do país, já contabiliza um prejuízo de mais de R$ 570 milhões, com a paralisação dos caminhoneiros.

O presidente do sindicato, Jailson Lira, disse que a paralisação atingiu fortemente o setor, que deixou de comercializar para os mercados interno e externo mais de 40 mil toneladas de uvas e 60 mil toneladas de mangas, além de mais 200 mil toneladas de outras frutas, a exemplo de acerola, banana, coco e mamão.

PROJETO DE LEI INSTITUI DIA ESTADUAL DOS POVOS EXTRATIVISTAS E DAS RESERVAS EXTRATIVISTAS

As Reservas Extrativistas, também conhecidas como Resex, são unidades de conservação essenciais para a preservação ambiental e manutenção dos modos de vida das populações tradicionais presentes nessas áreas. Agricultores familiares, pescadores e marisqueiras se relacionam de forma harmônica, assegurando o uso sustentável dos bens disponíveis nas unidades.

Seja pela riqueza de recursos naturais ou pela beleza encantadora, as Reservas são alvos da destruição ambiental por parte do setor imobiliário e agrícola, interessados na exploração desenfreada da natureza. Por suas propriedades e recorrentes disputas, as unidades são um patrimônio brasileiro a ser protegido. Tendo em vista a necessidade de preservação das Resex, apresentamos à Alba o Projeto de Lei nº 22.847/2018, que institui o 18 de julho como o Dia Estadual dos Povos Extrativistas e das Reservas Extrativistas.

"Proteger as Resex é garantir a preservação de matas nativas, muitas delas com biomas quase em extinção em nosso estado, como a mata atlântica. Se aprovado, o dia será um momento para lembrar a toda sociedade a importância de protegermos o meio ambiente e garantir a vida e a cultura das comunidades Extrativistas", disse Marcelino Galo, Coordenador da Frente Parlamentar Ambientalista da Bahia, sobre o projeto de Lei.

A escolha da data deve-se ao fato de que neste dia, no ano 2000, foi publicada a Lei nº 9.985/2000 que criou o Sistema Nacional de Unidades de Conservação (Snuc) e fazem parte do grupo de Unidades de Uso Sustentável, estabelecendo por meio do inciso IV do art. 14, as Reservas Extrativistas como unidades de conservação.

Em nosso estado existem quatro Reservas Extrativistas: Marinha da Baía do Iguape, em Maragogipe; Marinha da Ponta do Corumbau, localizado em municípios do extremo sul da Bahia; Canavieiras, sul do Estado e Cassurubá, em Porto Seguro.

 

Fonte: BlogdoGeraldoJosé/G1/Clas Comunicação/Municipios Baianos

Comentários:

Comentar | Comentários (0)

Nenhum comentário para esta notícia, seja o primeiro a postar!!