12/07/2018

PDT mantém candidatura de Popó ao Senado

 

O presidente estadual do PDT, o deputado federal Félix Mendonça Junior, em conversa com o Bahia Notícias, disse que a candidatura de Acelino Popó Freitas ao Senado está mantida, mas ponderou que “este assunto depende da executiva estadual e nacional”.

Félix também não descartou conversar com o governador da Bahia, Rui Costa (PT). O chefe do Executivo baiano havia dito que desejava afunilar, na base, as pré-candidaturas à Câmara Alta do Congresso em torno de apenas dois nomes: Jaques Wagner (PT) e Angelo Coronel (PSD).  “Conversar faz parte da política”, disse, ao revelar que ainda não conversou com o petista sobre isso.

Questionado se foi o presidenciável Ciro Gomes que determinou ter um candidato ao Senado na Bahia, Félix disse que foi desejo do ex-pugilista. “Uma vontade do próprio Acelino Freitas e não tivemos nenhuma outra conversa”, completou.

PSB volta a se reunir para discutir suplência em chapa de Rui

A executiva estadual do PSB volta a se reunir nesta quinta-feira (12) para debater a possibilidade de indicar o deputado federal Bebeto Galvão suplente ao Senado na chapa liderada pelo governador Rui Costa (PT).

Na última semana, o parlamentar realizou uma plenária para discutir se aceitaria ocupar a suplência ou se disputaria a reeleição. Interlocutores socialistas ouvidos pelo bahia.ba acreditam que o deputado estaria inclinado a ficar como suplente.

O governador já afirmou que o PSB tem a preferência, entre as siglas aliadas, para ocupar uma das vagas.

Sob influência de Coronel, ala da oposição faz campanha contra Lázaro no Senado

Além de ter o deputado federal Jutahy Magalhães Jr. (PSDB) como principal óbice para sua candidatura ao Senado na chapa de Zé Ronaldo (DEM) ao governo do Estado, o também deputado federal Irmão Lázaro (PSC) tem sofrido fogo amigo de uma ala da oposição.

O Bahia Notícias apurou que um segmento do Democratas, partido do pré-candidato a governador, tem se mobilizado contra o pastor por motivação um tanto quanto inusitada. Os defensores da tese de que Lázaro não deve ficar com uma das vagas para o Senado, e sim com a vice de Zé Ronaldo, querem ajudar justamente o presidente da Assembleia Legislativa da Bahia (AL-BA), Angelo Coronel (PSD).

Ocorre que ele disputará a Câmara Alta no lado do governador Rui Costa (PT), o principal adversário político a ser derrotado por Ronaldo, já que é franco favorito à reeleição.

Ainda segundo informações obtidas pela reportagem junto a um importante nome da bancada federal que acompanha as negociações, este grupo do DEM é ligado a Coronel e teme que, com Lázaro na disputa, o presidente da AL-BA seja derrotado na disputa pelo Senado, visto que Coronel ainda é desconhecido pela maioria dos baianos, enquanto o pastor teria forte votação dos evangélicos, grupo representado por ele. Por isso, articulam para que o parlamentar aceite ser vice do ex-prefeito de Feira de Santana.

Entre os nomes do DEM pró-Coronel, estariam o deputado federal Paulo Azi e Elmar Nascimento – este último tem fortes relações com o social-democrata.

O BN também apurou que, nos bastidores, comenta-se que Coronel é o maior interessado em não ter Lázaro disputando o Senado, justamente com receio do potencial eleitoral dele. Caso o outro nome da chapa para o posto fosse, por exemplo, a vereadora Ireuda Silva (PRB), a situação já seria mais fácil. A avaliação é de que, como o eleitor precisa votar em dois nomes para a Câmara Alta, os eleitores de Jutahy prefeririam dar o segundo voto a Coronel, pelo fato de não conhecerem Ireuda. Assim, ajudariam a eleger o presidente da AL-BA.

GOVERNO DA BAHIA DEIXA DEIXOU DE APLICAR R$250 MILHÕES EM RECURSOS FEDERAIS, QUESTIONA OPOSIÇÃO

O Governo da Bahia deixou de aproveitar R$256,9 milhões em recursos federais, ou seja, verbas de convênio para a realização de obras no estado, nos últimos três anos. Os dados estão presentes no Sistema Integrado de Planejamento, Contabilidade e Finanças do Estado da Bahia (Fiplan).

Segundo o relatório, o saldo de devolução em 2015, primeiro ano da gestão Rui Costa (PT) foi de R$ 47,3 milhões. Em 2016 o total devolvido foi de R$128,6 milhões e em 2017 foi de R$80,9 milhões. A não execução das verbas no exercício de 2017 foi reiterada no parecer apresentado, durante a apreciação das contas pelo Tribunal de Contas do Estado (TCE), recentemente.

Em 2017 as secretarias estaduais que devolveram recursos ao governo federal e os seus respectivos valores foram: Secretaria de Turismo do Estado da Bahia (Setur) – R$14,3 milhões; Secretaria de Educação (SEC)- R$ 9,4 milhões; Secretaria de Infraestrutura Hídrica e Saneamento (SIHS)- R$ 8,9 milhões; Secretaria de Justiça, Direitos Humanos e Desenvolvimento Social (SJDHDS)- R$ 8,2 milhões; Secretaria do Trabalho, Emprego, Renda e Esporte (Setre) -R$ 5,1 milhões; Secretaria de Segurança Pública (SSP)- R$ 4,2 milhões; Outras -R$ 30,4 milhões.

A informação sobre os valores devolvidos ao Governo Federal chama a atenção da Bancada de Oposição na Assembleia Legislativa, que questiona a falta de iniciativa da gestão estadual na aplicação dos recursos. “É um absurdo que o governo de um estado com tantas carências tenha verbas de convênio e deixe de aplicá-las”, lamentou o líder da bancada, deputado Luciano Ribeiro (DEM).

José Ronaldo rebate Rui Costa e diz que governador está mal informado

O pré-candidato ao governo do estado pelo Democratas, José Ronaldo, disse que o governador Rui Costa está desinformado quando alega o não-funcionamento do Samu regional e que o Estado tem mais alunos matriculados no ensino fundamental que o município de Feira de Santana. As declarações do petista foram dadas durante entrevista à Metrópole FM nesta terça-feira (10).

O ex-prefeito de Feira de Santana também rebateu a informação passada pelo governador de que a cidade teria se negado a assumir a coordenação do Serviço de Atendimento Médico de urgência. "O Samu de Feira de Santana iniciou suas atividades em setembro de 2004. O serviço sempre foi um desejo da região, mas algumas prefeituras não aderiram alegando falta de recursos. Apenas Irará e Conceição do Jacuípe implementaram o sistema juntamente com Feira", descreveu o democrata.

O outro ponto que Zé Ronaldo rebateu foi a declaração de Rui com relação ao número de alunos inscritos no Ensino Fundamental em Salvador e Feira de Santana. "Rui quer insinuar que o governo tem mais alunos matriculados, como se fosse uma disputa entre governo e prefeitura. A assessoria dele sabe muito bem que historicamente, há mais de 40 anos, o governo estadual mantém em vários municípios da Bahia parte do ensino fundamental II", disse.

Marina quer nomes do próprio partido para composição de chapa

A pré-candidata à Presidência da República Marina Silva (Rede) declarou na manhã desta quarta-feira (11), que poderá compor sua chapa com nomes do próprio partido nas eleições 2018. Em entrevista a uma emissora de rádio em Belo Horizonte, a presidenciável declarou que espera ter alianças definidas até o final do período destinado para a realização das convenções partidárias.

"Nós temos uma boa prata da casa, bons nomes dentro da Rede e as nossas alianças, em que pese buscar os partidos que conversamos. Mas vamos respeitar a dinâmica desses partidos", disse a ex-senadora. Questionada sobre a possibilidade de ter Roberto Freire (PPS) como vice, Marina disse que respeita as escolhas do PPS e que segue dialogando com a legenda.

A ex-ministra também afirmou que não tem dificuldades em conseguir apoio de outros partidos, mas que cada legenda está analisando o que é melhor para si. O calendário do Tribunal Superior Eleitoral (TSE) define que os partidos têm entre 20 de julho e 5 de agosto para realizar as convenções, que encaminham o registros das candidaturas para as eleições de outubro.

Na mais recente pesquisa de intenção de votos divulgada pelo Ibope, no fim de junho, Maria aparece em último, empatada com Jair Bolsonaro (PSL-RJ).

Presidente do STJ nega 143 habeas corpus padronizados a favor de Lula

A presidente do Superior Tribunal de Justiça (STJ), Laurita Vaz, negou 143 habeas corpus "padronizados" apresentados a favor do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT), após o episódio no Tribunal Regional Federal da 4ª Região (TRF-4).

No último domingo, o presidente do TRF-4 cassou um habeas corpus concedido a Lula pelo desembargador Rogério Favreto. A decisão ocorreu depois de mais de 10 horas de impasse, marcadas por conflitos entre o juiz Sergio Moro, Favreto e o desembargador relator da Lava Jato no TRF-4, João Pedro Gebran Neto.

"O Poder Judiciário não pode ser utilizado como balcão de reivindicações ou manifestações de natureza política ou ideológico-partidárias. Não é essa sua missão constitucional", afirma a presidente da Suprema Corte sobre os pedidos de liberdade que chegaram padronizados ao STJ com o subtítulo 'Ato Popular 9 de julho de 2018 - Em defesa das garantias constitucionais'.

Na decisão, Laurita afirma que qualquer cidadão tem direito de pedir aos poderes públicos "defesa de direitos ou contra ilegalidade ou abuso de poder", contudo, "não é a consagrada ação" de habeas corpus a via para "manejar atos populares".

"Essa petição padronizada de habeas corpus foi entregue no protocolo do Superior Tribunal de Justiça, durante o apertado período de plantão da Presidência, com outras 142, em meio físico, ocupando vários servidores e movimentando diversos órgãos do tribunal, sobrecarregando a rotina de trabalho, já suficientemente pesada", assinala a presidente do STJ. Na decisão, Laurita ainda destaca que a determinação de cumprimento provisório da pena de Lula já foi discutida pelo STJ e pelo Supremo Tribunal Federal (STF).

Ontem, a ministra deu uma resposta a confusão jurídica instaurada dentro do TRF-4 e decidiu que Favreto, que concedeu um pedido de liberdade a Lula, não é competente para julgar o caso do ex-presidente, e não poderia ter concedido um habeas corpus ao petista.

No despacho, Laurita critica o imbróglio jurídico gerado pela atuação de Favreto durante o plantão, chamando a situação de "tumulto processual sem precedentes na história do direito brasileiro".

Para 'defender' Lava Jato, 13 delegados da PF serão candidatos nas eleições

Com a bandeira de "blindar" a Lava Jato, pelos menos 13 delegados da Polícia Federal devem ser candidatos nas eleições de outubro. A Associação dos Delegados de Polícia Federal (ADPF) vai lançar nesta quinta-feira, 12, a campanha "O brasileiro tem sede de mudança". O evento de lançamento será em Curitiba, principal palco da operação, com a presença dos pré-candidatos.

Entre os 13 delegados postulantes, sete devem ser candidatos a deputado federal, quatro estão de olho em vagas de Assembleias Legislativas e dois são pré-candidatos ao Senado.

A maioria do grupo, seis dos integrantes, é filiada ao PSL do deputado Jair Bolsonaro (RJ), pré-candidato à Presidência da República. Entre eles, está o deputado paranaense Fernando Francischini, um dos defensores mais ferrenhos do presidenciável no Congresso e pré-candidato ao Senado.

No time de estreantes, está o delegado Luciano Soares Leiro (PPS-DF), que já coordenou o grupo de inquéritos de investigados da PF no Supremo Tribunal Federal (STF) e vai disputar uma vaga na Câmara dos Deputados.

Uma das propostas do grupo é alterar a Lei de Licitações, defendendo a proteção contra fraudes e direcionamentos, conforme identificado em fases da Lava Jato. Além disso, o fim do foro privilegiado é outra bandeira proclamada pelos delegados.

 

Fonte: BN/Bahia.ba/Bnews/Tribuna/Agencia Estado//Municipios Baianos

Comentários:

Comentar | Comentários (0)

Nenhum comentário para esta notícia, seja o primeiro a postar!!