07/06/2018

Bahia lidera ranking em internações causadas por fogos

 

O mês de junho é o período do ano em que mais se faz uso de fogos de artifício. E o manuseio inadequado pode provocar fortes queimaduras e prejudicar vidas. Em um estudo, realizado pelo Conselho Federal de Medicina, foi revelado que a Bahia lidera o maior número de casos de internação provocados pelos fogos ao longo dos últimos 10 anos no país.

Foram registrados 1.037 internações, sendo 2014 o período com mais acidentes, com um total de 104. Em avaliação por cidade, Salvador está no topo. Foram registradas 686 internações ao longo da década.

No Brasil, foram feitas mais de 5 mil internações por queimaduras com este material. O estudo foi feito em parceria com sociedades brasileiras de Cirurgia da Mão (SBCM) e de Ortopedia e Traumatologia (SBOT).

O ranking, apresentado na última segunda-feira, 4, registrou 218 mortes por acidente com fogos de artifício nos últimos 21 anos. Na lista, o Nordeste fica em segundo lugar, abaixo do Sudeste, com um total de 75 óbitos. O Conselho Federal de Medicina ainda afirma que maioria dos registros foi feita no período de junho.

Mais de 5 mil internações

Segundo informações do Sistema de Informação Hospitalar (SIM), foram feitas 5.063 internações nos últimos 10 anos por causa de acidentes com fogos de artifício no Brasil.

Ainda segundo os dados, em 2010, foi registrado o maior número de acidentes. Na época, o país sediou a Copa do Mundo e, segundo a análise, pode ter sido o motivo para o aumento de casos nesse sentido.

Ainda segundo o Conselho de Medicina, a maioria dos acidentados é homem, correspondendo a 83% dos casos. As mulheres representam 17%.

Crianças e adolescentes

O conselho também recomenda que as crianças e adolescentes não façam manuseio dos fogos de artifício, já que 39% dessas internações envolviam pessoas entre 0 e 19 anos. Adultos entre 20 e 49 anos faziam parte dos 46% dos registros deste período.

Caso ocorra o acidente com fogos de artifício, deve-se lavar o ferimento com água corrente e evitar tocar na lesão, segundo especialistas. Também é orientado evitar passar substâncias na área queimada e buscar ajuda médica em um posto de saúde.

Especialistas alertam para os cuidados com manuseio de fogos de artifício durante os festejos juninos e a Copa do Mundo

Com a proximidade dos festejos juninos e, esse ano, dos jogos da Copa do Mundo, que acontecem no mesmo período, aumentam os riscos de acidentes provocados por fogos de artifício, alguns com graves consequências como mutilações. Segundo o médico Marcos Barroso, coordenador do Centro de Tratamento de Queimados do Hospital Geral do Estado (HGE), as estatísticas não apontam para um aumento no número de acidentes que resultam em queimaduras graves durante as festas juninas em Salvador. “No que se refere a queimaduras, a maior parte das ocorrências são de casos mais leves, tratadas em ambulatório, enquanto os atendimentos a vítimas de explosão de bombas, que resultam em trauma nas mãos, é que aumentam consideravelmente em relação aos demais períodos do ano”, afirmou o médico.

No Hospital Regional de Santo Antônio de Jesus, também referência para atendimento a queimados, devido ao número de casos relacionados à queimadura no período do São João, a unidade promoveu um simpósio, visando conscientizar os profissionais de saúde sobre a importância da prevenção, do tratamento e terapia curativa aos pacientes vítimas de queimaduras. No ano passado, no período de festejos juninos, foi notificado apenas um caso de vítima de queimadura por fogos de artifício, representando uma redução de 86% em relação ao ano anterior, e 16 casos de vítimas de explosão de bomba.

O médico André Luciano Santana, diretor geral do HGE, revela que durante o período de São João a unidade está capacitada para atender as ocorrências, mesmo em caso de um maior número de casos. Segundo ele, o volume de atendimento aumenta em torno de 15 a 20% nesse período, mas há diversas ocorrências relacionadas com acidentes de veículos, principalmente nas estradas.

No ano passado, na unidade, entre os dias 23 e 25 de junho, foram registrados 53 atendimentos, sendo 24 de queimaduras por fogos e 29 por explosão de bomba. Referência no estado e um dos poucos serviços no país dotados de centro cirúrgico e UTI próprios, o Centro de Tratamento de Queimados do HGE, possui 28 leitos de internamento e mais quatro de UTI.

Em Santo Antônio de Jesus, desde o último mês de abril, as equipes assistenciais estão participando de atualizações em técnicas avançadas na terapia curativa e tratamento aos pacientes vítimas de queimaduras por fogos de artifício. No período festivo, o quadro de profissionais médicos e assistenciais recebe reforço em plantões estratégicos.

Primeiros cuidados

O coordenador do Centro de Tratamento de Queimados do HGE reforça a importância dos cuidados que devem ser observados durante o período de festas juninas e também das comemorações dos jogos da Copa do Mundo. “Crianças só devem manusear fogos de artifício acompanhadas dos responsáveis. Além disso, bebidas alcoólicas não devem ser nunca ser misturadas com a queima de fogos”, enfatiza Barroso.

Os primeiros cuidados são importantes. “Em caso de queimadura, não devem ser usadas pomadas nem soluções caseiras. A região afetada deve ser lavada com água corrente e protegida com uma compressa úmida. Em seguida, o paciente deve buscar atendimento em uma unidade de saúde”, recomenda o especialista.

Para o cirurgião Marius Wert, coordenador do Serviço de Cirurgia de Mão do HGE, é preciso “atenção extrema” ao lidar com fogos de artifício, principalmente no caso de crianças, que não têm noção do perigo a que estão expostas. “O uso de fogos de artifício deve ser feito com muita atenção e cuidado. É comum acidentes como queimaduras, perda de dedos e, nos casos mais graves, até perda da mão”, adverte o especialista, recomendando que em caso de acidente com lesão na mão, o paciente deve ser encaminhado imediatamente para um serviço especializado.

Estudo divulgado pela Associação Brasileira de Cirurgia da Mão (ABMC) mostrou que ao menos 50% das mãos mutiladas no Brasil poderiam ser preservadas, caso o primeiro atendimento fosse especializado, e que no período de festas juninas, cerca de 90% dos acidentes graves, relacionados com explosão de bomba, resultam em amputações.

“É preciso muito cuidado no manuseio de fogos, e apesar das constantes campanhas e alertas feitos pelos especialistas, as pessoas ainda se descuidam e se expõem ao risco de acidentes. Os fogos de artifício devem ser manuseados o mais distante possível do corpo, principalmente das mãos, e deve-se evitar soltar qualquer tipo de fogos de artifício quando se estiver ingerindo bebida alcoólica”, reforça o cirurgião.

Prevenção do pé diabético pode reduzir amputações em até 85 %

A identificação dos diabéticos com risco para o desenvolvimento de úlceras, que podem levar à amputação, além do tratamento das lesões que antecedem as úlceras são muito importantes, como destacou a cirurgiã vascular do Centro de Diabetes e Endocrinologia do Estado da Bahia (Cedeba), Monique Magnavita na sessão mensal de atualização em diabetes, voltada para os profissionais da Atenção Básica.

Na sessão, realização do Cedeba, por meio da Coordenação de Educação em Diabetes e Apoio à Rede (Codar), Monique Magnavita observou que embora as estatísticas sobre as amputações de membros inferiores em diabéticos sejam preocupantes, “um bom programa de prevenção é capaz de reduzir as amputações em até 85%.As ações preventivas – pontuou – devem ser difundidas entre a população no nível assistencial mais próximo, que é a Atenção Básica.

Grande participação

O tema pé diabético despertou grande interesse, tornando o auditório do Centro de Atenção à Saúde (CAS) pequeno para o número de participantes, de Salvador e do interior da Bahia. A sessão começou com a apresentação da coordenadora da Codar, Graça Velanes que trouxe um estudo sobre “Incidência de Amputações na Bahia”.

Realizado pelo Cedeba/Codar, em parceria com a Secretaria da Saúde do Estado da Bahia/Sesab/DIS (Diretoria de Informação em Saúde), o estudo mostra o aumento significativo do número de amputações de pé e tarso, e de membros inferiores, no período de 2008/2016. Contudo, o percentual de internações por diabetes apresentou redução de 4,4% no Estado da Bahia e em seis (67%) dos nove Núcleos Regionais de Saúde (NRS).

As amputações decorrentes de complicações neuropáticas, isquêmicas e infecciosas, relacionadas ao pé diabético constituem, como destacou Graça Velanes, um grave problema de saúde pública no Brasil e no mundo, levando a elevadas taxas de internação hospitalar. Além do impacto social na vida do usuário e da alta mortalidade associada, as amputações estão relacionadas a altos custos diretos e indiretos para o sistema de saúde.

Auto-cuidado

Segundo Monique Magnavita, 90% dos casos de amputação em membros inferiores no diabetes são causadas por neuropatias e 10% por arteropatias. Daí – destacou – ser muito importante avaliar o pé do diabético. O teste de sensibilidade do pé pode ser feito por profissionais da equipe multidisciplinar da Atenção Básica. No teste, considerado simples, o profissional vai tocando a região plantar com o monofilamento (contém um fio de nylon na extremidade) para avaliar o nível de perda da sensibilidade.

Ao abordar o tema “Manejo Clínico das Lesões Pré-Ulcerativas”, a cirurgiã vascular também enfocou a importância do auto-cuidado, que permite ao diabético examinar os pés para verificar a presença de calosidades, micoses, alterações na estrutura do pé. Ela também explicou a importância do uso de calçados adequados: macios, sem costura, que não comprimam o pé. Ainda mostrou os sapatos especiais dispensados pela Secretaria da Saúde do Estado da Bahia, por meio do Cepred, quando já há deformidades e ulcerações.

A sessão foi encerrada com a apresentação da enfermeira Vanessa Azevedo sobre “O uso de coberturas no Tratamento das Lesões”. O tratamento das lesões é muito importante uma vez que 85% das amputações, segundo destacou Monique Magnavita, são precedidas por úlceras. Estima-se na Bahia que na população de 203 mil diabéticos, a presença de 12 mil úlceras ativas.

Por isso – reforçou – a especialista é preciso muita atenção para o pé do paciente com diabetes. A falta de cuidados – onde se inclui o descontrole da glicemia – pode levar à amputação, que incapacita e reduz a qualidade de vida.

Inclusão online facilitou adesão de 312 recém-nascidos ao Planserv

Mais de 300 recém-nascidos foram beneficiados pela possibilidade de inclusão online no Planserv entre janeiro e abril deste ano. Para solicitar a entrada de dependentes ou agregados com até 30 dias de vida no plano, os titulares só precisaram enviar o RG do titular, a certidão de nascimento do bebê e o formulário de movimentação cadastral preenchido para o endereço inclusaoonlinern@planserv.ba.gov.br.

O pedido deve ser feito nos primeiros 30 dias de vida, “para evitar que o bebê fique sem a cobertura do plano. Contudo, vale destacar que no primeiro mês, o bebê pode ser atendido na rede credenciada do Planserv com o cartão do(a) titular, na presença deste(a), para fins de identificação biométrica. Essa regra vale para consultas, exames e procedimentos. Se incluso no Planserv no prazo de 30 dias após o nascimento, nenhuma carência é exigida.

Servidores que residem em municípios onde não há unidades do Planserv na Rede SAC também podem solicitar a inclusão através de um simples e-mail. No primeiro quadrimestre deste ano, 272 beneficiários entraram no plano desta forma. A iniciativa tem como objetivo facilitar a adesão dos servidores estaduais, dependentes e agregados, em todo o Estado. Os interessados devem utilizar o e-mail cadastreonline@planserv.ba.gov.br.

Ao enviar um e-mail para este endereço solicitando a inclusão, é preciso anexar o RG do titular, o comprovante de residência e o formulário de movimentação cadastral preenchido. Este está disponível no módulo “Beneficiário”, na aba “Formulários”, no site do Planserv (www.planserv.ba.gov.br) e no aplicativo, que pode ser baixado que pode ser baixado na loja virtual Google Play, para telefones com sistema Android, e App Store, para quem utiliza iPhones.

 O requerimento é confirmado automaticamente com uma mensagem de resposta para o requerente. Quando a Central de Relacionamento confirma que há adequação documental e que a solicitação atende aos critérios de inclusão de beneficiários, o processo é concluído. Apenas quando há alguma pendência, o titular é informado por e-mail.

Em cidades onde existem unidades do Planserv na Rede SAC, o servidor deve dirigir-se a uma delas para solicitar a própria inclusão no plano ou de dependentes e agregados que tenham mais de 30 dias de vida. Outras informações podem ser obtidas pelos telefones 0800 56 6066 (ligações de telefone fixo) ou (71) 3402-3700 (ligações de celular).

 

 

Fonte: A Tarde/Ascom Sesab/Ascom Cedeba/Ascom Planserv/Municipios Baianos

Comentários:

Comentar | Comentários (0)

Nenhum comentário para esta notícia, seja o primeiro a postar!!