19/07/2018

Ex-aliada de Rui pode integrar chapa de Zé Ronaldo

 

Presidente licenciada da União dos Vereadores do Brasil (UVB) na Bahia, a vereadora Edylene Ferreira (PV) mostrou pouco interesse em integrar a chapa do pré-candidato ao governo da Bahia José Ronaldo (DEM), como postulante a vice. “Eu deixei na mão do presidente do partido [Ivanilson Gomes]. Me preparei para a campanha de deputada estadual e já tenho dois anos trabalhando firme. Mas o presidente do partido é a pessoa que pode dar uma resposta sobre isso. Respeito a posição do partido”, afirmou. Nos bastidores, o nome de Edylene tem crescido na bolsa de apostas para a composição. Na semana passada, Ivanilson disse, após encontro com o prefeito ACM Neto (DEM), que o PV tem “grandes chances” de estar na majoritária e lançou o nome da mandatária da UVB.

“Ele nos disse que vê com bons olhos o PV integrar a chapa e disse que tem grandes chances. É quase uma afirmação da nossa presença. Abrimos em 2016 a chance de ter um integrante do PV na chapa dele e ficou acertado que em 2018 o PV deveria integrar”, afirmou. Ivanilson Gomes relatou que o prefeito pediu que a sigla indicasse “preferencialmente” postulantes femininos para a composição. Segundo ele, dois nomes são cotados: o da vereadora de Salvador Marcelle Moraes e o de Edylene Ferreira. O verdista ressaltou, no entanto, que a agremiação pode indicar ainda os vereadores Paulo Magalhães Júnior ou Henrique Carballal.

O encontro do PV com ACM Neto, que é o principal articulador da candidatura de Zé Ronaldo, ocorreu após cobranças públicas de integrantes da legenda. Ivanilson Gomes chegou a reclamar de o aspirante ao Palácio de Ondina divulgar o apoio do Partido Verde nas redes sociais, mas sem oficializar. “Não definimos não [apoio]. O partido ainda não definiu. Inclusive, tenho visto alguns movimentos de Zé Ronaldo, mas oficialmente o PV não tem apoiado. Tenho o maior respeito por ele, mas politicamente não definimos o papel do Partido Verde neste processo eleitoral”, afirmou Ivanilson Gomes, na semana passada.

Líder do governo na Câmara de Salvador, Carballal disse que o partido precisava ser “compensado”. O verdista lembrou que agremiação perdeu o posto de vice-prefeito de Salvador quando Bruno Reis (MDB) substituiu Célia Sacramento. “Entendo que o PV precisa de uma compensação política do grupo liderado por ACM Neto e uma das formas de compensação seria a participação neste processo vitorioso que vai ocorrer em outubro”, afirmou, em entrevista à Rádio Câmara Salvador. O vereador salientou, ainda, que “não importa” se a legenda vai indicar um postulante a vice ou ao Senado. “Estamos aqui para contribuir”, frisou.

Freio

O prefeito ACM Neto (DEM) achou por bem dar um basta ontem na rede de especulações que não acaba sobre a montagem da chapa do pré-candidato de seu partido, José Ronaldo, ao governo, ao informar que o Democratas vai fazer sua convenção no próximo dia 3, quando precisará já ter definido todos os seus membros. Neto deu um freio de arrumação, disse um democrata à coluna.

Chapinha

Enquanto a definição da chapa de José Ronaldo não sai, o PSC se movimenta, inclusive, na direção do governo. A última do partido foi consultar o Avante, partido do Sargento Isidório, para saber se poderia formar com ele uma chapa para deputado federal a fim de garantir sua eleição, a de Irmão Lázaro e a de Heber Santana. Isso no caso de Lázaro não ser indicado candidato a senador na chapa de José Ronaldo.

Vereadores de siglas aliadas a Rui declaram apoio a Ronaldo

Liderados pelo vereador Lukas Paiva, do PSB, partido da senadora Lídice da Mata e da base do governador Rui Costa (PT), 12 vereadores de Ilhéus declaram apoio ao pré-candidato ao governo do estado pelo Democratas, José Ronaldo. O acordo foi selado na tarde de anteontem, em reunião realizada na residência do empresário Samuca Franco, na zona sul da cidade. O ex-prefeito de Feira de Santana esteve acompanhado pelo pré-candidato ao senado, Jutahy Junior (PSDB), o vice-prefeito de Salvador, Bruno Reis (DEM), cotado para o Senado, e o deputado estadual Pedro Tavares (DEM).

Juntamente com Lukas Paiva, declararam voto a José Ronaldo os vereadores Fabrício Nascimento (PSB), Nino Valverde (PSB), Thadeu Muniz (PDT), César Porto (PDT), Abraão (PDT), Luiz Carlos Escuta (PP), Nerival (PC do B), estes também de partidos ligados a Rui, Ivo Evangelista (PRB), Juarez Barbosa (MDB), Paulo Meio Quilo (PV) e Gil Gomes (PV).

“Nosso time está crescendo. Fico muito feliz com o apoio dos amigos e dessas grandes lideranças de Ilhéus”, disse Ronaldo na ocasião. No início do ano, os mesmos vereadores foram contra o fechamento do Hospital Regional Luiz Viana Filho e se negaram a ir à inauguração do Hospital Costa do Cacau.

José Ronaldo tem criticado a estratégia do governo do PT em divulgar a inauguração do Hospital Costa do Cacau, “como se fosse algo novo”. “O governador esconde que apenas substituiu o antigo hospital regional por uma nova edificação, não criando novos leitos. É apenas falácia para dizer que está trabalhando. O Ministério da Saúde apontou a redução de 1,9 mil leitos de internação pública nos últimos oito anos na Bahia”.

PSC quer definir situação de Lázaro até a próxima semana, afirma Heber

O presidente do PSC na Bahia, Heber Santana, afirmou nesta quarta-feira (18) que quer definir a situação do deputado federal Irmão Lázaro até a próxima semana. O prazo foi colocado porque o partido precisa convocar sua convenção e quer chegar nela com as alianças partidárias montadas.

“Nós esperamos essa definição. Mas esse prazo não depende só da gente. Nós podemos ir para a convenção do PSC e, depois, participarmos da convenção do candidato que apoiaremos. Isso não é problema”, afirmou Heber, em entrevista ao Bahia Notícias.

Ainda segundo ele, a incerteza sobre Lázaro interfere em todas as candidaturas de oposição ao governador Rui Costa, que concorre à reeleição.

Ainda sem resposta sobre se conseguirá emplacar a candidatura do pastor ao Senado na chapa majoritária de Zé Ronaldo (DEM), o PSC negocia aliança com outras duas pré-candidaturas: a do MDB, que aposta no nome do ex-ministro João Santana, e do PRTB, com o ex-prefeito de Salvador, João Henrique. Enquanto o democrata não bate o martelo sobre Lázaro, os outros dois partidos, que estão nas negociações, também ficam em compasso de espera. Assim, não conseguem fechar as chapas, mesmo com o prazo para realização das convenções ficando cada vez mais estreito - o último dia é 5 de agosto, segundo determina a lei eleitoral.

“Interfere em toda situação da oposição. O MDB aguardando, o DEM aguardando, PRTB aguardando. Para o PSC, isso nos deixa ter que ter paciência. Os campos não estão claramente definidos”, explicou Heber.

Ainda segundo ele, mesmo com as últimas conversas com Zé Ronaldo, não houve muito avanço na situação. “Ele nos pediu paciência. Diz que tem trabalhado, tentando viabilizar a situação, mas ainda sem resposta”, disse. O problema do PSC é que o outro pré-candidato ao Senado na chapa de Zé Ronaldo, Jutahy Magalhães Jr., tem vetado a participação de Lázaro. Ele receia ter menos votos que o colega.

 Neto e Jutahy são condenados a pagar R$ 5 mil por propaganda eleitoral antecipada

O prefeito de Salvador, ACM Neto (DEM), e o pré-candidato a senador Jutahy Magalhães Jr. (PSDB) foram condenados a pagar R$ 5 mil em multa por propaganda eleitoral antecipada. A decisão da desembargadora Carmem Lúcia Santos Pinheiro atendeu pedido feito pelo Partido Republicano Trabalhista Brasileiro (PRTB), que moveu uma representação contra os dois por causa de um vídeo em que Neto aparece, junto ao tucano, declarando estar “junto com Jutahy Magalhães, o nosso futuro senador”.

“Os Representados estão se utilizando de artifícios ilegais para promover campanha eleitoral antecipada, a qual, nitidamente, prejudica a disputa entre os futuros representantes do povo”, afirmou o PRTB na representação.

Para a desembargadora, o vídeo tem “intenção eleitoreira”. “Em face da legislação eleitoral, na espécie, verifica-se de pronto a intenção eleitoreira, porquanto, ainda que não haja pedido expresso de votos, há flagrante referência à eleição vindoura e à circunscrição eleitoral, considerando ainda a menção à vitória do futuro candidato, que obviamente só será possível com os votos dos destinatários da mensagem”, argumentou.

“Eu não teria dificuldade de subir no palanque de Ciro”

O vereador Duda Sanches (DEM) disse, ontem, que “não terá dificuldades” de subir no palanque do presidenciável do PDT, Ciro Gomes, caso o seu partido decida apoiar o pedetista. O DEM hoje está dividido entre o ex-ministro e o ex-governador de São Paulo, Geraldo Alckmin (PSDB). “Não teria dificuldade não. Eu só teria dificuldade de subir no palanque de Lula, de Haddad, e, talvez, alguém do PCdoB, do PSOL”, afirmou, em entrevista à Câmara Salvador.

Na Bahia, o presidente da Câmara de Salvador, Leo Prates (DEM), e o deputado federal Elmar Nascimento (DEM) já se manifestaram a favor de Ciro. Já o parlamentar José Carlos Aleluia, que é presidente estadual da sigla, avalia que o partido deveria apoiar ou Jair Bolsonaro (PSL) ou o tucano paulista. Duda Sanches afirmou que, apesar de ter muitos postulantes ao Palácio do Planalto, falta um “leque interessante de presidenciáveis”. Para ele, o dono da Riachuelo, Flávio Rocha (PRB), que renunciou à candidatura, era o melhor nome. “Para mim, era um dos melhores candidatos, porque era experimentado na vida empresarial e era extremamente maduro. Tinha um discurso muito positivo. Não era sonhador”, analisou.

Na avaliação dele, o presidenciável e fundador do partido Novo, João Amoêdo, é “bastante positivo”, mas tem diversas propostas que não iriam avançar no Congresso Nacional.  “Dilma foi colocada para fora porque não teve boa relação com o Congresso. O que pode acontecer de novo. Não quero que venha um cara que diz que vai mudar tudo em 15 dias, porque, infelizmente, não é assim que a banda toca”, ressaltou.

Sobre a eleição na Bahia, Duda Sanches se mostrou a favor da presença do vice-prefeito de Salvador, Bruno Reis (DEM), na chapa do pré-candidato ao governo da Bahia, José Ronaldo (DEM). “Sem dúvida nenhuma, o Bruno Reis fazendo parte desta conjuntura estaria caminhando para a chapa ideal, a meu ver. Ele fazer parte deste processo, estampar, engajar todos os amigos dele nesta luta seria muito positivo. Acho que é melhor como candidato a senador e Irmão Lázaro como vice. O Irmão Lázaro tem muito agregar tanto pela capacidade como deputado quanto pelo que representa como evangélico e vencedor”, afirmou. Para o vereador, uma eventual derrota de José Ronaldo não afetaria o projeto de Bruno Reis de suceder ACM Neto na prefeitura de Salvador em 2020. “Acho que ele não perde nada. Ele se oxigena e projeta a sua imagem, através do tempo de televisão e das placas de rua. Ele enriquece a chapa. A meu ver, ele só tem a ganhar”, frisou.

Álvaro Dias descarta aliança com PSDB

Pré-candidato do Podemos à Presidência da República, o senador Álvaro Dias negou com veemência a possibilidade de abrir mão de sua candidatura para ser o vice na chapa do PSDB nas eleições 2018. O senador afirmou que seu partido está "assumindo por inteiro" a candidatura ao Planalto e busca a adesão de partidos de centro para ganhar força na disputa de outubro. "Falam da possibilidade de um entendimento com o PSDB, quando não existe nenhuma hipótese disso. Eu me lembro do Garrincha, 'não perguntaram pros russos'. Na verdade não existe essa hipótese", afirmou Álvaro Dias após proferir palestra na sede da Associação Comercial do Rio de Janeiro (ACRJ). "Eu estou nessa campanha para cumprir uma missão, que é combater de forma mais veemente esse sistema e propor um rompimento. Não há nenhuma hipótese, portanto, de recuo. Não há nenhum propósito de buscar um espaço mais confortável, de menos responsabilidade. Nós estamos assumindo por inteiro a responsabilidade dessa proposta de rompimento com o sistema e vamos até o fim", insistiu o senador.

Dias foi mais longe e assegurou que terá inclusive o apoio de tucanos - ele foi filiado ao PSDB por mais de duas décadas. "Certamente eu terei apoio de muitos tucanos, mas institucionalmente esse apoio é inviável, porque o PSDB se sente no dever de ter um candidato próprio. Agora, será uma eleição de dissidências, uma eleição suprapartidária. Nos Estados, principalmente, nós teremos muitas dissidências. Eu espero ter apoio de muitos tucanos, sim", considerou o senador.

Sem querer descartar qualquer apoio, Álvaro Dias disse que pode ser considerado o candidato mais ao centro na disputa deste ano. "Eu sou o candidato de uma proposta visível, clara, de rompimento com esse sistema. Eu não sei desenhar bem o que é centro, o que é direita, o que é esquerda, porque há uma esquizofrenia nesse debate. Na verdade, há uma anarquia partidária no Brasil", comentou. "Eu advogo a tese de que devemos somar, o que há de bom de conteúdo na direita, na esquerda, somar e caminhar adiante. Se isso é ser centro, então eu posso ser carimbado como candidato de centro." O senador também disse que está tratando da adesão de pelo menos três siglas. "Eu busco apoio sim, porque nós precisamos ampliar nosso espaço de TV para poder ter oportunidade de mostrar nossa proposta a todo o País", frisou. "O PRB, temos conversado, o PROS, o DEM... Mas nada definido, nada que signifique expectativa de sucesso."

 

Fonte: Tribuna/BN/Municipios Baianos

Comentários:

Comentar | Comentários (0)

Nenhum comentário para esta notícia, seja o primeiro a postar!!