16/06/2018

Salvador: Garcia recebe desfile em clima de samba junino

 

O bairro do Garcia é palco, neste domingo (17), a partir das 19h, de um grande desfile solidário promovido pela Liga do Samba Junino. O evento conta com apoio da Prefeitura, por meio do Prêmio Samba Junino, da Fundação Gregório de Mattos (FGM). A concentração do desfile será em frente ao Colégio Edgard Santos e o cortejo cultural sairá pelas ruas do bairro, seguindo até o final de linha para, depois, retornar ao Colégio Edgard Santos, no bairro do Garcia.

Quem quiser participar, basta doar dois quilos de alimentos não-perecíveis, a serem trocados por um chapéu e uma camisa. A troca pode ser feita na sede da Liga do Samba Junino, na Rua Prediliano Pita, 30, Garcia. O montante arrecadado será destinado ao Núcleo Assistencial Para Pessoas com Câncer (Naspec) e para o Núcleo de Apoio ao Combate do Câncer Infantil (Nacci).

Edital

O Prêmio Samba Junino é voltado à salvaguarda da manifestação cultural, de acordo às diretrizes de política cultural do município e do Registro Especial do Samba Junino como Patrimônio Cultural de Salvador. Foram contempladas seis propostas, no valor de R$30 mil cada, que incentivam o fortalecimento, a manutenção e dinamização do Samba Junino no município de Salvador, além das formas de produção e reprodução, através da realização de ensaios, festivais, concursos, apresentações, “arrastões”, entre outras, no período junino.

Registro e história

Conforme a Lei 8.550/2014, o Registro Especial Cultural é aplicado aos bens culturais de natureza imaterial, inclusive aqueles comumente designados como eventos, passíveis de verificação no plano material por suas práticas, representações, expressões, conhecimentos e técnicas, modos de fazer e instrumentos, objetos, artefatos e lugares associados. O registro funciona para o patrimônio imaterial como o tombamento para o patrimônio físico.

De acordo com pesquisas realizadas pela Gerência de Patrimônio Cultural da FGM, o samba junino surgiu em torno das casas de candomblé de Salvador, no bojo da religiosidade popular, presente nos terreiros e em muitas festividades de matriz africana nas festas de caboclo. As manifestações são iniciadas ainda na chamada “queima de Judas”, no sábado de Aleluia, com encerramento nos festejos ao 2 de Julho – incluindo nesse período as rezas direcionadas aos santos juninos: Santo Antônio, São João e São Pedro.

O samba junino representa, então, uma expressão cultural genuinamente soteropolitana, marcado pela rítmica do samba duro, disseminada há pelo menos 40 anos em diversos bairros de Salvador. Serviu como base para o surgimento de estilos musicais contemporâneos como o pagode baiano, além de projetar muitos artistas conhecidos do grande público como Tatau, Reinaldo, Ninha e Márcio Victor. Os bairros tradicionais que realizam os festejos são Engenho Velho de Brotas, Engenho Velho da Federação, Federação, Fazenda Garcia, Tororó e Nordeste de Amaralina.

Festival HYPE tem primeira edição no fim de semana

Ocupando praças, ruas e avenidas; celebrando a criação artística e a multiplicidade de ritmos baianos; reconhecendo a vocação da rua viva e do seu povo criativo, nasce em Salvador o Festival HYPE. Um grande encontro entre iguais e diferentes. Diferentes sonoridades que se conectam para criar um novo cenário na cultura urbana da cidade, impulsionada pela efervescência da música baiana, que faz ecoar por todos os cantos a sua potência, swing e versatilidade.

 

Programado para acontecer em oito edições (entre junho/2018 e janeiro/2019), o Festival Hype é uma experiência de resgate e conexão com a cultura de rua, transformada em um grande espaço de celebração, como forma de melhorar a relação da população com os espaços públicos. A edição 2018 do Festival acontece nos dias 16 e 17/06, 07 e 08/07, 11 e 12/07, 06 e 07/10 e 10 e 11/11.

Consciente da sua missão de dar vez a quem tem voz e revelar o que as ruas falam, o Festival fomentará encontros musicais inesquecíveis, percorrendo oito diferentes bairros de Salvador – da Ribeira a Stella Maris – e apresentando artistas que representam a cena musical contemporânea.

A cada edição, serão selecionados quatro artistas/bandas/grupos via curadoria, dois artistas/bandas/grupos via curadoria no Mapa Musical da Bahia - iniciativa da Fundação Cultural do Estado da Bahia/SecultBA que objetiva mapear, reconhecer e difundir a diversidade da música produzida no estado - e uma atração infantil a se apresentarem no Palco Sounds.

Neste primeiro fim de semana, a programação acontece Praça Flora- Pituba (Rua Guillard Muniz). Além dos artistas inscritos e selecionados por curadoria, o Festival Hype conta também com a presença de músicos e bandas reconhecidos nacionalmente como Márcia Castro e Gerônimo, promovendo assim um intercâmbio entre artistas consagrados e talentos locais.

Valorizando a cultura colaborativa e estimulando a representatividade artística e das ruas, o Festival Hype nasce da experiência vivida pelo Coreto Hype - reconhecida por reunir o melhor da gastronomia, moda, música, arte e sustentabilidade desde 2016, contando com mais de 100 empreendedores criativos por edição e extensa programação artística e de lazer para crianças, jovens, adultos e idosos.

Trabalhando sempre com os eixos da economia criativa, música, kids, sustentabilidade e ocupação, a Feira Coreto Hype se consolidou como uma iniciativa transformadora, estimulando na população soteropolitana ao capitalismo consciente, a economia criativa e ao reconhecimento dos pequenos produtores, reforçando a atitude construtiva e o cooperativismo do grupo.

O Festival Hype tem patrocínio da Brahma Extra e do Governo da Bahia, através do Fazcultura, Secretaria da Fazenda e Secretaria de Cultura do Estado da Bahia.

MAPA MUSICAL DA BAHIA – O Mapa Musical da Bahia é uma ação prioritária dentro das políticas públicas de fomento à música no estado. Desde 2012, o programa da Fundação Cultural do Estado (Funceb/SecultBa) mapeia, reconhece e difunde a diversidade musical de artistas baianos que produzem trabalhos autorais. O Mapa Musical mantém um diálogo aberto e constante entre a sociedade civil e o Estado, permitindo a elaboração de estratégias de ação em resposta às demandas apresentadas. O mapeamento funciona através do portal do Mapa Musical da Bahia [mapamusical.ba.gov.br], um sistema online que reúne músicas e informações sobre os artistas. A iniciativa se focaliza na produção musical representativa dos 27 Territórios de Identidade do estado e busca revelar a diversidade dos cenários musicais da Bahia.

  • PROGRAMAÇÃO COMPLETA

Festival Hype

Praça Flora- Pituba (Rua Guillard Muniz)

Entrada Gratuita

Sábado (16/06)

14h / 17h – Irará do Forró + Intervenção Grupo Cabrueira (fora do palco Sounds)

17h – Alex Pochat e os 5 Elementos

18h – Retro_Visor

19h – Kainná Tawa

20h – Márcia Castro convida Gerônimo e Hiran

Domingo (17/07)

12h – Cadeiradebrin

13h – Ba_co

14h – Neto Bala

15h – Transmissão ao vivo do jogo Brasil X Suíça

16h – Quabales

17h – Diamba convida Mosiah

*Intervalos – Dj ElCabong

Próximas edições

07 e 08/07 – Av. Centenário

11 e 12/08 - Lauro de Freitas

15 e 16/07 - Paripe

06 e 07/10 - Campo Grande

10 e 11/11 – Ribeira

Dança, artes plásticas e oficinas agitam programação dos Espaços Culturais da SecultBA

O mês de junho está com tudo nos Espaços Culturais da SecultBA, essa semana tem opções de programação em Santo Amaro, Alagoinhas e Salvador. Já separa mais aquele espaço na agenda e Ocupe Seu Espaço!

Nesta sexta-feira (15), das 09h às 18h, ficará aberta para visitação no Teatro Dona Canô, na cidade de Santo Amaro, a exposição das obras do artista plástico Regi Couto, que reverencia a várias e emblemáticas imagens representativas do Recôncavo Baiano, dialogando com a figura do negro em relação à riqueza da cultura brasileira e, em particular, do Recôncavo Baiano. As pinturas remetem ao Brasil colonial a exemplo de Igrejas, sobrados e engenhos construídos no período, além das pinturas que dialogam com a figura do negro neste contexto, inseridos em suas várias atividades culturais. Com um estilo próprio, o artista utiliza a técnica acrílico sobre tela para retratar o Recôncavo, reduto da historia nacional, assim como suas belas paisagens. A entrada é gratuita com classificação livre.

No próximo sábado (16), às 19h, o palco do Centro de Cultura de Alagoinhas será ocupado pelo espetáculo “Ziriguidum – Ideias Abertas para Tocar e Dançar” criado pelo Grupo de Dança Contemporânea da UFBA (GDC-UFBA), em parceria com o Núcleo de Percussão da UFBA. A inspiração para a criação coreográfica partiu das peças de percussão das obras do repertório do Núcleo de Percussão da UFBA, onde as músicas foram disponibilizadas e cada coreógrafo pesquisou sobre a movimentação corporal relacionada com o universo de alguns sucessos musicais do carnaval axé, trazendo reflexões sobre coreografias de massa como fenômeno de controle e produção de “folias momescas”. Os ingressos custam R$ 10 e R$ 5 com classificação livre.

Já no dia 17 de junho (domingo), a partir das 09h, o Cine Teatro Solar Boa Vista, em Salvador, continua sendo ocupado pela 2ª Edição da Liga Baiana de B-boys e B-girls, que trará apresentações em formato de Batalhas de Dança de Rua nas modalidades Popping, Coreografia Street, Allstyle, Seven Two Smoke, BGirls e Breaking. Neste mês de junho acontece a 1° Batalha de B.Girls do Estado da Bahia e a competição de coreografias. As inscrições para a batalha podem ser feitas aqui e para a competição de coreografias aqui.

Dia 18 de junho (segunda-feira), às 19h, a Casa de Cultura de Mutuípe recebe a oficina de teatro “Contos e cantos do Mutum Encantado” que irá proporcionar o desenvolvimento e aperfeiçoamento artístico cultural dos participantes, promovendo um maior conhecimento histórico do município. A inscrição é gratuita com classificação livre.

Já na terça-feira (19), às 18h, o Espaço Cultural Alagados, localizado no bairro do Uruguai, em Salvador, promove mais uma edição do “Corredor da Poesia”, um sarau poético que tem como princípio valorizar a arte literária e outras manifestações culturais a ela associadas. Nesta edição conta com a contadora de história Aucélia Rodrigues como convidada especial. A entrada é gratuita com classificação livre.

E no dia 20 de junho (quarta-feira), às 07h e às 19h, o Centro de Cultura de Alagoinhas promove aulas de Kung Fu, projeto que tem como objetivo expandir a cultura chinesa e a arte da mais antiga de todas as artes marciais. A prática busca desenvolver os reflexos, tornando-os cada vez mais rápidos, o equilibro, a consciência mental e física para a defesa pessoal e a coordenação. A mensalidade custa R$ 60 com a classificação de 08 anos.

Dia 21 de junho (quinta-feira), às 09h e às 14h, acontece no Espaço Cultural Alagados, localizado no bairro do Uruguai em Salvador, a “Arte na Gibiteca”, oficina que unifica diferentes expressões artísticas, tem como objetivo possibilitar a crianças e adolescentes uma exploração do universo imaginário e simbólico, explorar suas emoções, sensibilidade e criatividade, e desenvolve a autonomia, senso crítico, exercitando o trabalho em grupo, socialização e interação. As atividades do dia serão A Arte de Reciclar e Contação de História. A inscrição é gratuita com classificação livre.

 

Fonte: Bahia Já/SecultBa/Municipios Baianos

Comentários:

Comentar | Comentários (0)

Nenhum comentário para esta notícia, seja o primeiro a postar!!