04/07/2018

Irmão Lázaro ganha apoio de Bruno Reis para chapa de oposição

 

Se depender do vice-prefeito de Salvador, Bruno Reis (DEM), o deputado federal Irmão Lázaro (PSL) estará na chapa do pré-candidato ao governo da Bahia, José Ronaldo (DEM). O número 2 do Palácio Thomé de Souza evitou, no entanto, falar se prefere o social-cristão como candidato a vice ou ao Senado Federal. O cantor-político já disse que só quer integrar a composição oposicionista para disputar a Câmara Alta do Congresso Nacional. Do contrário, prefere lançar candidatura avulsa.

Em entrevista à imprensa, Bruno Reis afirmou que o nome de Irmão Lázaro vai “contribuir muito” para a majoritária. “Ainda estamos em conversa e em diálogo para ver qual a melhor posição [que ele] pode jogar. Mas, com certeza, vai somar muito”, frisou. “Acho que depois da festa do 2 de Julho nós vamos intensificar as conversas sobre a composição da chapa. A chapa já tem um esboço. Mas precisa ser dialogada com os demais partidos da base para não excluir ninguém”, acrescentou, durante a festa pela Independência da Bahia.

Nos bastidores, o comentário é de que José Ronaldo é a favor de Irmão Lázaro na chapa, mas preferia que o social-cristão fosse postulante a vice. O pré-candidato ao governo, porém, não teria resistência ao parlamentar entrar na briga pelo Senado. Quem é contra é o deputado federal Jutahy Magalhães Júnior (PSDB), que defende que o cantor-político dispute o posto de número 2 do Palácio de Ondina.

Pré-candidato à Câmara Alta do Congresso Nacional na composição, o tucano teria receio de perder votos para o aliado. Ele avalia que, se a eleição fosse hoje, seriam eleitos o ex-governador da Bahia, Jaques Wagner (PT), e Irmão Lázaro. Segundo os correligionários de Jutahy Júnior, o raciocínio do tucano é o seguinte.

Em 2014, José Ronaldo, que é ex-prefeito de Feira de Santana, foi candidato a senador e venceu naquela cidade com 214 mil votos. Já o candidato apoiado por ele para o governo da Bahia, Paulo Souto (DEM), perdeu na Princesinha do Sertão para Jaques Wagner com diferença de mais 60 mil votos. Logo, para Jutahy Júnior, os sufrágios dos postulantes à Casa Alta não agregam para a chapa. Nesta linha de pensamento, o deputado do PSDB compreende que Irmão Lázaro não agregaria como aspirante ao Senado na majoritária e, além disso, retiraria parte dos votos que o tucano teria do eleitorado evangélico.

‘Teria mais chance de ganhar com minha ajuda’, diz Lázaro sobre Jutahy

Enquanto José Ronaldo (DEM) não decide quem vai ocupar a vaga restante ao Senado na chapa majoritária encabeçada por ele, o deputado federal Irmão Lázaro (PSC) diz que luta pelo espaço e que até poderá ajudar na eleição de Jutahy Magalhães (PSDB) ao cargo. O tucano tem resistido à ideia por achar que o colega cantor tem chances de lhe tirar votos.

“Toda essa questão que está acontecendo é democrática, ele (Jutahy) tem uma ideia, eu tenho outra. Ele acha que eu não consigo ajudar ele, eu acho o contrário. Ele teria até mais chance de ganhar a eleição com a minha ajuda”, pontuou em entrevista à Rádio Metrópole, na manhã desta terça-feira (3).

“Tenho esse desejo forte no coração de representar a Bahia no Senado. Não posso condicionar minha candidatura ao Senado à decisão do meu amigo irmão Zé Ronaldo. Se ele falar que vai preferir caminhar com outra pessoa, vou seguir caminhando”, completou.

Leo Prates quer que o DEM apoie Ciro Gomes

Presidente da Câmara de Salvador, o vereador Leo Prates defendeu, ontem, que o seu partido, o Democratas, apoie a candidatura do ex-ministro Ciro Gomes (PDT) ao Palácio do Planalto, caso o dirigente da Câmara dos Deputados, Rodrigo Maia (DEM), desista de competir pelo posto de mandatário do país. “Se Rodrigo não quiser enfrentar a disputa, a minha opinião é que devemos apoiar Ciro Gomes para Presidência da República”, afirmou. “O Democratas fez uma guinada do seu programa ideológico com a chegada de deputados que eram filiados ao PSB, que vieram maciçamente para cá e isso trouxe o partido para um posicionamento de centro”, acrescentou, durante os festejos 2 de Julho.

A posição de Prates coaduna com a do parlamentar Elmar Nascimento (DEM). O deputado federal prefere que o partido apoie Ciro Gomes ao presidenciável Geraldo Alckmin (PSDB). Para ele, o pedetista entende “mais os problemas da Bahia” por ter sido governador do Ceará, um estado nordestino. Além disso, avalia que é mais fácil transferir votos dos baianos para o pré-candidato do PDT do que para o do PSDB.

O entendimento de Prates e Elmar, porém, é divergente dos deputados federais Arthur Maia e José Carlos Aleluia, o último também é presidente do Democratas na Bahia. Maia é favorável a sigla apoiar a candidatura do presidenciável Álvaro Dias (Podemos) por entender que tem “mais afinidade ideológica” com o DEM do que Ciro. Já Aleluia prefere que a agremiação fique do lado do ex-governador de São Paulo, Geraldo Alckmin, mas não quer descartar a possibilidade de a legenda apoiar o deputado federal Jair Bolsonaro (PSL). O militar hoje lidera todas as pesquisas de intenção de votos, sem o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) na disputa.

Presidente nacional do DEM, o prefeito ACM Neto disse que o partido vai buscar a maior “unidade possível” e deve definir até o dia 15 de julho qual o candidato ao Palácio do Planalto vai apoiar.

JH nega rejeição e se compara a Lula e Bolsonaro

Fora dos festejos do Dois de julho há seis anos, desde que deixou o segundo mandato na prefeitura de Salvador, João Henrique Barradas Carneiro (PRTB) se disse satisfeito com o carinho dos eleitores durante o cortejo.

Ao bahia.ba, o ex-prefeito afirmou que não percebeu qualquer rejeição do público contra ele, mas justificou que uma possível recusa da população seria proporcional à notoriedade do político: “você veja que a maior rejeição hoje do país é a do Lula, mas quando você faz pesquisa para presidente quem está em primeiro lugar também é o Lula. A segunda maior rejeição é a do Bolsonaro. Quem está no segundo lugar? O Bolsonaro”, concluiu .

Pré-candidato ao Palácio de Ondina, JH disse nesta segunda-feira (2) que deseja ganhar as eleições no primeiro turno, desbancando Rui Costa (PT) e José Ronaldo (DEM): “Já tive acesso a duas [pesquisas] em que eu estava em segundo [lugar] e não foram divulgadas. Claro, controle, não é?”.

Após conversas com Ciro e Álvaro Dias, Neto negocia com Alckmin

Com o presidente da Câmara Federal Rodrigo Maia (DEM) em baixa nas pesquisas, o prefeito de Salvador ACM Neto, presidente nacional do partido, pretende definir o apoio a outro presidenciável em até 15 dias, conforme afirmou nesta segunda-feira (2) durante os festejos do Dois de Julho.

“Já estivemos com Ciro [Gomes, do PDT] e com Álvaro Dias [Podemos], agora nós vamos estar com Geraldo Alckmin [PSDB] esta semana para chegarmos ao consenso de qual é o caminho que a gente deve adotar no plano nacional”, destacou.

O pedetista, que esteve em Salvador durante a festa da Independência da Bahia e concluiu o cortejo de carro devido a uma lesão no pé, defende que as alianças com partidos de direita podem transformar as promessas em “compromissos verdadeiros”.

Já o governador Jaques Wagner (PT) acredita que a candidatura de Ciro deva ser alinhada mais ao centro e que se unir ao DEM “seria um equívoco”.

Prates – Nas redes sociais, o presidente da Câmara Municipal de Salvador Leo Prates tornou público o apoio pessoal à aliança nacional com o PDT.

No cenário local, a parceria poderia comprometer a relação do partido, dirigido no estado pelo deputado federal Félix Mendonça Júnior, com o PT e poderia levar o PDT de volta à gestão de ACM Neto.

Presidente nacional do DEM, Neto vai a Brasília definir futuro da sigla

Logo após os festejos do Dois de Julho, o prefeito de Salvador ACM Neto viaja à Brasília nesta terça-feira (3) para discutir o nome do candidato que será apoiado pelo Democratas na corrida ao Palácio do Planalto, segundo a coluna do Estadão.

Ao bahia.ba, na segunda (2), o presidente nacional do DEM afirmou que o próximo passo para a definição de um candidato à Presidência da República seria uma reunião com o ex-governador de São Paulo, Geraldo Alckmin (PSDB).

“Já estivemos com Ciro [Gomes, do PDT] e com Álvaro Dias [Podemos], agora nós vamos estar com Geraldo Alckmin [PSDB] esta semana para chegarmos ao consenso de qual é o caminho que a gente deve adotar no plano nacional”, afirmou ao destacar que o anúncio sai em até 15 dias.

De acordo com uma pesquisa qualitativa realizada entre os 43 deputados democratas, que o baiano apresentará nas reuniões que terá na capital federal, Ciro Gomes tem leve favoritismo sobre os outros dois pré-candidatos .

 

Fonte: Tribuna/Bahia.ba/Municipios Baianos

Comentários:

Comentar | Comentários (0)

Nenhum comentário para esta notícia, seja o primeiro a postar!!