28/06/2018

Adutora do Rio São Francisco será inaugurada nesta quinta

 

A adutora do Rio São Francisco que levará água para Campo Alegre de Lourdes, alimentando o sistema de abastecimento do município, será inaugurada nesta quinta-feira (28). O ato será realizado no local, situado na estrada que segue em direção a Remanso, com a presença do governador Rui Costa que, em seguida, se desloca para a área do antigo mercado municipal, onde vai assinar ordem de serviço para obras de pavimentação em ruas da zona rural e urbana da cidade. Além disso, o governador irá autorizar a formalização de convênios no âmbito dos projetos Pró-Semiárido e do Bahia Produtiva.

Um total de 180 barracas serão distribuídas no município, sendo 90 para feirantes, 60 para a Prefeitura e outras 30 para a Associação Popular em prol da construção da Adutora do Rio São Francisco. A população do município de Campo Alegre de Lourdes também será beneficiada com a entrega de uma ambulância e 563 certificados do Cadastro Ambiental Rural (CAR).

Também serão entregues, oficialmente, sistemas simplificado de água, que vão atender às localidades Lagoa dos Bois de Cima, Lagoa dos Bois e Sitio Matias, além das comunidades de Pau de Birro Novo e Sítio Novo do Elói, Lagoa Fechada, Genipapinho, Folha Larga, Roça de Dentro e Roça de Dentro II. Está previsto, ainda, a assinatura do convênio entre a Prefeitura de Campo Alegre de Lourdes e o governo do Estado para a reforma do estádio de futebol do município.

CONTAGEM REGRESSIVA PARA A 65º FESTA DOS VAQUEIROS DE CURAÇÁ – BA

Será realizada nos próximos dias 07 e 08 de Julho, a 65º edição da Festa dos Vaqueiros de Curaçá/BA. Com uma programação cultural e religiosa variada, os festejos pretendem reunir artistas, autoridades, vaqueiros, turistas e a comunidade em geral. Como de costume, na quinta e sexta-feira, 05 e 06 de julho, haverá apresentação de quadrilhas juninas e a abertura da Feira de Artesanato "Saberes e Sabores", na Praça de Eventos no centro da cidade.

Homenageando dois vaqueiros e filhos da terra os circuitos onde serão montados os palcos para as apresentações de shows durante o dia na avenida principal e a noite no circuito oficial, a chave da cidade será entregue ao curaçaense "Seu Luizinho", pelo o Prefeito Pedro Oliveira, que declarará aberta a edição 2018 da Festa dos Vaqueiros de Curaçá.

A programação vai contar com entrega de brindes aos vaqueiros encourados, recepção e show ao vivo na AVAPEC (Associação de Vaqueiros e Pecuaristas de Curaçá), desfile pelas principais ruas do Município e a tradicional Missa dos Vaqueiros na praça do Teatro Raul Coelho.

  • PROGRAMAÇÃO OFICIAL DA 65ª FESTA DOS VAQUEIROS DE CURAÇÁ

07/07/2018 12H – RECEPÇÃO E ALMOÇO NA FAZENDA SAUDADE 14H – FESTA DANÇANTE COM BANDAS LOCAIS NO CIRCUITO GILBERTO BAHIA – AVENIDA PRINCIPAL 15H – SAIDA DOS VAQUEIROS DA FAZENDA SAUDADE 16H – DESFILE 17H – ENTREGA DA CHAVE DA CIDADE AOS VAQUEIROS 18H-JANTAR E FORRÓ DO VAQUEIRO NA AVAPEC COM ZEZÃO E ELDON DO ACORDEON 19H – FORRÓ DA ESPORA – SOCIEDADE DOS VAQUEIROS – COM SERGIO DO FORRO, OS MACEDOS E JULIO DO ACORDEON 21H - FESTA DANÇANTE NO CIRCUITO ZÉ DE JULIO – (PATIO DE EVENTOS).

08/07/2018 07H – CAFÉ DA MANHA PARA OS VAQUEIROS NA AVAPEC 10H – MISSA DO VAQUEROS (PRAÇA RAUL COELHO) 12H – ALMOÇO NA AVAPEC COM IZALTINO DO ACORDEON 14H – FESTA DANÇANTE COM ARTISTAS LOCAIS NO CIRCUITO GILBERTO BAHIA – AVENIDA PRINCIPAL 15H – CORRIDA DE PRADO 21H – FESTA DANÇANTE NO CIRCUITO ZÉ JÚLIO – PATIO DE EVENTOS.

REVITALIZAÇÃO DO RIO SÃO FRANCISCO VAI EXIGIR MAIS DE R$ 30 BILHÕES

Com o volume cada vez mais reduzido e sofrendo todo tipo de degradação, o Rio São Francisco cobra o preço das sucessivas promessas de socorro não cumpridas. R$ 30,8 bilhões é o volume de recursos necessários para combater a agonia e salvar o Velho Chico, aponta estudo técnico que começou a ser elaborado em 2014 e só foi finalizado no início do mês.

O documento preconiza ações de revitalização a serem executadas até 2025 em toda a bacia do chamado Rio da Unidade Nacional, que nasce na Serra da Canastra, Minas Gerais, e percorre 2,8 mil quilômetros até desaguar no Oceano Atlântico, atingindo uma população de 18 milhões de pessoas, moradoras de 505 municípios de seis estados (MG, BA, GO, SE, PE e AL) e do Distrito Federal.

Elaborado e coordenado pelo Comitê da Bacia Hidrográfica do Rio São Francisco (CBHSF), o estudo, ao qual o Estado de Minas teve acesso durante simpósio sobre o tema realizado em Aracaju (SE), entre os dias 3 e 6 deste mês, define como uma das metas a utilização de 80% dos recursos financeiros em preservação do manancial. O desmatamento é apontado como uma das principais causas da degradação ambiental.

Segundo o presidente do CBHS, Anivaldo de Miranda Pinto, o Plano de Recursos Hídricos da Bacia do Rio São Francisco 2016/2025 (PRH-SF) diagnostica todas as “ações concretas” que deverão ser executadas para que a bacia seja recuperada, envolvendo a União, estados, municípios, organizações não governamentais e outras fontes de financiamentos, mas não detalha o desembolso que caberá a cada parte. “Serão necessários R$ 30,8 bilhões para que, de fato, possamos falar em revitalização absoluta da Bacia do Rio São Francisco e seus afluentes”, resumiu.

Ele frisa que promessas de revitalização “não saíram do papel”, enquanto o manancial vem sendo sufocado pelo desmatamento acelerado, retirada de matas ciliares, assoreamento, lançamento de esgotos e outras formas de poluição. Apenas recentemente, lembra, o governo federal anunciou “uma medida prática, que destina recursos para revitalizar o São Francisco”, ainda assim, “de forma indireta”, por meio de um programa de conversão de multas do Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e Recursos Naturais Renováveis (Ibama) em projetos com essa finalidade.

Miranda Pinto critica ainda o que chama de “maquiagem nos orçamentos”. E explica: “Entendemos que revitalização da bacia é sinônimo de recuperação hidroambiental. Às vezes, o governo cita investimentos em estradas e construção de escolas como revitalização do Rio são Francisco. Não temos nada contra construir escolas ou estradas, mas isso não tem nada a ver com revitalização do rio. Revitalização se resume em ações que aumentem a quantidade de água e melhorem sua qualidade”, ponderou.

E é justamente para aumentar a vazão e melhorar a qualidade da água tanto dos afluentes quanto da calha principal do São Francisco que se destinariam os R$ 30,8 bilhões previstos no PRH-SF. Entre as ações mais prementes, Miranda Pinto citou saneamento básico, implantação de redes de monitoramento, estudo hidrológico, combate à erosão, recuperação de nascentes, programas de recomposição florestal e educação ambiental.

“Foi criado um grupo de trabalho para detalhar cada eixo do plano de recursos hídricos, visando a ações concretas, que vão desde a segurança de barragens até novas metodologias de convivência com o clima semiárido”, destacou o presidente do CBHSH.

 Para levar adiante o projeto, o estudo sugere um “Pacto da Revitalização” que “liderado pela União e secundado pelos estados e demais atores da bacia, torne realidade, em termos de uso de recursos e vontade política, os investimentos, programas e ações voltadas para a recuperação hidroambiental do Rio São Francisco e seus afluentes”. Também são propostos o “Pacto das Águas” e o “Pacto da Legalidade”, entre União e governos dos estados da bacia.

O dossiê sobre a Bacia do Rio São Francisco foi elaborado por uma equipe multidisciplinar, que envolveu engenheiros (ambiental e civil), biólogos, geólogos, economistas e outros profissionais. O trabalho contou com a coordenação de equipe técnica da empresa portuguesa Nemus Gestão e Requalificação Ambiental, consultoria internacional da área ambiental, que atua na Europa, África e América Latina. Também participaram técnicos da Agência Nacional de Águas e da Companhia de Desenvolvimento dos Vales do São Francisco e Parnaíba (Codevasf).

Os problemas ambientais do Velho Chico e seus afluentes e as intervenções necessárias para reverter o quadro foram levantadas em audiências, oficinas e encontros promovidos durante um ano e seis meses em cidades de Minas Gerais e de outros estados da bacia. Ao todo, os encontros reuniram cerca de 4,7 mil participantes.

NOVO SISTEMA DE IRRIGAÇÃO MARCA AVANÇO NA REDUÇÃO DO USO DE ÁGUA NO CAMPUS PETROLINA ZONA RURAL

O setor de Produção de Forragens do campus Petrolina Zona Rural do IF Sertão-PE recebeu, na última semana, a instalação de 1,20 hectare de irrigação com sistema de aspersão fixa.

De acordo com o professor e idealizador do projeto, Sebastião Costa, o sistema permite, além de maior economia no uso da água, calculada em cerca de 40 mil litros por hectare por dia, haverá redução no uso de fertilizantes e defensivos agrícolas e maior aproveitamento do tempo de trabalho do operador. Por funcionar com baixa vazão e pressão, o sistema demanda ainda menor potência de bombeamento e, por conseguinte, menor gasto de energia elétrica.

"Este é um verdadeiro avanço no manejo da cultura e um marco na irrigação do campus Petrolina Zona Rural. Foi também um momento ímpar na formação dos alunos, pois tiveram a oportunidade de realizar uma atividade técnica de elevada complexidade", afirmou Sebastião. A montagem do sistema contou com o apoio de turmas dos cursos técnicos em Agricultura e Agropecuária e superior em Agronomia.

Ainda segundo o professor, o esperado é que, durante o segundo semestre deste ano, seja concluída a instalação da irrigação do setor com mais 4,8 hectares do mesmo sistema de irrigação. "O campus está avançando na busca por racionalidade no uso de insumos e recursos naturais, e a substituição dos sistemas de irrigação é imperativa para alçar este objetivo", garantiu.

Com o sistema completo, ocupando a área de seis hectares, pretende-se que a economia de água seja de quase 1 bilhão de litros por ano.

 

Fonte: A Tarde/em.com/Ascom PMC/Ascom IF Sertão/Municipios Baianos

Comentários:

Comentar | Comentários (0)

Nenhum comentário para esta notícia, seja o primeiro a postar!!